Buscar

f8cf5695-402f-4810-af72-fcb51d237fa3

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 34 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 6, do total de 34 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 9, do total de 34 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Prévia do material em texto

UNIDADE 1 
 
 COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO DA SOCIEDADE 
 
SEÇÃO 1: SOCIOLOGIA UMA CIÊNCIA EXPLICATIVA 
 
 Atividade de Aprendizagem da Seção: 
1. Leia atentamente as proposições abaixo: 
I. A criação da Sociologia pode ser vista como um processo no 
qual ocorrem diversos fatores histórico-sociais e culturais. Isso 
significa várias coisas: primeiro, que ela não nasceu, pronta e 
acabada (como poderia acontecer com um sistema filosófico), da 
capacidade inventiva de um pensador determinado. 
II. O aparecimento da Sociologia marca o início de um 
desenvolvimento mais complexo, que se subordinou ao padrão 
cultural de acumulação lenta, mas contínua, de descobertas 
comprovadas empiricamente, inerente ao conhecimento 
científico. 
III. A Sociologia não figura no rol das ciências, pois ela não 
preenche certas necessidades intelectuais e sociais preenchidas 
na moderna civilização urbano-industrial pelo conhecimento 
científico ou por suas aplicações. 
IV. A Sociologia surge como obra exclusiva de Auguste Comte e da 
influência que este autor exerceu sobre Emile Durkheim. 
Sobre a sociologia podem ser consideradas corretas as proposições: 
a. I e II. 
b. I e III. 
c. II e III. 
d. I, II e III. 
e. I, II, III e IV. 
 
2. Spencer acreditava que a lei do progresso orgânico é a lei de todo o 
progresso, que transforma o simples em complexo por meio de 
diferenciações sucessivas e da especialização das funções. Isso se 
ajusta à sociedade, que teria evoluído para o tipo industrial 
(QUINTANEIRO, 2002) 
Spencer pode ser considerado um pensador organicista. Para ele: 
a. Os indivíduos são organismos independentes, e por esta razão a 
sociedade não pode formar um todo orgânico. 
b. As leis do mundo natural se aplicariam somente aos organismos. A 
sociedade não pode ser compreendida por este viés. 
c. A sociedade industrial surge de um fato isolado que não pode ser 
associado ao processo de evolução e ajuste social. 
d. A sociedade é fruto dos processos históricos dialéticos entendidos 
como luta de classe. 
e. Sendo os indivíduos organismos sujeitos às leis biológicas, o arranjo 
social estaria submetido às mesmas leis do mundo natural. 
 
 
 
SEÇÃO 2 - SOCIEDADE E INDIVÍDUO EM UMA PERSPECTIVA CRÍTICA 
 
Atividade de Aprendizagem da Seção 
1. Leia as proposições abaixo: 
I. Para Simmel há uma sociedade em toda a parte 
onde os indivíduos se encontrem em relação de reciprocidade de 
ação e constituam uma unidade permanente ou passageira. 
II. Os indivíduos levados por determinados instintos 
ou determinados fins formam uma unidade, uma sociedade. Esta 
sociedade é chamada de sociação. 
III. O termo sociedade opera como uma síntese das 
ações recíprocas dos indivíduos. A sociedade é algo funcional 
que os indivíduos fazem e sofrem ao mesmo tempo. 
Marque V para o que for Verdadeiro e F para o que for Falso em 
relação ao pensamento de Simmel e assinale a alternativa que 
corresponde à sequência correta. 
a. V – V – V. 
b. V – V – F. 
c. V – F – F. 
d. V – F – V. 
e. F – F – V. 
 
2 A escola de Frankfurt repercutiu uma das ansiedades 
vividas no século XX: será que a ciência seria capaz de trazer 
melhoria para os seres humanos por si só? Diante da resposta 
negativa, era preciso pensar em um tipo de razão sobre as 
consequências da ciência. Assim, essa escolar divide a razão entre 
razão instrumental e razão crítica. 
Assinale a alternativa correta quanto à relação entre essas 
duas formas de razão. 
a. A razão crítica é aquela razão que se vale da ciência para 
aprender uma determinada técnica. 
b. A razão crítica é aquela que, por meio da ciência, impõe 
o terror ao homens que não são cientistas. 
c. A razão crítica estabelece uma intimidação aos homens. 
d. A razão crítica analisa e interpreta os limites e perigos do 
pensamento instrumental. 
e. A razão instrumental é responsável pela emancipação 
ideológica dos sujeitos modernos. 
 
 
 
PARA CONCLUIR O ESTUDO DA UNIDADE 
ATIVIDADE DE APRENDIZAGEM DA UNIDADE 
1. Afirmar categoricamente que há uma sociologia 
conservadora é algo arriscado, pois a própria característica da ciência 
social nos leva a pensar sobre todas as condicionantes sociais que 
estabeleceram seu surgimento, por isso, a seu tempo, todas as ciências 
também tiveram seu papel revolucionário. Apesar disto, podemos 
afirmar que a tradição conservadora possui algumas características. 
Assinale a alternativa que traz essas características de maneira correta. 
a. Ideia de revolução a partir da ação do sujeito, 
naturalismo metodológico e organicismo. 
b. Ideia evolucionária da história, diferenciação 
metodológica entre ciências sociais e ciências naturais. 
c. Ideia evolucionária da história, naturalismo 
metodológico, cientificismo, organicismo e suas consequências 
d. Rejeita as ideias evolucionárias, ao mesmo tempo 
que pensa no protagonismo do indivíduo. 
e. Preocupação com a emancipação do indivíduo e 
com as temáticas da razão crítica. 
 
2. Durkheim acreditava que ao estudar a sociedade a 
sociologia poderia compreender o homem, mas, no entanto, se a 
sociologia estudasse o homem, jamais conseguiria explicar a 
sociedade. 
Assinale a alternativa que melhor explica essa afirmação de Durkheim. 
 
a) A sociedade é formada por homens que sempre estão em 
contato entre si. Sabendo que o homem é mentiroso, covarde e ávido 
de lucro, Durkheim diz que só é possível conhecer este homem 
estudando tudo que está ao seu redor. 
b) A sociedade não pode ser reduzida a leis empíricas, mas 
para estudar o homem é preciso estudar tudo aquilo que ele tem 
contato. Partindo da natureza até seu convívio social tudo é 
determinado pelo homem. 
c) O homem transforma a natureza para atendê-lo, portanto, 
ao estudar o lugar que o homem transformou, estuda-se, em última 
instância, o homem. 
d) Cada homem faz o que quer na sociedade, não precisa 
seguir nenhuma regra. Sendo assim, estudar o homem não nos faz 
compreender a sociedade, mas se estudarmos as formas de produção 
da sociedade podemos compreender o homem. 
e) Para Durkheim, a sociedade só existe à medida que ela 
penetre nas consciências individuais. Portanto, certos estados mentais 
do homem são definidos fora dele, e ao estudar a sociedade pode-se 
compreender este homem que vive em sociedade. 
 
 
3. Leiam atentamente as seguintes frases: 
I – Sociologia é estritamente individual quanto ao método. Apenas 
estudando o homem conhece-se a sociedade. 
II – A sociedade só existe à medida que molde o homem à “sua imagem 
e semelhança”. 
III – Estudar a sociedade pode explicar o homem como ser social, no 
entanto, o contrário não é verdadeiro. 
IV – Não existe representações sociais, apenas sentimentos individuais 
que marcam a trajetória do indivíduo e forma a sua identidade. 
 
