A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
2 - QUEM É O PSICÓLOGO CLÍNICO

Pré-visualização | Página 1 de 2

Quem é o Psicólogo Clínico?*
Creio que poderíamos tomar como ponto de partida um fe nômeno inúmeras vezes descrito: a dominância da clínica tanto nas representações sociais do psicólogo como nas preferências dos estudantes de psicologia. A esta dominância corresponde o elevado status do clínico em comparação com as outras ‘identi dades profissionais’ do psicólogo. A questão é: será que isso está completamente equivocado e é um modismo, resultado de pre conceitos ou de simples ignorância, etc.? Contrariando as res postas mais usuais, eu tentarei aqui dizer que não, que isto é compreensível e de uma certa forma é justo.
No entanto, para que a minha posição possa ser entendida seria neces começar desfazendo algumas confusões a res peito do psicólogo clínico e da clínica psicológica.
A primeira confusão diz respeito ao lugar (o clínico é o que atende em consultório particular); a esta confusão está asso ciada uma outra que diz respeito à clientela (o clínico é o que
* Notas para uma palestra na mesa-redonda “O que é o psicólogo clínico?” na Semana da Psicologia da PUC-SP, outubro de 1993. Uma versão abreviada foi publicada no Jornal do Federal, do Conselho Federal de Psicologia, em agosto de
1994.
35
atende clientes particulares sejam indivíduos um a um ou em grupo, sejam famílias); finalmente, caberia assinalar a confusão que diz respeito ao regime de trabalho (o clínico seria um pro fissional liberal). Essas confusões, embora ainda tenham uma for te presença no imaginário de muita gente, são relativamente fá ceis de desfazer e hoje há inúmeros exemplos de como a clínica psicológica pode ser exercida em condições muito diversas das apontadas.
Uma outra confusão é gerada por alguns sistemas classifi catórios, tais como:
— o que opõe psicologia básica à psicologia aplicada (a clí nica entraria como uma das possíveis aplicações do conhecimen to psicológico básico). Ora, basta uma vista d’olhos às histórias dos grandes modelos e matrizes da clínica psicológica para ver que esta concepção não se sustenta — não havia um conhecimento básico disponível antes de Freud iniciar a clínica e a psicanálise, para ficarmos só com este exemplo, jamais foi aplicação de co nhecimentos, mesmo quando um corpo teórico psicanalítico já estava elaborado; mas mesmo se não quisermos conceder à his tória um papel rector (nem tudo que ocorreu no passado merece ser tomado como modelo), também no campo da reflexão sobre as condições de produção das teorias psicológicas veremos fa cilmente que a idéia da clínica como aplicação não se mantém (ver a propósito o texto “Teorias e práticas na psicologia clínica:
um esforço de interpretação” 1, em que mostro que a clínica gera um saber que jamais se converterá integralmente em ‘teoria’);
— o que opõe ‘psicologia educacional e escolar’ à ‘psicolo gia do trabalho ou organizacional’ e à ‘psicologia clínica’. Esta classificação numa certa medida é derivada daquela quç define a clínica pelo seu lugar de efetuação; por outro lado, esta clas sificação não diz, mas insinua, que o que define a clínica seria
1. Palestra proferida na comemoração do Dja do Psicólogo em Belo Horizonte (MG), no dia 27 de agosto de 1993 (promoção do CRP), e reproduzida neste livro (pp. 85-97).
