Buscar

LIVRO INTRODUCAO ENGENHARIA AMBIENTAL DIAG IMPRESSO

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 121 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 6, do total de 121 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 9, do total de 121 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Prévia do material em texto

Introdução a Engenharia Ambiental 
 TROL 
Introdução a Engenharia 
Ambiental 
Tiago Moreira Cunha 
1ª
 E
di
çã
o 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
DIREÇÃO SUPERIOR 
Chanceler Joaquim de Oliveira 
Reitora Marlene Salgado de Oliveira 
Presidente da Mantenedora Wellington Salgado de Oliveira 
Pró-Reitor de Planejamento e Finanças Wellington Salgado de Oliveira 
Pró-Reitor de Organização e Desenvolvimento Jefferson Salgado de Oliveira 
Pró-Reitor Administrativo Wallace Salgado de Oliveira 
Pró-Reitora Acadêmica Jaina dos Santos Mello Ferreira 
Pró-Reitor de Extensão Manuel de Souza Esteves 
 
DEPARTAMENTO DE ENSINO A DISTÂNCIA 
Diretor Charleston Jose de Sousa Assis 
Assessora Andrea Jardim 
 
FICHA TÉCNICA 
Texto: Tiago Moreira Cunha 
Revisão Ortográfica: Natália Barci de Souza e Marcus Vinicius da Silva 
Projeto Gráfico: Andreza Nacif, Antonia Machado, Eduardo Bordoni, Fabrício Ramos, Marcos Antonio Lima 
da Silva e Ruan Carlos Vieira Fausto 
Editoração: Antonia Machado 
Supervisão de Materiais Instrucionais: Janaina Gonçalves de Jesus 
Ilustração: Eduardo Bordoni e Fabrício Ramos 
Capa: Eduardo Bordoni e Fabrício Ramos 
 
COORDENAÇÃO GERAL: 
Departamento de Ensino a Distância 
Rua Marechal Deodoro 217, Centro, Niterói, RJ, CEP 24020-420 www.universo.edu.br 
 
Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca Universo – Campus Niterói. 
 
C972i Cunha, Tiago Moreira. 
Introdução a Engenharia ambiental / Tiago Moreira Cunha ; 
revisão de Natália Barci de Souza e Marcus Vinicius da Silva. – 
Niterói, RJ: EAD/UNIVERSO, 2013. 
 
121 p. : il 
 
1. Engenharia ambiental. 2. Ecologia. 3. Resíduos sólidos. 4. 
Gestão ambiental. 5. Educação à distância. I. Souza, Natália 
Barci de. II. Silva, Marcus Vinicius da. III. Título. 
 
 
CDD 658.408 
Bibliotecária: Elizabeth Franco Martins – CRB 7/4990 
 
Informamos que é de única e exclusiva responsabilidade do autor a originalidade desta obra, não se responsabilizando a ASOEC 
pelo conteúdo do texto formulado. 
© Departamento de Ensino a Distância - Universidade Salgado de Oliveira. 
Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida, arquivada ou transmitida de nenhuma forma 
ou por nenhum meio sem permissão expressa e por escrito da Associação Salgado de Oliveira de Educação e Cultura, mantenedora 
da Universidade Salgado de Oliveira (UNIVERSO). 
 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
Palavra da Reitora 
 
Acompanhando as necessidades de um mundo cada vez mais complexo, 
exigente e necessitado de aprendizagem contínua, a Universidade Salgado de 
Oliveira (UNIVERSO) apresenta a UNIVERSO Virtual, que reúne os diferentes 
segmentos do ensino a distância na universidade. Nosso programa foi 
desenvolvido segundo as diretrizes do MEC e baseado em experiências do gênero 
bem-sucedidas mundialmente. 
São inúmeras as vantagens de se estudar a distância e somente por meio 
dessa modalidade de ensino são sanadas as dificuldades de tempo e espaço 
presentes nos dias de hoje. O aluno tem a possibilidade de administrar seu próprio 
tempo e gerenciar seu estudo de acordo com sua disponibilidade, tornando-se 
responsável pela própria aprendizagem. 
O ensino a distância complementa os estudos presenciais à medida que 
permite que alunos e professores, fisicamente distanciados, possam estar a todo 
momento ligados por ferramentas de interação presentes na Internet através de 
nossa plataforma. 
Além disso, nosso material didático foi desenvolvido por professores 
especializados nessa modalidade de ensino, em que a clareza e objetividade são 
fundamentais para a perfeita compreensão dos conteúdos. 
A UNIVERSO tem uma história de sucesso no que diz respeito à educação a 
distância. Nossa experiência nos remete ao final da década de 80, com o bem-
sucedido projeto Novo Saber. Hoje, oferece uma estrutura em constante processo 
de atualização, ampliando as possibilidades de acesso a cursos de atualização, 
graduação ou pós-graduação. 
Reafirmando seu compromisso com a excelência no ensino e compartilhando 
as novas tendências em educação, a UNIVERSO convida seu alunado a conhecer o 
programa e usufruir das vantagens que o estudar a distância proporciona. 
 
Seja bem-vindo à UNIVERSO Virtual! 
Professora Marlene Salgado de Oliveira 
Reitora.
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
 
Sumário 
 
1. Apresentação da disciplina ........................................................................................ 07 
2. Plano da disciplina........................................................................................................ 09 
3. Unidade 1 – Introdução à Vida Acadêmica e à Ecologia................................... 11 
4. Unidade 2 – Poluição Ambiental no Contexto Atual ......................................... 33 
5. Unidade 3 – Resíduos Sólidos, sua Disposição, Destinação 
Final e seu Tratamento ......................................................................................................... 49 
6. Unidade 4 - Tratamento de Efluentes ..................................................................... 77 
7. Unidade 5 - Gestão Ambiental.................................................................................. 91 
8. Considerações finais .................................................................................................... 111 
9. Conhecendo o autor ................................................................................................... 113 
10. Referências ...................................................................................................................... 115 
11. Anexos .............................................................................................................................. 117 
 
 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
6 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
7 
 
Apresentação da Disciplina 
 
Sejam bem-vindos a disciplina Introdução à Engenharia de Ambiental. 
Ao início de cada unidade de estudo, você encontrará uma apresentação dos 
temas que serão desenvolvidos, os aspectos mais relevantes, além dos objetivos a 
serem alcançados. Além disso, há também uma série de referências bibliográficas 
sobre os assuntos abordados. 
As unidades foram redigidas de forma a facilitar o entendimento do seu 
conteúdo, que compreende uma parte conceitual, sempre com aplicações dos 
conceitos, seguida de exercícios práticos. 
Estamos certos de que a leitura dos conteúdos será uma atividade prazerosa. 
Utilize o seu tempo e imprima o seu próprio ritmo de aprendizagem. Lembre-se, 
você tem total autonomia na condução do seu processo de estudo, mas sempre 
que possível procure seguir o cronograma da disciplina. 
É importante que você faça todas as atividades e reflita sobre os respectivos 
padrões de respostas. Além disso, você poderá complementar o conteúdo de cada 
unidade através da leitura complementar e, por sua própria iniciativa, buscar nos 
jornais e revistas casos práticos que envolvam empresas, objeto da aplicação das 
teorias e modelos analisados nas aulas 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
8 
 
 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
9 
Plano da Disciplina 
 
A disciplina tem como objetivo principal demonstrar algumas áreas de 
interface e atuação da Engenharia de Ambiental, suas ênfases e seus conceitos 
iniciais, que com certeza irão somar de forma satisfatória na sua carreira 
profissional. 
Para isso fizemos uma divisão em cinco unidades para maior compreensão dos 
assuntos abordados. Com a finalidade de facilitar a compreensão segue uma 
síntese de cada unidade,ressaltando seus objetivos específicos para que você 
possa ter uma visão ampla do conteúdo que irá estudar. 
 
Unidade 1 – Introdução à Vida Acadêmica e à Ecologia 
Iremos iniciar as atividades dessa unidade permeando a chegada do aluno na 
universidade, demonstrando os novos aspectos e paradigmas, os novos desafios 
encontrados, e, em seguida, faremos uma abordagem de ecologia, do meio 
ambiente dos seres vivos, de ecossistema, da cadeia alimentar, de habitat e nicho 
ecológico e das relações entre os seres vivos de uma comunidade, podendo esta 
ser harmônica ou desarmônica. 
Objetivo da Unidade: 
Demonstrar os conceitos introdutórios da ecologia para melhor atuação na 
temática ambiental. 
 
Unidade 2- Poluição Ambiental no Contexto Atual 
As atividades dessa unidade permearão as diversas definições de poluição, 
envolvendo a poluição do ar, da água e do solo em especial, além de demonstrar 
os seus potenciais impactos ambientais. 
Objetivo da Unidade: 
Definir e compreender as possíveis definições da poluição. 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
10 
Unidade 3- Resíduos Sólidos e sua Disposição e Destinação Final e seu 
Tratamento. 
Nesta unidade examinaremos os conceitos de forma ampla dos resíduos 
sólidos e semissólidos, permeando as classificações para os ambientes industriais e 
hospitalares, e terminaremos verificando algumas das disposições e destinações 
finais dos resíduos. 
 
Objetivo da Unidade: 
Abordar as classificações dos resíduos para melhor defini-los, obtendo uma 
clareza no seu tratamento, no seu acondicionamento ou na sua disposição final. 
 
Unidade 4- Tratamento de Efluentes 
Este unidade foi desenvolvida para vocês terem uma noção do sistema 
hidráulico sanitário, verificando assim as possibilidades do reuso de água, as fontes 
de poluição e o tratamento das águas residuárias. 
Objetivo da Unidade: 
Compreender o sistema de rege de esgoto assim como o seu tratamento. 
 
