Resumo Direito Constitucional   Aula 03
21 pág.

Resumo Direito Constitucional Aula 03


DisciplinaDireito Constitucional I69.975 materiais1.612.582 seguidores
Pré-visualização8 páginas
D. Constitucional 
Data: 09/09/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21)2223-1327 1 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21)2494-1888 
www.enfasepraetorium.com.br 
 
 
Assuntos tratados: 
1º Horário. 
\ufffd Poder Constituinte / Poder Constituinte Derivado / Poder Constituinte Derivado 
Decorrente / Limites ao Poder Constituinte Decorrente / Poder Constituinte 
Difuso / Direito intertemporal / Constituição Nova versus Constituição Anterior 
/ Constituição Nova versus Legislação Anterior / Material / Formal / 
Incompatibilidade Formal Procedimental / Incompatibilidade Formal Orgânica / 
Exercícios / Controle de constitucionalidade / Introdução / Conceito de 
Controle de Constitucionalidade / Elementos do Controle de 
Constitucionalidade 
2º Horário. 
\ufffd Pressupostos do Controle / Modelos de Controle no Direito Comparado / 
Modelo Americano / Modelo Europeu ou Austríaco / Modelo Francês / Modelo 
Inglês / Modelo Brasileiro / Históricos nas Constituições Brasileiras / 
Constituição de 1824 / Constituição de 1891 / Constituição de 1934 / 
Constituição de 1937 / Constituição de 1946 / Constituição de 67/69 / 
Constituição de 1988 / Modalidades de Controle / Quanto ao Momento / 
Quanto à Natureza dos Órgãos / Quanto ao Controle Judicial / Controle Político 
/ Controle do Executivo / Controle do Legislativo / Controle Judicial Preventivo 
 
1º Horário 
 
PODER CONSTITUINTE 
 
1. Poder Constituinte Derivado 
1.1. Poder Constituinte Derivado Decorrente 
É o poder que os Estados membros têm para elaborar a sua própria 
Constituição. 
Observação: Segundo a doutrina majoritária a lei orgânica do município não 
tem natureza constitucional, mas legal. Por outro lado, a doutrina minoritária entende 
que há Poder Constituinte de primeiro grau (equivalente ao originário), de segundo 
grau (equivalente ao decorrente) e de terceiro grau (exercido pelos municípios). 
Observação: A lei orgânica distrital trata tanto de matéria própria de 
Constituição Estadual como de questões atinentes à lei orgânica, tendo em vista que o 
 D. Constitucional 
Data: 09/09/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21)2223-1327 2 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21)2494-1888 
www.enfasepraetorium.com.br 
 
 
DF não é um estado nem pode ser dividido em município. Daí porque se falar que a lei 
orgânica distrital é sui generis. Nesse sentido, na parte em que a lei orgânica trata de 
matéria da Constituição Estadual, restará presente o Poder Constituinte Decorrente. 
No confronto entre lei estadual em face da Constituição Estadual, é cabível o 
controle de constitucionalidade; e de lei municipal contrária à Constituição Estadual, 
também é cabível controle. Porém, em caso de lei municipal contrária à lei orgânica 
municipal, não é cabível controle de constitucionalidade, porque a lei orgânica 
municipal não é Constituição; mostra-se cabível mero controle de legalidade. 
Já, quanto à lei do DF contrária à lei orgânica distrital, na parte em que esta 
equivale à Constituição Estadual, mostra-se cabível o controle de constitucionalidade. 
 
1.1.1. Limites ao Poder Constituinte Decorrente 
O Poder Constituinte Derivado Decorrente, diversamente do Originário, é 
limitado. Nesse contexto, devem-se estudar três princípios: 
a. Princípios Constitucionais Sensíveis \ufffd são aqueles localizados no art. 
34, VII da CRFB; são princípios que, uma vez violados, ensejam a intervenção federal. 
CRFB, Art. 34. A União não intervirá nos Estados nem no Distrito Federal, exceto 
para: 
VII - assegurar a observância dos seguintes princípios constitucionais: 
a) forma republicana, sistema representativo e regime democrático; 
b) direitos da pessoa humana; 
c) autonomia municipal; 
d) prestação de contas da administração pública, direta e indireta. 
b. Princípios Constitucionais Extensíveis \ufffd impostos sobre a União, mas 
que devem ser estendidos aos estados, por simetria e reprodução obrigatória. 
Não se tem um rol taxativo, mas, podem-se citar, por exemplo: as imunidades 
parlamentares, as atribuições dos tribunais de contas, o processo legislativo, as 
atribuições do Chefe do Executivo, etc. Todas essas matérias são disciplinadas pela 
CRFB/88 em âmbito federal, os quais são de reprodução obrigatória no âmbito dos 
estados (simetria). 
c. Princípios Constitucionais Estabelecidos \ufffd a CRFB estabelece limites 
diretos e específicos para os estados. 
Quanto mais extensos forem esses princípios, mais restrita será a autonomia 
dos estados, sendo inversamente proporcional. 
 D. Constitucional 
Data: 09/09/2011 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21)2223-1327 3 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21)2494-1888 
www.enfasepraetorium.com.br 
 
 
Comparativamente, o rol dos princípios sensíveis na CRFB/88 é menor do que 
aquele rol das Constituições anteriores, o que demonstraria, a priori, que a autonomia 
dos estados foi ampliada. Por outro lado, o rol dos princípios extensíveis e 
estabelecidos foi ampliado na CRFB/88, o que demonstra, na verdade, que a 
autonomia dos estados foi restringida. 
 
2. Poder Constituinte Difuso 
Trata-se do poder de promover a mutação constitucional, que consiste no 
processo informal de mudança da Constituição, ou seja, muda-se o sentido do texto, 
mas não o texto em si. 
Nesse sentido, é possível que uma norma, dentro de determinada realidade 
social, seja interpretada de um modo, e, com o passar do tempo, essa mesma norma 
passe a ser interpretada de outra maneira. Não há que se falar neste ponto em um 
novo texto, mas uma nova norma (que decorre da nova interpretação dada). 
Por exemplo, na década de 90, o STF declarou constitucional a vedação de 
progressão de regimes na lei de crimes hediondos. Em 2006, no entanto, o STF deu 
uma nova interpretação ao princípio da individualização da pena, pelo que a norma 
antes considerada constitucional, passou a ser tida como inconstitucional. Trata-se de 
exemplo clássico de mutação constitucional. Vide HC 82.959, STF. 
PENA - REGIME DE CUMPRIMENTO - PROGRESSÃO - RAZÃO DE SER. A progressão 
no regime de cumprimento da pena, nas espécies fechado, semi-aberto e aberto, 
tem como razão maior a ressocialização do preso que, mais dia ou menos dia, 
voltará ao convívio social. PENA - CRIMES HEDIONDOS - REGIME DE 
CUMPRIMENTO -PROGRESSÃO - ÓBICE - ARTIGO 2º, § 1º, DA LEI Nº 8.072/90 -
INCONSTITUCIONALIDADE - EVOLUÇÃO JURISPRUDENCIAL. Conflita com a 
garantia