Custos_e_Producao

Custos_e_Producao


DisciplinaEconomia I26.162 materiais188.865 seguidores
Pré-visualização2 páginas
*
*
Custos e Produção
Renata Pedretti Morais Furtado
*
*
Custo de produção
O custo de produção tem como principal finalidade servir para análise da rentabilidade dos recursos empregados numa atividade produtiva, útil no processo de tomada de decisão do empresário.
*
*
Custo de produção
Para avaliar o custo de produção de uma firma é importante considerar dois períodos de tempo:
O curto prazo: em que a firma pode alterar (elevando ou reduzindo) alguns insumos- mas não todos- para aumentar ou reduzir a produção. Geralmente, no curto prazo, a firma responde a um aumento de demanda contratando mais mão-de-obra e comprando mais matérias-prima, mas suas instalações e equipamentos continuam os mesmos.
*
*
Longo prazo: a firma neste caso pode alterar todos os insumos, inclusive o tamanho das instalações e equipamentos.
O curto prazo é o mínimo de tempo necessário para que um ciclo se complete, isto é, o período entre o emprego dos recursos e a resposta a estes em forma de produto. O longo prazo envolve dois ou mais ciclos produtivos.
*
*
Custos fixos:
São aqueles que não aumentam nem diminuem quando a produção varia.
Tem como características básicas:
Tem duração superior ao curto prazo;
Não se incorporam totalmente no produto a curto prazo;
Não são facilmente alteráveis no curto prazo; em geral se enquadram nesta categoria, terras, benfeitorias, máquinas, equipamentos, impostos e taxas fixas, animais produtivos, dentre outros.
*
*
Custos variáveis
São aqueles que aumentam ou diminuem quando a produção varia.
Tem como características básicas:
Duração inferior ou igual ao curto prazo;
Incorporam-se totalmente ao produto no curto prazo;
São alteráveis no curto prazo e essas alterações provocam variações na quantidade e qualidade do produto dentro do ciclo. Como exemplos: gastos com insumos, matérias-primas, assistência técnica. São desembolsos efetuados dentro do ciclo produtivo, portanto tem importância considerável na tomada de decisão do empresário
*
*
Custo total
É a soma do custo fixo e do custo variável.
O custo total médio é o custo total por unidade de produto obtido pela divisão do custo total pela quantidade produzida.
CTME = CT/Q
*
*
Custo marginal
O custo marginal é o custo de se produzir uma unidade a mais do produto. É a mudança no custo total resultante da mudança de uma unidade no produto.
Os custos marginais representam o custo mais importante para tomar decisões de produção, pois o custo marginal significa a alteração (geralmente o aumento do custo total necessário para produzir mais uma unidade).
*
*
Longo prazo
No planejamento de longo prazo qualquer tamanho no nível de negócios é uma possibilidade para a empresa. Todos os recursos são variáveis. A empresa pode mudar as quantidades de terra, benfeitorias e equipamentos e outros recursos utilizados, por unidade de tempo. É útil considerar o longo prazo como uma série de situações alternativas de curto prazo em qualquer das quais a empresa pode situar-se. Assim, o custo total médio de longo prazo (ctmelp) mostra o menor custo unitário possível para produzir várias quantidades, quando a empresa pode planejar para adotar o tamanho desejado. 
*
*
Painéis das diferentes escalas
de custo no longo prazo
Quando todos os insumos aumentam, os economistas dizem que a escala da firma aumentam. Temos três casos possíveis:
Economia de escala: rendimentos crescentes de escala: ocorre quando o custo total médio cai quando a produção aumenta. Nos rendimentos crescentes de escala, um aumento de todos os insumos acarreta um aumento mais do que proporcional na produção. Isso resulta em menos insumos por unidade produzida, e em menor CTM quando a produção aumenta.
*
*
A economia de escala é resultado principalmente da especialização e da melhor utilização de equipamentos pesados (por exemplo, um trator tem melhor uso numa fazenda grande do que numa de um alqueire).
Rendimentos constantes de escala: ocorre quando o CTM permanece inalterado quando a produção varia. Com rendimentos constantes de escala um aumento de todos os insumos resulta num aumento proporcional da produção (por exemplo: a duplicação de todos os insumos resulta numa duplicação da produção).