Unidade 5- Gestão Ambiental 
Nesta unidade você verá os benefícios de um SGA – Sistema de Gestão 
Ambiental, os seus princípios e as auditorias ambientais, assim como a questão da 
implementação e da certificação. 
Objetivo da Unidade: 
Demonstrar um Sistema de Gestão Ambiental de acordo com a ISO 14001. 
 
 
 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
11 
Introdução à Vida 
Acadêmica e à Ecologia 
Chegando a universidade. 
Ecologia. 
O meio ambiente dos seres vivos. 
Ecossistema. 
Cadeia alimentar. 
Habitat e nicho ecológico. 
Relação entre os seres vivos de uma comunidade. 
 
1 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
12 
 
Iremos iniciar as atividades dessa unidade permeando a chegada do aluno na 
universidade, demonstrando os novos aspectos, os novos paradigmas e os novos 
desafios encontrados. Em seguida, faremos uma abordagem sobre ecologia, meio 
ambiente, seres vivos, ecossistema, cadeia alimentar, habitat, nicho ecológico e 
veremos as ralações entre os seres vivos de uma comunidade, podendo esta ser 
harmônica ou desarmônica. 
 
Objetivo da Unidade: 
• Conhecer os conceitos introdutórios da ecologia para melhor 
atuação na temática ambiental. 
 
Plano da Unidade: 
• Chegando a universidade. 
• Ecologia. 
• O meio ambiente dos seres vivos. 
• Ecossistema. 
• Cadeia alimentar. 
• Habitat e nicho ecológico. 
• Relação entre os seres vivos de uma comunidade. 
 
 
Bons estudos 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
13 
 
Chegando a universidade 
 
O início de uma atividade universitária é um fato marcante na vida de 
qualquer pessoa e um privilégio em aspectos diversos para os que podem usufruir. 
A expectativa de construir novos conhecimentos em um curso de engenharia 
torna-se ampla, com visões diferenciadas quanto aos demais cursos. Quando 
falamos em visões diferenciadas, a própria sociedade vê o curso de engenharia de 
modo altamente qualificado e enxerga o aluno como detentor do conhecimento, 
independente do período da faculdade, pois vocês durante o curso serão vistos 
como futuros engenheiros e solucionadores de problemas no meio empresarial, e 
isso será assim desde o primeiro período até o ultimo. 
As oportunidades universitárias para os alunos aparecem naturalmente, em 
principal aos dos cursos de engenharia, uma vez que o déficit de engenheiros no 
Brasil fica entorno de 150 mil, segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI), 
em 2012; e essa deficiência vem aumentando de modo exponencial. É importante 
salientar que a falta de engenheiros no mercado de trabalho fez a profissão torna-
se uma das mais bem remuneradas. 
Para que possamos desfrutar das oportunidades e fazê-las surgirem de modo 
natural, como descrito acima, devemos mudar o nosso meio de pensar e agir; 
apenas aguardar que os professores apresentem conhecimentos elaborados é uma 
atitude muito comodista e incompatível com o ato de engenhar (traçar, idear, 
inventar, maquinar), pois a visão deverá ser de um futuro engenheiro, onde não 
buscamos apontar os defeitos, mas sim solução de um problema. 
A qualidade do curso não depende apenas dos professores, de laboratórios, de 
boas salas de aulas e de salas confortáveis, mas sim do aluno, onde a motivação 
para estudar deverá ser a mais importante de nossas prioridades, pois só assim 
teremos um desenvolvimento intelectual. 
Logo uma nova fase chegará à vida de vocês, ao cursar e ao terminar o curso 
de engenharia. Uma das primeiras mudanças a ser observada é a passagem do 
ensino médio para o universitário, onde temos: 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
14 
 
• Relação professor x aluno = o relacionamento deve ser estreitado 
nas atividades universitárias; 
• Ensino médio - aluno passivo = o aluno apenas escuta e aceita as 
informações; 
• Ensino Superior - aluno ativo = o aluno participa da construção do 
conhecimento; 
• Ensino médio - professor comandante = o professor neste caso é 
supremo de tudo o que acontece em sala de aula; 
• Ensino superior - professor facilitador = o professor demonstra as 
oportunidades e os alunos transformam em conhecimentos práticos. 
 
Sendo assim, vocês como alunos universitários, deverão adaptar-se a nova 
vida, administrando as condições e oportunidades, zelando pela qualidade do 
curso e desenvolvendo saúde para obter um conhecimento intelectual. Vale 
lembrar que saúde de acordo com a OMS – Organização Mundial da Saúde – é um 
estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de 
doenças. 
Uma vez adaptado a nova vida universitária, devemos entender e executar 
com excelência as fases de estudo, sendo elas: 
• Preparação = escolher um bom ambiente, onde o estudo sentado 
normalmente é melhor. Tenha o hábito de estudar (determinar um 
horário rotineiro para estudo), dedicação e preparação psicológica. 
• Captação = construção do conhecimento, internalizar o 
conhecimento, reflexão e observações. 
• Participação = participar de feiras, congressos, laboratórios, visitas 
técnicas, entre outras atividades extracurriculares. 
 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
15 
As formas de captação dos conhecimentos podem ser identificadas em termos 
gerais por três formas: 
Formas usuais de captação de conhecimento
Leitura Audição Observação
 
“Com base nas formas usuais de captação de conhecimento supracitado, faça uma 
análise de como você faria para ter excelência na aplicação de cada uma das formas.” 
Um ponto interessante seria o porquê estudar, e temos como respostas: para 
lembrar continuamente das coisas já compreendidas e para adquirir novos 
conhecimentos, uma vez que podemos classificar o esquecimento nas seguintes 
porcentagensde perda de conhecimento: 
• Perdemos 5% do conhecimento em uma hora após sua aquisição; 
• Perdemos 10 % em um dia; 
• Perdemos 15 % em uma semana; 
• Perdemos 20 % em dois meses; 
• Após 60 dias mantemos apenas 50 % quando nos dedicamos bem. 
 
Logo, temos que estar atentos e prudentes a todas as informações, e fazer 
releitura sempre, para mantermos um bom índice de aproveitamento do 
conhecimento e não cair na malha do esquecimento. 
Quais seriam as qualidades desejáveis para um bom engenheiro ambiental? 
Cito abaixo uma sistematização dessas qualidades desejáveis. 
 
Qualidade de um Eng. Ambiental 
Conhecimentos 
objetivos 
Experimentação Comunicação Ética profissional 
Relações 
humanas 
Trabalho em 
equipe 
Aperfeiçoamento contínuo 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
16 
 
Antes de iniciar a leitura do próximo tópico desenvolva – por escrito – no 
mínimo dez atividades que poderiam contribuir para uma boa formação 
universitária. 
 
Ecologia 
 
A palavra Ecologia tem origem no grego “oikos", que significa casa, e "logos", 
estudo. Logo, por extensão, seria o estudo da casa ou, de forma mais genérica, do 
lugar onde se vive. Portanto, ecologia tem como sentido mais amplo e apurado o 
estudo das interações dos seres vivos entre si e com o meio ambiente. É a parte da 
biologia que se encarrega de estudar os seres vivos do ponto de vista das suas 
relações entre si e com o meio ambiente. 
O termo introduzido por Haeckel para designar a adaptação dos organismos 
ao meio ambiente, sendo atualmente usado também por geógrafos e sociólogos. 
Se de um lado o ser vivo sofre influência do meio, do outro também influi sobre ele, 
transformando-o consideravelmente. 
Meio ambiente é o conjunto de forças e condições que cercam e influenciam 
os seres vivos e as coisas em geral. Os constituintes do meio ambiente 
compreendem fatores abióticos, como o clima, a iluminação, a pressão, o teor de 
oxigênio; e bióticos, como as condições de alimentação, modo de vida em 
sociedade e para o homem, educação, companhia, saúde e outros. 
 
O meio ambiente dos seres vivos 
 
O planeta Terra é semelhante a uma pequena nave com recursos finitos, que 
dependem de um bom gerenciamento para não se esgotarem. 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
17 
 
Biosfera: esfera da vida. Camada formada por todos os seres vivos e seu meio 
ambiente. 
 
A formação da biosfera dependeu de três condições essenciais: ocorrência de 
água no estado líquido, radiação solar e ar atmosférico. A água é considerada 
absolutamente indispensável à manutenção da vida (sem ela não se realizariam as 
reações químicas do metabolismo celular). A radiação solar, importante para a vida, 
é que alcança a Terra nas formas de luz e calor (energia térmica). O ar é 
indispensável para a respiração de todos os seres aeróbios, sendo através da 
respiração que os seres vivos obtêm energia. 
Sendo assim, o meio ambiente dos seres vivos, como já falado anteriormente, 
é constituído por um conjunto de fatores abióticos (radiação solar, água, ar e solo) 
e de fatores bióticos (todos os seres vivos da biosfera). A interação ou 
interdependência dos elementos bióticos e abióticos num determinado ambiente 
constitui um sistema ecológico ou ecossistema. 
 
