O Congresso da Virada e os 30 Anos da Revista
15 pág.

O Congresso da Virada e os 30 Anos da Revista


DisciplinaServiço Social29.504 materiais112.239 seguidores
Pré-visualização9 páginas
( 
.* {r--l
fr. o
-,ffi§s. I
i,-
SE §OCIN
&$ffiffiHffiffié'ffiffi
{00
lll CBAS: aÍgumas referêncías
para a sua contextuaiizaçâo
ll CBAS: some references to its context
Ltr
s** ihi'"
ReS.UmO: F.stê-rÍtigo é um coptributo à contrixtuatizaçao hhtdricado III Congrosso Brasitciro dcâssirr.nt"c s;i;tiiffiI 
.r*to 
"t.,, qu6.as tcndências proflscionais compromctides com a dcmocracia
. ganharam üsibllidado no Scrviço S*i"r. ô-üto 
"tdunra sinopsei:#ffil,:,f trfl rffi:_$srH**,ffi Bií.H#;
- 
pÍoisgonismo qu\u20ac facitirou a gm"Àaô au ior."ã;t tro campo
Í:..t"11if ,:"T:"gri.,n_rorcn-arãiJp"ü#;ff;"*lo"on,"*"-
j'jiir''- 
José pauto Nettor
Er#+
l;l' irl;' ^'iii:rÍ
W
dorirmo polÍüco. E indica- sumoriamciÉ,;igrmas"ffi #;icagõcs do:IIÍ Congrcsso sobrc o scrviço Socmf boasú'fo. .- rE {'v'
Palavres -chavc: Cdoc. de dihdura, protagonirmo opcrÁrio, IIICBA§.
Crisis of the áicetg,,1,rfin. Prolctariat,s teadiag rola ul Crâsi
i.i,.lr *ãiigii;:-
l.:rrsr'r.rEr*aooçdiiÀcnbdoMáodoccTéctricasdaBcotrdcscrvrçosoclardauFRJ-p.roí rrnoiÍo/RJ 
- 
Brasil. êraal* jpneno@uolcom.br.
§orv: Soc. Soç stro prúlo. rL 100, p. S6G078, ouVdoa 2000
,\l
o ârnbito do Serviço Social brasileiro contemporâneo-âmbito que
registra a coexistência de várias «incepções teórico-metodológicas,
ideopolÍticas e profissionais, configurando um universo diferenciado
c heterócüto 
-, 
oxistem poucos consenso§. Um deles, talvez o de
'maior dsnsidade, diz respeito ao fato de o III Congresso Brasileiro dcAssistentes
sociais, realizado em são Paulo (§P), em fins do setembro de 1979, consti-
tuir uma referência ii.ii.:s,artável. no desenvofvimento da prof,ssflo. Neúum
assistente social ousaria qrÇ-s,;,[isnar que oievento (ulterior e expressivamente
designado como "congressfl.,#virada") possú, entre dutros significados, um
traço absolutamente destac$dõ: o de ser "rnarco no processo de politização e
mobilização de profissionais e estudanteÉ'aeserviço social e na reativaçaã aas
entidades sindiêais em tgdo*iq,§pú" (Yaztrelc.et a1.,2009, p. 2l). Eiiür-e!#i,lúo,
corno se sabe e também iriilidãÍêi, as implieições do Itr congresso roiâm'ilúiio
mais amplas e profundas.t
o Eigésimo aniversário da realização desüe congresso dá a impressão de
animar a caüegoria profissional de uma forma intensiva, estimulando nacional-
mente celebrações em v.ários'espaços corporativbs e acadêmicos. Tirdo indica '
qrie os trinta anos do "congresso da viradal'nã,o passarão em brancas nuven§
- 
o que é ortre4á[tente saudável, em espàíat-se,.na erocação do evento,],:,
tiveroos bern presente a sase-{oria de Mário de Andrade,.p"ru qo"* o histhrta
nãoQe:emplo,élição.iÍtiii,.,.....]
o artigo agora publicaff;tbm refle:rões necessariamente breves e sumárias, '
visq levando em corrtaprincipaLmente as novas gerações de profissionais e estu-
Pr:*, contribuir p'úa unü ààeqúadàbontexaializafao nistoli"a do ,,congresso
da virada", de modo 'a favorecer a sua compreensão também com o lição-z
A instauragão da ditadura
A ditadura instaurada pelo golpe do 1" rre abril de 1964 perdurou por cerca
ile vinte anos, esgotando-§e na 
"ntrroa 
dos anos 19g0, luandojá não dispôs
------- 
Íj:tri:
l.Alcihltdo artlgo +reacauidi'-ôi*-**qouu arl&r&r,coÍÍ\u20actâmêntc, nãoÍcduz6gn q impoÍtância
do 'tongmooir da.\lindr" lg dlrnonotil*,tfifúclrrAal na ciiageo aqui fcita
2. Thlvêz roJa pcrtlaarüo monpionr guô o sutor dorto rrtlgo não participou do cvcato 
- 
iacluslvo
poÍquc' à data da rua rcolizaSo,'tiúr cbcgrdo hrvla porrco tcmpo ro Brari! dopoic do rnor dc aurência
involuatária
\., i
'. ,l
"I
i
(
i
i
i
i
(
(
t
t
(.
