A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
Mormo fixação

Pré-visualização | Página 1 de 4

ISSN 0102-5716 Veterinária e Zootecnia 54
INDICADORES CLÍNICOS EM MUARES NATURALMENTE INFECTADOS PELA
Burkholderia mallei
Silvana Suely Assis Rabel01
Pierre Castro Soares 1
Leonildo Bento Galiza da Silval
Arildo Pinto Cunha2
Eliezer Silva do Nascimento Sobrinh02
José Wilton Pinheiro Junior2
Marco Antônio Granja Barbosa2
Rinaldo Aparecido Motal
RESUMO
Foram estudados os aspectos clínicos do mormo em muares procedentes da Zona da Mata do
Estado de Pernambuco e naturalmente infectados pela Burkholderia mallei. Foram formados
três grupos experimentais, totalizando 90 animais adultos de raças variadas e de ambos os
sexos. O grupo 1 (G 1) foi constituído por 30 animais sorologicamente negativos para o
mormo (controle); o grupo 2 (G2) foi constituído por 30 animais sorologicamente positivos e
sem sintomas aparentes da doença e o grupo 3 (G3) foi constituído por 30 animais
sorologicamente positivos e com sintomas sugestivos do mormo. Foram realizados exames
clínicos e preenchidas fichas, anotando-se os sintomas de acordo com os diferentes sistemas
examinados. Os indicadores clínicos mais freqüentes nos animais do G3 foram: caquexia
(70%), hipertrofia dos Iinfonodos submandibulares (70%), descarga nasal purulenta (66,7%),
estertores respiratórios (63,33%), apatia (53,33%) e edema de membros (53,33%). Concluiu-
se que os achados clínicos não são instrumentos suficientes para confirmar o diagnóstico da
doença, mas podem ser utilizados como indicadores para a realização de testes mais sensíveis.
Palavras-chave: muares, mormo, Burkholderia mallei, indicadores clínicos.
CLINICAL SYMPTOMS IN MULES NATURALL Y INFECTED WITH Burkholderia
mallei
ABSTRACT
The clinical symptoms of glanders in mules from Zona da Mata region, in Pernambuco, which
were naturally infected with Burkholderia mallei, were studied. Three experimental groups,
totaling 90 adult animais of various breeds and both sexes, were formed. Group one, the
control group (G 1), consisted of 30 serologically negative animais. Group two (G2) consisted
of 30 serologically positive animais with apparent symptoms of the disease. Group three (G3)
consisted of 30 serologically positive anirnals with suggestive symptoms of glanders. Clinical
examinations were carried out and the results were recorded with special reference to the
symptoms according to the different types of examination. The clinical indications most
frequently seen in anirnals from group 3 (G3) were general weakness (70%), hypertrophia of
1 Professores Adjuntos, Departamento de Medicina Veterinária, Universidade Federal Rural de Pemambuco,
Rua Dom Manuel, S/N, Dois Irmãos, CEP.:52171-900, Recife, Brasil; silvanasuely@bol.com.br
2 Médico Veterinário autônomo, Departamento de Medicina Veterinária, Universidade Federal Rural de
Pernambuco, Rua Dom Manuel, SIN, Dois Irmãos, CEP.:52171-900, Recife, Brasil
Rabclo, S.S.A. et aI. Indicadores clínicos em muares naturalmente infectados pela Burkholderia mallei. Veto e
Zootec. v.13, n.I, p.54-62. 2006.
ISSN 0102-5716 Veterinária e Zootecnia 55
the sub mandibular lymph nodes (70%), purulent nasal discharge (66.7%), stertorous
breathing (63.33%), apathy (53.33%), and edema of the limbs (53.33%). It was concluded that
the clinical findings are not sufficient proof or diagnosis of the disease but could be used as
indicators for carrying out further more sensitive tests.
Key words: mules, glanders, Burkholderia mallei, clinical indicators.