Ecossistema 
 
É um complexo sistema de relações mútuas, com transferência de energia e de 
matéria, entre o meio abiótico e os seres vivos de determinada região. Num 
ecossistema existem dois componentes essenciais: o espaço físico e a biocenose ou 
comunidade biótica, que corresponde ao conjunto das populações animais e 
vegetais ocupando o mesmo ambiente. Logo, todo ecossistema também é 
formado por fatores bióticos (organismos vivos) e abióticos (fatores químicos e 
físicos ambientais). 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
18 
 
Tipos de ecossistema 
 
Comunidades de diferentes tipos e tamanhos, interagindo em determinado 
ambiente físico, constituem os ecossistemas. Conforme as suas dimensões eles 
compreendem biosfera, biociclos e biomas. A biosfera corresponde à parte do 
planeta habitada biologicamente. Devido a sua enorme complexidade, costuma 
ser dividida em unidades menores denominadas biociclos. São três biociclos da 
biosfera: 
a) o terrestre (epinocicclo) – compreende todas as partes da crosta terrestre 
não coberta de água; 
b) o das águas continentais (limnociclo) – compreende as águas de superfícies 
e as águas subterrâneas; 
c) o marinho (talassociclo) – o maior de todos, contribuindo cerca de ¾ da 
superfície da Terra. 
 
Já as diferentes espécies da flora e da fauna se desenvolvem nas regiões 
climáticas onde melhor se adaptam. Ao conjunto de seres vivos e ao clima de uma 
determinada região denominamos bioma. Como exemplos, podemos citar: as 
pradarias, as florestas tropicais e os desertos. 
 
Os componentes de um ecossistema 
 
 
Componentes bióticos: conjunto dos seres vivos que integram um ecossistema. 
Componentes abióticos: conjunto dos seres não vivos presentes num 
ecossistema. 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
19 
 
Todo ecossistema compreende elementos bióticos e abióticos e deve ser 
autossuficiente. A condição para que isso ocorra é que seus integrantes bióticos se 
organizem em três categorias, sendo elas: os consumidores, os produtores e os 
decompositores. 
 
Os produtores: abrangem os seres autótrofos, na sua grande maioria clorofilada, 
que tem capacidade de produzir em primeira mão na natureza a matéria orgânica. 
De um modo geral, costuma-se dizer que os produtores, num ecossistema, são 
representados pelas plantas verdes. Ressaltam-se também as algas clorofiladas, 
nos ecossistemas marinhos e dulcícolas. Elas integram, constantemente, os 
fitoplânctons. 
 
Os consumidores: são representados por organismo heterótrofos, que na 
incapacidade de produção primaria da matéria orgânica procuram obtê-la 
consumindo a de outros organismos. 
 
Os decompositores: compreendem microorganismos (bactérias e fungos) 
encontrados no solo ou no fundo dos ecossistemas aquáticos, cuja ação consiste 
em decompor a matéria orgânica dos dejetos e despojos dos outros seres, 
restituindo compostos inorgânicos ao meio ambiente. 
 
Cadeia Alimentar 
É o caminho que segue a matéria desde os produtores até os decompositores, 
passando pelos consumidores. Nos fluxos de matéria e de energia que ocorrem nos 
ecossistemas, podemos distinguir níveis tróficos distintos, ocupados por grupos 
diferentes de organismos. 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
20 
 
Os produtores ocupam o primeiro desses níveis, em seguida temos os 
consumidores (podendo ser secundário, terciário, quaternário etc. ) e por último 
temos normalmente os decompositores. Ou seja, a sequência linear de seres vivos 
em que serve de alimento para o outro é chamada de cadeia alimentar. 
A cadeia alimentar não é apenas uma cadeia de matéria, faz parte, antes de 
tudo, do fluxo de energia no ecossistema. 
 
 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
21 
 
Habitat e nicho ecológico 
 
O termo habitat é usado em ecologia para designar o local ou lugar físico em 
que vivem ou normalmente se encontram os indivíduos de uma espécie. Numa 
primeira classificação, podemos dividir os seres vivos quanto aos seus habitat em: 
1) seres de habitat terrestres; 
2) seres de habitat aquáticos. 
 
O nicho ecológico é a posição biológica ou funcional que uma espécie ocupa 
num determinado meio. A relação entre habitat e nicho tem sido exaustivamente 
comparada com a relação entre endereço e profissão. O habitat seria o endereço 
de uma espécie (local onde elavive) e o nicho, a sua profissão (o que ela faz ou 
representa dentro do seu meio). 
Assim, em um ecossistema representado por uma lagoa o habitat de uma alga 
microscópica é a água superficial e o seu nicho ecológico compreende o papel 
nesse ecossistema, que pode ser assim resumido: algas realizam fotossíntese, 
necessitam de luz, de nutrientes minerais e de temperatura adequada para o seu 
crescimento e reprodução; e servem de alimento para alguns animais. A descrição 
do modo de vida de um ser vivo representa, então, o seu nicho ecológico. 
 
Relações entre os seres vivos de uma comunidade 
 
Os seres vivos de uma comunidade mantêm constantes relações entre si, 
exercendo, assim, influências recíprocas em suas vidas. As inter-relações podem ser 
evidenciadas entre indivíduos de uma mesma população (relações intraespecífica), 
ou entre indivíduos pertencentes a espécies diferentes (relações interespecíficas). 
Quando analisadas isoladamente, essas relações podem se revelar harmônicas ou 
desarmônicas. As relações harmônicas são aquelas em que não há prejuízo para 
nenhum dos indivíduos associados, já a segunda (relações desarmônicas) um 
individuo associado sai com prejuízo. 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
22 
 
a) Relações intraespecíficas 
As relações intraespecíficas harmônicas são: 
Sociedades: união permanente entre indivíduos de uma mesma espécie, em 
que há divisão de trabalho. Ex.: insetos sociais como as abelhas, cupins e formigas. 
Colônias: união anatômica entre indivíduos de uma mesma espécie, 
formando uma comunidade estrutural e funcional. Ex.: corais. 
 
As relações intraespecíficas desarmônicas são: 
Canibalismo: um individuo mata outro da mesma espécie para se alimentar. 
Competição intraespecífica: indivíduos da mesma espécie disputam recursos 
insuficientes oferecidos pelo ecossistema. 
 
b) Relações interespecíficas 
As relações interespecíficas harmônicas são: mutualismo, protocooperação, 
inquilinismo e comensalismo. As desarmônicas são: amensalismo, sinfilia, 
predatismo, parasitismo e competição interespecíficas. 
 
Mutualismo/Protocooperação: é a interação entre duas espécies que se 
beneficiam reciprocamente, o que pode acontecer em várias modalidades: 
• Mutualismo obrigatório ou simbiose – em que as duas espécies não 
podem viver separadas. O exemplo clássico são os líquens, em que 
temos os fungos fazendo o papel de absorção e das algas fazendo o 
papel de fotossíntese. As próprias espécies constituintes da 
associação perdem a sua identidade. 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
23 
 
• Mutualismo facultativo ou protocooperação – em que as duas 
espécies são beneficiadas e podem viver independentemente ou 
trocar de parceiro, como é o caso das aves que catam parasitas na 
pele do gado. 
 
Outro exemplo de mutualismo facultativo são os ruminantes e as bactérias em 
seu estômago: as bactérias recebem abrigo e alimento e fornecem aos animais 
ácidos orgânicos que lhe permitem aproveitar melhor o alimento retirado do 
capim; além disso, as bactérias oferecem ao animal várias vitaminas que ele pode 
absorver. 
Na figura abaixo veja outro exemplo de protocooperação: 
 
 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
24 
 
Protocooperação: anêmona do mar e o paguro que vive no interior de 
conchas vazias de gastrópode. 
Inquilinismo e comensalismo: São dois tipos de associações em que apenas 
um dos participantes se beneficia, sem, no entanto, causar qualquer prejuízo ao 
outro. A diferença entre esses dois tipos de associação reside no fato de que no 
comensalismo a aproximação ocorre em busca de alimentos, o que não ocorre no 
inquilinismo. No inquilinismo a razão da associação é, frequentemente, proteção. É 
o caso, por exemplo, do fierasfer, um pequeno peixe que vive dentro do corpo do 
pepino-do-mar (holoturina). Para se alimentar o peixe sai do pepino-do-mar e 
depois volta. 
 
 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
25 
 
Neste caso de inquilinismo, o peixe encontra proteção dentro do pepino-do-
mar, o qual, por sua vez, não recebe benefício nem sofre desvantagem. 
Um curioso exemplo de comensalismo é a associação do tubarão com o peixe-
piloto. Os peixes-pilotos vivem ao redor do tubarão, alimentando-os dos restos de 
comida que escapam de sua boca. 
 
 
Tubarão com o peixe-piloto. 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
26 
Amensalismo ou antibiose: consiste em uma relação desarmônica, em que 
uma espécie, denominada inibidora, impede o desenvolvimento de outra, 
chamada amensal. Exemplo de um caso popular: no qual certos fungos produzem 
substâncias antibióticas, que são muito usadas na medicina, para impedir o 
crescimento de bactérias. Há também o fenômeno da "maré vermelha", no qual 
certas algas marinhas planctônicas eliminam substâncias tóxicas que são capazes 
de matar uma grande quantidade de peixes. O amensalismo é uma Simbiose em 
que o desenvolvimento de uma espécie é inibido por produtos de secreção da 
outra. Antibiose é quando uma substância impede o desenvolvimento de um ser 
vivo, causando-lhe a morte. 
Sinfilia: também conhecido como escravagismo, é uma relação ecológica 
entre os seres-vivos. Na sinfilia uma espécie se aproveita do trabalho "escravo" da 
outra, que é prejudicada. É o caso dos pássaros que botam ovos nos ninhos de 
outras espécies, que passam a chocá-los como se fossem seu. Algumas espécies 
exploradoras chegam a jogar fora do ninho os ovos da espécie explorada. Outro 
exemplo muito conhecido é o de formigas que "roubam" larvas do formigueiro de 
outras espécies a fim de conseguir mais indivíduos para realizar trabalho. 
Predatismo: é uma relação desarmônica em que um animal captura e mata 
um indivíduo de outra espécie, para alimentar-se. Todos os carnívoros são animais 
predadores. É o que acontece com o leão, o lobo, o tigre, a onça, que caçam 
veados, zebras e tantos outros animais. O predador pode atacar e devorar também 
plantas, como acontece com o gafanhoto, que, em bandos, devora rapidamente 
toda uma plantação. Nos casos em que a espécie predadora é vegetal, costuma-se 
dar ao predatismo o nome de herbivorismo. Raros são os casos em que o predador 
é uma planta. As plantas carnívoras, no entanto, são excelentes exemplos, pois 
aprisionam e digerem principalmente insetos. 
Parasitismo: uma relação desarmônica entre seres de espécies diferentes, em 
que um deles vive no corpo do outro, do qual retira alimentos. Quando um 
organismo, o parasita, se associa a outro, o hospedeiro, causando-lhe prejuízos por 
se alimentar à sua custa, ocorre parasitismo. Embora os parasitas possam causar a 
morte dos hospedeiros, de modo geral trazem-lhe apenas prejuízos. Quanto à 
localização no corpo do hospedeiro, os parasitas podem ser classificados em 
ectoparasitas (externos) e endoparasitas (internos). Os exemplos mais comuns de 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
27 
ectoparasitas são os piolhos, os carrapatos, o cravo da pele, o bicho-de-pé e o 
bicho da sarna, além de outros. Como exemplos de endoparasitas, há o plasmódio 
e o tripanossomo, protozoários causadores, respectivamente, da malária e da 
doença de Chagas. São exemplos, também, os vírus, causadores de várias doenças, 
desde a gripe até a febre amarela e a AIDS. 
 
