Buscar

Geografia

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 3, do total de 4 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Prévia do material em texto

AD2- Geografia na Educação 2 
 
1ª Questão – 3 pontos) Após a leitura do texto a seguir, extraído do “AS 
METRÓPOLES E A COVID-19: DOSSIÊ NACIONAL”, produzido pelo 
Observatório das Metrópoles, proporcione respostas ao que se pede: Na 
Região Metropolitana do Rio de Janeiro as políticas adotadas para 
enfrentamento da pandemia de COVID-19 passaram por duas estratégias 
básicas: evitar a propagação do vírus, através de medidas de isolamento 
social e atuar no reforço emergencial da rede de atendimento de saúde. “Fique 
em casa”, “Lave as mãos” e posteriormente “Use máscara sempre que sair de 
casa”, passaram a ser os motes básicos da política de prevenção. Entretanto, 
dada a condição de extrema desigualdade social das cidades brasileiras, faz-
se necessário uma profunda/mais aprofundada sobre os limites dessas 
determinações, frente à condição de vida e moradia de uma parcela 
significativa da população, em especial da metrópole fluminense, com suas 
favelas e periferias. 
O enfrentamento à pandemia em espaços de alta densidade populacional e 
marcados por diversas fragilidades no atendimento de serviços básicos 
(inclusive no acesso à água) exige uma ação coordenada e efetiva do poder 
público para minimizar os riscos de contágio. É o caso das inúmeras favelas 
cariocas (que hoje abrigam quase 20% da população da cidade), mas 
também das ocupações, cortiços e conjuntos habitacionais. As ocupações na 
periferia seguem o mesmo padrão, com favelas espalhadas nos morros e 
beiras de rios, marcadas por graves vulnerabilidades sociais. Esses são 
espaços da cidade que demandam ações que considerem a precariedade de 
seus moradores e de suas demandas por sobrevivência, assim como 
asprementes necessidades. 
Neste sentido, vale lembrar que uma parcela significativa da 
população, em especial aquela moradora das áreas mais distantes 
da cidade e da metrópole, seguiu se deslocando em direção à 
periferia para garantir suas fontes de sustento, exigindo cuidados 
preventivos redobrados. Diante deste quadro, a questão sobre a 
qual buscamos refletir neste Dossiê é focada nas ações e 
omissões do poder público; como estas dialogam com as 
realidades locais; quais suas limitações e quais demandas se 
mantiveram invisibilizadas; e por fim, quais direitos sociais foram 
violados. 
Fonte: 
https://www.observatoriodasmetropol 
es.net.br/wp-content/uploads/2020/07/Dossi%C3%AAN%C3%Bacleo-Rio-de- 
Janeiro_An%C3%A1lise-Local_Julho- 2020.pdf, 
acesso em 01 de maio de2021. 
Após a leitura do texto da pesquisa promovida pelo 
Observatório das Metrópoles e da aula 19 disponível em nosso 
livro didático da disciplina, identifique 3 condições 
geográficas típicas da ocupação socioespacial da Cidade do 
Rio de Janeiro e da Região Metropolitana que devem ser 
expostos em aulas sobre a Geografia, que envolvam estas 
localizações, para estudantes dos Anos Iniciais do Ensino 
Fundamental e da Educação de Jovens e Adultos. 
R: A formação da cidade do Rio de Janeiro em seus aspectos geográficos 
e socioespaciais começam a se destacar a partir do início do século XX, a 
partir da ideia do prefeito Pereira Passos em transformar a cidade em uma 
nova Paris, a partir desse processo existirá uma transformação no espaço 
natural e nos espaços habitados, os chamados cortiços, dentro desse 
processo que também pode ser entendido como gentrificacao, de um lado 
surgirá os espaços urbanos e as habitações dos patrões ( hoje entendidos 
por alguns teóricos como burgueses) do outro lado e nos morros mais 
distantes surgirão as favelas, com habitações sem planejamentos, onde 
estarão indo morar os antigos moradores dos cortiços e os trabalhadores 
em geral ( tratados por diversos teóricos como proletariados). Dentro 
desse processo foram criados bairros, vilas e cidades, o processo de 
formação das favelas foi se dando ao longo do século XX com a ausência 
do Estado. A partir da formação das metrópoles e o advento das 
formações de infraestrutura e industrialização foi se exigindo transportes 
e saneamento básico para atender as demandas, cabendo ressaltar que 
esse processo deu-se de maneira desigual a partir das desigualdades 
sociais. Mas favelas foram crescendo o processo de criminalidade, falta 
de incentivos a cultura, educação e estrutura, além do estado entrar 
apenas para oferecer opressão. Com o advento da pandemia, toda essa 
condição forjada através do processo histórico demonstrou de maneira 
gritante como a desigualdade social atinge os oprimidos, o desemprego 
cresceu e o trabalhador teve de escolher entre o trabalho e a vida. 2ª 
Questão – 3 pontos) No texto existente no resumo da aula 17 
(O Brasil globalizado) do material didático da disciplina, 
podemos observar uma análise breve da evolução econômica 
brasileira até o final da década de 1990, no caminho de sua 
