Dir Constitucional - 270  Exercicios
104 pág.

Dir Constitucional - 270 Exercicios


DisciplinaDireito Constitucional I76.351 materiais1.767.638 seguidores
Pré-visualização35 páginas
para responsabilizar criminalmente adolescentes com dezesseis ou dezessete anos.
(IV)Como a publicação de veículo impresso de comunicação depende de licença do poder público, os internos de um presídio não podem criar um jornal, ainda que de circulação restrita, sem a autorização do diretor.Ademais, não estando no gozo de liberdade, também a manifestação das idéias e do pensamento sofrem natural restrição.
(V)Considere que um preso, desesperado porque sua família estava em sérias dificuldades financeiras e sem condições de pagar o aluguel, tenha anunciado que doaria um de seus rins em troca de uma pequena casa para abrigar seus filhos, tendo sido procurado por muitos interessados.Mesmo moralmente compreensível, é correto afirmar que negócio seria inconstitucional.
Assinale a opção correta.
(a)Apenas o item II está certo.
(b)Apenas o item III está certo.
(c) Apenas o item V está certo.
(d)Apenas os itens I e III estão certos.
(e)Apenas os itens IV e V estão certos.
 
263 \u2013 (CESPE/DELEGADO PC/GO/98): A Constituição Federal de 1988 manteve, em linhas gerais, o mesmo sistema de controle de constitucionalidade anteriormente vigente.Ampliou-se, por exemplo, a legitimidade para a propositura de ação direta de inconstitucionalidade (ADIn).Algumas outras novidades foram introduzidas por meio de emenda constitucional, tais como a ação declaratória de constitucionalidade (ADC). Comparando-se a ADIn e a ADC, assinale a opção correta.
(a)Ambas constituem instrumento de controle difuso de constitucionalidade.
(b)Apenas lei ou ato normativo federal ou estadual pode ser objeto de ADIn, e apenas lei ou ato normativo federal pode ser objeto de ADC.
(c) As mesmas pessoas legitimadas à propositura da ADIn poderão propor ADC.
(d)As decisões do STF em ambas as ações produzirão, nos termos da Constituição Federal, efeito vinculante.
(e)Haverá necessidade, em ambos os casos, de manifestação do Senado Federal a fim de que as decisões do STF produzam efeitos erga omnes.
 
264 - (CESPE/DELEGADO PC/GO/98): Uma denúncia anônima informou à polícia que, em determinada casa, estaria ocorrendo um crime.Comparecendo ao local, a polícia constatou que muito provavelmente a denúncia seria verídica.Em face dessa situação e considerando que já era noite, a polícia
(a)somente poderá invadir a mencionada casa se houver consentimento de seu morador, salvo se for este que estiver cometendo o crime.
(b)somente poderia invadir a casa durante o dia, desde que obtivesse ordem judicial.
(c) Somente poderá invadir a casa por ordem judicial.A invasão poderia, nesse caso, ocorrer a qualquer hora do dia ou da noite.
(d)poderá invadir a casa independentemente de ordem judicial.
(e)não poderá, em hipótese alguma, invadir a casa, haja vista ter sido anônima a denúncia e a Constituição Federal vedar o anonimato.
 
265 \u2013 (CESPE/AFCE/TCU/98):(...) a Constituição, atualmente, é o grande espaço, o grande locus, onde se opera a luta jurídico-política.O processo constituinte é, hoje, processo que se desenvolve sem interrupção, inclusive após a promulgação, pelo Poder Constituinte, de sua obra.A luta, que se trava no seio da Assembléia Constituinte, após a elaboração do documento constitucional, apenas se transfere para o campo da prática constitucional (aplicação e interpretação).Por isso, a Constituição pode ser visualizada como processo e como espaço de luta.
Clémerson Merlin Clève. A fiscalização abstrata de constitucionalidade no direito brasileiro. São Paulo. Revista dos Tribunais. 1995. P. 18
Em vista do texto e considerando a teoria e as normas acerca do controle de constitucionalidade no direito brasileiro, julgue os itens.
(1)O controle de constitucionalidade é atribuição apenas do Poder Judiciário.
(2)O controle de constitucionalidade realiza-se com base em critérios exclusivamente jurídicos.
(3)Todos os órgãos do Poder Judiciário são aptos a efetivar o controle de constitucionalidade, embora por meio de processos distintos e com efeitos diferentes.
(4)O Poder Judiciário, ao realizar o controle de constitucionalidade, pode apreciá-la tanto sob o ângulo formal quanto sob o material.
(5)A Constituição de 1988 ampliou o número de sujeitos legitimados a ajuizarem ação direta de constitucionalidade, deste modo estimulando-os a levar à deliberação judicial questões surgidas no processo político.
 