LEITURA COMPLEMENTAR: 
Bazzo, Walter Antonio – Introdução à Engenharia: conceitos, 
ferramentas e comportamentos. 2. ed. – Florianópolis: Ed. da UFSC, 
2011. 
GODOY Sônia Bueno Carvalho Lopes. Bio - Volume Único. 2. ed. Editora: 
Saraiva. 2008. 
 
Terminamos, aqui, nossa primeira unidade de estudos, na qual estudamos o 
meio ambiente dos seres vivos, o ecossistema, a cadeia alimentar, o habitate o 
nicho ecológico; além das relações entre os seres vivos de uma comunidade. Vimos 
que ela pode ser harmônica ou desarmônica. 
 
É HORA DE SE AVALIAR! 
Lembre-se de realizar as atividades desta unidade de estudo, elas irão 
ajudá-lo a fixar o conteúdo, além de proporcionar sua autonomia no 
processo de ensino-aprendizagem. Caso prefira, redija as respostas no caderno e 
depois as envie através do nosso ambiente virtual de aprendizagem (AVA). Interaja 
conosco! 
 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
28 
 
 
Exercícios – Unidade 1 
 
1- Biosfera: esfera da vida. Camada formada por todos os seres vivos e seu 
meio ambiente, sua formação dependeu de três condições essenciais, sendo elas: 
a) água no seu estado sólido, líquido e gasoso. 
b) água no estado líquido, ar atmosférico e radiação solar. 
c) água, oxigênio e radiação solar. 
d) oxigênio, iluminação e pressão atmosférica. 
e) pressão atmosférica, radiação solar e água. 
 
2- Associe os dados da 1ª coluna com os da 2ª e marque a alternativa correta. 
1. Um grupo de indivíduos da mesma espécie. a) Biosfera. 
2. O sistema de relação entre seres vivos e fatores 
ambientais. 
b) Comunidade. 
3. Local da Terra que reúne condições para a 
manutenção da vida. 
c) População. 
4. Conjunto de populações de diferentes espécies. d) Ecossistema. 
 
a) 1 a, 2 d, 3 c, 4 b. 
b) 1 d, 2c, 3 a, 4 b. 
c) 1 c, 2 d, 3 a, 4 b. 
d) 1 b, 2 c, 3 c, 4 b. 
e) 1 d, 2 d, 3 c, 4 b. 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
29 
 
3- A preparação de método de estudo consiste em: 
a) uma escolha de um bom ambiente, arejado e bem iluminado. 
b) uma preparação psicológica. 
c) um ambiente silencioso e agradável. 
d) um desenvolvimento de saúde. 
e) todas as respostas anteriores. 
 
4- Sabendo que a borboleta é um animal herbívoro, um animal que se 
alimenta dele será: 
a) produtor. 
b) consumidor primário. 
c) consumidor secundário. 
d) consumidor terciário. 
e) decompositor. 
 
5- O girino (sapo) vive na água e após a metamorfose passa a viver em terra 
firme; quando adulto, se oculta durante o dia em lugares sombrios e úmidos para 
proteger-se de predadores e evitar ressecação. Ao entardecer, abandona seu 
refúgio e vai à procura de alimentos. Como o acasalamento se realiza na água, vive 
próximo a rios e lagoas. Esta descrição do modo de vida do sapo representa o seu: 
a) habitat. 
b) nicho ecológico. 
c) ecossistema. 
d) bioma. 
e) biótopo. 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
30 
 
6- As vespas solitárias do gênero Blastophaga colhem o pólen das flores das 
figueiras, transportando-o em bolsas especiais nas pernas ou no corpo. Depois de 
polinizar as flores, as vespas depositam seus ovos nos ovários estéreis das flores, 
não interferindo no desenvolvimento dos ovários férteis. As larvas originais desses 
ovos se desenvolvem nos ovários estéreis e depois, na forma adulta, colhem o 
pólen que está sendo produzido nessas flores e levam-no para outra flor. 
O fenômeno descrito acima é um exemplo de: 
a) parasitismo. 
b) competição. 
c) mutualismo. 
d) predatismo. 
e) nenhuma das respostas anteriores. 
 
7- A qualidade do curso de Engenharia está ligada a: 
a) ter uma integração laboratório x professor de modo programado. 
b) apenas a qualificação dos professores. 
c) a motivação e qualidade dos estudantes. 
d) ter boas bibliotecas e laboratórios. 
e) as respostas C e D estão corretas. 
 
8- Leio o trecho abaixo: 
“O anu é uma ave dos campos, que gosta de pousar sobre o gado para lhe catar os 
carrapatos, e não é pequeno o serviço que presta, pois houve quem contasse nada 
menos de 74 carrapatos que formavam o estômago de uma só ave. Mas geralmente, o 
seu alimento consiste em toda sorte de insetos e gafanhotos principalmente.” 
(Frota Pessoa). 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
31 
Entre o anu e o gado, entre o carrapato e o gado e entre os anus e os 
gafanhotos existem relações interespecíficas denominadas, respectivamente: 
a) comensalismo, amensalismo e predatismo. 
b) predatismo, amensalismo e inquilinismo. 
c) protocooperação, parasitismo e predatismo. 
d) comensalismo, inquilinismo e predadismo. 
e) protocooperação, parasitismo e comensalismo. 
 
9- A captação de conhecimentos se dá basicamente por iniciativa de alguém 
interessado em aprender algo, e que utiliza para isso alguma técnica de trabalho 
que possa levá-lo a alcançar seus objetivos. 
A captação ocorre quando houver: 
• internalização de conhecimentos trabalhados por um professor em sala de 
aula; 
• trabalho de conhecimentos através de leituras e de reflexões pessoais; 
• participação em experiências, observações, visitas técnicas e discussões em 
grupo. 
(Antonio Bazzo & Luiz Teixeira). 
 
Faça a análise do texto supracitado abordando as fases do estudo e as formas 
usuais de captação do conhecimento, com os métodos de desenvolvimento do 
conhecimento aplicados nas disciplinas já cursas por vocês. 
 __________________________________________________________________ 
 __________________________________________________________________ 
 __________________________________________________________________ 
 __________________________________________________________________ 
 __________________________________________________________________ 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
32 
 
10- Com base no fluxo de energia dos ecossistemas, comente o seguinte 
princípio da conservação da matéria: 
“ Na Natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma.” 
(Lavoisier). 
 
 __________________________________________________________________ 
 __________________________________________________________________ 
 __________________________________________________________________ 
 __________________________________________________________________ 
 __________________________________________________________________ 
 
 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
33 
Poluição Ambiental no 
Contexto Atual 
Poluição. 
Poluição do Ar. 
Inversão Térmica. 
Poluição Térmica. 
Poluição Sonora. 
Poluição do Solo. 
Poluição da Água. 
 
 
2 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
34 
 
As atividades dessa unidade permearão as diversas definições de poluição, 
envolvendo a poluição do ar, da água e do solo, em especial, além de demonstrar 
os seus potenciais impactos ambientais. 
 
Objetivo da Unidade: 
Definir e compreender as possíveis definições da poluição. 
 
Plano da Unidade: 
• Poluição. 
• Poluição do Ar. 
• Inversão Térmica. 
• Poluição Térmica. 
• Poluição Sonora. 
• Poluição do Solo. 
• Poluição da Água. 
 
Bons estudos. 
 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
35 
 
Poluição 
 
Toda e qualquer alteração ocorrida no ambiente, que cause desequilíbrio e 
prejudique a vida, é poluição ambiental. A poluição ambiental pode ser causada 
tanto pela liberação de matéria como pela liberação de energia no ambiente. 
A poluição causada por liberação de energia, como luz, calor e som, é 
particularmente grave para o ser humano e geralmente é observada nas grandes 
cidades. Afeta principalmente a saúde mental, pois causa irritação, nervosismo, 
fadiga e outros sintomas relacionados com o sistema nervoso e com os órgãos dos 
sentidos. A poluição ambiental envolve a poluição do ar, da água e do solo, como 
veremos a seguir. 
 
