A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
Patologia Médica - Tubas Uterinas e Ovário

Pré-visualização | Página 2 de 2

da doença: 
 ↪ Doença peritoneal, onde os ovários não são 
aumentados e morfologia serosa; 
 ↪ Doença ovariana; 
 ↪ Doença tubária. 
→ A metaplasia ocorre quando há uma mudança de uma 
célula diferenciada em outra, sendo que as células devem 
manter as características de celular tronco pluripotentes. 
 
 
 
→ Dualidade da carcinogênese: 
 ↪ Tipo I: de baixo grau, os serosos, mucinosos, 
endometrioides, células claras e Brenner. 
 → São pouco agressivos e diagnosticados em 
estágios precoces. 
 → São associados a cistadenomas e tumores de 
borderline. 
 • A carcinogênese começa na superfície ovariana, 
que é acometida por cistos de inclusão, os quais progridem 
para metaplasia Mulleriana, causando desenvolvimento de 
lesões precursoras e posterior transformação maligna. Tem 
crescimento lento e ficam confinados ao ovário. 
 ↪ Tipo II: são de alto grau e incluem serosos, 
endometrioide, carcinossarcoma e indiferenciado. 
 → São agressivos e diagnosticados em estágios 
tardios. 
 → Não possuem lesões precursoras. 
 • A carcinogênese começa na superfície ovariana, 
que é acometida por cistos de inclusão, os quais progridem 
para metaplasia mulleriana, causando desenvolvimento de 
lesões precursoras e posterior transformação maligna. A 
tuba uterina pode ser o sitio de origem da maioria, o 
crescimento é rápido e agressivo. 
→ O tratamento é a retirada cirúrgica das tubas de forma 
profilática em pacientes de alto risco. 
 
Cistadenoma Seroso 
→ Macroscopicamente ele apresenta cistos multi ou 
uniloculares, com conteúdo liquido seroso, paredes lisas e 
sem formação de papilas. 
 
 
 
→ Na microscopia: 
 
 
 
 
Tumor Seroso Borderline 
→ A lesão é complexa e papilífera, apresenta atipia celular 
sem invasão estromal. 
→ Na microscopia: 
 
 
 
 
Carcinoma Mucinoso 
→ Em 95% dos casos tem acometimento unilateral com 
cistos multinoculados, tem um tamanho de 
aproximadamente 10cm. 
 
 
→ Microscopicamente vemos uma invasão estromal 
 
 
 
 
→ Devemos, obrigatoriamente, descartar metástases do 
TGI (colón, apêndice, pâncreas e estomago), mama e colo 
uterino. 
 
 
 
 
Cistadenoma Endometrioide 
→ 25% dos casos são associados a endometriose. 
→ Sua macroscopia evidencia cistos com conteúdo seroso 
ou hemorrágico. 
 
 
 
Tumor Borderline Endometrioide 
 
 
 
Carcinoma Endometrioide 
→ Na macroscopia vemos um grande volume, com cerca 
de 10cm, são unilaterais, apresentam áreas hemorrágicas e 
cistos sólidos. 
 
 
 
 
Adenofibroma de Células Claras 
 
 
 
Tumor de Células Claras Borderline 
 
 
 
Carcinoma de Células Claras 
→ É unilateral, com tamanho médio de 15 cm, podendo ser 
solido ou cístico. 
 
 
 
→ Na microscopia, apresenta padrão túbulo cístico, papilar 
ou solido. As respectivas imagens estão abaixo: 
 
 
 
 
 
 
→ Os tumores de alto grau são indicados para cirurgia 
redutora e posterior quimioterapia com platina-taxano. 
→ A recorrência acontece cerca de 30 a 40% em 12 
meses e a taxa de sobrevida em 5 anos é de 30%. As 
taxas de sobrevida de carcinomas epiteliais estão abaixo. 
 
 
 
 
Teratoma Maduro 
→ Esse tumor é composto por tecidos maduros derivados 
de 2 ou 3 camadas germinativas, a ectoderme, mesoderme 
e endoderme. 
→ Representa cerca de 20% dos tumores ovarianos, 
acometendo mulheres em idade reprodutiva. 
→ A clínica se apresenta com massa abdominal e dor. 
 
 
 
 
Fibroma Ovariano 
→ É um tumor estromal composto de células fibroblasticas 
com quantidade variável de estroma, sendo o tumor 
ovariano estromal mais comum. 
→ A clínica apresentada é, em geral, assintomática e pode 
acometer qualquer idade. 
 
 
 
 
 
Tumor de Células da Granulosa do 
Adulto 
→ É composto por células da granulosa com padrões 
variados de crescimento e proporção variável de 
fibroblastos e células teca. 
→ A clínica é dor abdominal, sangramento e peri 
menopausa.