Podem ser consideradas afirmações de Emile Durkheim somente: 
 
a) I e II. 
b) I e III. 
c) I e IV. 
d) II e III. 
e) III e IV. 
 
 
4. Theodor Adorno e Max Horkheimer pertencem ao grupo 
de pensadores alemães conhecidos como Escola de Frankfurt. Esses 
dois autores descobriram a importância dos novos meios de 
comunicação para o capitalismo do século XX e formularam o termo 
“Indústria Cultural”. 
Assinale a alternativa que contém uma característica dessa 
indústria para o pensamento de Adorno e Horkheimer. 
a. Os bens culturais produzidos pela Indústria Cultural 
respeitam os valores individuais de cada cultual. 
b. Os bens culturais produzidos pela Indústria Cultural 
incentivam os indivíduos ao questionamento da realidade social. 
c. Os bens culturais produzidos pela indústria Cultural 
incentivam os indivíduos a serem sujeitos da história. 
d. Os bens culturais produzidos pela Indústria Cultural 
atuam no sentido de destruir o modo de produção capitalista. 
e. Os bens culturais produzidos pela Indústria Cultural 
incentivam os indivíduos à passividade e obediência. 
 
5. Leia as proposições abaixo: 
I.As relações de dominação podem ser 
estabelecidas e sustentadas pelo fato de serem apresentadas 
como legítimas, isto é, justas e dignas de apoio baseadas em 
fundamentos racionais (que fazem apelo à legalidade das regras 
dadas), tradicionais (que fazem apelo à sacralidade de tradições 
imemoriais) e carismáticos (que fazem apelo ao caráter 
excepcional de uma pessoa individual que exerça autoridade). 
II. A racionalização, a universalização e a 
narrativização podem ser estratégias típicas da construção 
simbólica. A racionalização ocorre quando o produtor, de uma 
forma simbólica, constrói uma cadeia de raciocínio buscando 
persuadir uma audiência de que isso é digno de apoio, 
defendendo ou justificando um conjunto de relações ou 
instituições sociais. 
III. A universalização, dentro da definição proposta por 
Thompson, é uma estratégia em que acordos institucionais, que 
servem aos interesses de alguns, são apresentados como 
servindo aos interesses de todos. Já a narrativização é a 
utilização de histórias que contam o passado e tratam o presente 
como parte de uma tradição eterna e aceitável. 
IV. Outro modo de operação da ideologia é a 
dissimulação, que pode ser uma relação de dominação 
estabelecida e sustentada pelo fato de ser oculta, negada ou 
obscurecida. Uma das maneiras da dissimulação é o 
deslocamento: fazendo o uso de um objeto ou pessoa para se 
referir a outro e com isso transferindo as conotações, positivas 
ou negativas do termo, para o outro objeto ou pessoa. 
 
Thompson (2000) define cinco modos através dos quais a ideologia 
pode operar e a maneira como esses modos de operação podem estar ligados 
à estratégia de construção simbólica. Podem ser consideradas modos pelos 
quais a ideologia opera, segundo Thompson, as proposições: 
a. I e II. 
b. I e III. 
c. II e III. 
d. II, III e IV. 
e. I, II, III e IV. 
 
 
 
LIVRO: SOCIOLOGIA CRÍTICA 
UNIDADE 2: FLORESTAN FERNANDES 
 
SEÇÃO 1 – VIDA E OBRA 
 
 Atividade de Aprendizagem da Seção 
1. Embora nem sempre seja útil tomar a origem social como elemento 
para a compreensão da obra de um determinado autor, no caso de 
Florestan esse elemento pode ser fundamental, pois: 
a. Compreender sua vida significa compreender como funciona a 
meritocracia, coisa que Florestan acreditava piamente. 
b. Compreender sua vida significa compreender como os 
processos de socialização que ele sofreu impactaram em 
sua formação. 
c. Compreender sua vida significa compreender a formação do mito 
dentro da sociedade, toda ciência precisa de seus mitos. 
d. Compreender sua vida significa compreender sua formação 
elitista e a continuidade deste elitismo em seus estudos 
posteriores. 
e. Compreender sua vida significa compreender a alma de todo 
sociólogo brasileiro, pois a sociologia se repete ao longo do 
tempo. 
 
2. Leia atentamente as proposições abaixo: 
I. Em 1946-1947 Florestan Fernandes completou o curso de 
pós-graduação em Sociologia e Antropologia, na Escola Livre 
de Sociologia e Política. Tornou-se mestre em 1947, com a 
tese “A organização social dos Tupinambás”. 
II. A livre-docência de Florestan se deu em 1953, com sua obra: 
“Ensaio sobre o método de interpretação funcionalista na 
sociologia”. 
III. Em 1964, Florestan construiu a obra “A integração do negro 
na sociedade de classes” com a qual se tornou catedrático. 
Sobre a vida acadêmica e as obras de Florestan Fernandes podemos 
considerar que: 
a. Apenas a proposição I está correta. 
b. Apenas a proposição II está correta. 
c. Apenas as proposições I e II estão corretas. 
d. Apenas as proposições I e III estão corretas. 
e. As proposições I, II e III estão corretas. 
 
 
 
SEÇÃO 2 - EMERGÊNCIA DA ORDEM SOCIAL COMPETITIVA. 
 
 Atividade de Aprendizagem da Seção 
1. O Livro “A Revolução Burguesa no Brasil” tinha por objetivo ser uma 
resposta intelectual à situação política que se criara com o regime 
instaurado em 31 de março de 1964, ou seja, a ideia era elaborar uma 
obra que desse conta de explicar o golpe militar que Florestan estava 
presenciando, no entanto, alguns eventos fizeram com que a obra, 
iniciada em 1966, fosse terminada somente em 1974 como sendo um 
estudo sobre as linhas de evolução do capitalismo e da sociedade de 
classe no Brasil. 
A partir das informações acima, leia as proposições a seguir: 
I. Partindo do pressuposto de que a modernidade que havia se 
instaurado na Europa era fruto de um processo histórico que 
havia conduzido a classe burguesa à condição de classe 
dominante no velho continente, e essa transformação na 
infraestrutura, ou seja, o modo de produção, provocou mudanças 
na superestrutura, ou seja, na ordem política ideológica, 
Florestan (2006) questionou quais foram os elementos que 
impediram a burguesia de concretizar a modernidade no Brasil. 
II. Florestan Fernandes vê na tradição patrimonial a construção de 
uma ordem social competitiva orientada por uma empresa 
 
colonial que estava submetida ao Estado que resultou em um 
papel periférico do Brasil no sistema internacional. 
III. Para Florestan, a burguesia brasileira havia feito a revolução nos 
moldes da burguesia europeia e o país estava atrasado apenas 
porque não cumpriu todos os estágios da evolução social, mas 
ainda pertencia àquela fase denominada de barbárie. 
Assumindo V para o que for Verdadeiro em relação ao pensamento de 
Florestan Fernandes e F para o que for falso, assinale a alternativa correta. 
a. I-V; II-V; III-V. 
b. I-V; II-V; III-F. 
c. I-V; II-F; III-V. 
d. I-F; II-V; III-F. 
e. I-F; II-V; III-V. 
 