Poluição do ar 
 
O monóxido de carbono (CO) é um gás liberado na queima incompleta de 
combustíveis fósseis como a gasolina. 
O dióxido de carbono (CO2) é o principalcomposto resultante da combustão 
completa de combustíveis fósseis ou de materiais combustíveis de possuem 
carbono (é o caso também da gasolina). É importante salientar que se esses gases 
forem inalados eles iram se unir à hemoglobina, impedindo o transporte de gases 
respiratórios. 
A poluição por dióxido de enxofre (SO2) é 
produzida principalmente na queima de 
combustíveis como gasolina, madeira, carvão e 
óleo. É um gás corrosivo e tóxico, que reage 
com água na atmosfera, formando ácido 
sulfúrico. O fenômeno da chuva ácida é 
formado por esses e alguns outros ácidos que 
caem sobre a terra. 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
36 
Além de destruir monumentos, mármores e metais, a chuva ácida provoca 
acidentes ecológicos em consequência da queima da vegetação e do aumento da 
acidez da água e do solo. O ácido sulfúrico, quando inalado, provoca destruição 
dos alvéolos e pode levar a pessoa à morte. 
O dióxido de nitrogênio (NO2) também é um gás liberado na queima de 
combustíveis fósseis. No entanto é mais tóxico que o dióxido de enxofre, podendo 
causar irritação nos olhos e nos pulmões, mesmo em baixa concentração. 
Ação combinada do monóxido de carbono com esses gases produz efeitos 
mais danosos que a ação isolada de cada um deles. Tal combinação tem sido 
relacionada aos aumentos dos casos de asma, bronquite, câncer de pulmão e 
enfisema pulmonar (destruição dos alvéolos) em pessoas que vivem em cidades 
nas quais há poluição do ar. 
A queima de combustíveis e do lixo em incineradores, bem como a atividade 
das indústrias de cimento e de aço são alguns dos agentes introdutores de 
partículas no ar. Quando inaladas, essas partículas também irritam o sistema 
respiratório. 
 
Inversão Térmica 
 
As partículas sólidas em suspensão no ar, da mesma forma que os gases 
normais e os poluidores, são levadas pelas correntes de convecção para as 
camadas mais altas da atmosfera e lá se dissipam. Este fato diminui a poluição 
atmosférica e reduz os seus efeitos. Ventos e chuvas contribuem para dissipar os 
poluentes atmosféricos. 
O ar mais aquecido, próximo à superfície terrestre, sobe e entra em contato 
com as camadas mais altas da atmosfera, onde a temperatura é menor. Desta 
forma, propicia a dispersão dos poluentes. No inverno, entretanto, pode ocorrer 
um fenômeno chamado inversão térmica, em que uma camada de ar quente 
posiciona-se acima da camada de ar frio. O ar, com os poluentes, sobe até atingir a 
camada de ar quente e fica retido, não se dispersando. Por esse motivo, a poluição 
do ar é maior nesses períodos. 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
37 
 
 
 
A inversão térmica em cidades industriais e de alta densidade populacional é 
particularmente grave, pois aprisiona grande quantidade de poluentes no ar que a 
população respira. 
 
Poluição Térmica 
 
A poluição térmica consiste no aquecimento das águas naturais pela 
introdução da água utilizada na refrigeração de centrais elétricas, usinas nucleares, 
refinarias, siderúrgicas e indústrias diversas. A elevação da temperatura afeta a 
solubilidade do O2 na água, fazendo com que esse gás se difunda mais facilmente 
para a atmosfera; isso acarreta em uma diminuição de sua disponibilidade na água, 
o que prejudica diversas formas de vida aeróbicas aquáticas. Além disso, o impacto 
da variação térmica exerce um efeito particularmente nocivo para as formas 
estenotérmicas, isto é, que não toleram grandes variações de temperatura, como o 
salmão. A poluição térmica é causada também pelo aquecimento global, e pode 
acarretar a perda de grande parte da fauna marinha. 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
38 
 
Poluição Sonora 
 
Com o crescimento desordenado das cidades e o surgimento das grandes 
indústrias, as pessoas passaram a conviver com a poluição de lagos, e de rios. Nesse 
cenário, outro tipo de poluição que não pode ser visto e com o qual as pessoas de 
certa forma se acostumaram pode ser considerado um dos maiores problemas da 
vida moderna: a poluição sonora. 
A poluição sonora se dá através do ruído, que é o som indesejado, sendo 
considerada uma das formas mais graves de agressão ao homem e ao meio 
ambiente. Segundo a OMS – Organização Mundial da Saúde–, o limite tolerável ao 
ouvido humano é de 65 dB(A). Acima disso, nosso organismo sofre estresse, o qual 
aumenta o risco de doenças. Com ruídos acima de 85 dB(A) aumenta o risco de 
comprometimento auditivo. Dois fatores são determinantes para mensurar a 
amplitude da poluição sonora: o tempo de exposição e o nível do barulho a que se 
expõe a pessoa. 
O ruído de trânsito de veículos automotores é o que mais contribui na 
poluição sonora e cresce muito nas grandes cidades brasileiras, agravando a 
situação. No âmbito doméstico, a poluição sonora ocorre pela emissão de ruídos 
acima das especificações produzidas por eletrodomésticos. 
O ruído industrial, além da perda orgânica da audição, provoca uma grande 
variedade de males à saúde do trabalhador, que vão de efeitos psicológicos, 
distúrbios neurovegetativos, náuseas e cefaleias, até redução da produtividade, 
aumento do número de acidentes, de consultas médicas e do absenteísmo. 
Segundo a Sociedade Brasileira de Acústica, os níveis de ruído industrial nas 
empresas brasileiras são absurdamente excessivos. 
Essa situação pode ser revertida aplicando-se as tecnologias de controle de 
ruído existentes, que envolvem o desenvolvimento de produtos específicos, 
recursos para identificação e análise das fontes de ruído, previsão da redução de 
ruídos através de programas de simulação e o desenvolvimento de máquinas 
menos ruidosas. 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
39 
 
Poluição do Solo 
 
a) Remoção da Cobertura Vegetal 
A remoção da cobertura vegetal promove a exposição do solo às intempéries. 
A camada de húmus (terra rica em matéria orgânica em decomposição), que é mais 
ou menos fina, de acordo com a comunidade, é então, facilmente removida – no 
processo chamado lixiviação (processo de extração de uma substância de sólido 
através da sua dissolução num líquido). 
O solo fica, dessa forma, estéril, inviabilizando a renovação da vegetação 
removida. Isso fica extremamente evidente no caso da Amazônia, onde a camada 
de húmus não ultrapassa 3 cm de espessura e as chuvas são abundantes. 
A ausência de vegetação acelera, ainda, o processo de erosão do solo. A chuva 
arrasta o solo desprotegido em direção ao leito dos rios, formando enormes 
crateras (as voçorocas) e levando ao assoreamento dos rios. Nas encostas, a 
situação pode provocar deslizamentos com graves consequências para o homem. 
 
b) Poluição por Substâncias Radioativas 
Atualmente, existe uma enorme preocupação com relação às substâncias 
radioativas. Além dos possíveis acidentes nucleares, o lixo radioativo constitui-se 
de um enorme problema. Muito frequentemente, dejetos radioativos são 
acondicionados em containers e lançados no mar, em suas regiões mais profundas. 
Existe, porém, risco de vazamento de substâncias radioativas para o meio. A 
radiação é muito perigosa, como todos sabem, devido ao seu alto poder 
mutagênico. Além disso, a percepção da contaminação é difícil, uma vez que ela 
não tem cheiro, cor ou gosto. 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
40 
 
c) Poluição Biológica 
A intervenção do homem nos ecossistemas naturais vem também causando o 
descontrole nos equilíbrios populacionais. Inúmeros exemplos, como o uso de 
defensivos agrícolas (que exterminam predadores naturais e selecionam espécies 
resistentes), a introdução de espécies em ecossistemas isolados (a Austrália é um 
bom exemplo).As atividades humanas estão reduzindo enormemente a diversidade de 
espécies de organismos vivos encontrados em nosso planeta (chamada de 
biodiversidade). Milhares de espécies de animais, plantas e outros seres vivos já 
foram extintos pela ação direta ou indireta do ser humano. Mais importante do que 
a ação predatória direta do homem, é a destruição dos ecossistemas naturais, 
substituídos por pastagens e lavouras, que leva inúmeras espécies de macro e 
micro-organismos à extinção. Isso representa não só uma perda de valores 
espirituais, estéticos e turísticos, mas também ao desaparecimento de fontes de 
novos remédios, substâncias químicas e alimentos produzidos por esses 
organismos, os quais são destruídos antes mesmo de serem conhecidos e 
utilizados pelo ser humano. O estabelecimento de reservas, áreas de preservação e 
uso mais racional dos ecossistemas é fundamental para a preservação da 
biodiversidade. 
 
Poluição da Água 
 
O planeta Terra é constituído em grande parte por água, no entanto, 97,2% 
são salgadas e não adequadas ao consumo humano, irrigação e animais. Dessa 
forma, restam somente 2,8% de água doce, mas desse percentual somente cerca 
de 0,8% estão disponíveis, entretanto uma parte desse percentual encontra-se 
poluída e uma grande parcela está nos polos congeladas. A distribuição das águas 
segue na seguinte forma: 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
41 
 
97,2% da água do ciclo hidrológico estão contidos nos mares, oceanos e lagos 
salgados (ecossistemas marinhos). 
 
2,8% da água do ciclo hidrológico são de águas doces (ecossistemas de água 
doce). 
76,7% geleira e lençóis glaciais; 
22,3% lençóis subterrâneos; 
1% águas de superfícies (rios, charcos e pântanos). 
 
