controle
211 pág.

controle


DisciplinaIntrodução ao Direito I93.024 materiais693.580 seguidores
Pré-visualização49 páginas
Alexandre Araújo Costa
A
le
x
a
n
d
re
A
ra
ú
jo
C
o
s
ta
O
C
o
n
tr
o
le
d
e
R
a
z
o
a
b
ili
d
a
d
e
n
o
D
ir
e
it
o
C
o
m
p
a
r a
d
o
O Controle de Razoabilidade
no Direito Comparado
C
ada vez mais os juízes exercem o controle de
razoabilidade dos atos estatais, que envolve
uma avaliação do próprio mérito adminis-
trativo e legislativo, muito além do tradicional contro-
le de legalidade.
Essa mudança ocorre na medida em que o direito
público deixa de ser encarado como um conjunto de
regras e passa a ser efetivamente operado como um
conjunto de princípios, que oferecem as pautas para
avaliação da legitimidade do exercício de poder
político.
Entre as categorias jurídicas utilizadas para orientar
esse controle, destacam-se especialmente o devido
processo legal substantivo, desenvolvido nos EUA,
e o princípio da proporcionalidade elaborado pelo
judiciário alemão. Este livro apresenta esses dois
institutos, descrevendo o modo como eles
foram construídos e as funções que
eles desempenham nessas
culturas jurídicas.
9 788570 627322
O CONTROLE DE RAZOABILIDADE 
NO DIREITO COMPARADO
O CONTROLE DE RAZOABILIDADE 
NO DIREITO COMPARADO
ALEXANDRE ARAÚJO COSTA
© by Alexandre Araújo Costa - 2008
FICHA TÉCNICA
Arte da capa: Daniela Diniz e Alexandre Araújo 
Editoração eletrônica: Beto Paixão
Revisão / composição: O autor
Supervisão: Victor Tagore
Todos os direitos em língua portuguesa, no Brasil, reservados de acordo com a lei. Nenhuma parte 
deste livro pode ser reproduzida ou transmitida de qualquer forma ou por qualquer meio, incluindo 
fotocópia, gravação ou informação computadorizada, sem permissão por escrito do Autor. THESAU-
RUS EDITORA DE BRASÍLIA LTDA. SIG Quadra 8, lote 2356 - CEP 70610-400 - Brasília, DF. Fone: 
(61) 3344-3738 - Fax: (61) 3344-2353 * End. Eletrônico: editor@thesaurus.com.br *Página na Internet: 
www.thesaurus.com.br
Composto e impresso no Brasil
Printed in Brazil
C837o Costa, Alexandre Araújo, 
O controle de razoabilidade no direito comparado / Alexan-
dre Araújo Costa. \u2014 Brasília: Thesaurus, 2008.
210 p.
1.Direito Constitucional 2.Princípio da Razoabilidade 
3.Princípio da Proporcionalidade 4.Devido Processo Legal
I. Título 
 CDU 342
ISBN: 978-85-7062-732-2
Contato com o autor: alexandre@arcos.adv.br
Sumário
Capítulo I - Controle de Razoabilidade ......................11
A - O problema da legitimidade ................................11
1. Jusnaturalismo ...........................................................................13
2. Positivismo jurídico...................................................................17
3. Superação do positivismo ..........................................................19
4. Legitimidade e Razoabilidade ...................................................24
5. Controle de razoabilidade e controle de legitimidade ...............32
B - Discricionariedade e Controle de
Razoabilidade .............................................................33
1. Determinação e discricionariedade ...........................................33
2. Vinculação e discricionariedade no
Direito Administrativo ...................................................................33
3. Razoabilidade e discricionariedade no
DireitoAdministrativo ...................................................................35
4. Discricionariedade do legislador ..............................................37
5. Discricionariedade dos atos judiciais ........................................44
C - Controle judicial de razoabilidade ........................47
1. Controle de razoabilidade em sentido estrito e exigência geral de 
razoabilidade .................................................................................47
2. Evolução do controle judicial de razoabilidade ........................49
Capítulo II - O devido processo legal na Suprema 
Corte dos Estados Unidos da América .........................53
A - Standards do devido processo ...................................53
B - Histórico do devido processo substantivo ............58
1. Slaughterhouse Cases ................................................................59
2. Opção pelo devido processo substantivo ..................................63
3. Era Lochner: o apogeu do devido processo substantivo ...........69
4. Decadência da Era Lochner .......................................................77
5. Jurisprudência pós-1937: Cortes Warren e Burger ....................82
6. Situação atual ............................................................................93
7. Devido processo legal e conservadorismo ..............................101
C - Equal protection .............................................................103
1. Old equal protection ...............................................104
2. A nova equal protection na Corte Warren .............. 111
3. Jurisprudência pós-Warren ..................................... 118
D - Equal protection v. Due process of law ...................121
Capítulo III - O princípio da proporcionalidade no 
Tribunal Constitucional Federal alemão .................131
A - Defi nição do princípio da
proporcionalidade ...............................................................134
1. Elementos do princípio da proporcionalidade .........................136
2. Máxima ou princípio da proporcionalidade ............................152
3. Princípio da proporcionalidade e devido
processo legal ..............................................................................166
B - Jurisprudência do Tribunal Constitucional
Federal ....................................................................................168
1. Histórico do princípio da proporcionalidade ...........................168
2. Jurisprudência dos valores ......................................................172
3. O princípio da proporcionalidade na doutrina e
na jurisprudência ........................................................................187
C - Princípio da igualdade na Alemanha ...................193
D - Relações entre igualdade e
proporcionalidade ...............................................................200
Fontes bibliográfi cas ............................................................202
Minha querida Daniela, agradeço-lhe 
pela leitura cuidadosa, pelas inúmeras 
contribuições e, como não poderia deixar 
de ser, pelo tempo que permitiu que este 
trabalho nos roubasse. E a ti eu o dedico.
11
Capítulo I
Controle de Razoabilidade
A - O problema da legitimidade
Um dos princípios que norteia o Estado Democrático 
de Direito contemporâneo \u2014 espécie de organização so-
cial em que vivemos (ou pretendemos viver) \u2014 é o de que 
os atos estatais não devem apenas emanar de uma autori-
dade política escolhida pelo povo e ser resultado de pro-
cedimentos preestabelecidos: os atos praticados em nome 
de um Estado Democrático de Direito também devem ser 
legítimos. No atual estágio da democracia, isso signifi ca 
que esses atos devem refl etir os valores e interesses da po-
pulação, em virtude do dogma de que todo poder emana 
do povo e em seu nome deve ser exercido. Contudo, a de-
fi nição de quais são os valores e interesses de um povo 
é sempre muito problemática. E em uma sociedade plural 
como a nossa, na qual são muito variados os interesses e 
valores das pessoas e grupos que compõem a população, 
essa questão atinge um grau de complexidade que a torna 
praticamente insolúvel. 
Em um primeiro momento, a opção pela democracia 
representativa parecia resolver o problema: a vontade ex-
pressa pelos representantes do povo seria identifi cada com 
a vontade da população. Contudo, as limitações desse mo-
delo mostram-se de forma cada vez mais evidente, sendo a 
experiência nacional-socialista um dos exemplos mais cla-
ros de distorção. Mas embora as decisões das assembléias 
legislativas nunca sejam perfeitas, a forma representativa 
de governo ainda se apresenta como o melhor método de 
tomada de decisões de que dispomos. Todavia,