A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Questões de Asma e de Bronquiolite Viral Aguda

Pré-visualização | Página 1 de 1

Questões de Asma e Bronquiolite viral aguda
QUESTÃO 1
HOSPITAL DAS CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE – 2019
Considerando as doenças pediátricas comuns no inverno, qual das medidas abaixo produz melhores resultados para prevenir a transmissão de bronquiolite aguda em lactentes hospitalizados?
a) Lavagem das mãos.
b) Limpeza terminal diária dos quartos.
c) Proibição de visitas de crianças em idade escolar.
d) Uso de máscaras tipo bico de pato.
e) Isolamento protetor e uso de aventais descartáveis pelos examinadores e familiares.
QUESTÃO 2
SES - DF – 2016
Acerca da Bronquiolite Viral Aguda (BVA), julgue o item a seguir: os benefícios do uso de broncodilatadores no tratamento de pacientes acometidos pela BVA têm sido comprovados mediante evidencias científicas bem estabelecidas.
a) Certo b) Errada
QUESTÃO 3
HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ – 2014
As crises de asma brônquica nos primeiros 12 meses de vida estão principalmente relacionados à(s):
a) Infecções virais.
b) Infecções bacterianas.
c) Infecções micóticas.
d) Parasitoses intestinais.
e) Alergia alimentar.
QUESTÃO 4
HOSPITAL UNIVERSITÁRIO SUL FLUMINENSE – 2014
Considera-se critério para asma muito grave, exceto:
a) Agitação psicomotora ou confusão mental.
b) Dispneia intensa em repouso.
c) Bradicardia.
d) Sibilos expiratórios.
e) PaO2 (em ar ambiente) < 60mmHg.
QUESTÃO 5
HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA – 2018
Julgue o próximo item, relativo ao tratamento de complicações clínicas no sistema respiratório. Os agentes beta-2-agonistas de curta duração são fármacos de escolha no tratamento da broncoconstrição aguda, por apresentarem um mecanismo de ação que envolve a liberação de óxido nítrico (NO), que estimula o GMP cíclico (cGMP), que irá estimular a quinase da proteína C (PKC), que, por sua vez, estimula a PKG.
a) Verdadeiro.
b) Falso.
QUESTÃO 6
FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA UNICAMP – 2019
Escolar de seis anos de idade, com diagnóstico de asma, comparece para consulta ambulatorial. Mãe relatou internação hospitalar há 30 dias devido à quadro de insuficiência respiratória. Após alta hospitalar criança tem apresentado nas últimas quatro semanas sintomas noturnos, limitação das atividades e sintomas diurnos três vezes por semana. Segundo o Global Strategy for Asthma Management and Prevention (GINA report -2018), qual a classificação da asma:
a) Asma controlada.
b) Asma não controlada.
c) Faltam parâmetros para análise: PFE ou VEF1 e medicação de alívio.
d) Asma parcialmente controlada.
QUESTÃO 7
RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO AMAPÁ – 2015
Paciente de 6 anos chega ao consultório, com a mãe dizendo as seguintes queixas, “Dr, meu filho geralmente fica cansado 2x por semana, falta escola de vez enquanto por causa disso, quando corre muito também fica cansado, só melhora com aerossol passado na emergência, e é a noite que geralmente piora”. Com base nisso você classificaria ele como:
a) Crise de asma intermitente.
b) Crise de asma persistente leve.
c) Crise de asma persistente moderada.
d) Crise de asma persistente grave.
e) Portador de fibrose cística.
QUESTÃO 8
HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY – 2019
Criança de 8 anos de idade, pais atópicos, portadora de asma em tratamento com uso de monlukast 4mg diariamente, corticoide inalatório, em dose baixa, salbutamol diário, 200mcg a cada 6h, via inalatória e orientação de controle ambiental com adesão correta ao tratamento, evolui com manutenção do quadro de sibilância, restrição moderada de atividades rotineiras e sem crises noturnas. Qual a conduta de escolha para manutenção mais adequada para o caso?
a) Manter medicação e aguardar a evolução.
b) Iniciar broncodilatador B2 agonista de longa ação.
c) Aumentar o corticosteroide inalatório para doses moderadas.
d) Aumentar a dosagem do corticosteroide para dose máxima.
QUESTÃO 9
INSTITUTO E HOSPITAL OFTALMOLÓGICO DE ANÁPOLIS – 2019
Uma criança de 18 meses é atendida no ambulatório com relato de 3 episódios de “chiado no peito”, logo após ter completado o 1° semestre de vida. Que outros dados da história clínica aumentam a probabilidade de asma de apresentação precoce:
a) Sinais de dermatite atópica + tosse noturna.
b) Sibilância induzida por vírus + 1 dos pais com asma.
c) Sintomas nasais (prurido e rinorréia) + sinais de dermatite atópica.
d) Dados clínicos sugestivos de refluxo gastroesofágico + rinorréia.
QUESTÃO 10
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS – 2019
A bronquiolite viral aguda (BVA) é a infecção do trato respiratório inferior mais comum em crianças pequenas. Ocorre mais frequentemente nos primeiros dois anos de vida, com maior incidência em menores de seis meses. São considerados critérios clínicos de gravidade identificados na evolução da BVA:
a) Idade menor de 6 meses, cor branca, sexo masculino, hiperinsuflação torácica difusa e história familiar de atopias.
b) Intolerância ou inapetência alimentar, letargia, história pregressa de apneia, gemência e cianose.
c) Identificação do virus sincicial respiratório (VSR), crepitações e sibilância.
d) Tosse produtiva, taquipneia e leucocitose com linfocitose nos exames laboratoriais.
 
QUESTÃO 11
UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE – 2014
Entre as causas frequentes de sibilância recorrente e tosse na criança podemos encontrar:
a) Discinesia ciliar e imunodeficiências.
b) Alergia ao leite de vaca e raquitismo.
c) Anormalidades vasculares e fibrose cística.
d) Refluxo gastroesofágico e hiper-reatividade brônquica pós-viral.
QUESTÃO 12
INSTITUTO DE ASSISTÊNCIA MÉDICA AO SPE – 2017
Menina de 6 anos, com antecedente de asma, sem uso de profilaxia, da entrada no pronto-socorro com quadro de falta de ar há 6 horas. Os sintomas iniciaram após a criança ter ajudado a avó a arrumar um armário de roupas antigas. À entrada, a criança se encontra alerta, com FR = 40 ipm, apresentando tiragens de fúrcula e intercostal, fala entrecortada e saturação de 89% em ar ambiente. Na ausculta são identificados sibilos expiratórios difusos. Além de oferecer O2, a conduta inicial adequada para a paciente citada é prescrever:
a) Terbutalina subcutânea.
b) Sulfato de magnésio intravenoso lento.
c) Beta – 2 agonista de curta duração associado a corticoide sistêmico.
d) Beta- 2 agonista de curta duração e corticoide inalatório.
QUESTÃO 13
IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓDIA DE SÃO CARLOS – 2019
Das alternativas abaixo, qual apresenta o fator de risco mais fortemente associado a crises de asma fatais ou quase fatais:
a) Uso pouco frequente de corticosteroides sistêmicos.
b) Asma lábil, com poucas variações de função pulmonar.
c) História de internação prévia por asma grave em UTI, com ou sem suporte ventilatório.
d) Cinco ou mais visitas à emergência ou três ou mais hospitalizações por asma no último semestre.
GABARITO
1- A
2- B
3- A
4- D
5- B
6- B
7- C
8- B
9- C
10- B
11- D
 12- C
 13- C

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.