O Brasil detém 11,6% da água superficial do mundo. Os 70% da água do Brasil 
estão disponíveis na Região Amazônica, e os 30% restantes estão distribuídos 
desigualmente pelo País. 
Diante dessas estimativas, verifica-se claramente que a quantidade de água 
doce destinada ao consumo é bastante restrita e que requer uma preocupação em 
âmbito global quanto à escassez de água e ao uso controlado desse importante 
recurso. 
Até pouco tempo acreditava-se que a água era um recurso infinito, mas já é 
sabido que essa informação é errônea e é uma das grandes preocupações desse 
século, uma vez que muitos países já enfrentam dificuldades para obter água. 
O elevado número de habitantes presente no planeta, grandes índices de 
urbanização associados ao intenso consumo das sociedades, atividades produtivas 
e a falta de medidas ambientais que possam poupar um elemento natural 
indispensável à vida são alguns dos fatores ou agentes que apontam para a 
possibilidade de faltar água em médio prazo no mundo. 
Diante dessas perspectivas, a poluição ocupa um lugar de destaque, pois a 
contaminação da água contribui para a diminuição do recurso, além de disseminar 
doenças, visto que anualmente morrem milhões de pessoas decorrentes da 
contaminação hídrica. 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
42 
A poluição das águas é proveniente de várias origens, dentre muitas, as 
principais são: 
 
Poluição industrial: a maioria das indústrias não faz o tratamento de seus 
dejetos, assim são conduzidos à natureza sem maiores cuidados, quase sempre são 
escoados para rios e lagos, como são produtos químicos, deixam um rasto de 
destruição ambiental em plantas e animais. 
 
Insumos agrícolas: na atividade agrícola são usados diversos agrotóxicos e 
fertilizantes, porém, além de matar pragas e adubar o solo, esses elementos 
químicos favorecem a contaminação dos mananciais. Quando a aplicação de 
ambos é realizada esses permanecem nas plantas e no solo, com a chuva uma 
parcela das substâncias escoa em forma de enxurrada até atingir o curso de um rio 
ou córrego, uma parte é absorvida pelo solo e chega ao lençol freático. 
Posteriormente, essa água vai abastecer propriedades rurais e cidades, 
contaminando simultaneamente pessoas que vivem em área urbana, rural, além 
dos animais domésticos e silvestres que ingerem essa água, levando-os, em vários 
casos, à morte. 
 
Esgoto doméstico: esse tipo de poluição das águas acontece, muitas vezes, 
pela omissão do Estado, que não disponibiliza tratamento de esgoto à sua 
população; com isso, todos os dejetos de origem humana são despejados 
diariamente em rios e lagos. Ao receber tamanha quantidade de esgoto, o 
manancial fica sem vida e concentra diversas doenças. 
Nesta unidade você compreendeu alguns dos diversos conceitos de poluição e 
tornou-se capaz de contextualizar os seus impactos ambientais, assim como as 
suas medidas de prevenção. Na próxima unidade trabalharemos os resíduos 
sólidos, suas definições, impactos e tratamentos. 
Vamos avaliar! 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
43 
 
LEITURA COMPLEMENTAR: 
1- Vários Autores. Introdução a Engenharia Ambiental. 2. ed. São 
Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005. 
2- JÚNIOR, Luiz Carlos de Martini. Gestão Ambiental na Indústria. Rio de 
Janeiro: Editor Destaque, 2003. 
3- LOPES, Sônia. Bio. Volume Único. Editora Saraiva. 
 
 
É HORA DE SE AVALIAR! 
Lembre-se de realizar as atividades desta unidade de estudo, elas 
irão ajudá-lo a fixar o conteúdo, além de proporcionar sua autonomia no processo 
de ensino-aprendizagem. Caso prefira, redija as respostas no caderno e depois as 
envie através do nosso ambiente virtual de aprendizagem (AVA). Interaja conosco! 
 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
44 
 
Exercícios – Unidade 2 
 
1- Assinale a alternativa errada. 
a) A água, além de ser poluída pelos dejetos industriais e esgotos, pode também 
ser poluída pela agricultura. 
b) A poluição da água com substâncias não biodegradáveis pode perturbar todo 
o equilíbrio ecológico de uma região. 
c) A poluição atmosférica se dá não só pela indústria, mas também pela circulação 
de carros e ônibus. 
d) A inversão térmica, que tem ocasionado problemas de saúde em áreas 
industriais, ocasionada pela poluição atmosférica. 
e) A inversão térmica, que tem ocasionado problemas de saúde em áreas 
industriais, agravando a poluição atmosférica. 
 
2- Quanto a poluição atmosférica, é correto afirmar que: 
a) a queima de resíduos sólidos a céu aberto é considerada como uma forma 
paliativa de controle de sua geração e eliminação, uma vez que não polui o ar. 
b) o dióxido de enxofre é um gás obtido pela queima completa de combustíveis 
fósseis ou de materiais de que possuem carbono. 
c) não podemos fazer correlações entre a poluição atmosférica e a inversão 
térmica, em principal nas grandes cidades. 
d) o monóxido de carbono é um gás altamente tóxico e obtido através da queima 
completa de combustíveis fósseis. 
e) o acido sulfúrico é obtido pela queima de plásticos e álcool, e após a geração 
do gás há a formação da chuva ácida. 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
45 
 
3- O aumento da temperatura do ar ou da água oriundo normalmente de 
atividades de usinas elétrica e atômicas é chamado de: 
a) poluição atmosférica. 
b) poluição da água. 
c) poluição térmica. 
d) poluição química. 
e) nenhuma das respostas anteriores. 
 
4- Quanto a poluição sonora podemos afirmar que: 
a) todo ruído acima do limite de tolerância é considerado poluição sonora. 
b) a poluição sonora não afeta o meio biótico. 
c) apenas uma parcela da população pode sofrer os impactos da poluição sonora, 
uma vez que uma grande parcela da população não fica incomodada com o 
ruído extremo. 
d) os ruídos que causam estresse, assim como incômodos, perdas auditivas 
(temporária ou permanente), podendo ser classificadoscomo poluição sonora, 
independente da sua intensidade. 
e) para ocorrer a poluição sonora a intensidade do ruído deverá ser acima de 
85dB(A). 
 
5- A poluição da água é ocasionada: 
a) somente pelos dejetos hidráulicos sanitários, ou seja, esgotos. 
b) principalmente pelos desejos industriais, agrícolas e esgotos. 
c) pelas indústrias e está apenas relacionada às águas doces. 
d) sempre pelas empresas químicas e em seguida pela população, que por sua vez 
geram esgotos sanitários. 
e) sempre pelos acidentes industriais. 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
46 
 
6- Quando eliminamos a vegetação de uma determinada região, deixamos o solo 
expostos o que ocasiona: 
a) a aceleração da erosão do solo. 
b) em algumas regiões colabora no processo de deslizamento. 
c) o solo pode ficar estéril. 
d) quando a camada de húmus é pequena colabora para as inundações. 
e) todas as respostas anteriores estão corretas. 
 
7- O processo caracterizado pela presença de uma massa de ar quente onde 
normalmente a atmosfera é fria é conhecido como inversão térmica. Sendo assim, 
é correto afirmar: 
a) a inversão térmica está sempre associada a poluição atmosférica. 
b) quando o fluxo de ar é normal, ocorre uma dissipação dos poluentes 
atmosféricos, e o mesmo casso não ocorre na inversão térmica. 
c) a inversão térmica possui uma relação importante na concepção da chuva 
ácida. 
d) no frio a poluição fica mais dissipada, uma vez que pode ocorrer a inversão 
térmica. 
e) todas as respostas anteriores estão erradas. 
 
8- A CNEN – Comissão Nacional de Energia Nuclear – é uma instituição federal 
responsável pelos materiais radioativos, assim como os desejos também 
radioativos. Sendo assim, os resíduos radioativos: 
a) não apresentam riscos para a população, uma vez que possuímos a CNEN. 
b) constitui um potencial risco para a população, uma vez que são armazenados 
em containers e, em alguns casos, até mesmo sendo lançados no fundo do mar, 
sua carga radiológica possui um período longo de atividade. 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
47 
c) o risco é elevado, mas devido a sua fácil percepção, a contaminação torna-se 
quase improvável. 
d) a descontaminação radiológica é um processo simples e sem risco para a saúde 
pública. 
e) todas as respostas anteriores estão erradas. 
 
9- Faça uma análise e avalie, de forma qualitativa, as fontes de poluição da sua 
cidade. 
 __________________________________________________________________ 
 __________________________________________________________________ 
 __________________________________________________________________ 
 __________________________________________________________________ 
 __________________________________________________________________ 
 __________________________________________________________________ 
 __________________________________________________________________ 
10- Quais seriam as medidas de prevenção das poluições citas na questão anterior 
(questão 9)? 
 __________________________________________________________________ 
 __________________________________________________________________ 
 __________________________________________________________________ 
 __________________________________________________________________ 
 __________________________________________________________________ 
 __________________________________________________________________ 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
48 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
49 
Resíduos Sólidos, sua 
Disposição, Destinação Final 
e seu Tratamento 
Conceitos Básicos. 
Classificação dos Resíduos Industriais. 
Resíduos de Serviço de Saúde. 
Definições para o PGRSS. 
Classe de Resíduos – PGRSS. 
Tratamento de Resíduos. 
 
3 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
50 
 
Nesta unidade, examinaremos os conceitos de forma ampla dos resíduos 
sólidos e semissólidos, permeando as classificações para os ambientes industriais e 
hospitalares, e terminaremos verificando algumas das disposições e destinações 
finais dos resíduos. 
 
Objetivo da Unidade: 
Abordar as classificações dos resíduos para melhor defini-los, obtendo uma 
clareza no seu tratamento, no seu acondicionamento ou na sua disposição final. 
 