266 \u2013 (CESPE/AFCE/TCU/98): Acerca do arcabouço constitucional alusivo aos princípios gerais da atividade econômica, julgue os itens que se seguem.
(1)A Constituição não assegura, de modo irrestrito, o direito à propriedade privada.
(2)A despeito da proteção constitucional à livre concorrência, é juridicamente admissível o tratamento diferenciado de certos agentes econômicos.
(3)Como meio na busca do pleno emprego no âmbito do mercado nacional, a Constituição, sem ofensa ao princípio da igualdade, admite expressamenteo tratamento favorecido da empresa brasileira de capital nacional.
(4)Considere a seguinte situação hipotética:O Congresso Nacional aprova lei definindo como imposição da segurança nacional que o Brasil passe a produzir equipamentos para a exploração de nióbio.Publicada a lei, o Poder Executivo, dando-lhe cumprimento, cria a empresa denominada Nióbio do Brasil S.A. (NIOBRÁS), dedicada à fabricação e à comercialização dos citados bens.Na situação apresentada, a exploração direta da atividade econômica pelo Estado não é inconstitucional.
(5)Considere a seguinte situação hipotética:A empresa Companhia Capixaba de Energia é sociedade anônima privada e presta, com base em contrato de concessão, o serviço público de fornecimento de energia elétrica no território do Espírito Santo.Ao longo do tempo, inúmeras reclamações de consumidores foram protocolizadas perante o órgão competente, dando notícia da deficiente prestação do serviço.Na situação apresentada, desde que haja lei acerca do assunto e após procedimento administrativo em que se faculte o contraditório e a ampla defesa, é juridicamente possível a extinção do contrato de concessão em razão do serviço inadequadamente prestado.
 
267 \u2013 (CESPE/AFCE/TCU/98): Os três fatores determinantes da capacidade do Estado de investir em gente e diminuir as desigualdades são a vontade política, o volume da receita pública disponível e a eficiência com que gasta no social.A curto prazo e nas condições da maioria das sociedades contemporâneas, a estrutura progressiva da tributação \u2013 sua preocupação em cobrar dos mais ricos e poupar os mais pobres \u2013 é irrelevante, quando não é nociva.Gerar muito dinheiro para os governos, e fazê-lo de maneira que evite enfraquecer os incentivos a trabalhar e investir, é o que importa.
O estudo comparado da tributação e do gasto público revela fato chocante.Há relação quase inversa entre a justiça dos sistemas tributários no papel e o êxito de cada um deles em financiar o gasta social capacitador e igualizador.Onde há mais redistribuição de fato, como na França, a tributação indireta e \u201cinjusta\u201d do consumo serve como fonte principal de receita pública.Onde as desigualdade se agravam e o gasto social se restringe, como nos Estados Unidos, prevalece a homenagem à progressividade na tributação.
A tributação indireta do consumo, por tributos como o imposto sobre o valor agregado, pode gerar muito dinheiro com pouco desarranjo econômico.A tributação direta e diretamente igualizadora, por tributos como o imposto de renda sobre pessoa física, não produz a receita necessária.Nem pode fazê-lo, por enquanto, sem acarretar desincentivos, fugas e evasões devastadoras.
Roberto Mangabeira Urger. \u201cImpostos e paradoxos\u201d. In: Folha de S. Paulo. 28/4/98, p. 2.
 
Com base nas idéias e nos conceitos abordados no texto, e considerando o tratamento constitucional acerca da organização do Estado e do sistema tributário, julgue os itens a seguir.
(1)O Congresso Nacional, por meio de lei federal, poderia instituir no vigente sistema tributário o imposto sobre valor agregado, reduzindo a abrangência do ICMS, uma vez que a competência para legislar acerca de direito