A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Características dos molares inferiores

Pré-visualização | Página 1 de 1

Características dos molares inferiores
 
Cada arco dentário possui 6 dentes molares inferiores divididos em: 1º molar, 2º molar e 
 3º molar.
Irrompem antes dos seus respectivos superiores.
Apresentam 4 ou 5 cúspides maiores, das quais duas são sempre linguais e apresentam aproximadamente o mesmo tamanho.
Todos os molares inferiores são maiores no sentido mésio-distal do que no sentido vestíbulo-lingual. Dessa forma o contorno da coroa pode apresentar-se quadrangular ou pentagonal.
O contorno vestibular da coroa tem uma forte inclinação para a face lingual.
Coroa inclinada para o sentido lingual a partir da base da raiz, posicionando as cúspides em oclusão apropriada com os antagonistas superiores e distribuindo a força através do longo eixo do dente.
Geralmente possuem duas raízes ou são bifurcados, com uma raiz mesial e outra distal, ambas demonstrando uma inclinação distal grande ou moderada.
Cada raiz apresenta dois canais radiculares.
Características do Primeiro Molar Inferior (36 ou 46)
É conhecido como `` dente dos seis anos`` devido ao seu tempo de erupção.
É o maior dente da boca.
Apresenta coroa alongada (sentido mésio-distal).
Face vestibular
Contorno trapezoidal de grande base na oclusal e base menor na linha cervical que é praticamente reta.
Os elementos descritivos mais importantes dessa face são as três cúspides: Mésio-vestibular, Vestibular média e disto-vestibular, estas são separadas por sulcos verticais que são sulco mésio-vestibular (mais profundo) e sulco disto-vestibular (termina geralmente numa fosseta no centro da face vestibular). Cada cúspide apresenta ápice e arestas.
A face vestibular é muito convexa na área de bossa vestibular (terço cervical).
A cúspide mésio-vestibular é maior, seguida das cúspides vestibular mediana e disto-vestibular (Ordem de tamanho: mésio vestibular > vestibular mediana > disto-vestibular). Com isso a borda oclusal é inclinada da mesial para a distal.
A borda mesial é mais alta, tem maior área de contato na junção do terço médio e terço oclusal e é mais retilínea que a borda distal. A borda distal é mais arredondada. Ambas convergem bastante para o colo.
 
Face lingual
Tem contorno semelhante à face vestibular, porém é menor pois as faces mesial e distal convergem para a lingual.
Apresenta 2 cúspides: mésio-lingual e disto-lingual (projetam-se na borda oclusal). Cada cúspide apresenta um ápice e duas arestas.
As cúspides são separadas pelo sulco lingual que não é tão pronunciado e não termina em fosseta.
A face lingual é convexa em todas as direções e não se inclina para como ocorre com a face vestibular.
Apresenta um sulco: sulco lingual que separa as cúspides mésio-lingual e disto-lingual (ele não é muito destacado e não termina em fosseta).
Face de contato
A face mesial é maior que a face distal. Nesse sentido, as faces livres convergem para a distal.
Face oclusal
Mais larga na borda mesial do que na distal e mais larga na borda vestibular do que na lingual.
Faces vestibular e lingual convergem para a distal e faces mesial e distal convergem para a lingual (isso faz com que a face lingual seja menor que a face vestibular).
Borda vestibular curvilínea, é entrecortada pelas cúspides e pelos sulcos que as separam. A borda vestibular sofre acentuação na porção distal. Portanto, é mais convexa que a borda lingual.
As cristas marginais mesial e distal delimitam a superfície oclusal propriamente dita.
Nenhuma aresta transversal é observada nessa face (como ocorre com os molares superiores).
Nessa face verificam-se três fossas: fossa central maior e fossas triangulares mesial e distal menores. A fossa central encontra-se na junção dos sulcos mésio-vestibular, disto-vestibular e lingual.
Os sulcos principais podem se organizar de maneiras variáveis.
No arranjo mais comum dos sulcos principais, o sulco mésio distal não é uma linha retilínea e sim uma linha quebrada com três ângulos, em forma de letra w com ramos bem abertos. No ângulo do meio, onde se unem os ramos internos do w, termina o sulco proveniente da face lingual (sulco lingual), formando a fossa central (fosseta central). Nos vértices dos outros dois ângulos, terminam os sulcos provenientes da face vestibular. O sulco mésio-vestibular é ligeiramente mesial em relação à fosseta central, e o disto-vestibular une-se com o sulco mésio-distal entre a fosseta central e a fosseta distal e o sulco disto-vestibular se une com o sulco mésio-distal entre a fosseta central e a fosseta distal.
Cristas oclusais vestibulares e linguais: formadas pela união das faces oclusais.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.