A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
10 pág.
Infecção Genito-Urinária - Resumo Microbiologia Clínica

Pré-visualização | Página 1 de 4

Infecçã�
Genit�-Urinári�
Microbiota Habitual da Vagina de
acordo com a Faixa Etária:
● RN: estéril
● Após 24h nascimento: difteróides,
micrococos e estreptococos
não-hemolíticos
● Primeiros dias de vida: lactobacilos
● Primeiros meses de vida: enterobactérias
● Pré-puberdade: difteróides, estafilococos
e streptococcus (grupo viridans)
● Puberdade adulta: bactérias anaeróbias
(estreptococos e BGN), lactobacilos,
difteróides, microcos, streptococcus
coagulase-negativa, streptococcus
aureus, estreptococcus faecalis,
enterobacterias, estreptococos,
microaerófilos, micoplasma,
ureaplasma e leveduras (sem
filamentos)
● Pós-menopausa: difteroides
(bifidobacterium spp), raros
lactobacilos e enterobactérias
● Gravidez: anaeróbios, staphylococcus
coagulase-negativa e lactobacilos
Proteção Natural da Vagina:
. A vagina possui uma proteção natural,
promovida por uma população de bactérias do
grupo Lactobacillus Casei, que formam a
chamada Flora Vaginal
. Esses lactobacilos possuem a função de
converter a lactose e outros açúcares
simples presentes na região em ácido láctico
Considerações Gerais sobre Infecções
Vaginais:
. As infecções vaginais são causadas por
microorganismos, mas a pessoa pode tomar
as devidas precauções, como usar roupas
íntimas mais soltas e absorventes para reduzir
o risco de contrair infecções
. As infecções geralmente causam um
corrimento com coceira, vermelhidão e, às
vezes, ardência e desconforto
. O médico examina uma amostra de líquidos
da vagina ou do colo do útero para verificar se
os microrganismos que podem causar
infecções estão presentes
. O tratamento depende sempre da causa
. As infecções vaginais incluem:
➔ Vaginose bacteriana
➔ Vaginite por Trichomonas
➔ Candidíase (infecções fúngicas)
. Alguns quadros clínicos tornam a infecção
vaginal mais provável, como por exemplo:
● Redução de Acidez (pH aumentado) na Vagina:
quando ocorre a redução na acidez
vaginal, o número de bactérias
protetoras (lactobacilos) que
normalmente vivem na vagina diminui
e o número de bactérias que podem
causar infecção aumenta, às vezes
resultando em vaginose bacteriana
● Higiene Ruim: quando a área genital não
é mantida limpa, o número de
bactérias aumenta, fazendo com que
as infecções bacterianas sejam mais
prováveis
● Roupas Íntimas Apertadas e não Absorventes
esse tipo de roupa íntima retém a
umidade, que estimula o crescimento
de bactérias e fungos
● Lesão do Tecido: se os tecidos na pelve
forem danificados, as defesas naturais
do corpo ficaram enfraquecidas; os
danos podem resultar de tumores,
cirurgia, radioterapia ou anomalias
estruturais, como defeitos congênitos
ou fístulas; fístulas são ligações
anômalas entre órgãos, as quais
podem, por exemplo, permitir que o
conteúdo do intestino (que contém
bactérias) entre na vagina
● Irritação: a irritação dos tecidos
vaginais pode levar a rachaduras ou
feridas, que permitem o acesso de
bactérias e fungos á corrente
sanguínea
. Algumas causas específicas de infecções
vaginais são mais comuns entre certas faixas
etárias, como por exemplo:
● Crianças: em crianças, as infecções
vaginais são geralmente causadas por
bactérias do ânus. Essas bactérias
podem passar para a vagina quando a
menina, sobretudo aquelas com idade
entre dois e seis anos, se enxuga de
trás para frente ou não limpa
adequadamente a área genital após
evacuar. A manipulação da área
genital, especialmente se a menina
não lavar as mãos após evacuar,
também pode passar essas bactérias
para a vagina. A manipulação, muitas
vezes, é uma reação à coceira.
Colocar um objeto (por exemplo, um
brinquedo ou papel higiênico) na
vagina é outra causa comum de
infecções vaginais em crianças.
Abuso sexual é outra causa possível.
Doenças sexualmente transmissíveis,
incluindo aquelas que causam
infecções vaginais, podem ser
transmitidas durante o abuso sexual.
Enteróbios também podem causar
infecções vaginais. A criança pode ter
uma infecção vaginal quando
transportar bactérias do ânus para a