2. Na obra “A Revolução Burguesa no Brasil”, Florestan Fernandes afirma 
que: 
a. O Brasil havia apresentado um desenvolvimento econômico rápido que 
beneficiou somente a burguesia que passou a ser a classe dominante 
e esta burguesia impediu o progresso do país. 
b. O Brasil apresentou uma revolução burguesa nos mesmos moldes que 
o modelo francês do século XVIII, mas que os tipos brasileiros que se 
formaram em função da miscigenação impediram a modernidade de 
chegar ao país. 
c. Na Europa a Burguesia tinha passado à condição de classe 
dominante em função das revoluções que ocorreram, no Brasil, 
entretanto, a classe burguesa não se tornou classe dominante. 
d. O racismo foi o elemento fundamental que impediu o país de adentrar 
na modernidade, por mais que concordasse com a democracia racial 
de Freyre, que a mentalidade primitiva brasileira impediu o 
desenvolvimento. 
e. A origem da burguesia brasileira estabelece, a princípio a forma de 
desenvolvimento que teremos em nosso país. A burguesia brasileira 
esteve sempre na vanguarda do capitalismo e se tornou a classe 
dominante em nosso país. 
 
 
SEÇÃO 3 – CAPITALISMO DEPENDENTE E CLASSES SOCIAIS NO BRASIL 
 
Atividade de Aprendizagem da seção: 
1. Leia atentamente as proposições abaixo: 
I. Nos estudos sobre a influência da ordem social capitalista sobre 
a absorção e a expansão do capitalismo no Brasil, Florestan 
Fernandes entende que o tipo de relação de poder estabelecido 
durante o período colonial do Brasil com Portugal é 
qualitativamente diferente daquelas relações de poder 
desenvolvidas com Inglaterra depois que o Brasil se tornou 
juridicamente e formalmente independente. 
II. Dentro da lógica da ordem social capitalista, as relações de 
poder se dão apenas no âmbito jurídico formal, e não nas 
relações de poder mediado pelo capital. 
III. A dependência assume outras características, a dependência 
dentro da ordem social capitalista é econômica. Se o 
colonialismo se desfaz, novas formas de dependências se 
estabelecem em novas formas de colonização. 
Partindo do conhecimento sobre a questão da dependência em 
Florestan Fernandes, podemos afirmar que: 
a. Somente a proposição I está correta. 
b. Somente as proposições I e II estão corretas. 
c. Somente as proposições II e III estão corretas. 
d. Somente as proposiçõesI e III estão corretas. 
e. As proposições I, II e III estão corretas. 
 
2. No Brasil, segundo Florestan Fernandes, há uma condição colonial 
permanente que impede o próprio desenvolvimento do país. Neste 
sentido, podemos afirmar que: 
a. Desde o antigo sistema colonial, o que varia entre o 
colonialismo propiciado pelo imperialismo das grandes 
potências e os efeitos do capitalismo monopolista são os nexos 
da dependência e não a condição de dependência. 
b. O desenvolvimento do país não está vinculado à condição de 
heteronomia. A heteronomia é a condição do país de se autogestar 
independente dos outros países capitalistas avançados, em uma 
relação de independência. 
c. A condição subalterna a que o Brasil está sujeito se deve ao fraco 
desenvolvimento intelectual de seu povo. A condição de 
dependência é uma condição que nasce da incompetência das 
forças políticas brasileiras. 
d. A condição de subdesenvolvimento foi plenamente superada 
quando o Brasil saiu da condição de colônia de Portugal. Sua 
integração aos mercados capitalistas se deu de maneira harmoniosa 
e favorável ao país. 
e. A condição de desenvolvimento é a imposição de um país sobre o 
outro. Essa relação de dependência e subdesenvolvimento não é 
uma condição do sistema capitalista, pois o sistema capitalista tende 
a colocar todos no mesmo patamar. 
 
 
PARA CONCLUIR O ESTUDO DA UNIDADE 
 
Atividade de Aprendizagem da Unidade 
1. Florestan Fernandes afirma que há interação social em 
diversos níveis de organização da vida, isso quer dizer que 
há interações entre as diversas espécies animais e vegetais. 
Nesse sentido, o sociólogo poderia estudar todos os níveis de 
organização da vida que possui algum tipo de sociabilidade, 
no entanto, Florestan aponta que as interações humanas são 
muito mais interessantes do ponto de vista sociológico, pois: 
a. Os seres humanos vivem em um meio social mais ou menos 
domesticado pelo próprio homem, e a interação deles entre 
si está mais ou menos livre de muitos influxos inorgânico ou 
orgânico que regulam, direta e extensamente, a associação 
dos organismos em outro nível de organização da vida 
b. Os seres humanos são os únicos que possuem algum tipo de 
sociabilidade, uma vez que as sociabilidades dos outros níveis 
de organização da vida são apenas manifesta de maneira 
superficial e ilusória, o que existe são apenas influxos orgânicos 
impossíveis de serem vistos como interação. 
c. Os seres humanos são os únicos que podem ser 
verdadeiramente analisados pela sociologia, pois a sociologia é 
uma ciência social. As plantas e os animais só podem ser 
analisados pelas ciências naturais e essas nunca pesquisam as 
formas de sociabilidades. 
d. Os seres humanos apresentam características condizentes com 
o método sociológico. A sociologia como ciência exclusivamente 
interpretativa, não pode estudar seres que não se comunicam 
oralmente, pois não poderiam interpretar suas interações e as 
pesquisas ficariam incompletas. 
e. Os seres humanos são os únicos habitantes do planeta que 
conseguiram domesticar o meio em que vive, e essa 
domesticação possibilitou que fossemos a única espécie a 
possuir inteligência e, portanto, a única que pode ser estudada 
por uma ciência em que a interação é mais importante. 
 
2. Octavio Ianni não tem dúvida em afirmar que a sociologia 
crítica no Brasil tem em Florestan Fernandes seu fundador. A 
produção intelectual de Florestan “está impregnada de um 
estilo de reflexão que questiona a realidade social e o próprio 
pensamento”. (IANNI, 2008, p.15) 
Sabendo disso, observe as afirmativas abaixo: 
I. Uma das fontes do pensamento crítico de Florestan é o 
afastamento desse tal Florestan em relação aos autores da 
sociologia clássica e moderna. Dentro da necessidade que 
impôs a si mesmo de fundar uma tradição sociológica no Brasil 
para realizar essa obra, Florestan não se permitiu estudar 
avidamente outros autores da sociologia. 
II. Uma das fontes do pensamento crítico de Florestan é o 
pensamento marxista. Ele realizou a tradução do livro 
“Contribuição à crítica da economia política”, de Karl Marx, em 
1946, e escreveu sua introdução. Florestan incorporou o 
pensamento dialético tanto em relação à escolha dos temas, 
quanto de sua abordagem. 
III. Florestan também dialoga com a corrente crítica do pensamento 
social brasileiro, esta é uma de suas fonte. Os diversos desafios 
lançados pelo pensamento social brasileiro em autores como 
Euclides da Cunha, Manuel Bonfim, Graciliano Ramos, Caio 
Prado Júnior, entre outros, são suscitados na obra de Florestan. 
Ianni afirma ainda que há cinco fontes para o pensamento crítico de Florestan, 
sabendo disto podemos afirmar que: 
a. Somente a proposição I está correta. 
b. Somente as proposições I e II estão corretas. 
c. Somente as proposições II e III estão corretas. 
d. Somente as proposições I e III estão corretas. 
e. As proposições I, II e III estão corretas. 
 
