A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Apostila - Variações do Patrimônio Líquido

Pré-visualização | Página 1 de 2

1
 INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA 
CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS 
CONTABILIDADE GERAL I 
PROFESSORA: Eva Nilce. 
 
 
 VARIAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 
 
1 - Capital 
 
 1.1 - Capital Nominal – O investimento inicial feito pelos proprietários de uma empresa, 
contabilmente, é denominado Capital Social ou Capital Nominal, que corresponde ao patrimônio 
líquido inicial. O capital nominal só será alterado quando os proprietários realizarem investimentos 
adicionais (aumentos de capital) ou desinvestimentos (diminuições de capital). 
Como o patrimônio líquido também é alterado pelos lucros (ou prejuízos), pode-se afirmar que 
muito raramente o capital nominal coincidirá com o patrimônio líquido. 
Exemplo: a Sociedade Comercial Maia Ltda foi constituída por quatro sócios, com capital 
integralizado de R$ 800.000,00. 
 
Em Contabilidade, tal situação, é representada da seguinte forma: 
 
 
 
 
 
1.2 - Capital Próprio – O capital próprio, que corresponde ao conceito de patrimônio líquido, 
abrange os recursos (financeiros ou materiais) dos proprietários (sócios ou acionistas) aplicados na 
empresa. 
Exemplo: após determinado período, a Sociedade Comercial Maia Ltda obteve um lucro de R$ 
10.000,00 proveniente de suas operações mercantis (compra e venda de mercadorias). O capital próprio 
da empresa aumentou para R$ 810.000,00 (Capital Social + Lucro); todavia, o capital nominal será 
mantido pela Contabilidade, conforme demonstrado abaixo: 
 
 
 
 
 
 
 
 
1.3 - Capital de Terceiros – Este capital corresponde aos investimentos feitos na empresa, com 
recursos provenientes de terceiros. Por exemplo: suponhamos que a Sociedade Comercial Maia Ltda. 
tenha comprado, a prazo, móveis para escritório por R$ 10.000,00. Teremos a seguinte situação: 
 
 
 
 
 
 
 ATIVO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 
Caixa 800.000,00 Capital Social 800.000,00 
 ATIVO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 
 Caixa 420.000,00 Capital Social 800.000,00 
 Duplicatas a receber 390.000,00 Lucros 10.000,00 
 
TOTAL 810.000,00 TOTAL 810.000,00 
ATIVO PASSIVO 
Caixa 420.000,00 Fornecedores 10.000,00 
Duplicatas a Receber 390.000,00 10.000,00 
Móveis e utensílios 10.000,00 PATRIMÔNIO LÍQUIDO 
 Capital Social 800.00,00 
 Lucros 10.000,00 
 810.000,00 
 
TOTAL 820.000,00 TOTAL 820.000,00 
 
 
 
2
 
O capital de terceiros, neste caso, é representado pelo saldo da conta Fornecedores. Seria, no 
sentido restrito, o Passivo da entidade. 
 
 
Despesa, Receita e Resultado 
 
As causas principais que fazem variar o Patrimônio Líquido são: 
 
a) O investimento inicial de capital e seus aumentos posteriores ou desinvestimentos (devoluções 
de capital) feitos na entidade; 
b) O resultado obtido do confronto entre contas de receitas e despesas dentro do período 
contábil. 
 
 
REGIME DE COMPETÊNCIA E REGIME DE CAIXA 
 
 Regime de competência: As receitas e despesas são consideradas em função do seu fato 
gerador e não em função do recebimento da receita ou pagamento da despesa. 
 As receitas de um exercício são aquelas ganhas nesse período, não importando se tenham sido 
recebidas ou não. 
 As despesas de um exercício são aquelas incorridas nesse período, não importando se tenham 
sido pagas ou não. 
 
OBS: É obrigatório nas entidades com fins lucrativos. 
 
