A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
34 pág.
FISIOLOGIA MUSCULAR

Pré-visualização | Página 9 de 9

| MEDICINA 
Excitação de Músculo Liso Visceral pelo Estiramento Muscular 
Quando o músculo liso visceral (unitário) é estirado suficientemente, usualmente são gerados PA 
espontâneos. Eles resultam da combinação de: 
Potenciais de onda lenta normais 
Diminuição da negatividade do potencial de membrana causada pelo próprio estiramento 
Esta resposta ao estiramento faz com que a parede do intestino, quando estirada excessivamente, se contraia 
automática e ritmicamente 
Ex: quando o intestino está muito distendido pelo conteúdo intestinal, as contrações automáticas locais 
formam frequentemente ondas peristálticas que movem o conteúdo para fora da região distendida, 
usualmente na direção do ânus 
 
Despolarização do Músculo Liso Multiunitário Sem PA 
As fibras musculares lisas do músculo multiunitário (ex: músculo da íris do olho ou o do piloeretor de cada 
pelo) contraem-se principalmente em resposta aos estímulos nervosos 
As substâncias transmissoras provocam despolarização da membrana da musculatura lisa, e isto, por sua 
vez, provoca contração 
PA usualmente não se desenvolvem, porque as fibras são muito pequenas para gerar um PA. (Para que PA 
sejam desencadeados no músculo liso unitário visceral, 30 a 40 fibras musculares lisas têm de ser 
despolarizadas simultaneamente antes que aconteça um PA auto propagado.) 
Nas pequenas células musculares lisas, mesmo sem PA, a despolarização local (potencial juncional) 
causada pela substância neurotransmissora propaga-se "eletrotonicamente" por toda a fibra, o que basta para 
causar a contração muscular 
 
Efeito dos Fatores Teciduais Locais e dos Hormônios para Causar Contração do Músculo Liso Sem 
PA 
Muitas das contrações da fibra muscular lisa são iniciadas por fatores estimuladores que agem diretamente 
sobre a maquinaria contrátil do músculo liso, sem PA 
Os 2 tipos de fatores estimuladores não-nervosos e não-associados a PA que estão frequentemente 
envolvidos são: 
Fatores químicos teciduais locais 
Vários hormônios 
 
Fatores Químicos Teciduais Locais 
Os menores vasos capilares têm pouca ou nenhuma inervação, ainda assim, o músculo liso é muito contrátil, 
respondendo rapidamente a alterações nas condições químicas locais no líquido intersticial circundante 
FISIOLOGIA: MUSCULAR CAMILA SANTIAGO 
 
 
FISIOLOGIA: MUSCULAR | MEDICINA 
No estado normal de repouso, muitos destes pequenos vasos sanguíneos permanecem contraídos, porém 
quando é necessário fluxo sanguíneo extra para o tecido, múltiplos fatores podem relaxar a parede do vaso, 
permitindo, assim, o aumento do fluxo 
Desta maneira, um poderoso sistema local de controle por feedback controla o fluxo sanguíneo para a área 
tecidual. 
Alguns dos fatores de controle específicos são os seguintes: 
A falta de O2 nos tecidos locais causa relaxamento do músculo liso e, portanto, vasodilatação. 
O excesso de CO2 causa vasodilatação 
O aumento na concentração de H+ provoca vasodilatação 
Adenosina, ácido lático, ↑ na [K +], ↓ na [Ca++], e ↑ da temperatura corporal podem causar vasodilatação 
local 
 
Hormônios 
A maior parte dos hormônios que circulam no sangue afeta em algum grau a contração do músculo liso, e 
alguns apresentam efeitos profundos 
Entre os mais importantes destes estão norepinefrina, epinefrina, acetilcolina, angiotensina, endotelina, 
vasopressina, oxitocina, serotonina e histamina 
Um hormônio causa contração de um músculo liso quando a membrana da célula muscular contém 
receptores excitatórios controlados por hormônio. Ao contrário, o hormônio provoca inibição se a 
membrana contiver receptores inibitórios para o hormônio. 
 
Regeneração do Tecido Muscular 
No adulto os 3 tipos de tecido muscular exibem diferenças na regeneração: 
• O músculo cardíaco não se regenera. Nas lesões do coração (enfarte), as partes destruídas são invadidas 
por fibroblastos, que produzem fibras colágenas, formando uma cicatriz 
• Embora os núcleos das fibras esqueléticas não se dividam, tem uma pequena capacidade de 
reconstituição. Admite-se que as células satélites sejam responsáveis pela regeneração, visualizadas somente 
à ME, consideradas mioblastos inativos. Estas células também são importantes na hipertrofia, quando se 
fundem com as fibras musculares preexistentes 
• O músculo liso é capaz de uma regeneração mais eficiente. Ocorrendo lesão as fibras musculares lisas que 
permanecem viáveis entram em mitose e reparam o tecido. Na parede dos vasos sanguíneos há participação 
dos perícitos, que se multiplicam por mitose originando novas células musculares lisas, ocorrendo a 
regeneração. 
 
 
 
 
FISIOLOGIA: MUSCULAR CAMILA SANTIAGO 
 
 
FISIOLOGIA: MUSCULAR | MEDICINA 
Comparação entre os tipos de tecidos musculares

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.