A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Gliconeogenese

Pré-visualização | Página 1 de 1

GLICONEOGENESE 
É uma via que ocorre principalmente no fígado e pouco no rim, onde temos a síntese de 
glicose a partir de substancias que não sejam carboidratos, utilizando glicerol, 
aminoácidos, lactato, etc.. 
Para o cérebro humano (requer cerca de 120g de glicose a cada dia) e o sistema nervoso, 
assim como os eritrócitos, testículos, medula renal e tecidos embriônicos, a glicose 
sanguínea é a única ou principal fonte de energia. 
Quando a concentração de glicose circulante vinda da alimentação diminui, o glicogênio 
hepático e muscular é degradado (num processo que se chama glicogenólise fazendo 
com que a glicemia volte a valores normais. Mas, pode ser que este suprimento de 
glicose não é sempre suficiente; entre as refeições e durante longos jejuns, ou após 
exercícios vigorosos, o glicogênio é depletado (consumido), situação que também 
ocorre quando há deficiência do suprimento de glicose pela dieta ou por dificuldade na 
absorção pelas células. Nessas situações, os organismos necessitam de um método para 
sintetizar glicose a partir de precursores não-carboidratos. Isso é realizado pela via 
chamada gliconeogênese, a qual converte piruvato e compostos relacionados de três e 
quatro carbonos em glicose. 
As modificações que ocorrem no metabolismo da glicose durante a mudança do estado 
alimentado para o estado de jejum são reguladas pelos hormônios glucagon e insulina. 
A insulina está elevada no estado alimentado, e o glucagon se eleva durante o jejum. A 
insulina estimula o transporte de glicose para certas células, tais como as dos músculos 
e tecido adiposo, e também altera a atividade de enzimas chave que regulam o 
metabolismo, estimulando o armazenamento de combustível. O glucagon faz o efeito 
contrário da insulina, estimulando a liberação dos combustíveis armazenados e a 
conversão de lactato, aminoácidos e glicerol em glicose. 
Costuma-se dizer que esta via é a inversão da via glicolítica onde não se tem nem um 
ATP produzido. Entretanto, em três pontos as reações da glicólise são irreversíveis in 
vivo (por liberarem energia livre em forma de calor): conversão de glicose em glicose 6-
fosfato pela hexoquinase, a fosforilação da frutose 6-fosfato em frutose 1,6-bisfosfato 
pela fosfofrutoquinase-1 e a conversão de fosfoenolpiruvato em piruvato pela piruvato 
quinase. Para contornar essas barreiras energéticas, reações e enzimas especiais são 
necessárias. 
Portanto, três etapas diferem da glicólise: 
• 1° etapa: A reação que era catalisada pela piruvato quinase na glicólise passa a 
ser catalisada pela piruvato carboxilase e pela fosfoenolpiruvato carboxiquinase. 
O piruvato é transformado em oxaloacetato pela piruvato carboxilase. O 
oxaloacetato é convertido em fosfoenolpiruvato pela fosfoenolpiruvato 
carboxiquinase. O fosfoenolpiruvato é transformado em frutose-1,6-bisfosfato 
por enzimas participantes na glicólise, que catalisam reações reversíveis, 
podendo operar a via no sentido inverso. 
• 2º etapa: Há a conversão da frutose-1,6-bisfosfato em frutose-6-fosfato. Esta 
reação é catalisada pela frutose-1,6- bifosfatase. 
• 3º etapa: Nesta etapa faz-se a conversão de glicose-6-fosfato em glicose. O 
grupo fosfato ligado ao carbono 6 da glicose-6-fosfato sofre hidrólisse catalisada 
pela glicose-6-fosfatase. O produto dessa reação é a glicose não fosforilada que, 
assim, pode atravessar a membrana plasmática. A enzima glicose-6-fosfatase só 
ocorre no fígado e rins. 
Regulação 
O controle da gliconeogênese é realizado pelo glucagon, que estimula esse processo, e 
pela insulina, que atua de maneira oposta. 
 Glicólise e gliconeogênese não ocorrem ao mesmo tempo. 
A gliconeogênese ocorre durante o jejum, é também estimulada durante exercício 
prolongado, por uma dieta altamente protéica, e sob condições de stress.