Plano da Unidade: 
Conceitos Básicos. 
Classificação dos Resíduos Industriais. 
Resíduos de Serviço de Saúde. 
Definições para o PGRSS. 
Classe de Resíduos – PGRSS. 
Tratamento de Resíduos. 
 
 
Bons estudos! 
 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
51 
 
Conceitos básicos 
 
 
Para os efeitos básicos de conceito, levamos em consideração as definições da 
Norma ABNT 10004/2004. 
 
Resíduos sólidos: resíduos nos estados sólido e semissólido, que resultam de 
atividades de origem industrial, doméstica, hospitalar, comercial, agrícola, de 
serviços e de varrição. Ficam incluídos nesta definição os lodos provenientes de 
sistemas de tratamento de água, aqueles gerados em equipamentos e instalações 
de controle de poluição, bem como determinados líquidos cujas particularidades 
tomem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou corpos de água, 
ou exijam para isso soluções técnicas economicamente inviáveis em face à melhor 
tecnologia disponível. 
 
Perículosidade de um resíduo: característica apresentada por um resíduo 
que, em função de sua: propriedades físicas, químicas ou infecto-contagiosas, pode 
apresentar risco à saúde pública, provocando mortalidade, incidência de doenças 
ou acentuando seus índices; riscos ao meio ambiente, quando o resíduo for 
gerenciado de forma inadequada. 
 
Toxicidade: propriedade potencial que o agente tóxico possui de provocar, 
em maior ou menor grau; um efeito adverso em consequência de sua interação 
com o organismo. 
 
Inflamabilidade: um resíduo sólido é caracterizado como inflamável (código 
de identificação D001), se uma amostra representativa dele, obtida conforme a 
Norma ABNT NBR 10007, apresentar qualquer uma das seguintes propriedades: 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
52 
a) ser líquida e ter ponto de fulgor inferior a 60°C, determinado conforme 
ABNT NBR 14598 ou equivalente, excetuando-se as soluções aquosas com menos 
de 24% de álcool em volume. 
b) não ser líquida e ser capaz de, sob condições de temperatura e pressão de 
25°C e 1 atm produzir fogo por fricção, absorção de umidade ou por alterações 
químicas espontâneas e, quando inflamada, queimar vigorosa e persistentemente, 
dificultando a extinção do fogo; 
c) ser um oxidante definido como substância que pode liberar oxigênio e, 
como resultado, estimular a combustão e aumentar a intensidade do fogo em 
outro material; 
d) ser um gás comprimido inflamável, conforme a Legislação Federal sobre 
transporte de produtos perigosos (Portaria n° 204/1997 do Ministério dos 
Transportes). 
 
Corrosívidade: um resíduo é caracterizado como corrosivo (código de 
identificação D002) se uma amostra dele, obtida segundo a ABNT NBR 10007, 
apresentar uma das seguintes propriedades: 
a) ser aquosa e apresentar pH inferior ou igual a 2, ou, superior ou igual a 12,5, 
ou sua mistura com água, na proporção de 1:1 em peso, produzir uma solução que 
apresente pH inferior a 2 ou superior ou igual a 12,5; 
b) ser líquida ou, quando misturada em peso equivalente de água, produzir 
um líquido e corroer o aço (COPANT 1020) a uma razão maior que 6,35 mm ao ano, 
a uma temperatura de 55°C, de acordo com USEPA SW 846 ou equivalente. 
 
Reatividade: um resíduo é caracterizado como reativo (código de 
identificação D003) se uma amostra representativa dele, obtidasegundo a ABNT 
NBR 10007, apresentar uma das seguintes propriedades: 
a) ser normalmente instável e reagir de forma violenta e imediata, sem 
detonar; 
b) reagir violentamente com a água; 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
53 
c) formar misturas potencialmente explosivas com a água; 
d) gerar gases, vapores e fumos tóxicos em quantidades suficientes para 
provocar danos à saúde pública ou ao meio ambiente, quando misturados com a 
água; 
e) possuir em sua constituição os íons CN - ou S -2 em concentrações que 
ultrapassem os limites de de 250 mg de HCN liberável por qulilograma de resíduo 
ou 500 mg de H2S liberável por quilograma de resíduo, de acordo com ensaio 
estabelecido no USEPA - SW 846; 
f) ser capaz de produzir reação explosiva ou detonante sob a ação de forte 
estímulo, ação catalítica ou temperatura em ambientes confinados; 
g) ser capaz de produzir, prontamente, reação ou decomposição detonante ou 
explosiva a 25°C e 0,1 MPa (1 atm); 
h) ser explosivo, definido como uma substância fabricada para produzir um 
resultado prático, através de explosão ou efeito pirotécnico, esteja ou não esta 
substãncia contida em dispositivo preparado para este fim. 
 
Toxicidade: um resíduo é caracterizado como tóxico se uma amostra 
representativa dele, obtida segundo a ABNT NBR 10007, apresentar uma das 
seguintes propriedades: 
a) quando o extrato obtido desta amostra, segundo a ABNT NBR 10005, 
contiver qualquer um dos contaminantes em concentrações superiores aos valores 
constantes no anexo F da NBR 10004/2004. Neste caso, o resíduo deve ser 
caracterizado como tóxico com base no ensaio de lixiviação, com código de 
identificação constante no anexo F; 
b) possuir uma ou mais substâncias constantes no anexo C daquela e 
apresentar toxicidade. Para avaliação dessa toxicidade, devem ser considerados os 
seguintes fatores: 
- natureza da toxicidade apresentada peio resíduo; 
- concentração do constituinte no resíduo; 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
54 
- potencial que o constituinte, ou qualquer produto tóxico de sua degradação, 
tem para migrar do resíduo para o ambiente, sob condições impróprias de 
manuseio; 
- persistência do constituinte ou qualquer produto tóxico de sua degradação; 
- potencial que o constituinte, ou qualquer produto tóxico de sua degradação; 
- extensão em que o constituinte, ou qualquer produto tóxico de sua 
degradação, é capaz de bioacumulação nos ecossistemas; 
- efeito nocivo pela presença de agente teratogênico, mutagênico, 
carcinogênico ou ecotóxico, associados a substâncias isoladamente ou decorrente 
do sinergismo entre as substâncias constituintes do resíduo; 
c) ser constituída por restos de embalagens contaminadas com substâncias 
constantes nos anexos D ou E da NBR 10004/2004; 
d) resultar de derramamentos ou de produtos fora de especificação ou do 
prazo de validade que contenham quaisquer substâncias constantes nos anexos D 
ou E da NBR 10004/2004; 
e) ser comprovadamente letal ao homem; 
f) possuir substância em concentração comprovadamente letal ao homem ou 
estudos do resíduo que demonstrem uma DL50 oral para ratos menor que 50 
mg/kg ou CL50 inalação para ratos menor que 2 mg/L ou uma DL50 dérmica para 
coelhos menor que 200 mg/kg. 
 
Patogenicidade: um resíduo é caracterizado como patogênico (código de 
identificação D004) se uma amostra representativa dele, obtida segundo a ABNT 
NBR 10007, contiver ou se houver suspeita de conter, micro-organismos 
patogênicos, proteínas virais, ácido desoxiribonucléico (ADN) ou ácido 
ribonucléico (ARN) recombinantes, organismos geneticamente modificados, 
plasmídios, cloroplastos, mitocôndrias ou toxinas capazes de produzir doenças em 
homens, animais ou vegetais. Obs: Os resíduos de serviços de saúde deverão ser 
classificados conforme ABNT NBR 12808. Os resíduos gerados nas estações de 
tratamento de esgotos domésticos e os resíduos sólidos domiciliares, excetuando-
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
55 
se os originados na assistência à saúde da pessoa ou animal, não devem ser 
classificados segundo os critérios de patogenicidade. 
 
Classificação dos Resíduos Industriais 
 
Este item / subitem introduz o tema, situando o problema para o qual se busca 
uma resposta, contextualizando a relação resíduo, reciclagem, reutilização e meio 
ambiente. 
Os resíduos gerados a partir das atividades industriais, estão assim dispostos, 
de acordo com sua classificação pela ABNT NBR-10.004/2004: 
 
Resíduos classe I – Perigosos; 
Resíduos classe II – Não perigosos; 
• Resíduos classe II A – Não inerte; 
• Resíduos classe II B – Inertes. 
 
a)Resíduos Classe I 
Segundo a NBR 10.004/2004, os Resíduos Classe I - Perigosos: São resíduos que 
apresentam risco à saúde pública, provocando ou acentuando, de forma 
significativa, um aumento de mortalidade ou incidência de doenças, e/ou riscos ao 
meio ambiente, quando o resíduo é manuseado ou destinado de forma 
inadequada. Estes resíduos podem apresentar uma das seguintes características: 
inflamabilidade, corrosividade, reatividade, toxicidade ou patogenicidade. 
Nos estaleiros, por exemplo, os resíduos da Classe I apresentam uma 
quantidade significante oriunda da atividade de pintura, óleos combustíveis e 
lubrificantes oriundos dos reparos navais, ambos estes resíduos são 
acondicionados normalmente em bombonas plásticas ou tambores ou na 
embalagem de origem do produto. 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
56 
 
Nestas atividades os principais resíduos Classe I gerados são: 
• Lodo de Fossa séptica; 
• Solventes contaminados com tintas e catalisador; 
• Sobras e borras de tintas; 
• Borras semilíquidas de tintas; 
• Óleo Usado contaminado; 
• Pó e fibra de vidro. 
 
