Apostila UNIJUÍ - Pesquisa em administração
232 pág.

Apostila UNIJUÍ - Pesquisa em administração


DisciplinaPesquisa de Mercado4.223 materiais66.221 seguidores
Pré-visualização50 páginas
recebem uma escala que
contém um número ou uma descrição sumária associada a cada categoria. As categorias
são ordenadas em termos de posição na escala, e os respondentes devem selecionar a cate-
goria especificada que melhor descreve o objeto que está sendo classificado.
EaD Eni se Bart h Teixeira \u2013 Luci ano Z amb er la n \u2013 Pedro C ar los Rasia
152
As escalas de classificação por itens são largamente empregadas em pesquisas de mer-
cado e as mais conhecidas são a Escala de Likert e a Escala de Diferencial Semântico.
A Escala de Likert (em homenagem ao seu criador, Rensis Likert) é uma escala de
classificação amplamente utilizada (se não a mais utilizada), que exige que os entrevista-
dos indiquem um grau de concordância ou discordância com cada uma de uma série de
afirmações sobre objetos de estímulos. Tipicamente, cada item da escala tem cinco catego-
rias de respostas, que vão de \u201cdiscordo totalmente\u201d a \u201cconcordo totalmente\u201d.
Você também pode empregar outros rótulos nas Escalas de Likert, por exemplo, os de
satisfação:
Ou os de importância:
Ou ainda os de utilização:
Os nomes dados aos rótulos em uma Escala de Likert dependem diretamente da atitu-
de que você esteja avaliando.
 
 Discordo Nem Concordo Concordo 
 Totalmente Discordo Nem Discordo Concordo Totalmente 
 
 1 2 3 4 5 
 
 
 Muito Nem Ins atisfeito Muito 
 Insatisfeito Insatisfeito Nem Satisfeito Satisfeito Satisfeito 
 
 
1
 
 2
 
 3
 
 4 5 
 
 
 
 Sem Pouca Razoável Muito 
 Importância Importância Importância Importante Importante 
 
 1 2 3 4 5 
 
 Nunca Utilizo Utilizo Utilizo Sempre 
 Utilizo Pouco Razoavelmente Muito Utilizo 
 
 1 2 3 4 5 
EaD
153
PESQUISA EM A DMINI ST RAÇ ÃO
A Escala Diferencial Semântica geralmente possui sete pontos, com os pontos extre-
mos associados a rótulos bipolares.
Em uma aplicação característica, os entrevistados classificam objetos em relação a
diversas escalas de sete pontos, limitadas em cada extremidade por um de dois adjetivos, por
exemplo, \u201cfrio\u201d e \u201cquente\u201d, \u201cbarato\u201d ou \u201ccaro\u201d, \u201cgordo\u201d ou \u201cmagro\u201d.
Adotamos esse tipo de escala em uma pesquisa direcionada a avaliar a imagem que as
pessoas tinham em relação a um município. A questão era: A imagem que você tem de
(nome da cidade) é de ser uma cidade:
d) Escalas de Razão
Uma escala de razão contém todas as propriedades das escalas nominal, ordinal e
intervalar e, além disso, um ponto zero absoluto. Assim, em escalas de razão podemos iden-
tificar ou classificar objetos, dispô-los em postos e comparar intervalos ou diferenças. Altu-
ra, peso, idade e dinheiro constituem exemplos comuns de escalas de razões.
Por exemplo: Digamos que você queira investigar o quanto as pessoas gastam com
táxi durante um dia de chuva. Esse tipo de pergunta é classificada como escala de razão,
pois permite um ponto zero absoluto, ou seja, pode ser que o entrevistado não tenha gasto
um real sequer em táxi naquele dia.
Antiga 1 2 3 4 5 6 7 Moderna 
Segura 1 2 3 4 5 6 7 Perigosa 
Bonita 1 2 3 4 5 6 7 Feia 
Feminina 1 2 3 4 5 6 7 Masculina 
Amigável 1 2 3 4 5 6 7 Fria 
Harmoniosa 1 2 3 4 5 6 7 Conflituosa 
 
