Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Serviços de Farmácia e Saúde Pública

Pré-visualização | Página 1 de 6

Serviços de Farmácia e Saúde Pública 
 Boticários (farmacêuticos). 
 A primeira faculdade de farmácia do Brasil foi 
criada em 1832. 
 Criação das drogarias. 
 1930, a legislação possibilitava que as drogarias 
funcionassem sem profissional habilitado. 
 Lei n. 5.991 de 1973, torna obrigatória a presença 
de responsável técnico. “Assinar responsabilidade 
técnica” significa que o farmacêutico apenas 
empresta seu nome para o estabelecimento, é 
ilegal, e vai contra o disposto no artigo 14 do Código 
de Ética Farmacêutica pela Resolução n. 596 de 
2014. 
 Aumento da fiscalização dos Conselhos Regionais 
de Farmácia (CRF). 
 Farmácia Clínica. 
 Resolução n. 586, de 29 de agosto de 2013, permite 
ao farmacêutico prescrever medicamentos não 
tarjados que não exijam prescrição médica. ( MIPS) 
 Conferência Internacional de Saúde de Alma-Ata, 
marco para a evolução da AF (Assistência 
Farmacêutica) . – preconizou o cuidado e os 
direitos com os pacientes 
 Central de Medicamentos (Ceme), em 1971- 
(maior acesso em relação a custo e acessibilidade 
aos medicamentos)- comprar e distribuir 
medicamentos/ a população ter mais acesso . A 
Ceme foi extinta em 1997 
 1998 , criada a Política Nacional de Medicamentos 
(PNM), que descentralizou a gestão da AF. Como 
consequência, as esferas municipais e estaduais 
passam a ter responsabilidade, por exemplo, na 
compra e distribuição dos medicamentos. 
 1998, criação da Política Nacional de 
Medicamentos (PNM) –( maior acesso a medicação 
e uso racional de medicamentos). 
 Criação da ANVISA em 1999. 
 Lei dos genéricos. – comercializar os 
medicamentos com o nome da substancia ativa ,oq 
gerou u acesso maior da população aos 
medicamentos 
 Política Nacional da assistência farmacêutica 
(PNAF) em 2004. – desenvolvimento dos 
medicamentos , investimento e tecnologia 
 Atenção primária à saúde (APS). – assiste o 
paciente e previne doenças 
 Na década de 1990, a APS tornou-se 
responsabilidade dos municípios e, em 1994, foi 
criado o formato de Unidade de Saúde da Família 
(USF) 
 O acesso aos medicamentos é um direito de todos 
os cidadãos brasileiros pela Constituição Federal e 
pelo SUS. 
 Política Nacional de Medicamentos (PNM), 1998. 
 Política Nacional de Assistência Farmacêutica 
(PNAF). 
 Programas de AF, que são uma forma de organizar 
os medicamentos em diferentes categorias para 
facilitar a compra e o controle. 
 Cada programa de AF tinha regras próprias de 
funcionamento e financiamento. Verba oriunda do 
Ministério da Saúde. 
 Após 2007, financiamento por blocos (componente 
básico, estratégico e especializado). 
 Portaria n. 3.992/2017 (BRASIL, 2017), alterando o 
repasse de recursos aos serviços e ações em saúde 
em dois grupos: o de custeio das ações e serviços 
de saúde e o de investimento na rede de saúde. O 
financiamento da AF passou a ficar dentro do grupo 
“custeio das ações e serviços de saúde”. 
 A verba é repassada da esfera federal às estaduais 
e municipais. A verba repassada pelo Programa 
Previne Brasil pode e deve ser usada para a compra 
de medicamentos do componente básico da AF. 
 Assistência farmacêutica na Atenção Básica à 
Saúde, tem como base a relação nacional de 
medicamentos essenciais (Rename). 
 A PNM foi instituída a partir da Portaria n. 
3.916/GM de 1998 (BRASIL, 1998), oito anos após a 
regulamentação do SUS. Essa portaria deve 
garantir a produção de medicamentos com 
qualidade, tratamento farmacológico seguro e 
eficaz, além de incentivar o uso racional e gerar 
acesso da população aos medicamentos chamados 
de essenciais. 
 Problemas que motivaram a publicação da Política 
Nacional de Medicamentos: Brasil, um dos maiores 
consumidores de medicamentos no mundo; 
Envelhecimento populacional; Prescrição de 
medicamentos não padronizados. Serviços de 
saúde com abastecimento irregular dos produtos 
farmacêuticos, resultando em ineficácia no 
tratamento de muitos pacientes. 
