Resumo Completo Guytinho - Guyton & Hall.pdf
140 pág.

Resumo Completo Guytinho - Guyton & Hall.pdf


DisciplinaFisiologia I31.473 materiais292.143 seguidores
Pré-visualização28 páginas
Tratado de Fisiologia Médica
&
Fisiologia Humana e
Mecanismos das Doenças
* Guyton e Hall *
(RESUMO)
I \u2013 Fisiologia de Membranas
1 - Transporte de Íons e de Moléculas Através da Membrana
Celular
2 - Potenciais de Membrana e Potenciais de Ação
II \u2013 Fisiologia Circulatória
1 - Pressão, Resistência e Fluxo
2 - Artérias, Veias e Capilares
3 - Troca de Líquidos nos Capilares
4 - Controle Local e Humoral do Fluxo Sanguíneo
5 - Controle Neurológico da Circulação
6 - Os Rins e a Regulação da Pressão Arterial
7 - Choque Circulatório e Débito Cardíaco
8 - Fluxo Sanguíneo Muscular e a Circulação Coronária
9 - Bulhas Cardíacas
III \u2013 Fisiologia Cardíaca
1 - O Coração e o Bombeamento Cardíaco
2 - Excitação Rítmica do Coração
3 - Eletrocardiograma e Anormalidades Cardíacas
IV \u2013 Fisiologia Respiratória
1 - Ventilação e Circulação Pulmonar
2 - Transporte de Gases Entre os Alvéolos e as Células
3 - Regulação da Respiração
4 - Fisiologia de Anormalidades Pulmonares Específicas
V \u2013 Fisiologia do Trato Gastrintestinal
1 - Movimentação do Alimento ao Longo do Trato, Controle
Nervoso e Fluxo Sanguíneo
2 - Funções Secretoras do Trato Digestivo
3 - Digestão e Absorção
4 - Distúrbios Gastrintestinais
VI \u2013 Os Rins e os Líquidos Corporais
1 - Líquidos Extracelular e Intracelular e Edema
2 - Formação da Urina pelos Rins
3 - Mecanismos de Controle para os Líquidos Corporais e seus
Constituintes
4 - Regulação do Equilíbrio Ácido-Básico
5 - Doença Renal
VII \u2013 Metabolismo e Regulação da Temperatura
1 - Metabolismo dos Carboidratos e Formação do Trifosfato de
Adenosina
2 - Metabolismo dos Lipídios
3 - Metabolismo das Proteínas
4 - Energética, Metabolismo e Regulação da Temperatura
Corporal
5 - Balanço Dietético, Regulação da Alimentação, Obesidade e
Vitaminas
VIII \u2013 Células do Sangue, Imunologia e Coagulação
1 - Hemácias, Leucócitos e Resistência à Infecção
2 - Imunidade, Alergia e Grupos Sanguíneos
3 - Hemostasia e Coagulação
IX \u2013 Endocrinologia e Reprodução
1 - Introdução à Endocrinologia. Os Hormônios Hipofisários
2 - Os Hormônios Metabólicos da Tireóide
3 - Os Hormônios Córtico-Supra-Renais
4 - Insulina, Glucagon e Diabetes Melito
5 - Hormônio Paratireóideo, Calcitonina, Metabolismo do Cálcio
e Fosfato, Vitamina D, Ossos e Dentes
6 - Funções Reprodutivas Masculinas. Os Hormônios Sexuais
Masculinos e a Glândula Pineal
7 - Fisiologia Feminina Antes da Gravidez e os Hormônios
Femininos
8 - Gravidez, Amamentação e Fisiologia Fetal e Neonatal
I \u2013 Fisiologia de Membranas
1 \u2013 Transporte de Íons e de Moléculas Através da Membrana
Celular
Os meios intra e extracelular caracterizam-se por
apresentarem diferentes concentrações de substâncias como íons
e outros metabólitos, do que depende a manutenção das diversas
funções celulares. É conhecido o fato de que o meio
extracelular está em constante movimento transportando
moléculas e fluidos a todas as regiões do corpo, sendo
necessária a comunicação e troca de materiais entre os meios
extra e intracelular.
O metabolismo e manutenção da vida está diretamente
relacionado com essas trocas de substâncias e as diferentes
concentrações características de cada estrutura possuem grande
relevância no que se refere ao êxito funcional e homeostático.
