A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Experimento 4

Pré-visualização | Página 1 de 2

Química Geral Experimental 1, Carlos Frederico Santos Martins, Experimento 4Pertubação do Equilíbrio
Ex
pe
rim
en
to
 4
Carlos Frederico Santos Martins
Departamento de Química Fundamental, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil
Professor: Roberto Dias
Data da prática: Dia/Mês/Ano; Data de entrega do relatório: Dia/Mês/Ano
Resumo
Este experimento consiste em demonstrar o equilíbrio , a variação e solubilidade de 
alguns solventes e solutos, também tendo no experimento o estudo de Le Chatelier 
como equilíbrio de Cromato – Dicromato e o Ion Cu.
Palavras chaves: Solubilidade; Le Chatelier ;Cromato-Dicromato;
Introdução
Em 1884 na França Henri Louis Le Châtelier 
(1850 – 1936) postulou que um sistema em 
equilíbrio tende a se compensar sobre influencia 
de situações perturbadoras, tentando tender ao 
equilíbrio. Seja elas por variações de pressão, 
temperatura ou concentração o equilíbrio tende 
ajustar-se ou adaptar-se de forma a diminuir o 
efeito perturbador. Vamos supor um sistema 
fechado de duas fase (liquido e gás), ao 
perturbamos com calor e sistema tende a formar 
mais gazes tendo um aumento de calor menor do 
que se fosse somente uma única fase , onde 
parte do calor foi consumido para a formação 
deste gás. Outro exemplo é em relação a 
soluções e concentrações super saturadas, no 
qual aquecemos o solvente afim de sua 
concentração de soluto seja maior que a 
permitida pelo solvente, a solução se mantêm 
misturada em um pseudo equilíbrio até uma 
pertubação interna como a adição de soluto, 
após a pertubação forma-se um precipitado com 
a quantidade do soluto colocado após pseudo 
equilíbrio mais excesso da super saturação do 
solvente, tornando ao equilíbrio normal entre 
solvente e soluto. Na situação do experimento 
vamos demostrar este equilíbrio em forma de 
precipitados em algumas situações com 
diferentes solventes e solutos. 
Metodologia
1a)Colocou-se 1 mL de água e 1 mL de 
tolueno em 3 tubos de ensaios formando duas 
fases. Adicionou-se 3 cristais de CrCl3 no 
primeiro tubo, CoCl2 no segundo e Iodo 
no terceiro e observou-se em qual solvente os 
solutos descritos são mais solúveis.
1b)Colocou-se 1 mL de AgNO3(0,1M )
e adicionou-se aos poucos K 2CrO 4(0,1M )
até parar a formação de precipitado, observou-se 
a mudança de cor a cada adição de cada gota.
Decantou-se e lavou-se o precipitado até a 
faze aquosa ficar incolor.
Em outro tubo adicionou-se oxalato de 
sódio aos poucos em 1ml de AgNO3(0,1M ) , 
repetiu-se o processo da anterior.
Adicionou-se 3 gotas de Cromato de 
potássio ao tubo contendo o precipitado formado 
entre prata /oxalato e adicionou-se 3 gotas 
de oxalato de sódio (0,1M) ao precipitado de 
cromato de prata.
1c)Colocou-se num tubo de ensaio 1mL de 
Pb(NO3)2(0,1M ) e adicionou-se KI até 
completar o precipitado de iodeto de chumbo, 
colocou-se por 5 mim em banho maria. 
Observou-se e aguardou-se esfriar na estante, 
observou-se se precipitado de PbI 2 era 
exotérmico ou endotérmico.
1
Química Geral Experimental 1, Carlos Frederico Santos Martins, Experimento 4
2a)Em um tubo de ensaio colocou-se cerca 
de 1mL de K 2CrO 4(0,1M ) , adicionou-se 1 
gota de HCl .Repetiu-se o procedimento com
K 2CrO7(0,1M ) e adicionou-se nos dois 
tubos NaOH e observou-se a alcalinidade através 
de sucessões de HCl e NaOH.
Colocou-se 2mL de BaCl (0,1M) em um tubo 
de ensaio e adicionou-se cromato de potássio aos 
poucos até parar a formação de precipitado. De 
forma semelhante adicionou-se ao tubo 
contendo Cloreto de Bário. Adicionou-se 1mL HCl 
no sistema BaCl /K 2CrO 4 e 1mL de NaOH 
no sistema K 2Cr2O7/BaCl2 .
2b)Colocou-se 1mL de sulfato de cobre 
(0,3M) em um tubo e adicionou-se HCl 
concentrado aos poucos, observou-se a mudança 
de cor e parou-se quando completou o processo, 
adicionou-se aos poucos água até voltar a cor 
original, colocou-se o tubo em banho maria e 
observou-se a cor após 5 mim, depois de 5 mim 
colocou-se em banho de gelo, observou-se.
