A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
142 pág.
apostilaAdministracao2013v3

Pré-visualização | Página 24 de 36

construção para incorporação de edifícios em condomínio – procedimento’ nos dá as diretrizes 
para realizar a divisão de áreas para registro de incorporações de edifícios (exercício a ser feito 
em aula). Além disto, expõe as diretrizes pelas quais são calculados os Custos Unitários 
básicos regionais. 
Custo unitário da construção: 
É a razão entre os custos e as áreas de construção ou, em outras palavras, os custos por metro 
quadrado de construção, simplesmente designados Custos Unitários. Constituem-se talvez nos 
mais importantes parâmetros derivados dos orçamentos, pois são os principais elementos de 
custo para embasar as avaliações. 
CUB (Custo Unitário Básico): 
 Parte do custo por m2 da construção do projeto-padrão considerado; 
 Fornece base para estimativas de preços e avaliações; 
 Não inclui despesas relativas a; 
o Fundações especiais; 
o Elevadores; 
o Instalações de ar condicionado, calefação, fogões, aquecedores, incineração, 
ventilação, exaustão, playgrounds, etc; 
o Obras complementares; 
o Impostos e taxas; 
o Honorários profissionais em geral; 
o Projeto. 
 É calculado de acordo com a NBR 12721, pelos Sinduscons regionais; 
 Divulgação até o dia 5 de cada mês; 
 A norma NBR 12721, denominada ‘Avaliação de custos unitários e preparo de orçamento 
de construção para incorporação de edifícios em condomínio – procedimento’, passou 
recentemente por revisões: a versão de 1992 (antiga NB-140) contemplava apenas 
unidades habitacionais, multifamiliares, de 2 e 3 dormitórios, até o ano 2000. 
 Em março de 2000, a norma passou a considerar: CUB comercial salas e lojas; CUB 
comercial andares livres; CUB galpão industrial; CUB casa popular de 1 dormitório. 
ECV 5307 - Administração da construção 
Profa Cristine N. Mutti – UFSC – atualização 2013 
 
 86
 A versão de 2006, atualmente em vigência, considera o CUB para unidades residenciais, 
prédios populares, projetos de interesse social, comercial salas e lojas, comercial 
andares livres, galpão industrial e residência popular. 
 
Até março de 2008 era possível calcular o CUB pelas metodologias da versão de 1999, e da 
versão de 2006 da norma, para fins de comparação de valores, de contrato, por exemplo. A 
partir de março de 2008 só será utilizada a metodologia da norma vigente, como pode ser visto 
pela comunicação do Sinduscon: 
 
“CUB/SC terá variação única a partir de março/08 
O Sinduscon da Grande Florianópolis e o Ministério Público Estadual assinaram termo de compromisso de 
ajustamento de conduta referente à correção dos contratos indexados ao CUB assinados até fevereiro de 2007. 
 Com a assinatura do termo fica estabelecido que a partir de março de 2008 será utilizada apenas a metodologia 
da Norma ABNT NBR 12.721/2006 para o cálculo do CUB, extinguindo o CUB/99. 
Desta forma, os contratos assinados ate fevereiro de 2007 deverão utilizar a variação do CUB/2006 para reajuste 
das parcelas a partir de marco de 2008. 
Conforme o termo de compromisso, os associados do Sinduscon, assim como as empresas que utilizam o Custo 
Unitário Básico como indexador, devem orientar seus clientes a seguirem o critério estabelecido. “ (fonte: 
http://www.sinduscon-fpolis.org.br/retorno_texto.asp?cat=900, em fevereiro de 2008). 
 
Na construção civil utiliza-se o CUB freqüentemente como indexador que representa o custo, 
em padrão monetário vigente do metro quadrado da edificação em cada Estado, para os 
diversos padrões de construção definidos pela NBR 12721/06. Este indexador adota 
quantidades constantes, preços variáveis e coletas de dados para cada Estado. No entanto, a 
Norma prevê que os custos unitários básicos sejam destinados a fins exclusivamente 
comparativos no início das incorporações. 
O orçamento é feito para cada projeto padrão (tipos e valores na tabela 10). Os projetos padrão 
são projetos selecionados para representar os diferentes tipos de edificações, definidos por 
suas características principais: número de pavimentos, número de dependências por unidade, 
áreas equivalentes à área de custo padrão privativas das unidades autônomas (por exemplo, o 
apartamento, sua garagem, e parcelas da edificação a estes conectadas), padrão de 
acabamento da construção, número total de unidades. 
A Norma especifica as características principais dos projetos-padrão (padrão de construção, 
número de pavimentos, número de quartos, banheiros e área privativa), bem como os materiais 
e os equipamentos considerados nas áreas de uso comum privativo e nas instalações distintas 
para cada nível de acabamento (tabela 11 a e b). 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
ECV 5307 - Administração da construção 
Profa Cristine N. Mutti – UFSC – atualização 2013 
 