 
Regime de Caixa: Quando na apuração do resultado do exercício são considerados apenas os 
pagamentos e recebimentos efetuados no período. 
 
OBS: Só pode ser utilizado por entidades sem fins lucrativos. 
 
 
Receita 
 
Entende-se por Receita a entrada de elementos para o ativo, sob a forma de dinheiro ou direitos 
a receber, correspondentes, normalmente, à venda de mercadorias, de produtos ou à prestação de 
serviços. Uma receita também pode derivar de juros ou outros ganhos eventuais. 
 
 
Despesa 
 
Entende-se por Despesa o consumo de bens ou serviços, que, direta ou indiretamente, ajuda a 
produzir uma receita. Diminuindo o Ativo ou aumentando o Passivo, uma despesa é realizada com a 
finalidade de se obter uma receita, cujo valor se espera seja superior à diminuição que provoca no 
Patrimônio Líquido. 
Resultado 
 
Caso as receitas obtidas superem as despesas ocorridas, o resultado do período contábil será 
positivo (lucro), que aumenta o Patrimônio Líquido. Se as despesas forem maiores que as receitas, este 
fato ocasiona um prejuízo, que diminuirá o Patrimônio Líquido. 
 
 
 
3
 
Mecanismo de Débito e Crédito 
 
Conforme visto anteriormente, os registros de aumentos e de diminuições das contas de 
Patrimônio Líquido obedeceram à seguinte regra: os aumentos são registrados por créditos e as 
diminuições por débitos. 
Em decorrência dessa regra geral, as receitas obtidas, por aumentarem o Patrimônio Líquido, 
deverão ser creditadas em contas de receita. As despesas incorridas, por diminuírem o Patrimônio 
Líquido, deverão ser debitadas em contas de despesa. 
Uma despesa é, portanto, elemento que diminui o resultado (e, consequentemente, o 
Patrimônio Líquido), enquanto uma receita é elemento que aumenta o resultado (e, consequentemente 
o Patrimônio Líquido). 
 
 
 
APURAÇÃO CONTÁBIL DO RESULTADO 
 
 
Resultado e Período Contábil 
 
Em contabilidade, o termo resultado tem a conotação tanto de lucro como de prejuízo. Por 
isso, quando se tratar dessas situações específicas, deve ser usado, respectivamente, como resultado 
positivo e resultado negativo. Outro sinônimo da palavra resultado, de origem italiana, é a palavra 
rédito. 
A palavra resultado dá a idéia de um “desempenho” obtido em alguma atividade e é usada no 
dia-a-dia, mesmo por quem não conhece Contabilidade. 
Quando se usa a palavra resultado, se está falando, via de regra, no conjunto de operações 
realizadas pela empresa num determinado período de tempo. 
A esse período de tempo, findo o qual se apura seu resultado, denomina-se “período contábil”. 
O período contábil mais comum é o que coincide com o “exercício social”. No final de cada “período 
contábil” procede-se como descrito a seguir. 
Confronta-se toda a Despesa que compete a determinado período com toda a Receita que, 
igualmente, compete a este determinado período. Então, não se pode confundir Despesa consumida 
(incorrida) em X1 com Despesa consumida (incorrida) em X2. Da mesma forma será tratada a Receita. 
Em cada final de período contábil somam-se todas as Despesas e as Receitas. No ano seguinte, 
próximo período contábil, inicia-se do zero o novo cômputo das Despesas e Receitas. 
Por isso se fala em Independência Absoluta de Períodos Contábeis relacionada com o Princípio 
da Competência de Exercícios. 
 
 
 
Encerramento das contas de resultado 
 
Conforme exigência legal, pelo menos uma vez por ano, as empresas estão obrigadas a encerrar 
todas as contas de resultado. Esse encerramento ocorre no momento do confronto das despesas com 
as receitas para apurar o resultado. 
 Com o encerramento das contas de receitas e despesas, todas as contas de resultado ficam com 
saldo