3. A sociologia é uma ciência e há um pressuposto de que toda 
ciência crítica não aceita as verdades estabelecidas, mas 
tende a procurar explicações mais profundas da realidade 
que se quer compreender. Especificamente no caso da 
sociologia, Florestan afirma que: 
a. Não há nenhuma possibilidade das descobertas científicas 
serem críticas. 
b. A pasteurização e homogeneização são características 
desejadas pela ciência. 
c. A sociologia não deve dar ouvidos às vozes das minorias, pois 
essas não conhecem a ciência. 
d. O destino da descoberta científica não pode ser indiferente 
ao cientista. 
e. O cientista social não deve refletir sobre as consequências 
políticas de suas descobertas. 
 
4. Leia atentamente as proposições abaixo: 
I. O modelo concreto de capitalismo que irrompeu e vingou na América 
Latina reproduz as formas de apropriação e expropriação inerentes ao 
capitalismo moderno com um componente adicional específico e típico: 
a acumulação de capital institucionaliza-se para promover a expansão 
concomitante dos núcleos hegemônicos externos e internos (ou seja, 
as economias centrais e os setores sociais dominantes). 
II. A economia capitalista dependente está sujeita, como um todo, a uma 
depleção permanente de suas riquezas (existentes ou potencialmente 
acumuláveis), o que exclui a monopolização do excedente econômico 
por seus agentes privilegiados. Na realidade, porém, a depleção de 
riquezas se processa à custa dos setores assalariados e destituídos da 
população, submetidos a mecanismos permanentes de 
sobreapropriação e sobrexpropriação capitalista. 
III. Nos países de capitalismo dependente é tão grande o nível de 
exploração que exige que o nível de dominação seja ainda maior. 
Portanto, há uma importância imensa na questão da ideologia 
(enquanto falsa consciência e, portanto, a manutenção das ideias da 
classe dominante) e da repressão. 
Em relação ao pensamento de Florestan sobre o capitalismo 
dependente e a sobreapropriação, pode-se afirmar que: 
a. Somente a proposição I está correta. 
b. Somente as proposições I e II estão corretas. 
c. Somente as proposições I e III estão corretas. 
d. Somente as proposições II e III estão corretas. 
e. As proposições I, II e III estão corretas. 
 
5. O processo de suprexploração da força de trabalho nos 
países periféricos não opera apenas no nível da organização 
econômica e da organização empresarial, mas o Estado 
Nacional está no cerne desta superexploração produzindo 
leis capazes de facilitar os agentes da burguesia local a 
expropriar o trabalhador. Neste sentido podemos afirmar que: 
a. A história das economias dependentes é uma história permeada de 
escolhas ruins por parte do Estado que impossibilitou o crescimento 
econômico do país. 
b. A história das economias dependentes é uma história que se 
recompõe a partir da dominação burguesa, internamente, e da 
dominação imperial, a partir de fora. 
c. A históriadas economias dependentes é uma história que demonstra 
como as burguesias locais lutaram para superar a dependência em 
relação às burguesias internacionais. 
d. A história das economias dependentes é a história de como os projetos 
socialistas afundaram os planos econômicos deste países e como os 
países desenvolvidos tentaram ajudar. 
e. A história das economias dependentes é uma história naturalmente 
determinada, porque a dependência é algo que naturalmente acontece 
nas relações sociais. 
 
 
Curso: Sociologia 
Disciplina: Sociologia Crítica 
Títulos da disciplina: Teoria Sociológica do século XX 
 
UNIDADE 3 
Teoria Sociológica do século XX 
 
 
Seção 1: Estudos dos problemas sociais examinados pelo olhar de Gramsci e 
Althusser 
 
Atividades Para Aprendizagem 
1. Com o advento da maquinaria e da grande indústria, o espaço de trabalho 
definitivamente, passou a ser a fábrica, pois era lá que estavam as máquinas que 
comandavam o processo de produção. Nessa fase, todo o conhecimento que o trabalhador 
usava para produzir suas peças foi dispensado, ou seja, sua destreza manual foi substituída 
pela máquina. Desse modo, o trabalhador passou a realizar operações fragmentadas, 
“parcelares” do processo produtivo como um todo. Houve um ofensivo capital em relação 
ao trabalho humano, acarretando na intensificação da produção. 
Assinale a alternativa que corresponde corretamente ao período acima: 
a) A maquinofatura, em meio ao contexto de ampliação da autonomia do trabalhador 
organizado em cooperativas, proporcionou uma harmonia entre o mestre e o 
aprendiz. 
b) A maquinofatura, em meio ao contexto de expansão da maquinaria e grande 
indústria, se apresentava como forma de trabalho predominante nas grandes 
cidades do final do século XIX. 
c) Na manufatura era mantida a hierarquia da produção artesanal entre o mestre e o 
aprendiz, e o artesão ainda desenvolvia, ele próprio, todo o processo produtivo, do 
molde ao acabamento. 
d) A manufatura, em meio ao contexto de expansão do capital e desenvolvimento dos 
empreendimentos urbanos, aparece como forma de articular uma relação mútua e 
complementar entre capital e trabalho. 
e) A pejotização, a terceirização e o trabalho temporário, configuram-se como as 
tradicionais formas de relações de trabalho no mercado nesta fase do capitalismo. 
 
2. Por meio do método dialético, Marx analisou a sociedade de sua época a partir de 
transformações concretas e de relações de luta de classes em movimento, não como as 
coisas isoladas e estáticas, mas sim a partir do movimento da luta de classes em curso. 
Portanto, esse marco histórico de luta de classes representa a condição de subordinação 
do trabalho ao capital. Com base nos conhecimentos sobre o tema, assinale a alternativa 
correta: 
a) Para Marx, o modo de produção capitalista é regido por leis que asseguram a sua 
funcionalidade e coesão social presentes entre as forças produtivas e as relações 
de produção. 
b) É no âmbito das ações humanas e sociais que Marx compreende o seu método 
sociológico, ou seja, a ação manifestada pelo sujeito que se orienta ao outro. 
c) Os fatos sociais representam para Marx a ferramenta sociológica objetiva de 
compreender a totalidade da vida social. 
d) Para Marx, o modo de produção capitalista é regido por leis que asseguram as 
contradições presentes entre as forças produtivas e as relações de produção. 
e) A desigualdade social manifestada pelas lutas de classes se originam na sociedade 
capitalista do pós-segunda guerra mundial. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Seção 2. As teorias gramscianas e os conceitos de cultura e hegemonia 
Atividades para Aprendizagem 
1. O industrial norte-americano Henry Ford (1863-1947) se utilizou de todas as técnicas 
gerenciais introduzidas por Taylor e a elas somou outras. Sobre o fordismo é correto 
afirmar: 
a) Foi um conjunto de propostas a aplicação de princípios científicos que visavam 
somente a organização do processo de trabalho, buscando maior racionalização do 
processo produtivo. 
b) Fazendo referência a Henry Ford, o fordismo foi uma forma de organização da 
produção, implantada na fábrica de automóveis de Ford, e este modelo seria 
seguido por muitas outras indústrias, marcando uma nova etapa na produção 
industrial. 
c) Desenvolvida por Frederick Taylor, foi a organização da produção em linhas de 
montagem, se caracterizando pela produção em massa. 
d) Um movimento organizado pelos trabalhadores da indústria Ford, que reivindicavam 
por melhores salários e condições de trabalho. 
e) O fordismo caracterizou uma mudança significativa na forma de organização do 
trabalho com a introdução da esteira rolante, pois facilitou os tempos e movimentos 
dos trabalhadores no processo da produção. 
 