Algumas soluções para os resíduos supracitados: 
O lodo gerado pelo sistema fossa filtro dos estaleiros podem ser retirados 
semestralmente por caminhão a vácuo com respectiva licença do órgão ambiental 
competente, sendo o descarte feito em estação de tratamento de esgoto sanitário 
ou leito de secagem da empresa contratada para posteriormente destinar em 
aterro sanitário. 
Para os demais resíduos (solventes contaminados com tintas e catalisador, 
sobras de tintas, borras semilíquidas de tintas, óleo usado contaminado, pó e fibra 
de amianto, resíduos e lodos de tintas provenientes da pintura), podem ser 
segregados com o armazenamento em abrigo de resíduos, para realização da 
venda, reciclagem ou o descarte economicamente viável e ecologicamente seguro. 
 
b)Resíduos Classe II 
De acordo com a NBR 10.004:04 Resíduos Classe II - são divididos em: 
II-A. Não inertes: Estes resíduos podem ter propriedades tais como: 
combustibilidade, biodegradabilidade ou solubilidade em água. São aqueles que 
não se enquadram nas classificações de resíduos Classe l - Perigosos ou de resíduos 
Classe II-B - Inertes. Ex. Sucata de madeira, resíduos de alimentos, cinzas, papel. 
 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
57 
II-B. Inertes: Quaisquer resíduos que, quando amostrados de forma 
representativa, segundo a NBR 10.007, e submetidos a um contato estático ou 
dinâmico com água destilada ou deionizada, à temperatura ambiente, conforme 
teste de solubilização (NBR 10.006), não tiverem nenhum de seus constituintes 
solubilizados a concentrações superiores aos padrões de potabilidade de água. Ex. 
vidros, tijolos 
 
Segue alguns exemplos de resíduos classeII-A gerados em estaleiros: 
Papel / Papelão; 
Pó de serragem. 
 
Soluções para estes variedades de resíduos: 
O pó de serragem pode ser recolhido e armazenado para as medidas de 
contingências em caso de vazamento de óleo ou outros fluidosagressivos. 
Para o papel e papelão e outros resíduos dessa característica recomenda-se 
uma criação de uma Comissão Interna para tratar dos resíduos gerados, onde esta 
comissão poderá certificar os setores que dispõe de coleta seletiva e multiplicar o 
fato no estabelecimento. 
A geração de resíduos classe II B – Inertes, tem sua geração principal a área de 
produção, nos casos dos estaleiros, tais como, o setor de solda, atividade em dique, 
setores de tubulações e oficina elétrica, gerando normalmente os seguintes 
resíduos: 
• Sucata de metais ferrosos; 
• Sucata de Metais não ferrosos; 
• Resíduos de Plásticos; 
• Resíduos de Borracha; 
• Galões Combustíveis; 
• Madeiras; 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
58 
• Latas de tintas; 
• Vidro. 
 
Para os resíduos citados acima, recomenda-se a coleta seletiva de resíduos de 
acordo com a Resolução CONAMA 275/01 
 
Resíduos de Serviços de Saúde 
 
Os resíduos de saúde, tem sua classificação mediante consideração Ministério 
do Meio Ambiente, que através da Resolução CONAMA 358, institui o PGRSS (Plano 
de Gerenciamento de Resíduos de Serviço de Saúde), classificando os resíduos em 
5 classes: 
• Classe A – Resíduo Biológico; 
• Classe B – Resíduos Químicos; 
• Classe C – Resíduos Radioativos; 
• Classe D – Resíduos Comum; 
• Classe E – Resíduos Perfurocortante. 
 
O Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde constitui-se em um 
conjunto de procedimentos de gestão, planejados e implementados a partir de 
bases científicas e técnicas, normativas e legais, com o objetivo de minimizar a 
produção de resíduos gerados. A implantação desse gerenciamento permiti, um 
encaminhamento seguro e de forma eficiente, visando a proteção dos 
trabalhadores, a preservação da saúde pública, dos recursos naturais e do meio 
ambiente. 
O Plano de Gerenciamento de Resíduos de Saúde (PGRSS) é o documento que 
aponta e descreve as ações relativas ao manejo dos resíduos sólidos, observadas 
suas características, no âmbito dos estabelecimentos, contemplando os aspectos 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
59 
referentes à geração, segregação, acondicionamento, coleta, armazenamento, 
transporte, tratamento e destinação final, assim como a proteção à saúde pública. 
 
Definições para o PGRSS 
 
Segregação: consiste na separação do resíduo no momento e local de 
geração, de acordo com as características físicas, químicas, biológicas, espécie, 
estado físico e classificação. 
 
Acondicionamento: consiste no ato de embalar corretamente os resíduos 
segregados, de acordo com as características, em sacos e/ou recipientes 
impermeáveis, resistentes à punctura, ruptura e vazamentos. 
 
Identificação: conjunto de medidas que permite o reconhecimento dos 
resíduos contidos nos sacos de acondicionamento e recipientes de 
coleta/transporte interno e externo, fornecendo informações ao correto manejo 
dos RSS. Deve ser utilizado o símbolo de risco e manuseio baseado na norma da 
ABNT, NBR 7.500, em local de fácil visualização. 
 
Transporte Interno: consiste no translado dos resíduos dos pontos de 
geração até o local destinado ao armazenamento temporário ou a apresentação 
para a coleta externa. 
 
Armazenamento Temporário: consiste na guarda temporária dos recipientes 
contendo os resíduos já acondicionados, em local próximo aos pontos de geração, 
visando agilizar a coleta dentro do estabelecimento e otimizar o translado entre os 
pontos geradores e o ponto destinado à apresentação para coleta externa. Caso o 
volume de resíduos gerados e a distância entre o ponto de geração e 
armazenamento final justifique, o armazenamento temporário é dispensável. 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
60 
 
Tratamento: consiste na aplicação de método, técnica ou processo que 
modifique as características biológicas ou a composição dos RSS, que leve à 
redução ou eliminação do risco de causar doenças e/ou impacto ambiental. 
 
Armazenamento Externo: consiste na guarda dos recipientes de resíduos até 
a realização da coleta externa, em ambiente exclusivo com acesso facilitado para os 
veículos coletores. 
 
Coleta e Transporte Externo: consistem na remoção dos RSS do abrigo de 
resíduos até a unidade de tratamento ou destinação final, utilizando-se técnicas 
que garantam a preservação da integridade física do pessoal, da população e do 
meio ambiente, devendo estar de acordo com as orientações dos órgãos de 
limpeza urbana. 
 
Destinação Final: consiste na disposição de resíduos no solo previamente 
preparado para recebê-los, obedecendo a critérios técnicos de construção e 
operação, e licenciamento em órgão ambiental competente. 
 
Classe de Resíduos - PGRSS 
 
GRUPO A – RESÍDUOS POTENCIALMENTE INFECTANTES 
São os resíduos com possível presença de agentes biológicos, que por suas 
características de maior virulência ou concentração, podem apresentar risco à 
saúde pública e/ou ao meio ambiente. 
Enquadram-se neste grupo, dentre outros: vacinas, meios de cultura, animais 
usados em experimentação, bem como os materiais que tenham entrado em 
contato com os mesmos, sangue, hemoderivados e bolsas de sangue, excreções, 
secreções e líquidos orgânicos (quando coletados), todos e quaisquer resíduos do 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
61 
Grupo D contaminados por material biológico (papel, luvas, gaze etc.), filtros de ar 
e gases aspirados de área contaminada, membrana filtrante, entre outros similares. 
Esse grupo de resíduos possui uma subdivisão, para melhor esclarecimento 
vide RDC 306 e Resolução CONAMA 358. 
A segregação do resíduo do grupo A deve ser realizada no momento e local 
da sua geração em recipientes específicos para tal. Esta medida minimiza o volume 
gerado de resíduos do Grupo A, uma vez que, o simples contato de resíduos de 
outro grupo com resíduo do Grupo A, os caracterizará como infectante e, portanto 
deve ser tratado como tal. 
 
GRUPO B – RESÍDUOS QUÍMICOS 
São todos os resíduos que contêm substâncias químicas podendo assim 
apresentar riscos a saúde pública ou ao meio ambiente, dependendo de suas 
características de inflamabilidade, corrosividade, reatividade e toxicidade. 
Enquadram-se neste grupo: 
- Saneantes, desinfetantes e desinfestantes; 
- Resíduos contendo metais pesados; 
- Reagentes para laboratório vencidos e/ou restos, isolados ou em conjunto, 
inclusive os recipientes contaminados por estes; 
- Outros resíduos contaminados com substâncias químicas, tais como: objetos 
perfurocortantes e quaisquer resíduos do grupo D que tenham tido contato com 
substâncias químicas; 
- Demais produtos considerados perigosos, conforme classificação da 
Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) – NBR 10.004 (tóxicos, corrosivos, 
inflamáveis e reativos). 
Os resíduos devem ser acondicionados em embalagens compatíveis, com a 
sua capacidade e com a natureza química do produto a ser contido. 
 
Introdução a Engenharia Ambiental 
 
 
62 
Os resíduos sólidos devem ser acondicionados em recipientes de material 
rígido, adequado para cada tipo de substância química, respeitadas as suas 
características físico-químicas e seu estado físico. 
Os resíduos líquidos devem ser acondicionados em suas próprias embalagens 
primárias; caso não mais existam, acondicioná-los em embalagens compatíveis, 
com a sua capacidade e com a natureza química do produto a ser contido. Estas 
embalagens devem ser resistentes, rígidas, estanques com tampa rosqueada e 
vedante. 
Os resíduos devem ser acondicionados observadas as exigências de 
compatibilidade química dos resíduos entre si, assim como de cada resíduo com os 
materiais das embalagens de forma a

Materiais relacionados

Perguntas relacionadas

Materiais recentes

Perguntas Recentes