inserção na economia global. 
RESUMO 
No final da década de 1970, em função do capitalismo, o mundo 
mergulhou em mais uma crise e, para sair dela, passou a 
implementar idéias neoliberais, que visavam ao completo 
afastamento do Estado como investidor e gerenciadordos setores 
estratégicos dos países. 
O Brasil passou a implementar a política neoliberal nos anos 1990, 
e, também aqui, seus ditames foram colocados em prática, tais 
como o incentivo às privatizações, a eliminação dos monopólios 
estatais em setores estratégicos, a maior atração aos 
investimentos externos e a flexibilização cada vez maior das 
relações trabalhistas. 
No final da década, os resultados dessa política macroeconômica 
só vieram provar a sua fragilidade, pelo menos do ponto de vista 
social. O Brasil conseguiu aprofundar ainda mais as desigualdades 
existentes entre os mais ricos e os mais pobres. Para provar isso, 
basta ver os dados: no nosso país, os10% mais ricos detêm 50% 
da renda nacional. 
Indique pelo menos três aspectos presentes no RESUMO 
apresentado que, demonstrando uma retomada neoliberal de 
inserção de nosso país na globalização, neste momento, se 
encontram novamente sendo vividos no cenário 
socioeconômico brasileiro. 
R: O advento do neoliberalismo tem como princípio o século XX, mais 
principalmente a sua segunda metade, onde haverá também o processo de 
globalização, na América Latina esse processo terá início com o apoio 
dos EUA a ditadura Chilena e no Brasil ganhará fôlego no governo de 
Fernando Henrique Cardoso no processo de aceitação do capitalismo 
dependente, de lá para cá o Brasil foi se desindustrializando e adotando o 
processo (ficando refém das commodities, tornando-se refém dos países 
desenvolvidos e industrializados, até início dos anos 90 o Brasil crescia 
mais do que a China, hoje a última é a segunda maior potência mundial, a 
partir de 2016 no pós-golpe houve uma escalada neoliberal, flexibilização 
das leis trabalhistas e dos direitos da previdência, privatizações de 
estatais, tentativa de privatizar a Eletrobras e Petrobras, além dos 
correios, flexibilização das relações empregador e empregado, 
completando e agora o processo de uberização e precarização do 
trabalho. Todo esse processo piora a partir de 2018 e amplia as 
desigualdades econômicas, o Brasil voltou a entrar no mapa da fome e o 
poder de compra do salário mínimo foi reduzido ao extremo. Essa 
competição desigual favorece grandes monopólios prejudicando 
pequenos empresários, são mais de 11 milhões de desempregados. 
Alguns autores como Paulino José Orso e Dermeval Saviani discordam 
do termo neoliberalismo, eles apontam que esse processo que estamos 
vivendo hoje deveria ser chamado de ultraliberalismo, pois o 
neoliberalismo deveria ter ocorrido no pós crise de 29 no advento do New 
deal. 
3ª Questão – 4 pontos) O Estado do Rio de Janeiro, embora não seja 
um dos maiores estados da federação em extensão territorial, apresenta 
entre as suas regiões diferenciações que podem caracterizar bem sua 
diversidade histórica e geográfica.Levando em consideração as regiões 
do Estado retratadas nas aulas 20 e 21 dos materiais didáticos do 
curso, apresente: 
A) Duas características históricas e geográficas 
diferenciadoras das regiões retratadas; 
R: Podemos citar o manguezal que possui nutrientes riquíssimos e uma grande 
produção de lagostas, camarões, mariscos, tainhas e possui uma fauna com o 
ecossistema mais rico do planeta, com diversos tipos de animais característicos do 
caranguejo. Também a formação de restingas que ao longo da costa formam faixas de 
areia depositadas pelo mar, dividindo o interior de um mar e muitas vezes 
transformando-o em uma lagoa do grande mar externo. Pois o mesmo possui um típico 
cenário de antigas bahias; lagoas; fechados por areia. Pois o litoral fluminense é 
constituído por seus aspectos mais típicos. 
B) Pelo menos um aspecto socioeconômico em comum 
que ambas a regiões podem explorar ou possuem como 
potencial, em função de suas características geográficas, 
justificando sua resposta. 
R: Podemos citar como atividade principal socioeconômica da região, o turismo, que 
possui uma dinâmica econômica em meio às atividades de agricultura e turismo, tendo 
por base o comércio, veraneio, indústrias e lazer. A cidade de Nova Friburgo está 
localizada na região serrana, a mesma possui uma expansão que divide-se em dois 
eixos: um segue a estrada que faz ligação a Teresópolis- Friburgo e o outro em direção a 
Bom Jardim. Nova Friburgo é considerada como um importante centro urbano, que tem 
como característica os hábitos europeus nas festas típicas, na agricultura e na culinária. 
Destaca-se pela produção de hortigranjeiros, pecuária, além de pousadas e hotéis. O uso 
da informática e a expansão da indústria têxtil também fazem parte do crescimento do 
seu comércio. Nova Friburgo também conta com cursos profissionalizantes, queijarias, 
criação de animais não tradicionais, eventos culturais e escolas

Outros materiais