1. O filósofo Antônio Gramsci foi um dos grandes pensadores do século XX, que refletiu 
sobre as características da formação social na Itália na década 1920 e suas profundas 
transformações sociais decorrentes da expansão capitalista, com a introdução de 
novos métodos produtivos. Com base nos conhecimentos sobre o Gramsci, é correto 
afirmar: 
a) A política industrial italiana desenvolveu uma reorganização do processo produtivo 
ao longo da década de 1920, inspirando outras economias capitalistas a adotarem 
tal modelo. 
b) Para Gramsci, o novo industrialismo representa um conjunto de mudanças sobre a 
cultura organizacional no interior da própria indústria, na qual colocou os 
trabalhadores mais aptos no controle da produção. 
c) As novas formas de gerência visavam uma reorganização do processo produtivo, 
retirando a grande maioria dos operários de ofício do interior da fábrica, pois, nesse 
contexto, marcado por uma gradativa substituição do trabalhador pela máquina. 
d) Uma das características do americanismo e fordismo, consiste no estímulo da 
produção a partir do incentivo de alguns com altos salários àqueles mais aptos 
na adequação do ritmo da produção, pois este servia de referência para outros 
trabalhadores. 
e) As mudanças culturais sobre a forma organizacional trazida com o americanismo e 
o fordismo se restringiram apenas ao âmbito da própria indústria, onde houve uma 
ampla intensificação na produtividade. 
 
2. Qual a contribuição de Gramsci no estudo sobre as mudanças culturais trazidos com o 
americanismo e fordismo introduzidos na Itália no começo do século XX? 
Gramsci utiliza o conceito de americanismo e fordismo, para explicar as mudanças 
organizacionais introduzidas na indústria automobilística italiana e as consequências para 
o trabalhador. Ele procurou analisar o conjunto de mudanças culturais introduzidas nas 
relações sociais, altamente vinculadas ao estilo de vida característico da sociabilidade 
capitalista burguesa, que consistia na cultura de consumo em larga escala, combinados 
com uma elevada produção industrial, proporcionando altos salários para uma parcela de 
trabalhadores. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Seção 3. As reflexões de Althusser sobre a escola como reprodutora do modo de 
produção capitalista e a ideologia 
 
ATIVIDADES PARA APRENDIZAGEM 
1. Qual é a contribuição de Althusser para a ampliação do entendimento sobre a teoria 
marxista do Estado? 
Na concepção de Althusser, a teoria marxista do Estado tem uma ampliação comparado 
com outros autores, pois estes não sistematizaram de forma teórica os avanços decisivos 
contidos em suas experiências e métodos. De acordo com sua tese, é preciso considerar 
não apenas a distinção entre poder estatal e aparelho de Estado, mas, considerar uma 
outra realidade, os Aparelhos Ideológicos de Estado que estão ao lado do Aparelho 
Repressivo do Estado, mas é diferente dele. 
 
2. Quais são as diferenças entre Aparelhos Ideológicos de Estado e Aparelhos Repressivos 
de Estado? Dê exemplos. 
Os Aparelhos Repressivos de Estado são aqueles órgãos que funcionam essencialmentepela violência preservando o Estado, como por exemplo, a polícia, o exército e os tribunais; 
já os Aparelhos Ideológicos de Estado são aqueles que funcionam fundamentalmente pela 
ideologia. De acordo com Althusser, ocorre a luta de classes nos Aparelhos Ideológicos de 
Estado. 
 
3. Por que a escola, na teoria de Althusser, é considerada como o Aparelho Ideológico 
dominante? 
A escola é o Aparelho Ideológico de Estado dominante, segundo Althusser, pois, nesse 
contexto, é a instituição responsável por ensinar, treinar, preparar as pessoas, desde a 
infância, a compor as engrenagens da produção da vida social, reproduzindo o modo 
capitalista de produção. A escola tem uma função silenciosa e discreta na vida das pessoas, 
atuando de maneira hegemônica, mas é responsável por formar o trabalhador na atividade 
laboral vindoura. 
 
 
 
 
 
 
Para concluir o estudo da unidade 
 
 Atividades de Aprendizagem da Unidade 
 
1. Para Marx, o ser humano, além do resultado da evolução biológica da espécie, é um 
produto histórico em constante mudança, dependendo da sociedade na qual está inserido 
e das condições em que vive. Assim, os indivíduos devem ser analisados de acordo com o 
contexto social em que vivem. Segundo Marx, na sociedade capitalista, quando se 
desenvolve de modo mais preciso o trabalho assalariado, os trabalhadores perderam o 
domínio sobre sua vida e passaram a depender do capitalista; não trabalham mais para si, 
mas vendem seu trabalho e não conseguem se reconhecer no que fazem e produzem. É 
correto afirmar, de acordo com o pensamento de Marx: 
a) As relações de trabalho na sociedade moderna demonstram uma crescente 
especialização do trabalho promovida pela produção industrial, e, isso trouxe uma 
forma superior de solidariedade, e não de conflito segundo Marx. 
b) É na luta diária para se contrapor a esse tipo de vida desumanizado, no qual 
são reduzidos a uma coisa que pode ser vendida, comprada e até descartada, 
que os indivíduos trabalhadores se identificam e se unem para questionar a 
realidade de exploração, configurando uma classe social. 
c) Os fatos sociais não são coisas, e sim acontecimentos que precisam ser analisados 
e compreendidos para uma melhor organização social, ou seja, é preciso 
desenvolver a integração entre os indivíduos. 
d) A ação social possui um sentido que orienta a conduta dos atores sociais, e é essa 
a base de compreensão da sociedade, isto é, o indivíduo e o conjunto de suas ações 
sociais, pois o indivíduo prevalece sobre a sociedade. 
e) Segundo Marx, para superação do modo de produção capitalista é necessário 
realizar a revolução social, que deve ser liderada pela burguesia (donos dos meios 
de produção). 
 
2. Sobre as racionalizações operadas pelo fordismo e taylorismo, e as consequências 
auferidas para o trabalho, de acordo com o texto, é correto afirmar que: 
a) A sociedade capitalista impossibilitou a emergência da propriedade privada, bem 
como proporcionou a alienação dos indivíduos nas relações do mercado financeiro. 
b) As racionalizações propiciadas pelo maquinismo e o taylorismo-fordismo nos 
processos de produção também tiveram como escopo e efetivamente 
viabilizaram o enxugamento de postos de trabalho, uma vez que permitiram 
simplificar e intensificar os processos de trabalho e, assim, o acúmulo de 
operações em um número reduzido de trabalhadores. 
c) As mercadorias, propulsionadas pelos métodos tayloristas-fordistas, constituem-se 
em um elemento pacificador das relações entre patrões e trabalhadores. 
d) As racionalizações propiciadas pelo maquinismo e o taylorismo-fordismo nos 
processos de produção também tiveram como escopo e efetivamente viabilizaram 
maior número de postos de trabalho, e a geração de empregos, uma vez que 
permitiram o desenvolvimento e o enriquecimento de diversas parcelas da sociedade 
e, assim, o acúmulo de operações em um número reduzido de trabalhadores. 
e) Não há uma mudança significativa no mundo do trabalho com a introdução do 
taylorismo e fordismo. 
 