SÍNTOMAS CLÍNICOS EN MULAS NATURALMENTE INFECTADAS POR LA
Burkholderia mallei
RESUMEN
Fueron estudiados los aspectos clínicos de mulas naturalmente infectadas por la Burkholderia
mallei en Ia Zona de Ia Mata de Ia Provincia de Pernambuco. Fueron creados tres grupos
experimantales formados por 30 animales cada uno, totalizando 90 animales. El primer grupo
fue constituido por 30 animales serológicamente positivos (control), el segundo formado por
30 animales serológicamente positivos pero sin sintomas de Ia enfermedad y el tercero
formado por 30 animales serológicamente positivos y con síntomas de muermo. El examen
clínico realizado registró los signos clínicos por sistemas examinados. Los signos clínicos
más frecuentes del G3 fueran: caquexia (70%), hipertrofia de los ganglios linfáticos
submandibulares (70%), secreción nasal purulenta (66,7%), ruidos respiratorios (63,3%),
apatía (53,33%) y emaciacio de los miembros (53,33%). Los datos clínicos de este estudio
suelen ser utilizados como indicativos para Ia realización de pruebas más sensibles.
Palabras-claves: mulas, muermo, Burkholderia mallei, sintomas clínicos.
o Brasil possui um dos maiores rebanhos de eqüídeos do mundo, estimado em
8.421.847 (IBGE, 2002) sendo 1.345.389 a população de muar, e embora a mecanização de
sua agricultura venha disponibilizando nos últimos anos muitos animais para outros fins, na
Zona da Mata do Estado de Pernambuco, principalmente na monocultura da cana-de-açúcar,
estes animais ainda são muito utilizados devido à topografia das propriedades que impede a
mecanização das lavouras. Nas últimas décadas, foi verificado um aumento significativo na
freqüência e gravidade principalmente das doenças do trato respiratório, relacionadas ao meio
ambiente, estado geral dos animais e agentes patogênicos, destacando-se as bactérias, vírus e
fungos.
Dentre as doenças bacterianas do trato respiratório de eqüídeos, destacam-se o
garrotilho causado pelo Streptococcus equi e o mormo causado pela Burkholderia mallei. Esta
última doença foi considerada erradicada há pelo menos 40 anos, quando foi descrita pela
última vez por Langenegger et al. (1960) no Estado do Rio de Janeiro. Recentemente foi
notificada por Mota et al. (2000) nos Estados de Pernambuco e Alagoas, causando epizootias
e devido ao seu caráter crônico e debilitante, provoca grandes prejuízos econômicos à criação
de eqüídeos e à atividade canavieira. Além disto, trata-se de uma zoonose.
Nos animais, a bactéria B. mallei penetra por via digestiva, causa septicemia (fase
aguda) e bacteremia (fase crônica), localizando-se nos pulmões, pele e mucosa nasal e, em
alguns casos, em outros órgãos. Na infecção por meio de feridas cutâneas o agente passa para
INTRODUÇÃO
Rabelo, S.S.A. et a!. Indicadores clínicos em muares naturalmente infectados pela Burkholderia mal/ei. Veto e
Zootec. v.13, n.l, p.54-62. 2006.
ISSN 0102-5716 Veterinária e Zootecnia 56
o sangue e é transportado a diferentes órgãos, nos quais se formam nódulos mormosos e
úlceras, nos pulmões e outros órgãos (HUTYRA et aI., 1973; RADOSTITS et aI., 2002).
O período de incubação é de duas a quatro semanas e a doença se caracteriza por
apresentar quadro clínico agudo e crônico. Na forma aguda observa-se febre (39,5°C a
40,5°C), dispnéia inspiratória, tosse e corrimento nasal muco-purulento, às vezes com
presença de sangue e formação de úlceras no epitélio da parte inferior dos cornetos e do septo
nasal, nódulos na pele da extremidade dos membros e do abdome; observa-se também
aumento de volume dos linfonodos superficiais, tanto da cabeça, quanto de outras partes do
corpo. Alguns animais deixam de se alimentar, desenvolvem pleuro-pneumonia e morrem
rapidamente (RIET-CORREA et aI., 2001; RADOSTITS et a!., 2002).
A doença crônica pode apresentar-se sob três formas: pulmonar, nasal e cutânea,
porém estas manifestações não são distintas e um mesmo animal pode apresentar as três
formas simultaneamente (JUBB et a!., 1993; MOTA et a!., 2000; RADOSTITS et a!., 2002).
A forma pulmonar manifesta-se com pneumonia crônica, tosse, epistaxe freqüente e
respiração laboriosa. Na forma nasal ocorrem lesões nos cornetos e no septo nasal
cartilaginoso que se iniciam como nódulos que ulceram e podem confluir. Nos estágios
iniciais ocorrem corrimentos nasais, no início sero-mucoso, depois muco-purulento, uni ou
bilaterais e algumas vezes com estrias de sangue, além do aumento dos linfonodos