Buscar

ATIVIDADE DOENÇAS -BACTÉRIAS

Prévia do material em texto

Atividade Microbiologia 
 Doenças causadas por S. epidermidis: 
Sepse- infecção do sangue ou infecção generalizada, a s. epidermidis 
podem entrar facilmente no organismo. 
Sintomas: febre alta, cansaço excessivo, dor de cabeça, mal-estar geral, 
diminuição da pressão arterial, falta de ar ou dificuldade para respirar; 
A endocardite infecciosa é uma infecção do revestimento interno do 
coração (endocárdio) que geralmente também afeta as válvulas 
cardíacas. A endocardite infecciosa ocorre quando uma bactéria entra 
na corrente sanguínea e viaja para válvulas previamente lesionadas, 
aderindo-se a elas; 
 endocardite bacteriana aguda costuma começar subitamente, 
com febre elevada, frequência cardíaca acelerada, fadiga e um 
dano extenso e rápido de uma válvula cardíaca. 
 A endocardite bacteriana subaguda causa gradualmente sintomas 
como fadiga, febre leve, aumento moderado da frequência 
cardíaca, perda de peso, sudorese e redução do número de 
glóbulos vermelhos. 
 O ecocardiograma é utilizado para detectar válvulas cardíacas 
lesionadas, e as culturas de sangue são utilizadas para identificar 
o micro-organismo responsável pela endocardite infecciosa. 
 
Suas infecções estão associadas com os produtos médicos, tais como 
válvulas cardíacas, , próteses, cateteres e feridas. As infecções de ponta 
de cateteres levam a episódios sérios de inflamação e secreção de pus. 
 
 Doenças causadas por S. saprophyticus: 
Causam infecções; 
Os sintomas da infecção aparecem quando o sistema imunológico da 
pessoa infectada encontrasse debilitado, ou quando a higienização 
intima não é realizada corretamente, o que favorece o desenvolvimento 
da bactéria; 
Sintomas: dor ou sensação de queimação ao urinar, vontade frequente e 
repentina de urinar em pouca quantidade, sensação de não conseguir 
esvaziar a bexiga, sensação de peso ou desconforto na região da 
bexiga, urina turva ou com presença de sangue, febre baixa persistente 
(entre 37,5º e 38º) 
 
E importante que a infecção seja identificada e tratada corretamente, 
pois caso contrário a bactéria pode permanecer mais tempo nos rins 
resultando em pielonefrite ou nefrolitíase, comprometendo o 
funcionamento dos rins, ou chegar à corrente sanguínea e atingir outros 
órgãos, caracterizando a septicemia. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
PATÓTIPOS PAÍSES MECANISMO DE 
PATOGENICIDADE 
ORGÃO SINTOMAS 
Escherichia coli 
enteropatogênic
a 
(EPEC’s) 
Brasil, 
Venezuela, 
Chile, 
Argentina e 
Uruguai. 
Seus principais 
fatores de virulência 
são as proteínas 
intimina e Tir (do 
inglês, Translocated 
intimin receptor). 
Intestino, 
principalmente 
intestino 
delgado 
Diarréia aquosa 
contendo muco 
acompanhado de 
vômitos e febre, 
causa diarreia 
crônica 
E. coli 
enterotoxigênic
a (ETEC) 
México, 
Nicarágua, e 
Colômbia 
Produzem dois 
tipos de 
enterotoxinas, 
Toxina 
termolábil(LT) e 
outra do tipo 
diarréica, chamada 
de toxina 
termoestável. 
Existem dois tipos 
de toxinas LT: I e II. 
Ambas são 
codificadas por 
plasmídios. 
intestino 
delgado 
Diarréia aquosa, 
hipotermia 
E. Coli 
enteroinvasora 
Latinos e 
Africanos 
O microrganismo 
coloniza o cólon e 
contém plasmidios 
necessário para a 
invasidade, o qual 
carrega genes 
necessários para a 
virulência. As 
linhagens de EIEC 
invadem ativamente 
as células do colon 
e propagam-se 
lateralmente para 
as células 
adjacentes. 
Intestino 
grosso 
Febre, diarreias 
profusas 
contendo muco e 
sangue, infecção 
severa( forte 
reação 
inflamatória e 
ulceração) 
E.coli 
enterohemorrág
ica (EHEC) 
Países 
desenvol: 
Estados 
Unidos, no 
Japão e no 
Reino Unido 
Capacidade de 
destruir células 
epiteliais e produz 
uma citotoxina 
potente, a toxina 
Shiga. Abrigam 
plasmídeos de 
diversos tamanhos. 
Intestino 
grosso 
Diarreia 
sanguinolenta, 
colite 
hemorrágica, 
síndrome 
urêmica 
hemolítica e 
púrpura 
trombótica 
trombocitopênica. 
E. Coli 
Enteroagregativ
a ( EaggEc) 
Peru, 
Paraguai, e 
Brasil 
seus principais 
fatores de virulência 
são as fímbrias I e II 
(AAF/I e AAF/II), 
que permitem a 
adesão aos 
enterócitos, sem 
que no entanto 
ocorra invasão. As 
EAECs são o 
patotipo mais 
prevalente em 
pacientes com 
diarréia 
intestino Diarreia aquosa 
persistente 
E.coli 
uropatogênica 
Paises + 
desenvol; 
Como 
Grécia, 
Turquia. 
A bactéria penetra o 
trato urinário e 
invade o epitélio da 
bexiga, causando 
cistite. 
 
 
 
 
 
 
Trato 
gastrointestinal, 
rins; 
Infecções 
urinarias, 
pielonefriete, 
lesão renal 
irreversive, 
insuficiência 
renal e 
septicemia. 
E. coli 
meningite neo 
natal (NMEC) 
Nos países 
subdesenvolv
idos. 
Caracteriza-se por 
atravessar a 
barreira 
hematoencefálica e 
coloniza o sistema 
nervoso central 
causando 
meningite. 
 Encéfalo e a 
medula 
espinhal 
Menigite em 
crianças recém 
nascidas 
E. coli Que 
adere 
difusamente 
(DAEC) 
Países 
menos 
desenvolvido
s: Brasil. 
Pouco se sabe 
sobre sua 
patogênese. 
Intestino 
delgado 
Diarreia

Continue navegando

Outros materiais