Observe a imagem, leia o texto e responda as questão 3. 
 
Figura 3.9 – O processo produtivo nas primeiras décadas do século XX 
 
Fonte: <http://aparenciadoespaco.blogspot.com.br/2012/10/fordismo-vs-toyotismo.html>. Acesso: 15 fev. 
2016. 
 
A Administração Científica tem, por seus fundamentos, a certeza de que os verdadeiros 
interesses de ambos, empregador e empregado, são um, único e mesmo: de que a 
prosperidade do empregador não pode existir, por muitos anos, se não for acompanhada 
da prosperidade do empregado, e vice-versa, e de que é preciso dar ao trabalho o que ele 
mais deseja – altos salários – e ao empregador também o que ele realmente almeja – baixo 
custo de produção. (TAYLOR, 1970). 
 
3. O taylorismo consiste na aplicação de um conjunto de princípios científicos desenvolvido 
por Taylor para organização do trabalho, buscando maior racionalização do processo 
produtivo; e o fordismo, que consiste num modelo de produção desenvolvido por Ford como 
uma forma de organização da produção, com o incremento da linha de montagem 
http://aparenciadoespaco.blogspot.com.br/2012/10/fordismo-vs-toyotismo.html
implantada na fábrica de automóveis. Com base nos conhecimentos sobre as mudanças 
ocasionadas no mundo do trabalho a partir desses processos, assinale a alternativa correta. 
a) A racionalização e consequente produtividade alcançada com a aliança entre os 
princípios tayloristas e a linha de montagem da empresa Ford se limitou no setor 
automobilístico durante a década de 1920, servindo como base do modelo de 
produção até a década de 1980, sobretudo no Japão. 
b) A racionalização e consequente produtividade alcançada com a aliança entre 
os princípios tayloristas e a linha de montagem veio a se tornar referência, e 
se generalizou, para praticamente todos os ramos de produção, inclusive o de 
serviços. As racionalizações propiciadas pelo maquinismo e o taylorismo-
fordismo nos processos de produção também tiveram como escopo e 
efetivamente viabilizaram o enxugamento de postos de trabalho. 
c) A substituição do paradigma flexível de mercado de trabalho pelo paradigma fordista 
favorece a desregulamentação do mercado de trabalho que visa diminuir os gastos 
trabalhistas. O objetivo do modelo fordista de organização da produção era obter um 
maior controle da produção por parte dos trabalhadores. 
d) A introdução de esteiras rolantes pouco influenciou no processo produtivo. Esse 
mecanismo suprimiu o tempo anteriormente necessário para o transporte de peças 
a cada posto de trabalho para reorganizar os trabalhadores. 
e) Neste contexto os trabalhadores passaram a controlar a organização das peças, 
para gradativamente assumirem os postos de gerência. As peças vinham até o 
trabalhador de acordo com o ritmo da esteira rolante. A racionalização e 
consequente produtividade alcançada com a aliança entre trabalhadores e 
capitalistas, no que se refere aos princípios tayloristas e a linha de montagem, 
resultaram numa elevada produção de mercadorias. 
 
4. O fordismo foi um modelo de produção que começou nos Estados Unidos no início do 
século XX, cujos métodos de produção se tornaram referência, e se expandiu, 
posteriormente, para outras regiões do mundo. Com base nos conhecimentos sobre 
fordismo, considere as afirmativas a seguir: 
I. Ford desenvolveu um modelo de produção em massa, mas que não se relacionava 
diretamente com o consumo das mercadorias produzidas pelos operários da fábrica. 
II. O fordismo foi um modelo de produção exclusivamente inserido nos Estados Unidos, 
caracterizado pelo trabalho qualificado e a alta rotatividade profissional, no interior das 
atividades produtivas. 
III. O fordismo surgiu em 1913, quando H. Ford implementou uma nova organização da 
produção do trabalho destinada a fabricar seu veículo a um preço relativamente baixo. 
IV. O modelo fordista de produção e os seus métodoscomeçou, primeiramente, no espaço 
da fábrica e se generalizou para outros setores no século XX, como o setor de serviços. 
Podemos afirmar que as assertivas corretas são: 
a) I e II. 
b) II e IV. 
c) III e IV. 
d) I, II e III. 
e) I, III e IV. 
 
5. (Adaptada – ENEM, 2001) Como você pôde estudar, um dos aspectos significativos do 
fordismo refere-se à introdução da esteira rolante, contribuindo para o aumento significativo 
da produtividade. De acordo com Adam Smith em seu livro “A riqueza das nações”, “[...] um 
operário desenrola o arame, o outro o endireita, um terceiro corta, um quarto o afia nas 
pontas para a colocação da cabeça do alfinete; para fazer a cabeça do alfinete requerem-
se 3 ou 4 operações diferentes; [...]” (SMITH, 1985). 
 
Figura 10 – A linha de montagem na produção fordista 
 
Fonte: Jornal do Brasil (fev. 1977) 
 
A respeito do texto e do quadrinho são feitas as seguintes afirmações: 
I. Ambos retratam a intensa divisão do trabalho que são submetidos os operários. 
II. O texto refere-se à produção informatizada, e o quadrinho, à produção artesanal. 
https://www.google.com.br/url?sa=i&rct=j&q=&esrc=s&source=images&cd=&cad=rja&uact=8&ved=0ahUKEwjz7vXY6PrLAhUEjpAKHWRQAXkQjRwIBw&url=https://pt.wikipedia.org/wiki/Henry_Ford&psig=AFQjCNFInWUb3gTNfQ7Ysb5jpW8ZaCPphg&ust=1460059732003217
III. Ambos contêm a ideia de que o produto da atividade industrial não depende do 
conhecimento de todo o processo por parte do operário. 
a) Dentre essas afirmações, apenas: I está correta. 
b) II está correta. 
c) III está correta. 
d) I e II estão corretas. 
e) I e III estão corretas. 
 
 
UNIDADE IV 
 
Sociologia na Sociedade Pós-Industrial 
 
Atividade de Aprendizagem 
Questão 1 
“A sociedade já no seu estágio complexo produz a sociologia, assim como essa 
última caracteriza e tenta conceituar seu objeto de estudo” (FORACHI; MARTINS, 
1994, s/p). Sobre o surgimento da sociologia como ciência no cenário 
acadêmico, assinale a alternativa correta: 
 
a - A revolução iluminista promoveu o surgimento da sociologia como ciência, uma 
vez que promoveu a valorização do conhecimento. 
b - A sociedade pós-industrial criou bases para o surgimento da sociologia como 
ciência. 
c - A sociologia como ciência, surgiu como uma tentativa de compreender e propor 
soluções aos impactos da revolução industrial. 
d - O objeto de estudo da sociologia é o indivíduo, isto é, seu propósito consiste 
em compreender os comportamentos individuais na vida social. 
e - Os impactos da revolução industrial na vida social dos indivíduos geraram 
crises políticas profundas, assim como, as transformações culturais. 
 
Questão 2 
“As transformações do capitalismo provocadas pelas lutas populares, pelo 
desenvolvimento de novas tecnologias, pela ruína do Segundo Mundo etc. 
apontam para uma nova situação histórica de transformação entre o moderno e o 
pós-moderno. Claro, muitos são os pontos que devem ser conectados para se 
compreender a passagem de um modo de produção a outro. Seja como for, 
observa-se que o novo contexto possibilita a invenção sem limites e exige uma 
pessoa coletiva e mais livre” (KEIL, 2007, p.16). 
 
