Química   2 Bimestre
43 pág.

Química 2 Bimestre


DisciplinaQuímica 1º Ano8 materiais153 seguidores
Pré-visualização20 páginas
C
la
ss
if
ic
aç
ão
 p
er
ió
d
ic
a
Química 1M2 1
1/16
C
la
ss
if
ic
a
çã
o
Galáxia de 
Andrômeda
Há muitos e muitos anos
Calcula-se que nosso planeta tenha surgido há cerca de 4,5 bilhões 
de anos. Mas como e do quê?
A Terra talvez tenha se formado do fragmento de milhares ou milhões 
de estrelas que explodiram há bilhões de anos, ou dos restos do Big Bang, 
ou ainda da combinação dos dois (fragmentos de estrelas e resíduos do 
Big Bang). Quem sabe? O fato é que todos os elementos químicos que se 
formam nas estrelas também existem aqui na Terra. Os cientistas afirmam 
que, atualmente, tudo o que existe em nosso planeta é feito da combina-
ção química de, no máximo, 90 elementos químicos. Parece pouco para 
tamanha diversidade de substâncias e seres. É que a quantidade de com-
binações é enorme!
De qualquer forma, o \u2018nascimento\u2019 e a \u2018morte\u2019 de estrelas continuam 
ainda hoje; seus fragmentos são lançados em todas as direções e muitos 
podem chegar (e chegam) à Terra, como meteoritos ou numa espécie de 
chuva cósmica.
Atingindo a atmosfera da Terra, alguns desses fragmentos se desinte-
gram, outros são incorporados à natureza: passam a fazer parte da com-
posição do planeta e participam dos ciclos da vida.
 O texto diz que a Terra foi criada a partir de vários elementos quími-
cos. Você já parou para pensar sobre a origem do Universo? Qual sua opi-
nião sobre a teoria discutida no texto? De tempos em tempos, as afirma-
ções dos cientistas acerca de determinadas teorias mudam. Você saberia 
dizer o porquê? Reúnam-se em grupos, discutam e exponham suas opi-
niões para o restante da sala.e
le
m
e
n
to
s
p
e
ri
ó
d
ic
a
 d
o
s
Orientação ao profes-
sor \u2014 O objetivo des-
sa atividade é instigar a 
curiosidade e fazer com 
que os alunos pensem 
a respeito da origem do 
Universo e posicionem-
se criticamente sobre o 
assunto a par tir de suas 
próprias experiências de 
vida. Discuta com eles 
sobre os avanços tecno-
lógicos e científicos que 
contribuem para anular ou 
melhorar uma teoria cien-
tífica e os fatores que in-
fluenciam na sua aceita-
ção ou não. Incentive-os 
a se expressarem e intro-
duza o conceito dos ele-
mentos químicos.
A par tir desta unidade, 
poderão ser desenvolvi-
dos os projetos Metais 
pesados e Construção 
de uma tabela periódi-
ca encontrado no final 
dos módulos.
C
la
ss
if
ic
aç
ão
 p
er
ió
d
ic
a
C
la
ss
if
ic
aç
ão
 p
er
ió
d
ic
a 
d
os
 e
le
m
en
to
s
2 Química 1M2
2/16
C
la
ss
if
ic
aç
ão
 p
er
ió
d
ic
a
C
la
ss
if
ic
aç
ão
 p
er
ió
d
ic
a 
d
os
 e
le
m
en
to
s
Química 1M2 3
3/16
1. Ao final desse módulo, você encontrará 
cartões contendo elementos químicos e suas 
propriedades. Destaque-os.
2. Com a ajuda dos cole-
gas, agrupe os elementos 
que apresentam proprie-
dades semelhantes. 
3. Disponha-os, 
então, numa or-
dem tal que se 
possa estabelecer 
uma lei que permi-
ta a qualquer pes-
soa organizá-los.
Como classificar os elementos químicos?
Os elementos químicos foram descobertos de forma 
lenta e gradativa. Em 1650, onze elementos eram conhe-
cidos: prata, arsênio, ouro, carbono, cobre, ferro, mer-
cúrio, chumbo, enxofre, antimônio e estanho. Não se 
sabe exatamente quando foram descobertos e quem os 
descobriu.
Antimônio elementar ocorre raramente na natureza. Exis-
tem inúmeros minérios contendo antimônio, embora poucos 
sejam utilizados comercialmente; dentre eles a estibinita \u2014 
Sb2S3 (sulfeto de antimônio) \u2014 é o mais importante. 
Os maiores produtores mundiais de minério de anti-
mônio são: Bolívia, Rússia e México. Alguns depósitos de 
importância comercial estão na França, Alemanha, China, 
Chile, México, Peru, EUA, Canadá e Espanha. São raras as 
ocorrências de antimônio no Brasil; a mais importante está 
situada na região do Quadrilátero Ferrífero, no estado de 
Minas Gerais.
Henning Brand, químico alemão, acreditava que pela 
urina poderia criar ouro. Fracassou. Entretanto, em 1669, 
descobriu acidentalmente uma substância cerosa que bri-
lhava no ar, o fósforo. Desde então, descobriu-se quase 
uma centena de novos elementos químicos.
Fósforo (do grego phosphó-
ros, portador de luz) é elemento 
usado em fogos de artifício; vidros 
especiais usados para lâmpadas 
de sódio; tratamento de água (com 
fosfato de sódio, Na3PO4); fabri-
cação de fertilizantes e pesticidas; 
produtos farmacêuticos.
No século XVIII, com as crescentes descobertas de 
novos elementos, os cientistas começaram a se preo-
cupar em organizá-los de alguma forma. Em 1829, por 
exemplo, Döbereiner reuniu-os em grupos de três (tría-
des); o grupo do meio tinha massa atômica aproximada-
mente igual à média aritmética dos outros dois.
Por volta de 1860 pouco mais de 60 elementos se 
tornaram conhecidos. Chancourtois os dispôs em or-
dem crescente de pesos atômicos, numa espiral de 45° 
em volta do cilindro. Tal disposição tornou-se conhecida 
como parafuso telúrico.
Em 1864, Newlands organizou uma tabela com linhas 
horizontais, cada qual contendo sete elementos dispos-
tos em ordem crescente de suas massas. O oitavo ele-
mento apresentava propriedades semelhantes às do pri-
meiro. Newlands inspirou-se na música para criar essa 
lei de organização \u2014 lei das oitavas. 
No mesmo ano, Julius Lothar Meyer estudou inú-
meras propriedades dos elementos, reunindo os seme-
lhantes em seis grupos, de acordo com suas valências. 
Na mesma época em que Meyer desenvolvia seus tra-
balhos, Mendeleyev dedicava-se ao estudo da organiza-
ção dos elementos. 
Pesquise a biografia de Dimitri Ivanovich
Mendeleyev (1834\u20141907).
Em 1869, Mendeleyev criou um cartão para os 63 ele-
mentos conhecidos. Cada cartão continha o símbolo do 
elemento, a massa atômica e suas propriedades quími-
cas e físicas. Organizou esses cartões em ordem cres-
cente de massas atômicas, agrupando os elementos de 
propriedades semelhantes.
Propriedades químicas são as que envolvem as reações 
que cada elemento pode realizar, enquanto as físicas \u2014 como 
pontos de fusão, ebulição, entre outras \u2014 não alteram sua na-
tureza.
Mendeleyev procurava uma lei maior que regesse o 
comportamento dos elementos químicos. A história conta 
que a inspiração veio no momento em que ele se prepa-
rava para uma importante viagem. Foi quando ele esbo-
çou o \u201cEnsaio de um sistema\u201d, tabela em que aparecia 
uma rede de relações: vertical, horizontal e diagonal en-
tre os elementos.
 0 2 4 6 8 10 12 14 16
2
4
6
8
10
12
14
16
18
20
22
24
26
28
30
32
 14 
12 10
0 8
 
