A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
24 pág.
Fisiologia do Sistema Digestório

Pré-visualização | Página 3 de 7

não regula a velocidade pelo qual o quimo 
passa para o duodeno, não dá tempo de 
absorver, então causa diarreia ➔ distúrbio do 
esvaziamento ➔ Síndrome de Dumping 
FASE GÁSTRICA 
UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO 
 
MEDICINA SBC – SABRINA JUTKOSKI 
 
8 
 
• Também tem função de defesa, destruindo 
patógenos deglutidos com a comida, e protege 
o próprio estômago da ação de suas enzimas 
• Reflexos curtos 
Secreções gástricas 
• Secreções são produzidas por glândulas 
gástricas da camada mucosa 
• Células mucosas: produz muco para proteção 
do estômago contra seus próprios ácidos 
Secreção ácida: células parietais 
secretam ácido gástrico no lúmen do estômago. 
• O ácido estimula liberação e ativação da 
pepsina, que digere proteínas 
• Desencadeia liberação de somatostatina pelas 
células D 
• O HCl desnatura proteínas, deixando-as mais 
acessíveis para digestão pela pepsina 
• Destrói bactérias e microrganismos 
• Inativa amilase salivar, parando a digestão de 
carboidratos 
• H2O é quebrada na célula parietal ➔ H+ da 
célula parietal é bombeado para o lúmen do 
estômago e K+ entra por uma H+-K+-ATPase. 
Então, Cl- sai da célula pelo canal de cloreto. 
Portanto, sai H e Cl da célula parietal ➔ HCl 
 Canal de cloreto dependente do AMPc 
secretado pela secretina 
• Ao mesmo tempo que o ácido é secretado, 
CO2 da H2O é combinado com CO2 da célula 
para formar bicarbonato, que é absorvido pelo 
sangue torná-lo menos ácido como ação 
tamponante. Ao mesmo tempo, o que o 
bicarbonato sai, mais cloreto entra para sair da 
célula posteriormente e formar HCl ➔ ação do 
pâncreas 
• Omeprazol: inibidor da bomba de prótons 
(PPI), bloqueando a atividade da H+-K+-
ATPase, inibindo a secreção de HCl. 
Secreção de gastrina: secretada no 
sangue pelas células G (encontradas nas 
glândulas gástricas) 
• Função: liberação de ácido por ação nas 
células parietais e estimula liberação de 
histamina (indiretamente) 
• Hormônio que vai ser produzido no estômago, 
vai na circulação e age no próprio estômago, 
estimulando célula parietal a secretar HCl 
• Saciedade 
• Café ativa secreção de gastrina 
• Sua liberação é estimulada por acetilcolina, 
peptídeos e aminoácidos 
Secreção enzimática: 
• Pepsina: digestão de proteínas 
 Células principais secretam pepsinogênio, que 
é a enzima inativa. ➔ pepsina é ativada em pH 
ácido (HCl) 
• Lipase gástrica: quebram triacilgliceróis 
 Secretada junto com pepsina 
 Digestão de gordura ocorre bem pouco no 
estômago 
Secreção parácrina: 
• Histamina: é um sinal parácrino em resposta 
à estimulação por gastrina ou acetilcolina das 
células ECL, que secretam histamina 
UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO 
 
MEDICINA SBC – SABRINA JUTKOSKI 
 
9 
 
 A histamina estimula células parietais à 
secreção ácida pela ligação em seus 
receptores H2. (antagonista de H2 ➔ fármaco 
antiácido) 
• Fator intrínseco: proteína secretada por 
células parietais. 
 Importante para absorver vitamina B12, pois 
se liga a ela, formando um complexo que 
facilita a absorção no intestino 
Somatostatina: secretada pelas células D 
 Inibe hormônio do crescimento 
 Diminui secreção de gastrina e histamina para 
diminuir secreção ácida ➔ retroalimentação 
negativa 
 Inibe secreção de pepsinogênio 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO 
 
MEDICINA SBC – SABRINA JUTKOSKI 
 
10 
 
 
 
1- G ➔ produz gastrina 
2- ECL ➔ produz histamina 
3- D ➔ produz somatostatina 
4- parietais ➔ liberam H+ e Cl- no lúmen estomacal 
5- principais ➔ produzem pepsinogênio
 
 
 
 
 
 
 