Sobre que tipo de sociedade a autora Ivete Keil está se referindo? 
a - Sociedade de consumo. 
b - Sociedade industrial. 
c - Sociedade pós-industrial. 
d - Sociedade desenvolvida. 
e - Sociedade de massa. 
 
 
 
Seção 1: Considerações sobre a proposta de uma sociedade programada à 
pós-industrial. 
Atividade de Aprendizagem 
 
1 - Alain Touraine, ao estudar a sociedade considerada por ele como sociedade 
pós-industrial (programada e tecnocrática), indica a necessidade de se 
contextualizar as lutas sociais, pois, a historicidade é fundamental para pensar os 
processos de mudança. 
Sobre o conceito de historicidade, assinale a alternativa correta: 
a - O conceito de historicidade em Touraine significa a capacidade que as 
sociedades têm de agir sobre si mesmas redefinindo um projeto societal. 
b - A historicidade é o campo da determinação permanente da realidade social. 
c - Em Touraine, a historicidade representa o contexto das sociedades industriais 
capitalistas. 
d - Touraine acredita nas possibilidades da historicidade contribuir com o processo 
de organização das sociedades programadas. 
e – A historicidade pode ser considerada um instrumento fundamental para a 
formação e fundação dos movimentos operários na sociedade industrial. 
 
2 – Leia com atenção as citações abaixo. 
“O movimento político da classe operária tem naturalmente por objetivo final a 
conquista do poder político por ela, e por isso naturalmente necessário uma 
organização anterior da classe operária, organização que atingiu certo ponto de 
seu desenvolvimento e saída diretamente de suas lutas econômicas [...]. Mas, de 
outra parte, todo movimento no qual a classe operária se opõe às classes 
dominantes enquanto classe e busca constranger por pressão do exterior é um 
movimento político” (MARX, 1982, p. 59-60). 
 
Não há mais o proletário como única classe verdadeiramente 
revolucionária; há um proletariado minoritário na sociedade, que 
não se opõe como classe revolucionária e nem mesmo mais como 
classe e cuja luta contra o sistema instituído não é, 
qualitativamente ou quantitativamente (TOURAINE, 1984, p. 15). 
 
Assinale a alternativa que contenha todas as afirmativas corretas: 
I – A sociedade considerada como pós-industrial, é segundo Marx, um cenário 
ideal para o desenvolvimento da consciência de classe e da organização dos 
movimentos sociais dos operários. 
II – Na sociedade programada, a vida social é mediada pela força do mercado, 
isto é, as necessidades dos indivíduos são cada vez mais racionalizadas pelo 
mercado. 
III – De acordo com Touraine, na sociedade pós-industrial as lutas sociais não se 
resumem à luta contra o capital, mas sim por demandas culturais. 
 
a – Apenas a afirmativa III está correta. 
b – As afirmativas I e II estão corretas. 
c – As afirmativas II e III estão corretas. 
d – Apenas a afirmativa I está correta. 
e – As afirmativas I, II e III estão corretas. 
 
 
 
 
 
Seção 2 - Os novos sujeitos sociais. 
 
 
 
Vamos relembrar os assuntos desta seção? 
 
1 – “A ideia de que a sociedade é dominada pela economia situava os conflitos 
fundamentais no setor do trabalho, do mesmo modo que na sociedade que 
precedeu a sociedade industrial, o papel eminente da soberania política dava uma 
importância central aos conflitos sobre a cidadania e os direitos cívicos. Em cada 
sociedade parece existir assim um papel social privilegiado ao qual correspondem 
os conflitos fundamentais” (TOURAINE, 1989, p.9). 
 
Leia com atenção o texto acima. 
Com base nas discussões contidas na citação acima, assinale a alternativa 
que contenha todas as afirmativas corretas: 
 
I - Para Touraine, os conflitos ocorrem de acordo com o contexto histórico das 
sociedades que estão inseridos. 
II - Segundo Touraine, os conflitos são atemporais, ou seja, suas demandas 
independentes dos contextos históricos que estão inseridos. 
III – Na sociedade pós-industrial, os conflitos se resumem no campo do trabalho. 
 
a – Apenas a afirmativa III está correta. 
b – Apenas a afirmativa II está correta. 
c – As afirmativas I e III estão corretas. 
d – As afirmativas II e III estão corretas. 
e – Apenas a afirmativa I está correta. 
 
2 – Ao longo da história da humanidade o Trabalho, como categoria sociológica, 
passou por diferentes significados: desde o sentido de sacrífico, passando pela 
ideia de prosperidade até chegar como mercadoria. Na teoria clássica de Karl 
Marx, o Trabalho na lógica capitalista é transformado em mercadoria – com valor 
de troca e uso; é considerado, também, como campo de enfrentamentos, visto 
que é um instrumento de dominação. 
Leia com atenção o texto acima e assinale a alternativa que corresponda a 
todas as informaçõescorretas. 
 
a – Karl Marx, teórico do sistema capitalista, defendeu a tese de que na esfera do 
trabalho as lutas sociais estão fadadas ao fim, ou seja, não gera mais conflitos. 
b – A sociedade pós-moderna foi alvo de críticas de Karl Marx pois contrariou sua 
tese econômica. 
c – No sistema capitalista, o Trabalho como mercadoria determinou as relações 
de produção e segundo Marx, pode ser considerado como instrumento de 
dominação. 
d – Na sociedade pós-industrial, os conflitos ocorrem fora das contradições do 
mundo do Trabalho. 
e – O trabalho como mercadoria no sistema capitalista pós-industrial é 
considerado uma mola propulsora dos conflitos de ordem cultural. 
 
 
 
Atividade de Aprendizagem 
 
1 – “Touraine desenvolve uma análise da sociedade em termos geral e histórico. 
Entretanto, em sua análise geral há uma recusa à visão desta sociedade como 
sendo dominada pelas macroestruturas, por leis naturais de um sistema social ou 
por determinações de qualquer espécie [...]” (GOHN, 2006, p.3). 
 
a - A sociedade atual, considerada por Alain Touraine como pós-industrial possui 
a base dos conflitos no campo da infraestrutura, ou seja, da base econômica. 
b - A historicidade é um fenômeno social, que segundo Touraine, pouco influencia 
na formação dos sujeitos históricos. 
c - As leis naturais e a indústria são aspectos fundamentais da sociedade pós-
industrial, portanto, é para Touraine a base dos conflitos. 
d – Touraine considera que na sociedade contemporânea as relações no mundo 
do trabalho fomenta a consciência de classe e deste modo, a formação do 
operário. 
e – A vida social para Touraine, na configuração histórica capitalista atual 
corresponde a uma sociedade programa e tecnocrata. 
 
2 - “[...] as transformações ocorridas no modo de produção e nas relações de 
trabalho têm importância fundamental para a compreensão do movimento 
histórico que determina as relações entre os homens, com particularidades 
econômicas, sociais, políticas e culturais em cada contexto histórico. [...]. 
Atualmente, vivenciamos o modo de produção capitalista (acredito que o mais 
selvagem e massificador para o trabalhador até o momento), que, com seu marco 
na Revolução Industrial o trabalho passou a ser cada vez mais centrado na 
indústria, o homem transferiu o trabalho artesanal para a indústria mecanizada” 
(DALLAGO, Cleonilda S. T. Relações de trabalho e modo de produção capitalista. 
VII Seminário de Saúde do Trabalhador e V Seminário: O Trabalho em Debate 
“Saúde Mental Relacionada ao Trabalho. 2010. p.1-2).” 
 