36
algo como uma certa problemática, definida pela negação do que seriam os temas das outras áreas de intervenção psicológica (por exemplo, o clínico não se interessaria por problemas da apren dizagem nem por problemas institucionais e organ e por uma certa intenção; o tratamento curativo em oposição a intervenções preventivas que incidissem no nível da vida coletiva e institucional (no entanto, ver, por exemplo, “tratamento e pre venção” como rubrica nos órgãos de fomento à pesquisa para designar o campo da clínica psicológica);
— finalmente, há uma outra forma de classificar que diz respeito ao que seriam as áreas de conhecimento; por exemplo, neste caso haveria uma oposição entre ‘psicologia social’ (ou do desenvolvimento, da percepção, etc.) e a ‘psicologia clínica’. O que se insinua nessa maneira de classificar, que está muito pre sente, por exemplo, na definição dos Departamentos que com põem um instituto de Psicologia (na USP, por exemplo, há um departamenw de psicologia clínica e na PUC-SP há um de psi codinâmica) é que há assuntos e temas da psicologia clínica (co mo a dinâmica do psiquismo) que não se confundem com os das outras áreas. Muito ligada a essa, ainda existe uma outra oposição possível: a que separa a ‘psicologia experimental’ da ‘psicologia clínica’ (na USP há o departamento de psicologia experimental, ao lado dos de clínica, de social e trabalho e de desenvolvimento e do escolar; na PUC-SP há o de métodos e técnicas); enfim, é como se o clínico e os demais psicólogos não se interessassem por métodos e técnicas e se todos os demais não se interessassem pela dinâmica psíquica; nesse caso, a classificação levaria em conta o método de produção de conhecimentos. Ressalto que um famoso psicanalista francês, Lagache, redigiu um ensaio muito inteligente sobre a questão da psicologia tomando como fio con dutor esta oposição.
Na verdade, é interessante observar que cada uma dessas oposições guarda uma certa verdade, ao mesmo tempo que induz
2. Lagache, D. L ‘unité de la psychologie (PUF, 1949).
37
1
a erro. É verdade que a clínica implica numa intervenção, mas é um equívoco pensá-la como mera aplicação de conhecimentos básicos; é verdade que o sentido da intervenção clínica se dife rencia, em alguns aspectos, dos sentidos da intervenção educa cional e organizacional, mas é um equívoco tratar a clínica como uma mera área de atuação, ou defini-la pela sua intenção cura tiva; é verdade que há um tipo de conhecimento que é produzido na clínica e só nela, mas é um equívoco tratar a clínica como mera área de conhecimento separada de outras áreas a partir de seus temas; creio, finalmente, que é extremamente verdadeiro pensar a oposição entre a clínica e a psicologia experimental como uma questão de método — há, sem dúvida, um método clínico de pesquisa — mas seria equivocado reduzir a clínica a um método de pesquisa.
Os lugares da clínica psicológica:
Para tratarmos desta questão com a necessária abrangência e profundidade é necessário começar com algumas considerações preliminares.
Cabe, de início uma compreensão histórica dos modos con temporâneos de subjetivação: é preciso que se compreenda como está formado e funciona o que em outro lugar designei como o território da ignorância e de como neste terreno se constitui o psicológico como o interditado e excluído Na análise da con figuração da cultura contemporânea, em que se dão os processos de constituições de nossas subjetividades, assinalei a presença de três pólos, ou eixos axiológicos, ou ainda, modelos de subjeti vação: o eixo liberal, o eixo romântico e o eixo disciplinar, man tendo uns com os outros relações ambíguas que incluem alianças e conflitos (maiores esclarecimentos sobre este tema podem ser encontrados no capítulo intitulado “A gestação do espaço psico
3. Figueiredo, L. C. A invenção do psicológico. Quatro séculos de subjetivação (1500-1900) (EscutalEduc, 1992). Ver também o capítulo anterior do presente livro.
lógico no século XIX: liberalismo, romantismo e regime disci plinar”, pp.l3l-l
Uma decorrência dessa configuração será a cisão entre o campo fenomenal (o das representações e identidades) e os seus meta-fenomenais (os avessos das identidades e representações, suas condições de possibilidade e seus outros sentidos); é impor tante observar que estes avessos retomam em bruto ao campo da experiência na forma da estranheza, por exemplo, de um sin toma ou de um mal-estar, etc.
A tarefa que a configuração cultural contemporânea impõe às clínicas psicológicas é, nesta medida, a da escuta desses excluí dos. Esta parece ser a razão social e histórica do prestígio da clínica já que as outras áreas de intervenção — escolar e trabalho
— foram historicamente menos sensíveis e aptas