Buscar

INSUFICIENCIA VENOSA PERIFERICA - YARLLA CRUZ

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 3 páginas

Prévia do material em texto

25	
Insuficiência venosa periférica 
• Envolve vários estágios 
• Veias superficiais - situadas no 
compartimento delimitado pela fáscia 
muscular profunda e pela pele 
 • Veia safena magna e veia safena parva 
• Veias profunda - localizam-se abaixo da 
fáscia muscular e correm paralelas à tíbia e 
ao fêmur 
 • São as principais vias de retorno venoso 
proveniente dos MMII 
• Veias perfurantes - comunicam as veias 
superficiais com as profundas 
• As válvulas unidirecionais bicúspides estão 
presentes nas veias profundas, superficiais e 
na maioria das veias perfurantes 
 • O número de válvulas presentes nas 
porções distais das veias é maior do que nas 
porções proximais 
 • As válvulas facilitam a passagem de 
sangue e evitam o refluxo sanguíneo, uma 
vez que minimizam a pressão hidrostática 
gerada pela coluna de sangue e 
favorecem ao fluxo unidirecional caudal-
cranial 
 • 90% do sangue do sistema venoso dos 
MMII retorna para as veias centrais por meio 
das bombas musculares do pé, da perna e 
da coxa - a contração muscular provoca a 
compressão extrínseca das veias e o 
aumento do fluxo através das válvulas 
unidirecionais 
 • No relaxamento após a contração, a 
pressão diminui, favorecendo o fluxo 
sanguíneo do sistema superficial para o 
profundo 
• Má atuação da válvulas - hipertensão 
(ocorre o refluxo de sangue) 
 
Doença venosa crônica 
• São causadas por anormalidades 
primárias da parede venosa, das válvulas 
ou da associação de ambas 
 • Enfraquecimento da parede da veia e 
a insuficiência valvular 
• Raramente resulta de malformações 
congênitas 
• Sintomas 
 • Dor ou dolorimento (aumento da 
sensibil idade) 
 • Latejamento 
 • Aperto, peso, sensação de inchaço, 
cansaço muscular, coceira, cãibras, 
sensações de queimação 
 • Formigamento ou claudicação venosa 
 • Insatisfação estética 
• Sinais 
 • Teleangiectasias, veias reticulares e 
varicosas ou edema 
 • Alterações na pele, como 
pigmentação, lipodermatosclerose, atrofia 
branca, corona flebectásica (presença de 
vasos sanguíneos cutâneos anormalmente 
visíveis no tornozelo) 
• As varizes são manifestações comuns das 
doenças venosas crônicas 
 • Resultam da remodelação da parede 
venosa associada a um processo 
inflamatório - impede que os folhetos 
valvulares se fechem adequadamente, 
resultando em refluxo venoso 
• Veias varicosas - podem ser causadas 
pelo refluxo das veias pélvicas sem 
evidência de incompetência na junção 
safeno-femoral ou nas veias perfurantes da 
panturrilha ou da coxa 
• Varizes primárias ou essenciais - origem 
em alterações do próprio sistema venoso 
superficial 
• Varizes secundárias - consequência dos 
aumentos de fluxo e de pressão no interior 
das veias superficiais, secundários a 
alterações no sistema venoso profundo ou 
a presença de fístula arteriovenosa 
 
Yarlla Cruz 
	 26	
Fatores de risco 
• Idade (> 30 anos) 
• Sexo feminino 
• Episódio anterior de TVP 
• Hormônios (anticoncepcionais orais e 
terapia da reposição hormonal) 
• Gestação 
• Obesidade 
• Sedentarismo 
• Profissão 
• Hereditariedade 
 
Quadro clínico 
• Dor (queimação/cansaço/ardência) 
 • Claudicação venosa - resulta da 
obstrução grave de saída venosa quando 
o fluxo arterial excede o fluxo venoso, e o 
tempo de recuperação geralmente é 
superior a 15 minutos 
• Inchaço - edema 
• Cãibra 
• Coceira (prurido) - é associado a 
alterações da pele 
• Sangramento (varicorragia) 
• Feridas (úlceras) - bordas irregulares a 
acima do maleolo 
• Alterações em pele (dermatite) 
• Vermelhidão (flebite) - inflamação da 
veia 
 
 
CEAP 
• 0 - paciente sem manifestações visíveis, 
mas como sintomas (dor e queimação) 
• 1 - Teleangiectasias ou veias reticulares 
• 2 - Presença de varizes e refluxo sanguíneo 
• 3 - Presença de edema e varizes 
• 4 - Paciente com manifestações tróficas 
(alterações na cor da pele) 
 • Eczema 
 • Dermatite ocre/lipodermatosclerose/ 
atrofia branca 
• 5 - Paciente com úlcera em processo de 
cicatrização 
• 6 - Úlcera em atividade 
 
 
Exame clínico do sistema venoso periférico 
• Inspeção - avaliação com o paciente em 
pé 
 • Sinais associados a insuficiência venosa 
• Palpação 
 • Palpação da junção safenofemoral (4 
cm lateralmente e inferior ao tubérculo 
púbico) 
 • Presença de varicosidade na safena 
 • Teste da tosse - verificar se há alguma 
modificação local ou dilatação da junção 
• Percussão 
 • Se houver alguma varicosidade óbvia - 
avaliação da competência das válvulas 
Yarlla Cruz 
	 27	
 
Diagnóstico 
• Anamnese e exame físico 
• Ecodoppler venoso 
• Flebografia ascendente 
 
Tromboembolismo venoso 
• Trombose venosa profunda - interrupção 
brusca da drenagem venosa, com 
presença de dor e de edema 
• Embolia pulmonar - TVP prévio que se 
desprende e atinge a circulação sistêmica 
e depois a pulmonar 
 • Taquipneia, dispneia, taquicardia, 
cianose e suspeita de TVP 
• Fator de risco - idade, imobilidade 
prolongada, AVC ou paralisia, TEV prévio, 
câncer 
 • Trauma ou cirurgia de maior 
complexidade 
 • Catéter venoso central 
 • Gravidez ou puerpério 
 • Uso de estrogênio 
 • Trombofilia 
• Diagnóstico TEV 
 • Sinal de Homans 
 • Sinal de Bancroft 
 • Sinal da bandeira - com o trombo (ela 
não balança) 
 • Ecodoppler venoso, angiotomografia 
(TEP) 
 
 
Tromboflebite 
• Oclusão de veias superficiais 
• Processo inflamatório local - dor, 
hiperemia, calor, endurecimento local 
 
 
 
 
 
 
 
Yarlla Cruz