A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
70 pág.
Apostila-Questionários-Textos Complementares de Dir. Penal II

Pré-visualização | Página 11 de 21

vvííttiimmaass ddiiffeerreenntteess.. AApplliiccaa--
ssee aa ppeennaa mmaaiiss ggrraavvee ddooss ccrriimmeess pprraattiiccaaddooss,, ssee ddiivveerrssaass,, oouu uummaa 
úúnniiccaa,, ssee iiddêênnttiiccaass,, ccoonnttuuddoo,, ppooddeennddoo oo JJuuiizz aauummeennttaarr aa ppeennaa aattéé oo 
ttrriipplloo.. 
 
 
�� TTEEOORRIIAASS DDOO CCRRIIMMEE CCOONNTTIINNUUAADDOO 
 
 
TTeeoorriiaa oobbjjeettiivvaa –– AAffiirrmmaa qquuee ppaarraa aa ooccoorrrrêênncciiaa ddoo ccrriimmee ccoonnttiinnuuaaddoo 
bbaassttaa ttããoo ssoommeennttee aa pprreesseennççaa ddee ccoonnddiiççõõeess ppuurraammeennttee oobbjjeettiivvaass aa 
eessttaabbeelleecceerr oo nneexxoo eennttrree ooss ccrriimmeess ssuubbsseeqqüüeenntteess ee oo pprriimmeeiirroo.. 
((AAddoottaaddaa ppeelloo CCóóddiiggoo PPeennaall)).. 
TTeeoorriiaa ssuubbjjeettiivvaa –– AAffiirrmmaa ddaa nneecceessssiiddaaddee ddaa pprreesseennççaa ddoo mmeessmmoo 
eelleemmeennttoo ssuubbjjeettiivvoo,, ccoonnssuubbssttaanncciiaaddoo nnaa uunniiddaaddee ddee ddeessííggnniiooss.. 
TTeeoorriiaa oobbjjeettiivvaa--ssuubbjjeettiivvaa –– AAffiirrmmaa ddaa nneecceessssiiddaaddee ddaa pprreesseennççaa nnããoo 
ssóó ddaass ccoonnddiiççõõeess oobbjjeettiivvaass aa eessttaabbeelleecceerr oo nneexxoo eennttrree ooss ccrriimmeess,, 
mmaass ttaammbbéémm ddaa uunniiddaaddee ddee ddeessííggnniiooss.. 
 
NNOOTTAASS:: ((11)) CCoonnssooaannttee oo vveerrbbeettee ddaa SSúúmmuullaa 660055//SSTTFF,, nnããoo éé 
aaddmmiittiiddaa aa ccoonnttiinnuuiiddaaddee ddeelliittiivvaa qquuaannddoo ssee ttrraattaarr ddee ccrriimmeess ccoonnttrraa 
aa vviiddaa.. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 ((22)) NNoo ccoonnccuurrssoo ddee ccrriimmeess,, ppooddeemm ooss mmeessmmooss sseerr 
ccoonnssuummaaddooss ee//oouu mmeerraammeennttee tteennttaaddooss.. 
 
 
44..22..44.. EERRRROO NNAA EEXXEECCUUÇÇÃÃOO 
 
 
�� HHaavveerráá eerrrroo nnaa eexxeeccuuççããoo ((aabbeerrrraattiioo iiccttuuss)),, qquuaannddoo oo aaggeennttee ppoorr 
aacciiddeennttee oouu eerrrroo nnoo uussoo ddooss mmeeiiooss ddee eexxeeccuuççããoo,, aattiinnggee ppeessssooaa 
ddiivveerrssaa ddaaqquueellaa qquuee pprreetteennddiiaa ooffeennddeerr.. RReessppoonnddee oo aaggeennttee ccoommoo 
ssee ttiivveessssee ooffeennddiiddoo aa ppeessssooaa pprreetteennddiiddaa.. CCoonnttuuddoo,, ssee ttaammbbéémm ffoorr 
aattiinnggiiddaa aa ppeessssooaa qquuee oo aaggeennttee ddeesseejjaavvaa,, hhaavveerráá ccoonnccuurrssoo ffoorrmmaall 
ddee ccrriimmeess ((pprróópprriioo oouu iimmpprróópprriioo)).. 
Eduardo Queiroz de Mello 34
 
