A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
6 BÓCIOS BENIGNOS E MALIGNOS

Pré-visualização | Página 1 de 1

TXXIV Larissa Cardeal 
 
 
6. BÓCIOS BENIGNOS E 
MALIGNOS 
 
- maioria dos nódulos tireoideanos têm menos do 
que 1cm e maioria são benignos 
 > o rastreio pelo US só é feito se há 
alteração na palpação da tireoide 
- extremos de idades, especialmente crianças > 
maiores chances de malignidade 
- nódulo novo aparecendo no idoso também é 
preocupante 
- estão envolvidas mutações nos receptores de 
TSH > pontos de ativação indicados na imagem – 
essa ativação constitutiva, em que as células 
começam se proliferar sem a necessidade de 
ativação do receptor pelo THS 
 > o nódulo apresenta uma população de 
células monoclonal de célula folicular 
 
- visualização de bócios uninodulares da tireóide 
 
- nódulos/bócios são mais comuns em mulheres, 
mas quando aparecem em homens, possuem 
maiores chances de malignidade 
- sintomas compressivos são preocupantes 
- doenças autoimunes da tireoide em associação 
a nódulo conferem maior risco de malignidade 
 
 
TXXIV Larissa Cardeal 
 
 
- na suspeita de nódulo tireoideano, pode-se 
solicitar dosagem de TSH e de T4 livre para avaliar 
disfunção tireoideana 
 > se suspeita de tireotoxicose – solicitar T3 
também 
- solicitar também anti-TPO para avaliar presença 
de doença autoimune 
- a calcitonina deve ser solicitada se tiver se 
suspeitando de carcinoma de margem de tireoide, 
são mais raros 
 > os mais comuns são o papilíferos e os 
foliculares 
- Tg não é indicada a solicitação de dosagem 
- US é o melhor exame para avaliar o nódulo e 
deve ser solicitado 
- cintilografia com iodo radioativo > se houver 
doença nodular + supressão de TSH – avaliar se 
nódulo é quente ou frio 
 
- fluxo periférico e central ao Doppler 
 
- i. nódulo frio, hipocaptante 
- ii. Sólido, isoecoico, bordas definidas, com halo 
presente ao redor 
 
 
- trata-se de um exame de citologia > aspirado de 
células, não permite visualizar a arquitetura 
tecidual, apenas a morfologia de celulas 
 
- nódulo hipercaptante à cintilografia = nódulo 
quente = nódulo benigno > TSH supresso com 
tireotoxicose – o hormônio tireoideano está vindo 
do nódulo 
- se não houver tireotoxicose = nódulo frio > vai 
direto para o US e avalia necessidade de PAAF 
TXXIV Larissa Cardeal 
 
 
 
- nódulo + bócio + sintomas de hipertireoidismo 
- BNT (bócio nodular tóxico) = doença de Plummer 
= nódulo único 
> nódulo quente na cintilografia > nódulo 
hipercaptante = doença de Plummer – quadro 
benigno, que tem tratamento 
- BMNT = BÓCIO MULTINODULAR TÓXICO 
 
- mais quente fica no espectro vermelho e laranja 
- i. BNT (doença de Plummer 
- ii. BMNT 
 
- droga antitireoideana (ex: TAPAZOL) > 
tratamento de controle de excesso de hormônio 
tireoideano, paliativo, para controle da 
hiperfunção do nódulo > mas o nódulo continuará 
lá – não é a escolha mais indicada 
- tratamento permanente é o indicado > 
iodoterapia ablativa e tireoidectomia 
 > em ambas há chances de hipotireoidismo 
- injeção de álcool > falha terapêutica alta e 
conduta dolorosa > não indicada

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.