2
 
4 6
2
4
6
8
10
12
14
16
18
20
22
24
26
28
30
32
H
Li
Be
C
N
OO
Na
Mg
Si
P
SS
S
em
el
ha
nç
a
Massa 
atômica
Planificado
M
as
sa
 
at
ôm
ic
a
H
Li
Na
O
Orientação ao Pro-
fessor \u2014 No final 
deste capítulo, você 
encontrará uma ta-
bela em branco. Uti-
lize-a quando for ex-
plicar a classificação 
periódica dos elemen-
tos e, à medida em que 
for explicando as famílias, 
peça aos alunos que os 
pintem de acordo com um 
critério de cores em co-
mum. Faça isso somente 
com as famílias \u201cAs\u201d, 1B e 
2B. Em seguida, oriente-
os a plastificá-la. Confira 
e permita seu uso durante 
as provas. O objetivo des-
te trabalho é ajudá-los a 
se familiarizar com a ta-
bela, bem como relevar os 
elementos que são mais 
impor tantes.
Biografia
Orientação ao profes-
sor \u2014 Solicite a uma 
equipe de alunos para or-
ganizar uma breve biogra-
fia de Mendeleyev, com 
foto ou gravura, contendo 
os pontos mais importan-
tes, para se fixar na sala 
de aula.
Atividade Paralela
Orientação ao profes-
sor \u2014 Peça aos alunos 
que