44..22..55.. RREESSUULLTTAADDOO DDIIVVEERRSSOO DDOO PPRREETTEENNDDIIDDOO 
 
�� DDáá--ssee oo rreessuullttaaddoo ddiivveerrssoo ddoo pprreetteennddiiddoo ((aabbeerrrraattiioo ddeelliiccttii)),, qquuaannddoo 
oo aaggeennttee ppoorr aacciiddeennttee oouu eerrrroo nnaa eexxeeccuuççããoo ddoo ccrriimmee,, aallccaannççaa 
rreessuullttaaddoo ddiivveerrssoo ddoo pprreetteennddiiddoo,, ffoorraa ddooss ccaassooss eennqquuaaddrraaddooss ccoommoo 
eerrrroo nnaa eexxeeccuuççããoo.. PPoorrttaannttoo,, ppooddee--ssee aaffiirrmmaarr qquuee oo aabbeerrrraattiioo ddeelliiccttii 
ee ggêênneerroo ddoo qquuaall oo aabbeerrrraattiioo iiccttuuss éé eessppéécciiee.. RReessppoonnddee oo aaggeennttee aa 
ttííttuulloo ddee ccuullppaa ppeelloo rreessuullttaaddoo aallccaannççaaddoo,, ddeessddee qquuee oo ccrriimmee sseejjaa 
pprreevviissttoo ccuullppoossaammeennttee.. SSee ssee aallccaannççaa ttaammbbéémm oo rreessuullttaaddoo 
pprreetteennddiiddoo,, hhaavveerráá ccoonnccuurrssoo ffoorrmmaall ddee ccrriimmeess ((pprróópprriioo oouu 
iimmpprróópprriioo)).. 
Eduardo Queiroz de Mello 35
TEXTO COMPLEMENTAR 01 
 CONCURSO DE CRIMES 
 
1. DEFINIÇÃO: 
� Diz-se concurso de crimes quando mais de um crime é praticado, 
mediante unidade ou pluralidade de ações. 
� Não se deve confundir ação com ato, na medida em que, ação 
caracteriza-se como manifestação de vontade dirigida a um fim 
preconcebido pelo agente, enquanto que ato é tão somente o 
movimento corpóreo. Assim, uma só ação pode compor-se de 
vários atos, que ganham unidade por ser uma só manifestação de 
vontade, como no caso de quem desfere várias “facadas” na 
vítima com vistas a matá-la. Pratica somente uma ação com 
diversos atos. 
� Existem crimes que se praticam em um 
só ato, denominados unissubsistentes – 
p. ex., a injúria verbal, onde não se 
pode fracionar a ação, pelo que 
inadmitem a forma tentada. 
� Pode haver concurso entre crimes dolosos e culposos, 
consumados e tentados, comissivos e omissivos, e entre crime e 
contravenção (existe polêmica doutrinária e jurisprudencial, vez 
que os dispositivos legais só se referem a crimes). 
� No nosso Código Penal, não há dúvida de que o concurso de 
crimes é estudado na teoria das penas, mais especificamente no 
que respeita à sua aplicação concreta. 
 
2. SISTEMAS DE APLICAÇÃO DAS PENAS: Existem dois 
sistemas principais no tocante à aplicação das penas no concurso de 
crimes no Código Penal pátrio, a saber – o do cúmulo material 
(concurso material de crimes e concurso formal impróprio) e o da 
exasperação (concurso formal próprio e crime continuado). 
 
3. CONCURSO MATERIAL DE CRIMES: Segundo o art. 
69/CP, haverá concurso material de crimes quando o agente mediante 
mais de uma ação ou omissão pratica dois ou mais crimes idênticos 
(concurso material homogêneo) ou diversos (concurso material 
heterogêneo). 
Eduardo Queiroz de Mello 36
 
� Há, portanto, pluralidade de condutas 
e pluralidade de delitos – dolosos e 
culposos, consumados e tentados, 
comissivos e omissivos. 
 
� Tem-se, p. ex., o concurso material de crimes, quando o agente 
furta e pratica um estupro – de maneira seqüenciada, não havendo 
lapso temporal entre eles, ou quando furta um veículo, 
atropelando um pedestre por imprudência na condução do carro, 
e finalmente, estacionando na zona boêmia, toma uma mulher à 
força, estuprando-a ali mesmo, dentro do carro – concurso entre 
furto (art. 155/CP), lesão corporal culposa (art. 303/CTB) e 
estupro (art. 213/CP). 
 
� É irrelevante ao concurso material que 
sejam os crimes praticados na mesma 
ocasião ou em momentos, dias diversos. 
 
� Poderão os crimes ser objetos de processo único ou diversos, 
contudo, pelo que disposto no art. 82 do CPP e 66, III, “a” da 
LEP (Lei n. 7.210/84), a solução dada ao concurso, havendo 
sentenças definitivas em todos os processos, poderá ser resolvida 
no Juízo das Execuções, pelo Juiz competente. 
 
� A solução que se mostra no art. 69 do 
CP, é a do cúmulo material, ou seja, 
são as penas somadas, havendo, 
entretanto o Juiz que fixar 
separadamente as reprimendas para cada 
um dos crimes, obedecendo ao critério 
trifásico de fixação das penas 
privativas de liberdade. Diz o Código, 
que se houver cumulação entre reclusão 
e detenção, executa-se primeiro 
aquela, muito embora seja uma 
disposição inútil, na medida em que 
Eduardo Queiroz de Mello 37
não há diferença entre ambas se 
estipulados o mesmo regime inicial 
(semi-aberto ou aberto). 
 
� No parágrafo primeiro do art. 69, vem disposto que se em relação 
a uma das penas por um dos crimes não houver a concessão do 
“sursis”, não poderá haver a substituição das demais penas 
privativas por alternativas, por razões óbvias, já que não há como 
executar pena privativa e alternativa ao mesmo tempo. Contudo, 
diz o parágrafo segundo, se ao fixar