A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
Asfixias

Pré-visualização | Página 1 de 2

MEDICINA LEGAL (AULA 2)
ASFIXIAS MÉDICO LEGAIS
CONCEITO:
· É a supressão da respiração decorrente de energia físico-química, produzindo impedimento à penetração do ar atmosférico na árvore brônquica. 
· A morte produzida por monóxido de carbono não é considerada asfixia, mas sim intoxicação (toxicologia forense).
FASES DA ASFIXIA: 
1. Dispneia inspiratória 🡪 Dura cerca de 1 minuto. Indivíduo consciente faz grande esforço para receber oxigênio. É decorrente da hipoxemia. 
2. Dispneia expiratória → Dura cerca de 2 a 3 minutos. Devido a hipercapnia (grande concentração de gás carbônico). O indivíduo perde gradativamente a consciência e pode apresentar convulsões – começa a perder a consciência. 
3. Esgotamento → dura de 2 a 3 minutos, indivíduo inconsciente. Ocorre a parada cardiorespiratória (morte aparente - sinal imediato → Período de incerteza de Tourdes). 
· Se não fazer manobras de cardioversão (massagem cardiaca) esse individuo vai evoluir para a morte, logo se não fazer nenhum procedimento ele vai morrer. Porém, ainda não é considerado sinal de certeza de morte e sim probabilidade. 
4. Morte 🡪 irreversibilidade (sinal consecutivo - mediato)
IMPORTANCIA LEGAL:
· A asfixia é considerada meio cruel, o processo asfíxico somente produz a morte com cerca de cinco minutos, sendo meio demorado de produzir a morte com sofrimento da vítima, o que nos mostra o inequívoco dolo de matar 🡪 o criminoso teve tempo para se arrepender e suspender a conduta. 
· A morte em legítima defesa através da asfixia, é muito difícil de ser aceita, uma vez que vindo a pessoa desfalecer no primeiro minuto, tem o agressor mais quatro minutos para arrepender-se e sustar o processo asfíxico. 
SINAIS DE ASFIXIA - TRÍADE DA ASFIXIA:
Se constituem em sinais presentes em todas as modalidades de asfixia:
1. Sangue fluido escuro:
· O sangue arterial é claro, pois é oxigenado, já o sangue venoso é escuro porque já perdeu oxigênio. Logo, o indivíduo que morrer de asfixia vai estar com sangue escuro pois perdeu oxigênio. 
· Exceção no afogamento em que o sangue é claro. O asfíxico tem o sangue mais escuro porque o pulmão não consegue fazer trocas gasosa, deixando prevalecer o sangue arterial. Já o afogado, terá um sangue claro devido a diluição (hemodiluição) do sangue no pulmão que esta congesto de água. 
2. Congestão poli-visceral:
· Os órgãos acabam ficando inchado (congesto de sangue). 
3. Equimose ou mancha de Tardieu 🡪 encontradas nas regiões conjuntival, sub-pleural e sub-epicárdica. São pequenos pontos (manchas) de sangue – só aparece na asfixia – importante para saber como ocorreu o óbito, porém não tem como saber qual o tipo da asfixia, apenas sabe que ele morreu de asfixia . 
CUIDADO! EXEMPLO DE IMPORTANCIA DA PERÍCIA: ENFORCAMENTO OU MUDANÇA NA CENA DO CRIME?
· A falta de equimose, congestão poli-visceral, hemorragias dos tecidos profundos do pescoço, nos leva a pensar em morte prévia ao enforcamento
· Também os livores cadavéricos (que começam com cerca de 30 minutos nos locais de maior declive – como petéquias – e se fixam com intensidade em 6 horas) fora das regiões usuais da ação gravitacional no enforcamento nos mostram que o mesmo foi removido do real local do crime
 EXEMPLO CONTRÁRIO: MORTE POR ESGANADURA SIMULOU QUEDA DE EDIFÍCIO 
· A mulher apresentava as manchas de Tardie, sangue com fluido escuro e congestão poli-visceral. Com isso, comprovou que a mulher não se suicidou e sim ele asfixiou ela e depois jogou ela do prédio. 
TIPOS DE ASFIXIA MÉDICO LEGAIS:
1) Asfixias por obstrução das vias respiratórias:
· Sufocação direta: obstáculos à passagem do ar (narina, boca, laringe) – crianças, bebês.
Pode ser acidental: 
· Constrição cervical: Enforcamento/Estrangulamento/Esganadura – Acidental é raro. Mais comum em crimes/suicídio
2) Asfixias por restrição aos movimentos do tórax:
· Compressão torácica (sufocação indireta) 🡪 ação dolosa, intencional (ex: sentar sobre o tórax de alguém). 
· Fraturas costais múltiplas (perfuração pulmonar / respiração paradoxal 🡪 em serrote)
3) Por modificação do meio ambiente:
· Afogamento
· Soterramento
· Confinamento
1) ASFIXIAS POR OBSTRUÇÃO DAS VIAS RESPIRATÓRIAS:
POR SUFOCAÇÃO DIRETA:
Oclusão da boca e fossas nasais: 
· Obstáculos à passagem do ar (narina, boca, laringe) – crianças, bebês. 
· Quase sempre criminosas (comum no infanticídio). 
· Grande desproporção de forças entre vítima e agressor. 
· Pode deixar marcas na face da vítima se realizada com as mãos. 
 