 
UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO 
 
MEDICINA SBC – SABRINA JUTKOSKI 
 
11 
 
 
• Começa quando o quimo passa para o 
intestino delgado. 
• Entrada é controlada, pois o quimo não sofreu 
muita digestão química 
• Contrações segmentares e peristálticas 
movem o quimo pelo intestino, misturando o 
quimo com enzimas para digestão afim de 
serem absorvidos pelo epitélio mucoso. 
• Movimento deve ser lento para permitir a 
digestão e absorção completas 
• Inervação parassimpática, gastrina e CCK 
promovem a motilidade e a simpática inibe. 
• Intestino delgado tem maior superfície de 
contato para facilitar a secreção, digestão e 
absorção. 
• Absorção: vilosidades 
• Borda em escova: superfície do epitélio 
intestinal 
• Maioria dos nutrientes absorvidos pelas 
vilosidades são distribuídas pelos capilares 
 Gorduras vão para o sistema linfático 
PÂNCREAS 
• Porção exócrina possuem ácinos, os quais os 
ductos esvaziam no duodeno. 
• Porção endócrina: ilhotas, que secretam 
insulina e glucagon 
• Secreta suco pancreático, que é muito rico em 
enzimas. 
• Quimo que chega no duodeno tem 
característica ácida, mas enzimas do duodeno 
não funcionam em pH ácido. Então, células do 
ducto pancreático produzem bicarbonato para 
neutralizar o quimo ácido vindo do estômago. 
Enzimas do duodeno agem em pH básico 
• Células acinares: enzimas digestivas (CCK 
estimula células acinares a produzirem 
enzimas pancreáticas) 
• Células do ducto pancreático: bicarbonato 
 Canal de cloreto (CFTR) dependente do AMPc 
secretado pela secretina 
• Enzimas digestivas + bicarbonato ➔ suco 
pancreático 
• Enzimas: agem em todos os macronutrientes 
➔ carboidratos, proteínas e lipídios 
 Amilase pancreática (digere carboidrato ➔ 
amido) ➔ atividade muito maior que amilase 
salivar 
 Tripsina, Quimiotripsina e carboxipolipeptidase 
(formas ativas): agem em proteínas, 
polipeptídios ➔ mais importantes ➔ proteínas 
são quebradas em cadeias menores, 
formando polipeptídios (ainda tem grande 
quantidade de aminoácido), então ainda 
precisam ser quebrados em peptídeos 
menores, que também são quebrados até 
formarem aminoácidos, dipeptídeo e 
tripeptídeos ➔ assim consegue absorver ➔ 
transportar para dentro do enterócito 
 Lipase pancreática: digestão de lipídios 
(hidrolisa gorduras a ácidos graxos e 
monoglicerídeos) 
 Nucleases: digere ácidos nucleicos em 
nucleotídeos 
FÍGADO 
• O fígado é o primeiro órgão que faz o 
processamento de nutrientes absorvidos, 
secreta ácidos biliares e desempenham papel 
FASE INTESTINAL 
UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO 
 
MEDICINA SBC – SABRINA JUTKOSKI 
 
12 
 
decisivo na absorção de lipídios da ingestão 
alimentar. 
• Tem função de detoxificação ➔ retira produtos 
metabólicos residuais e xenobióticos do corpo 
e converte as substâncias para serem 
excretadas. 
• Emulsificação de lipídios ➔ bile 
• Regulação metabólica 
• Filtro biológico: sangue chega pelo sistema 
porta hepático ➔ tudo vai para o fígado ➔ é 
porteiro ➔ linha de defesa de todas as 
substâncias (microrganismos, toxinas, 
fármacos etc.) 
 Limita entrada de substâncias toxicas 
 Extrai produtor metabólico tóxicos produzidos 
em outra parte do corpo e os converte na 
forma que pode ser excretada 
• Regulação hematológica: albumina 
 Albumina auxilia transporte da bilirrubina (sua 
forma conjugada) 
 Hepatócitos produzem albumina 
 Se tem problema no fígado, produz menos 
albumina, causado problemas de coagulação 
(hemorragias) e ascite, por exemplo 
• Síntese e secreção de bile 
• Sangue recebido pelo fígado é venoso através 
da veia porta 
Detoxificação: 
• Centro de depuração e eliminação de 
medicamentos: por isso nem todos os agentes 
farmacêuticos são capazes de atingir 
concentrações sanguíneas terapêuticas, 
quando administrados via oral 
• Defesa física (porteiro): Células de Kupffer ➔ 
são macrófagos, que fagocitam o material 
particulado vindo pela veia porta, como 
bactéria vindas do cólon. 
• Defesa bioquímica (lixeiro): enzimas 
modificam toxinas endógenas e exógenas 
para convertê-las em produtos mais solúveis 
em água, ficando menos suscetíveis à 
reabsorção pelo intestino. 
• Fase I: muda a conformação da molécula para 
ser menos reativa e tóxica, através de 
oxidação, hidroxilação e atividade catalítica

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.