(
(
II
I
I
'1-
(
.t
t
t
(
t
i
1.
l'
I
t
(
I
\
Sarv. §oc, Soc. Süo Paulo.-n 100, 86()'670, out /doz. 2OO9 651
(
{
(
(.
(
(_
i
mais de condições para:reproduzir-se e, derrotada politicamente, foi obrigada,
pela pressão do movimento democráüco e popular, a pactuff a sua substituiçãopor um reglme político formalmente democrático3.
os líderes civis (grandes empresários e proprietários rurais, poríticos e
servidores de empresas imperiaristas, principalmente norte-americanas) e mili_
tares (operadores de conspirações antidemocráticas desde no oFâs 1940, depois
inspirados nas referências, próprias da Guerra Fria, da ideorogia da segurança
nacional)a do movimento que demrbou o govBrno de João Gourart, hataram
scmpre de caracterizá-ro como uma revolução. Esta quarificação 
- 
adornadapor adjetivações:'tevoluçáo de 3I de maiço", "revorução saivadora,r,-Íevo-
lução redentora" etc.- nunca.passou de mero disfarce ideorógico no sentido
de buscar legitimar um golpe de força viorador da ordem constiúcionar (como,
aliás, um de seus chefes o reconheceu posteriormente).ó
' De f.ato, o moviinento de abril de 1964 foi um epiioàio de üm processo
muito mais amplo: o processo de uma contrarrevoluçao irevefiiva r^pb^rntado
em escala mundial, com o otjêüvo explícito de tràvar e rêvertêr as tendências
. 
dernocratizantesê progressistas, mais oünrenos rarricais, que se registravam
nas periferias capitalistas. Fomentado pelos Estados unidos, êste processo
marcadamente anticom_unista teve episóãios em todos os quadrantes do entãoTerceiro Mundo: na África lunra súie de intervenções destinadas a conÍer oÍmpeto independentista nos marcos neocoloniais, jonruadas pero assassinatode Lumumba, em 1.961),na Ásia (exemplificado nt sangrentã gotpe que, eml965,.abriu a via para a demrbada do relime de sukamã, na tioongsia) e naAmérica l-arina. Também aqui, com o êxito da Revoruçã" criuruirgsgl ,ao
3'É Iargr a blbliografa que analigtcm dctalhc a dltrdura, sua cmargêncla c orlcntaçlo cconômica (entrct{ntos tÍhrlos, dcítaque-oc: Ianni (1981), sodré(1984), MorolraAl.ce (f õAZl, Sorr", o D1Àaôo f f 99+1, nebct al' (2w)i ctânlca ligclra é ofe'rcclda por couto (1998); umr pmorâmlcaJornalíettca (alndr inconclusa)é forncclda por Grspui (2O02a, 2§U2b,zOO3 o 2OO4); urna sÍnüa rnaytica cr.;;;;:;; Nctüo (2009,cap' I ) conrulto'rc, ainda, vv. Âa" (20o+). c[bc notaÍ quc, nor últlmos aRos, tem-lc dcscnvolvido accrca. dogolpo uma "lltcratuta Éiisiotrirta.l sobro olg hí indicaç.Ocs cm fobdo (2004),
4' Para comprcendcr a irtcologlr da rcgumnça.naeÍoaal, ainda hojc d prccioso o trabalho ch comblin(1978); cf' lsmbdm olivciír (1976). Bons cxcmpios aa. 
"oncopç6cc 
daquclcr operrlorcs podcm sa vodff-cados cm D'Aníj o a al. (l9g{il. 
:
5. Ume dnopsc do govcnro Goulart d acccáÍwt.cm Bandclra (19?Z).
6"o quo hourr on 19Éí nro foi umr rcvoruçiõ. As Ísrsluçõor famnr..ro por urna idoia, om favor úuma doutlna Nós rimplcsmonte ízcnros um movlminro para dcmrbrr João oort.rt" G"0", io o"int, ,puaGaaparí,2O01 p. t3B).
somente acentuando a historica tradição norte_arnericana de violentar a soberaniados Estados latino-americanos (entre Lg24 e r994 contam-se, pero menos, 73.intervenções dos Bstados Unidos naAmérica Latina),7 a contrarrevoluçãojogoupesadamente: tendo o seu primeiro grande passo exitoso conl 0 golpe de 1g64,
.. 
no Brasil, avançou por mais de uma décadà e instaurou ,rgi*.JOitotil;;Chile, no Uruguai e na A1S111ina 
- 
e na segunda metade da décnrtn de 1970,todos os pafses do cone sur já viviam sob oléno. 
".*,ulJ: 
:- *
rel-
(.
(
I\.
('
t
(
i' 
'it 
,'.,,| :,.'
{ .. .
t
(-,
I
(
{.
(
(
(
t
{
(
(
(
(
(.
i
Ern todas as latitudes, o apoio norte-americano visava o erguimento deregimes não apenas anticomunistas, mas sobretudo subservientes aos interessesdos Estados unidos e das suas corporações i*p".i.iirir, ]'.ã; llui, p*aig_mático' quanto a isto, que a declaiaçao de Juracy Magalhães, rogo que o regímeinstaurado no Brasir em t964 noÍneou-o embaiiadoiern w.rtiigrãr: ,.o que ébom para os Estados Unidos é bom para o Brasil,, (Magalhães, 1996, p.3251.eo apoio norte-americano ao golpe do lo de abril, suficientemente
Hannah
Hannah fez um comentário
tem como me enviar este documento por email????
0 aprovações
Carregar mais