Existem diversos mecanismos que facilitam ou dificultam a
passagem de substâncias nos dois sentidos entre os meios intra
e extracelular. Esses mecanismos podem ou não envolver gasto
de energia, apresentando cada um sua especificidade quanto ao
tipo de substância a ser transportada ou barrada.
A membrana citoplasmática apresenta uma dupla camada
lipídica com proteínas entre essas camadas, sendo que essas
proteínas atravessam a dupla camada lipídica em alguns
lugares. São as chamadas proteínas transmembrana. Os dois
tipos básicos de transporte que ocorrem através das membranas
celulares são a difusão e o transporte ativo. A difusão,
também chamada de transporte passivo, caracteriza-se pela
passagem de moléculas diretamente através da camada lipídica
ou pela ajuda de proteínas carreadoras transmembrana. A
energia responsável pela difusão é a própria energia cinética
das moléculas ou íons.
O transporte ativo ocorre através de uma proteína
carreadora geralmente contra algum tipo de resistência. É o
caso da passagem de íons de um meio pouco concentrado para um
mais concentrado. Esse tipo de transporte necessita de
energia, a qual é obtida pela quebra de uma ligação covalente
na molécula de trifosfato de adenosina ou ATP. A difusão pode
ser simples ou facilitada.
A difusão simples ocorre através da bicamada lipídica
estando diretamente ligada à solubilidade e, conseqüentemente,
à polaridade da molécula, ou através de canais protéicos onde
as moléculas e íons simplesmente passam por esses canais
devido seu tamanho reduzido. Esses canais protéicos possuem
permeabilidade seletiva. É o caso dos canais de sódio que
apresentam cargas negativas em sua parede interna atraindo
esse íon e repelindo íons de carga negativa.
Os canais protéicos apresentam comportas que são projeções
da proteína carreadora que regulam a entrada e saída desses
íons. No caso dos canais de sódio a comporta localiza-se na
face da membrana voltada para o meio extracelular enquanto nos
canais de potássio a comporta está localizada na face da
membrana voltada para o meio intracelular.
A abertura e fechamento das comportas pode ser regulada
pela voltagem ou por agentes químicos. A difusão facilitada,
também conhecida como difusão mediada por carreador, depende
da fixação da estrutura a ser transportada a um receptor
localizado na proteína carreadora. O transporte se dá através
de alterações conformacionais na proteína levando o íon ou
molécula ao lado oposto da membrana.
A substância que mais se difunde através da membrana
celular é a água. Isso geralmente ocorre devido à osmose,
movimento da água do meio menos concentrado para o mais
concentrado. Denomina-se pressão osmótica à pressão necessária
para neutralizar o efeito da osmose em um dado meio. Um dos
exemplos mais conhecidos de transporte ativo é a bomba de
sódio e potássio, a qual leva íons potássio para o interior da
célula e íons sódio para o exterior.
Entre os componentes físicos da bomba de sódio e potássio
existe uma proteína carreadora que possui, na parte que se
projeta para o interior da célula, três receptores para o
sódio e, na parte que se projeta para o exterior da célula,
dois receptores para os íons potássio. A porção interna dessa
proteína próximo aos sítios receptores para o sódio apresenta
atividade ATPásica.
Uma das funções mais importantes da bomba de sódio e
potássio é a manutenção do volume celular. Ela representa
perda real de íons sódio uma vez que a cada dois íons potássio
que entram na célula saem três íons sódio. Além disso, a
membrana é menos permeável ao sódio que ao potássio, o que
dificulta a entrada de íons sódio na célula. Se esse mecanismo
não existisse, o citoplasma da célula ficaria muito
concentrado, o que aumentaria o acúmulo de água por osmose e
isso poderia fazer com que a célula explodisse.
Também possui relevância a existência de duas bombas de
cálcio em nosso organismo. O cálcio deve ser mantido em
concentrações muito baixas no citossol. Uma das bombas retira
cálcio do meio intra para o extracelular e a outra transporta
o cálcio para organelas vesiculares no interior da célula.
2 \u2013 Potenciais de Membrana e Potenciais de Ação
As membranas celulares apresentam diferenças de
concentração entre o meio interno e externo. Essa diferença de
concentração constitui a física básica dos potenciais de
membrana.
É conhecido o fato de que a concentração de íons potássio
é maior no meio intracelular e menor no meio extracelular.
Isso faz com que ocorra uma tendência desses íons de se
difundir para o exterior. À medida que esses íons passam para
o meio externo, íons
Carregar mais