A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
constituições brasileiras

Pré-visualização | Página 1 de 2

CONSTITUIÇÃO IMPERIAL DE 1824 
PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS 
• Carta Outorgada; 
• Fusão dos princípios liberais e conservadores; 
• 179 artigos (contendo um rol de direitos e garantias individuais); 
• Inspiração: Constituição Francesa de 1791 e Constituição 
Espanhola de 1812; 
• Monarquia hereditária, constitucional e representativa 
(representada pelo Imperador e pela Assembleia Geral); 
• Existência de 4 poderes: 
➢ LEGISLATIVO 
1) Câmara dos Deputados: deputados eleitos nas províncias 
(mandato de 4 anos). Quantitativo de deputados 
proporcional à população da província. Nas províncias, o 
poder legislativo seria exercido pelos Conselhos Provinciais 
2) Senado: o número de senadores de cada província seria 
a metade do número de deputados da mesma província; 
Cargo vitalício (em morte, era feita uma nova eleição). Os 
nomes dos candidatos mais votados em cada província 
eram levados ao Imperador para serem escolhidos por 
este. 
➢ EXECUTIVO: exercido pelo Imperador, ministros por ele 
escolhidos e pelo Conselho de Estado (composto de 
conselheiros vitalícios que elaboraram a constituição). Nas 
províncias: exercido pelos presidentes das províncias. 
➢ JUDICIÁRIO: O Imperador nomeava os magistrados do 
Poder Judiciário (Supremo Tribunal de Justiça do Império - 
STJ) para um exercício perpétuo. Cabia ainda ao monarca 
remover ou e suspender o exercício dos mesmos. 
➢ MODERADOR: Poder personalíssimo do Imperador: direito e 
dever de intervir nas questões de "interesse nacional". 
Elemento conciliador entre os demais poderes. Imperador 
não respondia judicialmente por seus atos. 
 
• Catolicismo como religião oficial: outras religiões eram permitidas 
com seus cultos domésticos, sendo proibida a construção de 
templos com aspecto exterior diferenciado. 
• Submissão da Igreja ao Estado: inclusive com o direito do 
Imperador de conceder cargos eclesiásticos na Igreja Católica (a 
questão do padroado). 
 
 
 
 
 
 
 
• Voto censitário (baseado na renda), descoberto (não secreto) e 
indireto (eleitores da paróquia elegiam os eleitores da província e 
esses elegiam os deputados e senadores. Para ser eleitor da 
paróquia, eleitor da província, deputado ou senador, o cidadão 
teria de ter renda anual correspondente a 100, 200, 400, e 
800 mil réis respectivamente). 
• Voto a partir dos 25 anos, exceto para oficiais militares e 
casados que podiam votar com 21 anos; para bacharéis e 
clérigos de ordem sacra não havia limite de idade. 
• Não se estabeleceu nenhum critério condicionando o direito de 
voto à alfabetização. Até 1842, exigia-se que a cédula eleitoral 
fosse assinada, o que foi um obstáculo à participação dos 
analfabetos. 
 
CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA DE 1891 
PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS 
• Fontes de inspiração: Constituições da Argentina (1853), dos 
EUA (1787) e da Suíça (1848); 
• Carta promulgada; 
• Organização Federativa: estados membros da federação 
(antigas províncias) adquiriram amplas prerrogativas, como as 
de organizar força militar própria, constituir a justiça estadual e 
criar impostos; 
• Extinção do Poder Moderador; 
• Manutenção da separação entre os poderes Executivo, 
Legislativo e Judiciário; 
• Sistema Presidencialista: Poder Executivo Federal exercido por 
um presidente da República (e vice presidente) eleito para um 
mandato de 4 anos e auxiliado por ministros de sua livre escolha. 
Não era permitida reeleição. 
• Congresso Nacional: corpo legislativo composto pela Câmara dos 
Deputados (com deputados eleitos proporcionalmente à 
população dos Estados para um mandato de 3 anos) e do 
Senado Federal (3 senadores por Estado e 3 pelo Distrito 
Federal / mandato não mais vitalício – 9 anos). 
• Judiciário: corporificado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). 
• Voto: direto (Lei Saraiva), não censitário, não secreto e 
obrigatório para os maiores de 21 anos (exceto: analfabetos, 
mulheres, monges regulares, praças das Forças Armadas e 
mendigos). 
• Laicização do Estado: desvinculação do Estado da Igreja (fim do 
padroado). 
Constituições brasileiras 
CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA DE 1934 
• Composição da Assembleia Constituinte de 1933: antigas 
oligarquias estaduais e representantes classistas eleitos pelos 
sindicatos profissionais. Foram 40 deputados constituintes 
classistas, 20 representantes de empregadores e 20 de 
empregados. (eleitos por sindicatos reconhecidos pelo Governo 
Vargas); 
• Carta Constitucional promulgada; 
• Fonte de Inspiração: A influência da constituição alemã de 1920 
(República de Weimar) 
• Preservou-se o federalismo e o presidencialismo; 
• A questão da autonomia dos Estados: possibilidade de 
intervenção da União nos estados, desde que o Governo não 
confirmasse seu mandato; 
• Poder Executivo: Novidade → não há vice-presidente (cargo 
reestabelecido em 1946); 
Poder Legislativo: Manteve-se a divisão em Câmara dos 
Deputados (exercício efetivo do legislativo) e Senado (poder 
colaborador). Existência de um Bancada Profissional; Poder 
Judiciário: órgãos do poder judiciário – A Corte Suprema 
(substituiu o STF). Juízes e tribunais federais, militares e 
eleitorais 
• Organização do Ministério Público; 
• Organização da Justiça do Trabalho: objetivo de dirimir conflitos 
sociais e manipular as atividades sindicais. 
• Incorporação das conquistas previstas na Legislação Eleitoral de 
1932; 
• Leis Trabalhistas: proibição de diferença de salários, salário 
mínimo, trabalho diário de 8h, repouso aos domingos (de 
preferência), férias anuais remuneradas, aposentadoria, 
estabilidade (substituída pelo FGTS), indenização ao trabalhador 
dispensado sem justa causa, assistência médica ao trabalhador 
e amparo às gestantes, etc. 
 
CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA DE 1937 
PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS: 
• Carta Outorgada no Estado Novo (1937 – 1945): Ditadura Civil 
(Ditadura do Executivo); 
• Inspiração: Fascismo Europeu (Carta Polonesa) / Redigida por 
Francisco Campos; 
• Caráter antifederal; 
• Centralização dos poderes Executivo e Legislativo nas mãos do 
Presidente; 
• Extinção da Justiça Federal de 1° grau; 
• Uso de Decreto-lei (advindo do Executivo); 
• Eleições indiretas para Presidente (mandato de 6 anos); 
• Intervenção nas organizações sociais e restrição dos direitos 
dos cidadãos (censura, proibição de greve, etc.). 
CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA DE 1946 
PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS: 
• Carta promulgada, fruto do processo de redemocratização: 
restabeleceu a democracia formal representativa, a 
independência dos poderes, a relativa autonomia das federações 
e a garantia dos direitos dos cidadãos; 
• Heterogeneidade político-ideológica (9 legendas partidárias na 
Assembleia Constituinte); 
• Mandato presidencial fixado em cinco anos; 
• Fortalecimento das atribuições do Congresso (principalmente as 
respeitantes à inspeção das ações do Executivo); 
• Extinção da bancada profissional, presente na Carta de 1934; 
• Ampliação do voto feminino; 
• Composição da Câmara dos Deputados: maior representação 
dos Estados de menor população em relação aos mais populosos, 
a fim de manter o equilíbrio federativo. Resultado: 
fortalecimento dos grupos políticos mais conservadores, 
amplamente majoritários nos Estados menores; 
• Plano social: postura conservadora. Direito de greve 
reconhecido, mas não regulamentado. 
 
CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA DE 1967 
PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS: 
• Carta Promulgada. Institucionalizou e legalizou o Regime Militar; 
• Montagem de uma estrutura político-jurídica baseada em Atos 
Institucionais (AIs): 17 no total; 
• Os Atos Institucionais estiveram a partir de 1964 acima do 
poder legislador de uma Constituição (reflexo da ideologia de 
segurança nacional); 
• Constituição de 1967: baseou-se na Constituição de 1946, mas 
sem os aspectos democráticos; 
• Centralização do Executivo: poder de legislar em matéria de 
segurança e orçamento. Demais poderes tornaram-se meros 
expectadores das aprovações das emendas e legislações 
baixadas pelo Presidente