A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
24 pág.
4 Ceratometria aparelho

Pré-visualização | Página 1 de 1

CERATOMETRIA
ANTONIO CLÁUDIO DA SILVA MACIEL
OPTOMETRA BRASIL
Ceratometria
■ ETIMOLOGIA (origem da palavra):
■ CERATOS: córnea
■ METRIA: medida
■ Definição: Medida da córnea
■ Conhecida também como
QUERATOMETRIA.
2
ANTONIO CLAUDIO DA SILVA
MACIEL OPTOMETRA BRASIL
3
ANTONIO CLAUDIO DA SILVA
MACIEL OPTOMETRA BRASIL
■ É uma técnica clínica OPTOMÉTRICA,
objetiva que se utiliza para medir a
curvatura da superfície anterior da
córnea em dioptrias, com um aparelho
chamado CERATÔMETRO.
Ceratometria
4
ANTONIO CLAUDIO DA SILVA
MACIEL OPTOMETRA BRASIL
Globo Ocular – Influências
nas ametropias
Eixo antero-posterior 24mm
Curvatura Corneal +43,00dp
Índice de refração
dos meios
Curvatura Cristalino +12,00dp
5
AN
TO
N
IO
 C
LA
U
D
IO
 D
A 
SI
LV
A
M
AC
IE
L 
O
PT
O
M
ET
RA
 B
RA
SI
L
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
12. Ocular
2. Apoio de Testa
3. Queixeira
4. Regulador de Queixeira
8. Regulador de Apoio de Testa
9. Regulador de Miras
11. Regulador da Altura do
 Corpo do Ceratômetro
10. Trava do Corpo do Ceratômetro
1. Oclusor
6. Tambor de dioptrias Vertical
7. Tambor de dioptrias Horizontal
5. TransferidorCorpo do Ceratômetro
13. Marca de ajuste
13
■ Ceratômetro de Helmholtz
6
ANTONIO CLAUDIO DA SILVA
MACIEL OPTOMETRA BRASIL
Elementos internos do
Ceratômetro
- -
+
CRUZ
MIRA
S 7
ANTONIO CLAUDIO DA SILVA
MACIEL OPTOMETRA BRASIL
Serve para determinar:
■ A quantidade e o eixo do astigmatismo
corneal. Relaciona-se de forma direta com o
astigmatismo refrativo(ou seja o da RX).
■ Em lentes de contato, a curva base e o tipo
de lente a adaptar.
■ O estado corneal e controlar variações em
sua estrutura.
■ A relação entre a curvatura corneal e o
estado refrativo.
■ Muitas vezes observa-se a qualidade da
lágrima.
Ceratometria
8ANTONIO CLAUDIO DA SILVA
MACIEL OPTOMETRA BRASIL
Ceratometria
9AN
TO
N
IO
 C
LA
U
D
IO
 D
A 
SI
LV
A
M
AC
IE
L 
O
PT
O
M
ET
RA
 B
RA
SI
L
Para realizar a ceratometria necessita-se
de:
■ Transparência corneal
■ Superfície regular que permita o
reflexo das miras.
■ Também é necessário certo grau de
colaboração por parte do paciente.
Ceratometria
Requisitos
10
ANTONIO CLAUDIO DA SILVA
MACIEL OPTOMETRA BRASIL
 Cruz para orientação do examinador
tanto para:
✔ focalizar a ocular,
✔ como para centralização das miras.
Com o ceratômetro desligado!
Ceratometria
Passo a passo
11
ANTONIO CLAUDIO DA SILVA
MACIEL OPTOMETRA BRASIL
Com o ceratômetro
ligado!
✔ Observa-se 3 miras verdes;
✔ Ainda desfocadas;
✔ Tenta encaixar a cruz preta
 no centro da segunda mira.
- --
++
Ceratometria
Passo a passo
12
ANTONIO CLAUDIO DA SILVA
MACIEL OPTOMETRA BRASIL
- --
++
Utilizando o Regulador de
miras
✔ Deixa-se as 3 miras nítidas
Ceratometria
Passo a passo
13
ANTONIO CLAUDIO DA SILVA
MACIEL OPTOMETRA BRASIL