Leia com atenção o texto acima. 
Assinale a alternativa que contenha todas as afirmativas corretas: 
 
I – No sistema capitalista, as chamadas sociedades industriais desenvolvem as 
relações de trabalho mediatizadas pelo mercado e pelas tecnologias da 
informação. 
II – Com as Revoluções Industriais, o trabalho passa a ser mercadoria e 
centralizado na esfera da indústria. 
III – O texto acima desenvolve argumentos sobre as relações de trabalho pautados 
na teoria de Karl Marx sobre a sociedade industrial. 
 
Assinale a alternativa correta. 
a - Apenas a afirmativa II está correta. 
b - As alternativas I e III estão corretas. 
c - As alternativas II e III estão corretas. 
d - Apenas a alternativa III está correta. 
e - As alternativas I e II estão corretas. 
 
3 – “ No cenário do mundo globalizado, vários autores têm destacado que o 
conflito social mudou, no mundo moderno, da esfera da produção para a esfera 
dos problemas da cultura, e nesta, os problemas de identidade cultural seriam os 
mais importantes, gerando movimentos em torno das questões de raça, gênero, 
nacionalidade. (GONH, Maria da Glória. 500 Anos de Lutas Sociais no Brasil: 
movimentos sociais, ONG e terceiro setor. Rev. Mediações. V 5. N 1. Jan/Jun. 
2000, p.11). 
 
Assinale a alternativa que corresponda à informação correta de acordo com 
as argumentações presentes na citação: 
a – O texto acima faz referência ao conceito de indústria cultural, a partir das 
considerações de Theodor Adorno. 
b – Os argumentos do texto afirmam os indicativos teóricos presentes na obra de 
Karl Marx e F. Engels. 
c - De acordo com Maria da Glória Gonh, os movimentos sociais na atualidade 
se destacam pelas demandas direcionadas contra o grande capital. 
d – As indicações do texto acima, apresentam elementos da sociedade pós-
industrial, e como base teórica ter-se-ão as considerações de Alain Touraine. 
e – O texto traz argumentos específicos de estudos de base teórica da sociedade 
industrial, cujos os conflitos ocorrem na esfera do trabalho. 
 
 
4 - Leia atentamente as citações abaixo. 
 
Texto 1 
“Diante da nova ordem econômica, verificada com as revoluções industriais, 
percebe-se que a sociologia desempenha um papel preponderante no contexto 
da análise, estudo e esclarecimentos quanto aos aspectos de uma sociedade 
industrial” (FORACHI, Marialice; MARTINS, José de Souza. Sociologia e 
Sociedade: leituras de introdução à Sociologia. 21. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1994, 
s/p.: http://adobservare.com/2013/03/21/resumo-do-capitulo-sociologia-e-
sociedade-industrial/ 
Acesso em: 20 mar. 2016. 
 
Texto 2 
“A Sociologia é uma ciência nova. Essa afirmação, que podemos aplicar também 
em relação a outras ciências, precisa ser compreendida em seu caráter 
essencialmente contraditório. Ela surgiu no século XIX, portanto, num momento 
histórico em que o capitalismo se consolidou como forma econômica, política e 
social de organização da sociedade. Então, se a Sociologia como ciência surge 
no interior do capitalismo, como explicação da vida em sociedade, explicaria a 
vida social somente no capitalismo? A resposta a esta questão é simples: não. 
http://adobservare.com/2013/03/21/resumo-do-capitulo-sociologia-e-sociedade-industrial/
http://adobservare.com/2013/03/21/resumo-do-capitulo-sociologia-e-sociedade-industrial/
Esse é o seu caráter contraditório: surge para estudar e explicar o capitalismo, ora 
defendendo-o e produzindo conhecimentos para aprimorá-lo segundo a 
perspectiva capitalista, ora criticando-o e produzindo conhecimentos para superá-
lo, transformá-lo” (TOZONI-REIS, Marília Freitas de Campos. Sociologia: O 
Estudo da Sociedade. Ver em: 
http://www.acervodigital.unesp.br/bitstream/123456789/168/3/01d09t02.pdf 
Acesso em: 05 fev. 2016. 
 
Com base nas informações presentes nos textos 1 e 2, assinale a alternativa que 
contenha todas as afirmativas corretas; 
 
I – A sociologia surge como ciência por volta do século XIX, como tentativa de 
compreensão da realidade europeia a partir das transformações iniciadas com as 
revoluções culturais e intelectuais (geradas pelo Renascimento e Iluminismo) 
assim como as revoluções políticas (Revoluções Burguesas) e as revoluções 
econômicas (Revoluções Industriais). 
II – A sociologia embora tenha surgido no contexto histórico de fortalecimento do 
sistema capitalista, é uma ciência que se preocupa em entender os processos 
sociais, a relação indivíduo-sociedade independente da ordem econômica, 
política, social e cultural a qual se propõem analisar. 
III - O desenvolvimento da chamada sociedade industrial contribuiu, 
significativamente, para o questionamento da relação indivíduo-sociedade e 
rompeu integralmente com a sociologia clássica, considerada um instrumento de 
análise pertinente. 
 
a - Apenas a afirmativa II está correta 
b – As afirmativas I, II e III estão corretas. 
c – As afirmativas I e III estão corretas. 
d – As afirmativas I e II estão corretas. 
e – Apenas a afirmativa III está correta. 
 
 
5 - “A alienação deve ser definida em termos de relações sociais. [...] O homem 
alienado é aquele que não tem outra relação face às orientações sociais e 
http://www.acervodigital.unesp.br/bitstream/123456789/168/3/01d09t02.pdf
culturais de sua sociedade que aquela que lhe é reconhecida pela classe dirigente 
comosendo compatível com a manutenção de sua dominação. [...] alienação é, 
consequentemente, a redução do conflito social por meio de uma participação 
dependente. As atitudes do homem alienado somente têm sentido quando 
consideradas como a contrapartida dos interesses daquele que o aliena [...] Nossa 
sociedade é uma sociedade de alienação não porque ela reduz à miséria ou 
porque impõe sujeições policiais, mas porque ela seduz, manipula, integra” 
(TOURAINE, 1969, p. 14-15). 
 
 
Com base na fala de Touraine, assinale a alternativa correta. 
a – Segundo Touraine, a alienação é resultado das relações de dominação e 
exploração do trabalho, pertinentes à sociedade industrial. 
b - A sociedade alienada é aquele cujas relações sociais ocorrem no plano 
ideológico, pertinentes à sociedade industrial. 
c – A alienação é um conceito com diferentes sentidos, e para Touraine, devermos 
considerar o trabalho separado dos meios de produção. 
d – De acordo com Touraine, a historicidade promove a capacidade que as 
sociedades possuem de agir sobre si mesmas, e assim redefinindo os projetos 
societais e portanto, rompendo com os processos de alienação. 
e – A alienação é capaz de promover condições favoráveis para o aparecimento 
de conflitos, especificamente os de ordem política e cultural.

Outros materiais