Oclusão das vias respiratórias:
· Maioria acidental, muito rara no suicídio e no homicídio.
· Causada pelos corpos estranhos mais diversos (engasgamentos). 
· Ex: engasgamento com pedaço de carne (em adultos) e partes de brinquedos (em crianças). 
 
CONSTRIÇÃO CERVICAL: 
Enforcamento: 
· Interrupção do ar atmosférico até as vias respiratórias, em decorrência da constrição do pescoço por um laço fixo, agindo o peso do próprio corpo da vítima como força ativa.
· Mais comum nos suicídios, mas podendo ter como causa o acidente ou o homicídio. 
Mecanismos: 
· As mortes por enforcamento não sobrevivem logo, levando geralmente 5 a 10 minutos, entretanto já há a perda de consciência, em muitos casos, em 10 segundos. 
· Mecanismo → Dois mecanismos combinados o vascular e o respiratório resultam na morte, sendo o mais importante o vascular quando o laço impede a chegada do sangue para o cérebro e o retorno venoso da cabeça ao coração. Basta 2 kg para obliterar jugulares, 5kg para carótidas e 25 para cervicais.
· Existe também o mecanismo neurológico. Ele acontece quando há queda longa - pula (mais que 1,5 metros de altura), o mecanismo de corte pode ser neurológico 🡪 fratura medular. 
Fases do enforcamento:
1. Inicial: sensação de calor, zumbidos, sensações luminosas visuais (fotopsias) e perda da consciência (10 segundos).
2. Segundo: excitabilidade corporal e convulsões - paciente inconsciente. 
3. Terceiro: sinais de morte aparente (imediato) até morte real → inexcitabilidade, para cardíaca. 
4. Tempo para a morte: 5 a 10 minutos. 
Tipos de enforcamento:
1. Enforcamento completo → Corpo sem nenhum ponto de apoio, sai completamente do chão (árvore)
2. Enforcamento incompleto → Apoio de qualquer parte do corpo no chão (porta). 
OBS: ambos são efetivos para determinar a morte 
Aspecto do cadáver:
· Cabeça voltada para o lado contrário do nó
· Face branca ou arroxeada → branca porque não está indo sangue e arroxeada porque não está tendo retorno venoso.
· Língua cianótica e projetada para fora
· Pavilhão auricular violáceo 
· Olhos protrusos, otorragia ocasional
· Posição dos membros estendidos ao longo do corpo 
· Manchas de hipóstase na metade inferior do corpo → Livores, por motivo da gravidade. 
Características do sulco cervical:
· Obliquo e sentido ascendente
· Descontínuo → interrompe na altura do nó. 
· Com interrupção na altura do nó
· Desigualmente profundo 
Estrangulamento:
· Constrição do pescoço por laço acionado por força estranha ao peso do próprio corpo. 
· Também é estrangulamento a asfixia mecânica por constrição do pescoço promovida por golpes como “chave de braço” ou “gravata”
· O estrangulamento é sempre realizado por ação de um terceiro 
· Sinais semiológicos cadavéricos se assemelham ao do enforcamento
· Mudança principal está no sulco cervical (diferencia o enforcamento do estrangulamento)
Características do sulco cervical:
· Sulco é horizontal → Diferente do enforcamento que é transversal. 
· Uniforme e contínuo 
· Normalmente situado abaixo da cartilagem tireoide 
· Pode haver múltiplos sulcos (enrolamento de uma corda) 
Esganadura:
· É a asfixia mecânica por constrição anterolateral do pescoço, produzida pela ação direta das mãos do agente. 
· Ex: infanticídio – mãe esgana bebê sob vigência do estado puerperal 
· Sempre homicídio → ninguém consegue se esganar sozinho. 
· Requer execução, superioridade de forças ou que a vítima não possa, por algum motivo, opor resistência. 
· Escoriações e marcas ungueais do agressor na pele do pescoço. 
Características das lesões:
· Não há sulco