EaD Eni se Bart h Teixeira \u2013 Luci ano Z amb er la n \u2013 Pedro C ar los Rasia
154
7.2.7 \u2013 QUESTIONÁRIO
Questionário é um conjunto formal de perguntas cuja finalidade é obter informações
dos entrevistados (Malhotra, 2001). Um bom questionário é aquele capaz de coletar os da-
dos necessários para atingir os objetivos específicos da pesquisa. As perguntas devem estar
diretamente relacionadas ao propósito do projeto.
O primeiro passo na elaboração de um questionário é especificar a informação
buscada \u2013 e este é igualmente o primeiro passo no processo de planejamento de uma
pesquisa.
É recomendável que você procure rever o seu problema de pesquisa, seus objetivos
geral e específico e as características que influenciam seu projeto de pesquisa. Isso pode
ajudar a garantir que o instrumento de coleta de dados venha a atingir o seu propósito de
contribuir com o alcance de suas metas informacionais.
É importante também levar em consideração o público-alvo da sua pesquisa. As
características dos participantes influenciam a elaboração do questionário. Questões
dirigidas a universi tários podem não ser necessariamente adequadas para idosos apo-
sentados.
Para que você conheça e tenha melhores condições para estruturar um questionário,
apresenta-se na Figura 1 o processo de elaboração.
Uma vez especificada a informação de que necessitamos e definido o tipo de método
de entrevista, o próximo passo consiste em determinar o conteúdo das perguntas.
É necessário que você se questione: Essa pergunta é mesmo necessária? As perguntas
de um questionário devem contribuir para a informação desejada.
EaD
155
PESQUISA EM A DMINI ST RAÇ ÃO
Figura 1: Processo de elaboração de um questionário
Fonte: Malhotra (2001).
Quanto à estrutura das perguntas, estas podem ser estruturadas ou não-estruturadas.
As não-estruturadas são aquelas abertas, que o entrevistado responde com suas próprias
palavras. São conhecidas também como perguntas de resposta livre. Eis alguns exemplos:
\u2022 Onde você estuda?
\u2022 Qual é seu político preferido?
As perguntas abertas são boas como primeiras perguntas sobre um tópico. Permitem
ao entrevistado expressar atitudes e opiniões gerais que irão ajudar o pesquisador a inter-
pretar suas respostas a perguntas estruturadas. As principais desvantagens destas pergun-
tas é que a codificação das respostas consome mais tempo e, se a resposta for longa, exigirá
mais trabalho do pesquisador para registrá-la literalmente. É o tipo mais utilizado de ques-
tões nas pesquisas qualitativas.
 Especificar a informação de que necessitamosEspecificar a informação de que necessitamosEspecificar a informação de que necessitamos
Especificar o tipo do método da entrevistaEspecificar o tipo do método da entrevistaEspecificar o tipo do método da entrevista
Determinar o conteúdo das perguntas individuaisDeterminar o conteúdo das perguntas individuaisDeterminar o conteúdo das perguntas individuais
Planejar as questões de modo a superar a 
incapacidade e/ou má vontade do entrevistado
Planejar as questões de modo a superar a 
incapacidade e/ou má vontade do entrevistado
Planejar as questões de modo a superar a 
incapacidade e/ou má vontade do entrevistado
Decidir quanto à estrutura das questõesDecidir quanto à estrutura das questõesDecidir quanto à estrutura das questões
Determinar o fraseado das questõesDeterminar o fraseado das questõesDeterminar o fraseado das questões
Dispor as questões na ordem adequadaDispor as questões na ordem adequadaDispor as questões na ordem adequada
Identificar a forma e o layout do questionárioIdentificar a forma e o layout do questionárioIdentificar a forma e o layout do questionário
Reproduzir o questionárioReproduzir o questionárioReproduzir o questionário
Eliminar defeitos por meio de um pré-testeEliminar defeitos por meio de um pré-testeEliminar defeitos por meio de um pré-teste
EaD Eni se Bart h Teixeira \u2013 Luci ano Z amb er la n \u2013 Pedro C ar los Rasia
156
As perguntas estruturadas especificam o conjunto de respostas alternativas e o for-