Resultados e Discussão
1a)De acordo com sua polaridade cada um 
dos solutos se depositaram ou dissolveram em 
alguma das fases (tolueno/água) como descreve 
a tabela abaixo.
Soluto
Solventes
Polaridade
Tolueno Água
CrCl3
Não 
Solúvel
Solúvel Polar
CoCl2
Não 
Solúvel
Não 
Solúvel
Polar
Iodo Solúvel Não 
Solúvel
Apolar
1b)Preparou-se os tubos e observou-se a 
formação de precipitados.
prata /oxalato Cromato de Prata
Com a adição de K_2 CrO_4 em AgNO_3 
ocorreu-se a seguinte reação:
2AgNO3 (aq)+K 2CrO 4(aq)=Ag2CrO4 (s)↓+2KNO3 (aq )
Formou-se um precipitado de Ag 2CrO4
de coloração marrom avermelhada, e na adicção 
de oxalato de sódio formou-se precipitado de 
Ag 2C2O4 de coloração branca ocorrido na 
seguinte reação:
2 AgNO3 (aq)+Na2C 2O 4(aq)=Ag2C2O 4( s)↓+2NaNO3 (aq)
O produto de solubilidade (Kps) tanto no 
Ag 2CrO4 como no Ag 2C2O4 são muito 
pequenos, respectivamente 1,1×10−12 e 
3,5×10−11 , após adição de cromato de 
potássio em na reação do cromato de prata 
ocorre a seguinte reação:
Ag 2C2O4 (s)+K 2CrO 4(aq)→Ag2CrO4 (s)+K2C2O4 (aq)
Formando o precipitado do sistema 
prata /oxalato , e adicionando oxalato de 
sódio neste sistema ocorre a reação:
Ag 2CrO 4(s )+Na2C 2O4(aq)→ Ag2C 2O 4(s )↓+Na2CrO4 (aq )
formando o precipitado do sistema cromato 
de prata.
1c)Após a adição de KI à solução de 
Pb(NO3)2 , formou-se um precipitado 
amarelo. Este precipitado amarelo é o PbI 2 e 
a reação que o origina é a seguinte: 
Pb(NO3)2 (aq)+2KI(aq)→PbI 2(s )↓+2KNO3(aq)
Observou-se que ocorreu-se um processo 
endotérmico na formação do precipitado.
2
Química Geral Experimental 1, Carlos Frederico Santos Martins, Experimento 4
2a)Observou-se a seguinte variação de Ph de 
acordo com as sucessivas adições de HCl e NaOH:
Cromato + 
HCl
+1 
gota de 
NaOH
+1 
gota de 
NaOH
+3 
gotas de 
HCl
PH = 7 pH=9 pH=12 pH=4
Dicromato + 
HCl
+1 
gota de 
NaOH
+4 
gotas de 
NaOH
+3 
gotas de 
HCl
pH=2 pH=4 pH=11 pH=4
O HCl doa ions H+ a reação aumentando o 
Ka ocorrendo a seguinte reação com a base 
conjugada do K_2CrO_4:
2CrO 4+2H
+ →Cr2O7
2− +H 2O 
Com a adição de HCl aumenta a 
concentração de H+ no sistema e a formação de 
mais Cr2O 7
2− dando o aspecto laranja à 
solução .
Com a adição de NaOH, os ions H+ são 
consumidos e tende a formação de Cr2O 4
2− , 
ions cromato, dando a formação de uma cor 
amarela.
Na etapa com BaCl /K 2CrO 4 ele reage 
com a seguinte equação:
K 2CrO 4(aq)+BaCl2 (aq )→BaCrO4 (s)+2KCl(aq)
Formando um precipitado de cor amarelada, 
com a adição de HCl o precipitado se torna de cor 
laranja que com a adição de ions H+ tende a 
formação do dicromato em segundo plano, 
formando uma reação de 
K2Cr2O7(aq)+2BaCl2(aq)+H 2O(l)
→2BaCrO4 (s)+2HCl(aq )+2KCl(aq)
Na reação K 2Cr2O7/BaCl2 com a 
adição de NaOH ions H+ são consumidos 
formando um precipitado de cor amarela
Isso por que tende a formação de cromato 
Cr2O4
2−
2b)Adicionou-se HCl concentrado a solução 
de Sulfato de cobre, mudando da cor azul para 
verde após 15 gotas, adicionando-se água voltou 
ao normal, com o aquecimento, o equilíbrio 
tende para a formação de H 2SO4 como na 
reação descrita abaixo voltado a cor verde.
CuSO4+2HCl→H 2SO4+CuCl 2
Após esfriar colocou-se no banho de gelo e a 
reação tende a formar CuSO4 , tornando a 
cor azul de volta
Conclusão
De acordo com a teoria de Le Chatelier,