vagina, ao se limpar de trás para
frente
● Pessoas em Idade Fértil: tanto as
alterações hormonais logo antes e
durante a menstruação ou durante a
gestação como o uso frequente de
duchas, o uso de espermicidas e o
sêmen podem reduzir a acidez da
vagina. A acidez reduzida estimula o
crescimento de bactérias que
causam doenças. Deixar tampões
por muito tempo pode levar à
infecção, possivelmente porque
tampões proporcionam um ambiente
quente e úmido, no qual as bactérias
podem prosperar, podendo irritar a
vagina. Duchas muitas vezes podem
remover as bactérias normais,
protetoras da vagina, aumentando o
risco de infecção
● Pessoas após a Menopausa: após a
menopausa, a concentração de
estrogênio diminui. Como
consequência, os tecidos da vagina se
tornam mais finos, mais secos e mais
frágeis. É possível que surjam fendas
ou feridas que permitem o acesso de
bactérias ou fungos. Além disso,
ocorre uma redução da acidez na
vagina, o que aumenta o risco de
infecção. A mulher que tiver
incontinência urinária ou que estiver
confinada à cama pode ter dificuldade
em manter a área genital limpa. A
irritação da urina e das fezes pode
levar à infecção
● Pessoas de Todas as Idades: os quadros
clínicos que aumentam o risco de
contrair uma infecção vaginal em
qualquer idade incluem uma fístula
(conexão anormal) entre o intestino e
o trato genital, o que permite que
bactérias do intestino entrem no trato
genital e radioterapia pélvica ou
tumores pélvicos, que causam a
decomposição dos tecidos e, com
isso, prejudicam os processos
normais de defesa do organismo
contra infecções. Fora as infecções,
outros quadros clínicos causam até
30% dos casos de vaginite. Por
exemplo, a vaginite pode ser causada
por irritação ou hipersensibilidade a
sprays de higiene ou perfumes,
absorventes, sabão de roupa,
alvejantes, amaciantes, corantes de
tecido, fibras sintéticas, produtos
acrescentados à água do banho,
papel higiênico ou, ocasionalmente,
espermicidas, cremes ou lubrificantes
vaginais, preservativos de látex, anéis
vaginais ou diafragmas
Sintomas de Infecções Vaginais:
. Normalmente, as infecções vaginais causam
corrimento vaginal. Esse corrimento é
diferente de uma secreção normal, pois
costuma vir acompanhado de coceira,
vermelhidão e, às vezes, ardência ou
desconforto na região genital. O corrimento
pode ter cheiro de peixe. A aparência e a
quantidade de corrimento tendem a variar de
acordo com a causa
. A coceira pode interferir com o sono
. Algumas infecções podem tornar a relação
sexual dolorida e a micção dolorida e mais
frequente
. Raramente, as dobras de pele ao redor dos
ofícios vaginais e uretral ficam aderidas
Diagnóstico de Infecções Vaginais:
➔ Avaliação médica
➔ Exame e análise de amostras do
corrimento e/ou do líquido do colo do
útero
. Se a pessoa tiver um corrimento vaginal com
coceira, ou tiver outros sintomas vaginais, tais
como vermelhidão, ardência, desconforto ou
dor durante a relação sexual, deve consultar
um médico
. O histórico clínico também é muito
importante para o diagnóstico, assim como
exames físicos (como o exame pélvico, por
exemplo, em que há a verificação do útero e
ovários) e análises também são
. Em crianças com o diagnóstico de
Trichomonas deve-se atentar para que a
causa não tenha sido um abuso sexual
Prevenção de Infecções Vaginais:
. A prevenção inclui:
➔ Manter a área genital limpa e seca
para ajudar a prevenir infecções
(recomenda-se lavar todos os dias
com um sabonete neutro e sem
fragrância como, por exemplo,
sabonete de glicerina, e depois
enxaguar e secar completamente)
➔ Enxugar de frente para trás após
urinar ou evacuar impede que as
bactérias do ânus sejam levadas para
a vagina
➔ Ensinar bons hábitos de higiene para
as crianças desde cedo
➔ Vestir roupas soltas e absorventes,
como roupas íntimas de algodão ou
com forro de algodão, para permitir
que o ar circule e ajude a manter a
área genital seca
➔ Praticar sexo seguro e limitar o
número de parceiros sexuais
. Fazer duchas com frequência e usar duchas
medicamentosas não é recomendado. A
ducha pode remover bactérias

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.