Miologia geral
3 pág.

Miologia geral


DisciplinaAnatomia Veterinária I6.001 materiais81.193 seguidores
Pré-visualização1 página
Miologia geral
Nos organismos multicelulares as células musculares possuem propriedades de contratilidade e condutividade. Sua disposição sugere que elas sejam denominadas fibras ao invés de células. A contração do citoplasma de uma célula alongada, como uma fibra pode efetuar uma substancial redução no comprimento da célula.
O tecido muscular é classificado tanto morfológica como funcionalmente, como liso (involuntário, não estriado), cardíaco (involuntário estriado) ou esquelético (voluntario, estriado).
O musculo liso ocorre principalmente como massas de células, de formato fusiforme, nas paredes dos ossos ocos e vasos sanguíneos. Bem como em determinadas glândulas, no baço no globo ocular e nos folículos pilosos. As contrações são fracas, mas ,sustentadas e , na maioria dos casos rítmicas. A ação não esta sob o controle da vontade.
As fibras do músculo cardíaco possuem estriações transversais e estão dispostas em massas irregulares, como as extremidades de determinadas fibras entrando em contato com os lados de outras. As contrações ocorrem involuntariamente.
O músculo esquelético consiste num feixe de fibras multinucleadas. Cada fibra contem miofibrilas dispostas longitudinalmente em uma matriz de sarcoplasma que esta limitada por uma fina membrana, o sarcolema. Os núcleos (ate diversas centenas por fibra) estão dispostos perifericamente. A fibra parece ser estriada transversalmente devido à alteração dos miofilamentos espessos e finos das miofibrilas. As fibras normalmente não se estendem por todo o comprimento do musculo. Elas terminam ao afixarem-se ao tecido conjutivo investidor, embora algumas delas possam ser dispostas mais ou menos de extremidade a extremidade. Algumas fibras parecem ser escuras (vermelhas); outras são claras (brancas). As contrações das fibras escuras são tônicas, sendo sustentadas por períodos relativamente prolongados, mas com pouca força. As fibras claras por outro lado, contraem-se fasicamente, a amplitude das contrações aumentando até um pico e depois sendo seguida por relaxamento. A cor do músculos nos mamíferos depende das proporções dos dois tipos entrelaçados de fibras. Os músculos que sustentam o corpo, em posição de pé, tenderiam a possuir uma preponderância de fibras escuras.
Ao redor de cada fibra, externamente ao sarcolema, há uma fina camada de tecido conjuntivo (endomísio). Cada feixe de fibras (fascículo)está circundado por uma maior quantidade de tecido conjuntivo (perimísio) A camada externa ao redor de todo o músculo é o epimísio. Os elementos do tecido conjuntivo são contínuos com o tecido conjuntivo pelo qual o músculo se insere no esqueleto ou em outros músculos. O tecido conjuntivo distribuído no musculo ou ao seu redor varia do denso ate o frouxo na sua consistência. As membranas de tecido conjuntivo que separam os músculos uns dos outros e os firmam na posição são denominadas de fáscia. Normalmente a camada definitiva que investe os grupos de músculos e que envia septos intermusculares é a fáscia profunda. Uma camada mais frouxamente agrupada próxima à pele é a fáscia superficial. A fáscia profunda muitas vezes possui mais de uma camada e varia na espessura, dependendo de sua localização. Massas consolidadas de tecido conjuntivo, nas extremidades do músculo, formam tendões que se inserem no perióstio, do qual se estendem pequenos processos para dentro de depressões em áreas ásperas do osso. O tendão normalmente é mais fino do que o músculo. As áreas musculares de inserções são normalmente mais lisas, mas podem ser representadas por linhas mais indistintas. As inserções tedinosas poderão produzir proeminências ósseas. Sulcos são formados quando os tendões passam sobre superfícies ósseas. Estes, naturalmente refletem a adaptação da estrutura e da função e são relativamente constantes entre os indivíduos da mesma espécie.
As fibras musculares podem possuir uma disposição paralela, os feixes sendo perpendiculares, oblíquos ou horizontais em relação ao musculo como um todo. Quando os fibras paralelas inserem-se no tendão em ângulo. O musculo é penado. A disposição poderá ser unipenada, bipenada ou multipenada. As fibras de musculo fusiforme convergem sobre um tendão nas duas extremidades do musculo. A parte mais espessa do musculo é o ventre. A presença de um tendão intermadiárioproduz dois ventres, tornando o músculo digastrico. Os músculos podem ter uma ou ambas extremidades divididas, ou podem ser separados longitudinalmenteou ate obliquamente. Alguns músculos contem intercecções tenndineas. A quantidade e disposição do tecido conjuntivo varia de um músculo para outro, bem como de região para região. Faixas tendinosas são numerosas em determinados músculos, mas podem quase não ser observadas em outros.
Novas fibras em um músculo esquelético não são formadas ap[os o nascimento. O crescimento no tamanho dos músculos ´´e produzido pelo aumento no tamanho das fibras existentes, as quais aumentam ainda mais com o exercício. Quando partes dos músculo são destruídas, o reparo pracegue com a substituição por tecido conjuntivo. O peso corporal pode aumentar pela deposição de gordura dentro e entre as fibras musculares. Quando o suprimento do nervo eferente a algum músculo for destruído, o músculo se atrofia e, a menos que o nervo se regenere sem grandes demoras, as fibras musculares são substituídas por tecido conjuntivo. Os músculos ativos são ricamente supridos por vasos sanguíneos; músculos atrofiados tem a aparência pálida.
Cada músculo esquelético é suprido por feixes de fibras que se separam, d emodo variável, fora e dentro das partes mais profundas do músculo. Os nervos podem se originar de um ou de vários segmentos da medula espinhal, dependendo da extensão do musculo ou grupo de músculos. Grupos de músculos antagônicos são normalmente supridos por nervos diferentes, embora os nervos possam surgir dos mesmos segmentos da medula espinhal. Por meio da ramificação de seu axônio, uma célula nervosa motora supre muitas fibras musculares, casda ramo formando uma terminação em uma fibra muscular. A célula, seu axônio e as fibras musculares por ela supridas constituem um unidade motora. Alguns músculos possuem mais fibras musculares por unidade motora do que outros. Músculos com muitas unidades motoras, por um dado numero de fibras mibras musculares, são capazes de ação mais precisa. Os grandes músculos possuem menos unidades motoras, cada uma com muitas fibras musculares.
Na maioria dos músculos, Próximo às junções com o tendão, há fusos neuromusculares. O fuso contem uma ou mais fibras, cada uma suprida de grandes fibras nervosas sensoriais. O estiramento do músculo é registrado através do fuso muscular, resultando em um aumento reflexo no tônus muscular. 
A força total exercida por uma contração muscular é a soma das forças exercidas por suas fibras individuais. Cada fibra se contrai ate seu limite máximo, reduzindo seu comprimento de um terço à metade. Uma seção transversal composta através de todas as suas fibras determina a força potencial de um músculo. Músculos com fibras longas produzem uma gama relativamente grande de movimentos. Isto é ainda mais realçado quando os fascículos são longos. Fibras penadas