 87
 
Tabela 10 a,b,c: Valores do CUB por tipologia de projeto padrão – preencher em aula (Fonte: 
http://www.sinduscon-fpolis.org.br/?dep=57&nomeDep=planilha-completa) 
Residencial 
Projetos-padrão Tipo Pavimentos Padrão acabamento 
Residencial (R) Unifamiliar 1 Baixo Normal Alto 
Prédio Popular 
(PP) 
Multifamiliar 4 
Projeto Interesse 
Social (PIS) 
Multifamiliar 4 
Residencial (R) Multifamiliar 8 
 
CUB médio Residencial: R$: ___________ Variação %: _______ 
Comercial 
Projetos-padrão Pavimentos Padrão acabamento 
Normal Alto 
Comercial salas e lojas (CSL) 8 
Comercial salas e lojas (CSL) 16 
Comercial andares livres (CAL) 8 
CUB médio Comercial: R$: ___________ Variação %: _______ 
Galpão Industrial (GI) e Residência Popular (RP1Q) 
Projeto Padrão Valor m2 Variação % 
Galpão Industrial (GI) 
Residência Popular (RP1Q) 
 
Tabela 11a: Características dos principais projetos-padrão. Fonte: NBR 12721/06 (projeto de norma). 
 
ECV 5307 - Administração da construção 
Profa Cristine N. Mutti – UFSC – atualização 2013 
 
 88
 
ECV 5307 - Administração da construção 
Profa Cristine N. Mutti – UFSC – atualização 2013 
 
 89
 
ECV 5307 - Administração da construção 
Profa Cristine N. Mutti – UFSC – atualização 2013 
 
 90
 
ECV 5307 - Administração da construção 
Profa Cristine N. Mutti – UFSC – atualização 2013 
 
 91
 
 
 
 
 
 
ECV 5307 - Administração da construção 
Profa Cristine N. Mutti – UFSC – atualização 2013 
 
 92
Tabela 11b: Especificações dos acabamentos nos orçamentos dos projetos-padrão residenciais. Fonte: 
NBR 12721/06 (projeto de norma). 
 
Com base nos projetos-padrão e nas especificações técnicas, elabora-se o orçamento para 
cada projeto padrão, o qual é atualizado pelos Sinduscons regionais, os quais atualizam 
mensalmente este orçamento utilizado lotes básicos de materiais e mão de obra (exemplo na 
tabela 12). 
Tais tabelas a seguir fornecem as quantidades do insumos, por metro quadrado de construção, 
derivados das relações completas de materiais e mão-de-obra, levantadas a partir das 
ECV 5307 - Administração da construção 
Profa Cristine N. Mutti – UFSC – atualização 2013 
 
 93
quantidades dos serviços considerados na formação do custo unitário básico dos projetos-
padrão. Essas quantidades dos insumos foram extraídas do agrupamento de todos os insumos 
em famílias cujos itens são correlatos. 
Nota: Nas regiões do país em que seja usual o emprego de materiais diferenciados, porém 
equivalentes em custo, fica facultado aos Sindicatos da Indústria da Construção Civil introduzir 
nas especificações de acabamentos as alterações adequados, dando a necessária divulgação. 
Tabela 12: Exemplo de lote Básico. Fonte: NBR 12721/06 (projeto de norma). 
 
 
ECV 5307 - Administração da construção 
Profa Cristine N. Mutti – UFSC – atualização 2013 
 
 94
A NBR12721/06 traz todas as informações necessárias para o arquivo de um condomínio no 
registro de imóveis (exercício a ser feito em sala de aula). É necessário consultar a norma para 
conceitos como área real, área coberta padrão, área coberta padrão diferente, equivalente de 
construção. 
2.19 SINAPI (Sistema Nacional de Preços e Insumos de Construção Civil)- Implantado pelo 
BNH em 1969 com o objetivo de atender a necessidade