*
*
Deseconomia de escala: ou rendimentos decrescentes de escala: ocorre quando o CTM aumenta quando a produção aumenta. Com rendimentos decrescentes de escala, um aumento de todos os insumos leva a um aumento menos que proporcional na produção (por exemplo, a duplicação de todos os insumos eleva a produção em 50%). A deseconomia de escala geralmente é resultado dos problemas e aumento de custos associados às grandes burocracias.
*
*
São importantes economias de escala:
Crescentes possibilidades de divisão e especialização do trabalho;
Crescentes possibilidades de uso de desenvolvimento tecnológico avançado e ou equipamentos maiores.
Limitações à eficiência da administração em controlar e coordenar uma empresa levam as deseconomias de escala, sendo que neste caso a tendência de crescimento dos custos totais médios de longo prazo.
*
*
Custo marginal no curto prazo
Os economistas verificaram que no curto prazo geralmente a curva dos custos marginais tem forma de U:quando a produção aumenta, inicialmente os custos caem e depois aumentam.
Rendimentos marginais crescentes
Rendimentos marginais decrescentes de produção
*
*
Custo marginal
O custo marginal apresenta forma de U ao verificar que cada operário adicional eleva a produção total mais que o operário anterior: a pmg está aumentando, assim o rendimento marginal é crescente. Assim, o custo marginal diminui quando a produção aumenta. Ma a lei de rendimentos marginais decrescentes afirma que, após um certo nível de produção, a Pmg do insumo declina, e as unidades sucessivas elevam cada vez menos a produção total. Na seção em que os rendimentos marginais são decrescentes, a pmg está diminuindo. Portanto, o cmg aumenta.
*
*
Custo marginal
Vamos imaginar uma fábrica com um grande estoque de equipamentos e materiais. Para produzir a primeira unidade provavelmente serão necessários muitos operários, principalmente se a fábrica estiver baseada numa linha de montagem. Nesse caso, o custo marginal da primeira unidade será muito alto. Para produzir as unidades subseqüentes serão necessárias menos unidades de mão-de-obra, e o custo marginal vai cair. Contudo, num certo ponto, a fábrica atinge plena capacidade do número de operários e o acréscimo de mão-de-obra não vai elevar a produção como antes. (isto é, os rendimentos serão decrescentes), e a produção de cada unidade adicional passará a custar cada vez mais. Por isso o custo marginal terá forma de U.
*
*
Lucros e Custos
Os custos explícitos pagam pelos insumos.
São os custos registrados pela contabilidade.
Os custos implícitos do tempo do empresário e do investimento na firma. Esses custos são medidos pelo que os proprietários poderiam ter ganho se tivessem trabalhado e investido na próxima melhor alternativa. Custo de oportunidade do tempo e do capital.
LUCRO CONTÁBIL= RECEITA TOTAL \u2013 CUSTOS EXPLÍCITOS
*
*
LUCRO ECONÔMICO
Lucro econômico: é o valor que ultrapassa o valor necessário para conseguir que algo seja feito. O valor necessário é o custo, incluindo tanto o valor explícito quanto o implícito.
Portanto:
LUCRO ECONÔMICO = RECEITA TOTAL \u2013 CUSTOS EXPLÍCITOS + CUSTOS IMPLÍCITOS
O LUCRO ECONÔMICO É O MESMO QUE \u201cLUCRO EXCEDENTE\u201d, POIS EXCEDE O VALOR QUE O PROPRIETÁRIO PRECISA GANHAR PARA PRODUZIR.
*
*
 Análise de Rentabilidade 
A receita representa o resultado da atividade em valores monetários. Em sua expressão mais simples é a multiplicação do preço pela quantidade produzida. Muitas vezes o processo de produção de certa atividade produz vários produtos. Neste caso, a receita representa o valor do produto principal e dos demais subprodutos também.
*
*
Análise de rentabilidade da atividade
Situação de lucro supernormal: sugere que a atividade está atraindo recursos e em condições de se expandir.
Situação de lucro normal: indica que a atividade proporciona