A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
17 pág.
INSUFICIÊNCIA RENAL - Aguda e Crônica

Pré-visualização | Página 1 de 5

INSUFICIÊNCIA RENAL (IR)
A insuficiência renal (IR) é a incapacidade dos rins de filtrar o sangue, eliminando substâncias ruins, como ureia ou creatinina, por exemplo, que podem ficar acumuladas no organismo quando os rins não estão funcionando bem.
Para manter estável o meio interno do organismo, o rim, através de suas funções:
 
	
	Remove as substâncias indesejáveis do nosso corpo filtrando ureia e ácido úrico.
	
	Reabsorve a albumina e sais desejáveis como o sódio, potássio, cálcio.
	
	Excreta substâncias desnecessárias como o fósforo e o hidrogênio.
	
	Secreta hormônios para o controle do volume, da pressão arterial, do cálcio e fósforo e da formação de hemácias.
Há algumas situações que lesam o rim agudamente, outras levam anos para o dano tornar-se aparente. As doenças que lesam as diferentes estruturas dos rins são, entre outras, as nefrites, o diabete, a hipertensão arterial, infecções urinárias, obstruções das vias urinárias e as hereditárias.
A insuficiência renal pode ser aguda ou crônica, sendo que a aguda é caracterizada por uma rápida redução da função renal e na crônica ocorre uma perda gradual da função dos rins, causada por fatores como desidratação, infecção urinária, hipertensão ou obstrução da urina, por exemplo.
Geralmente, a insuficiência renal aguda tem cura, porém a insuficiência renal crônica nem sempre tem cura e o tratamento exige realizar hemodiálise ou transplante de rim para melhorar a qualidade de vida do paciente e promover o bem-estar.
A insuficiência renal é um diagnóstico que expressa uma perda maior ou menor da função renal. Qualquer desvio funcional, de qualquer uma das funções renais, caracteriza um estado de insuficiência renal. Mas, somente a análise dessas funções nos permite afirmar que há perda da capacidade renal e estabelecer níveis de insuficiência renal. Nenhuma prova isolada é suficientemente exata ou fiel para avaliar a função renal, por isso, devem ser feitas várias provas, analisando a filtração, a reabsorção, a excreção e a secreção renal.
 
INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA (IRA)
Insuficiência Renal Aguda (IRA) é a perda rápida de função renal devido a dano aos rins, resultando em retenção de produtos de degradação nitrogenados (ureia e creatinina) e não-nitrogenados, que são normalmente excretados pelo rim. Dependendo da severidade e da duração da disfunção renal, este acúmulo é acompanhado por distúrbios metabólicos, tais como acidose metabólica (acidificação do sangue) e hipercalemia (níveis elevados de potássio), mudanças no balanço hídrico corpóreo e efeitos em outros órgãos e sistemas. Pode ser caracterizada por oligúria ou por anúria (diminuição ou parada de produção de urina), embora a IRA não-oligúrica possa ocorrer. É uma doença grave e tratada como uma emergência médica.
Também chamada de lesão renal aguda, a insuficiência é comum em pacientes que já estão no hospital com alguma outra condição. Pode desenvolver-se rapidamente ao longo de algumas horas ou mais lentamente, durante alguns dias. Pessoas que estão gravemente doentes e necessitam de cuidados intensivos estão em maior risco de desenvolver insuficiência renal aguda.
Há três tipos de IRA dependendo do local onde se dão as alterações agudas: antes do rim, no rim e depois do rim: pré-renal, renal ou pós-renal:
Pré-renal (é resultante do suprimento ou fluxo sanguíneo):
hipotensão (fluxo sanguíneo diminuído), habitualmente por choque ou desidratação e perda de líquido,ataque cardíaco.
problemas vasculares, tais como doença ateroembólica e trombose da veia renal (que em parte pode ser secundária à perda de fatores de coagulação devido à disfunção renal).
Renal (é resultante de danos estruturais nos glomérulos ou aos túbulos renais; dano ao rim propriamente dito):
Infecção.
toxinas ou medicamentos (por exemplo, alguns anti-inflamatórios não-esteroidais (AINHs), antibióticos aminoglicosídeos, anfotericina B, contrastes iodados, lítio).
rabdomiólise (destruição de tecido muscular) - a conseqüente liberação de mioglobina no sangue afeta o rim; pode ser causada por injúria (especialmente injúria por esmagamento e trauma fechado extenso),estatinas, MDMA (ecstasy) e algumas outras drogas.
hemólise (destruição de glóbulos vermelhos) – a hemoglobina danifica os túbulos; pode ser causada por várias condições, tais como anemia falciforme e lupus eritematoso.
mieloma múltiplo, quer por hipercalcemia ou por "nefropatia de deposição" (mieloma múltiplo também pode determinar insuficiência renal crônica, por outro mecanismo).
hiperparatireoidismo primário em razão da hipercalcemia.
Pós-renal (causas no trato urinário):
retenção urinária (como um efeito colateral de medicamentos ou devido à hipertrofia prostática benigna, cálculos renais).
Pielonefrite.
obstrução devido a neoplasias abdominais (câncer ovariano, câncer colo-retal).
Há quatro fases clínicas da IRA:
Inicio: começa com a primeira agressão e termina quando a oligúria se desenvolve.
Oligúria: (volume urinário menor que 400ml/24hs) é acompanhado por uma elevação da concentração sérica dos elementos geralmente excretados pelos rins (ureia, creatinina, ácido úrico, ácidos orgânicos e cátions intracelulares – potássio e magnésio). A quantidade mínima de urina necessária para retirar do corpo as escórias do metabolismo normal é 400 ml. Nesta fase que os sintomas de uremia e hipercalemia se desenvolvem.
Período de diurese: o paciente apresenta débito urinário gradualmente crescente, que indica o início da recuperação da filtração glomerular.
Recuperação: indica melhora na função renal e pode levar de três a doze meses. Os valores laboratoriais irão retornar para um nível normal para o paciente. Embora haja uma redução de 1 a 3% da taxa de filtração glomerular, isto não é clinicamente significativo.
Causas
Insuficiência renal aguda pode ocorrer quando há:
Condição que diminui o fluxo sanguíneo para os rins;
Dano direto aos rins;
Uso de alguns medicamentos;
Bloqueio nos tubos de drenagem de urina dos rins (ureteres), fazendo com que os resíduos não consigam deixar o corpo através da urina.
Fluxo sanguíneo insuficiente para os rins
Doenças e condições que podem retardar o fluxo de sangue para os rins e levar à insuficiência renal incluem:
Perda grave de sangue ou fluidos corporais;
Desidratação grave;
Medicamentos para pressão arterial;
Infarto;
Doenças cardiovasculares;
Infecções e sepse;
Insuficiência hepática;
Reações alérgicas graves (anafilaxia);
Queimaduras graves.
Danos para os rins
Estas doenças, condições e agentes podem danificar os rins e levar à insuficiência renal aguda:
Coágulos de sangue nas veias e artérias em torno dos rins;
Depósitos de colesterol que obstruem o fluxo sanguíneo para os rins;
Glomerulonefrite, inflamação dos minúsculos renais;
Síndrome hemolítica- urémico;;
Infecção renal;
Lúpus que levou à glomerulonefrite;
Mieloma múltiplo;
Esclerodermia;
Púrpura trombocitopênica trombótica;
Toxinas, como álcool, metais pesados e cocaína;
Vasculite, uma inflamação dos vasos sanguíneos.
Bloqueio dos ureteres
Doenças e condições que bloqueiam a passagem da urina para fora do corpo (obstruções urinárias) e pode levar à insuficiência renal aguda incluem:
Câncer de bexiga;
Coágulos de sangue no trato urinário;
Câncer do colo do útero;
Câncer de cólon;
Próstata aumentada;
Cálculo renal;
Câncer de próstata.
Medicamentos
A maioria das pessoas não tem problemas nos rins por tomar medicamentos. Mas pessoas que têm problemas sérios e crônicos de saúde são mais propensas que outras a ter um problema renal consequente do uso de medicamentos em longo prazo. Exemplos de medicamentos que podem prejudicar os rins:
Antibióticos, tais como gentamicina e estreptomicina;
Medicamentos para a dor, como naproxeno e ibuprofeno;
Alguns medicamentos anti-hipertensivos, tais como os inibidores da ECA;
Os corantes utilizados em alguns testes de raios-X.
Fatores de risco
As chances de adquirir uma insuficiência renal aguda são maiores na terceira idade