- -
+
Depois das 3 miras nítidas
✔ Tenta a união dos sinais
(+) Horizontal
(-) Vertical
✔ Consegue-se utilizando o tambor
de dioptrias.
✔ Para encontrar o eixo, observa o
Sinal de positivo (+) ele tem que
estar perfeito;
✔ Se não estiver gira o corpo
do ceratômetro até o sinal ficar
nítido e definito.
Ceratometria
Passo a passo
14
ANTONIO CLAUDIO DA SILVA
MACIEL OPTOMETRA BRASIL
1) Meridiano Horizontal /Meridiano Vertical x Eixo +
Plano. Ex: 42,00/44,00 x 0º
2) Meridiano + Plano/ Meridiano + Curvo x Eixo
Meridiano + Plano. Ex: 42,00/44,00 x 0º
3) Cilindro Eixo + Plano/ Meridiano + Plano.
Ex: 2,00 x 0º 42,00
4) Meridiano Horizontal x Eixo/ Meridiano Vertical x Eixo
Ex: 42,00 x 0º/44,00 x 90º
Ceratometria
FORMAS DE ANOTAÇÃO
Ex: Meridiano Horizontal 42,00x0º
 Meridiano Vertical 44,00x90º
15
ANTONIO CLAUDIO DA SILVA
MACIEL OPTOMETRA BRASIL
Final: 42,00/44,00 x 0º
Ceratometria
FORMAS DE ANOTAÇÃO
Ex: Meridiano Horizontal 42,00x0º
 Meridiano Vertical 44,00x90º
Meridiano
+ Plano
Meridiano
 + Curvo
Eixo Meridiano
+ Plano
42,00 44,00 0
º
16
ANTONIO CLAUDIO DA SILVA
MACIEL OPTOMETRA BRASIL
Final: 42,00 esf.
Ceratometria
FORMAS DE ANOTAÇÃO
Ex: Meridiano Horizontal 42,00x0º
 Meridiano Vertical 42,00x90º
Meridiano
Único ESF.
17
ANTONIO CLAUDIO DA SILVA
MACIEL OPTOMETRA BRASIL
Schimer – quantidade da lágrima em relação ao tempo
Teste de Avaliação do Filme Lagrimal
18
ANTONIO CLAUDIO DA SILVA
MACIEL OPTOMETRA BRASIL
But - não invasivo, avaliar a qualidade
da lágrima em relação ao tempo de
ruptura.
19
ANTONIO CLAUDIO DA SILVA
MACIEL OPTOMETRA BRASIL
■ 0º a 30º e 150º a 180º a favor da regra.
■ 30º a 60º e 120º a 150º oblicuo. (Ruim adaptação)
■ de 60º a 120º contra a regra. (Ruim adaptação)
Pág.
19
Astigmatismo – Segundo o Eixo
20
AN
TO
N
IO
 C
LA
U
D
IO
 D
A 
SI
LV
A
M
AC
IE
L 
O
PT
O
M
ET
RA
 B
RA
SI
L
■ MIRAS OVALADAS : Astigmatismo
Corneal Alto.
■ MIRAS ENTRECORTADAS : Cirurgia
Refrativa , Corpo Estranho.
■ MIRAS DISTORCIDAS : Queratopatias ,
Patologias Corneais.
Ceratometria
21
ANTONIO CLAUDIO DA SILVA
MACIEL OPTOMETRA BRASIL
A ceratometria pode ser difícil de realizar
quando se apresentam situações como:
■ Cicatrizes corneais,
■ Excesso de lágrima,
■ Ceratocones,
■ Fenda palpebral estreita, etc.
Ceratometria
22
ANTONIO CLAUDIO DA SILVA
MACIEL OPTOMETRA BRASIL
VALORES NORMAIS
■ relação mais plana Hipermetropia 40/41
■ relação mais curva Miopia 46/48
Ceratometria
23
ANTONIO CLAUDIO DA SILVA
MACIEL OPTOMETRA BRASIL
■ Focalize constantemente e faça o paciente
piscar para ACLARAR as miras.
■ Se o paciente for um menino suspende o
menino e coloque a sua mão embaixo de sua
cabeça.
■ Tenha em conta a qualidade das miras.
■ NOTA: é conveniente sempre repetir um par
de vezes as medidas ceratométricas.
Ceratometria
Recomendações
24
ANTONIO CLAUDIO DA SILVA
MACIEL OPTOMETRA BRASIL

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.