 A PNM tem como base as diretrizes e princípios do 
SUS. Princípios: Universalidade, Integralidade e 
Equidade. 
 Diretrizes: Descentralização, Hierarquização e 
Participação comunitária. Universalidade: assegura 
o direito à saúde a todos os cidadãos, e o acesso 
sem discriminação ao SUS. Integralidade: ações e 
serviços de saúde devem visar a recuperação e a 
proteção da saúde (prevenção). 
 Equidade: Acesso de qualquer pessoa, em 
igualdade de condições, de acordo com as 
necessidades de cada um. ( suas necessidades) 
 Descentralização: municipalização das ações e 
serviços de saúde. 
 Hierarquização: as ações e os serviços de saúde 
devem ser organizados em níveis de complexidade 
tecnológica crescente (primário, secundário, 
terciário e quaternário). Isso significa que o 
paciente deve entrar no sistema por meio de um 
posto de saúde (atenção primária) ou de um 
pronto-socorro (urgência ou emergência) e, se 
houver necessidade, o paciente deve ser 
encaminhado a um centro de maior complexidade. 
 Participação comunitária: através de conselhos de 
saúde. 
 Diretrizes da PNM: Adoção de relação de 
medicamentos essenciais. Regulamentação 
sanitária de medicamentos. Reorientação da 
assistência farmacêutica. Promoção do uso racional 
de medicamentos. Desenvolvimento científico e 
tecnológico. Promoção da produção de 
medicamentos. Garantia da segurança, eficácia e 
qualidade dos medicamentos. 
 Desenvolvimento e capacitação de recursos 
humanos – de forma a atuar para sempre melhorar 
o pessoal p/ que desenvolva e acolha melhor o 
paciente (BRASIL, 1998) 
 Medicamentos genéricos ( nome substancia ativa) : 
Na PNM deve-se privilegiar o uso de genéricos, e 
isso envolve o incentivo à produção nacional, à 
prescrição e à comercialização. 
 Essas ações não ficam sob responsabilidade apenas 
do governo federal, mas devem ser um esforço de 
vários setores, entre eles, a sociedade, corporações 
profissionais e as três esferas de poder. 
 A Política Nacional de Assistência Farmacêutica 
(PNAF) (BRASIL, 2004) nasce em 2004. Consolida as 
ações de AF no Brasil, com objetivo de ampliar o 
acesso da população aos medicamentos. 
 A PNAF é organizada em quatro princípios e 13 
eixos estratégicos. 
 Princípio I: PNAF é parte integrante da Política 
Nacional de Saúde, envolvendo ações voltadas à 
promoção, proteção e recuperação da saúde, 
sempre considerando os princípios do SUS. 
 Princípio II: A assistência farmacêutica é uma 
política pública que fomenta as políticas de 
medicamentos, de ciência e tecnologia, de 
desenvolvimento industrial e de formação de 
recursos humanos. 
 Princípio III: o farmacêutico deve ter uma visão 
individual e coletiva. Atua no uso racional de 
medicamentos, pesquisando, selecionando, 
programando, comprando e distribuindo 
medicamentos para a população de um município, 
estado ou país. 
 Princípio IV: integralidade das ações. A AF tem o 
papel de facilitar o acesso aos serviços 
farmacêuticos e aos medicamentos na atenção 
primária ( hospitais) , secundária( ambulatórios de 
especialidades, clinicas e especializadas) e 
terciária( unidades básicas e de saúde da família ) . 
 Assistência farmacêutica: ações voltadas à 
promoção, proteção e recuperação da saúde, 
individual e coletiva, tendo o medicamento como 
insumo essencial e visando o acesso e ao seu uso 
racional. 
 Pesquisa, desenvolvimento e a produção de 
medicamentos e insumos, bem como a sua seleção, 
programação, aquisição, distribuição, dispensação, 
garantia da qualidade dos produtos e serviços, 
acompanhamento e avaliação de sua utilização 
(BRASIL, 2004). 
 Atenção Farmacêutica: se refere ao atendimento 
direto do paciente pelo farmacêutico com objetivo 
de resolver problemas da farmacoterapia. 
 13 eixos estratégicos da PNAF: 
 A garantia de acesso e equidade às ações de saúde
Página123456