Gabarito_Externalidades
12 pág.

Gabarito_Externalidades


DisciplinaTeoria Microeconomica III93 materiais302 seguidores
Pré-visualização3 páginas
Externalidades 
1) Com relação aos conceitos de bem público e externalidades, é correto afirmar que:
 (0) Falso. Este é exatamente o resultado conhecido na literatura como Teorema de Coase. 	Segundo Coase, \u201cem mercados com externalidade\u201d, se os direitos de propriedade estão 	atribuídos sem ambigüidade e se as partes envolvidas podem negociar sem custos, então as 	partes irão alcançar um resultado Pareto ótimo (eficiente), independentemente de como os 	direitos de propriedade, mas somente se as preferências dos consumidores forem quaselineares.
Falso. O fato de as preferências serem quaselineares não elimina os efeitos distributivos decorrentes da distribuição original dos direitos de propriedade.
Falso. Uma externalidade na produção ou consumo ocorre quando não existe um mercado de trocas para aquele bem específico. No caso particular do problema, ocorreu um excesso de demanda que se traduziu em elevação do nível de preço.
Verdadeiro. Na presença de externalidades positivas, o benefício marginal privado será diferente (maior) do que o benefício marginal social, de modo que nem toda alocação resultante do equilíbrio de mercado será eficiente no sentido de Pareto.
 Na presença de externalidades positivas no consumo, o Primeiro Teorema da Economia do Bem-Estar Social pode ser inválido.
2) Julgue as afirmativas:
 (0) Verdadeiro. Na presença de externalidades, o custo privado (que resulta no equilíbrio competitivo) é sempre diferente do custo social. Assim, há distorções na alocação eficiente. Um exemplo de externalidade negativa é o caso de uma empresa siderúrgica que polui o rio. Do ponto de vista privado, ela provoca um nível maior de poluição do que o ótimo social, pois desconsidera o custo imposto na empresa pesqueira que vive da pesca. Se ela, porém, incorporar essa externalidade negativa, que causa na produção da pesqueira, diminuirá esse tipo de poluição.
(1)	Falso. O Teorema de Coase diz que quando as partes podem negociar sem custo e com possibilidade de obter benefícios mútuos e sem custos de transação, o resultado das transações será eficiente, independente de como os direitos de propriedade estejam especificados se os direitos de propriedade estiverem bem especificados e se as preferências forem quaselineares na moeda.
(2) Falso. O imposto eficiente não é sobre o lucro, mas sim sobre a quantidade de poluição gerada e deve fazer com que o custo marginal de produção seja igual à externalidade negativa provocada. Poderia ser via um imposto de Pigou.
(3) Falso. Se Uma empresa possua tecnologia de produção que gere externalidade positiva, ela deve ter sua produção aumentada para aumentar o bem-estar social. Somente no caso de uma externalidade negativa, ela deve ter sua produção reduzida para aumentar o bem-estar social. 
3) Levando em conta que o número total de habitantes é 1001 e considerando que d é o número de horas que o agente típico dirige e que h é o número total de horas que os demais habitantes passam dirigindo. Posemos dizer que h = 1000.d. Assim, podemos reescrever a função de utilidade de um habitante típico como:
U(m, d, h) = m + 16d \u2013 d2 \u2013 6h/1000 = m + 16d - d2 - 6d.1000/1000 = m + 10d - d2
Por outro lado pela restrição orçamentária, Pm.m = 40 ( m = 40.
Assim, podemos substituir \u201cm\u201d na função de utilidade acima e otimizar o problema em d. Isto é, o consumidor típico irá maximizar as suas horas de direção (d) dado que o custo Cd = 0.
A condição de primeira ordem será dada por:
4) 
Primeiro, devemos notar do enunciado da questão que o indivíduo B (não fumante) é que possui o direito de propriedade. Assim sendo, para que o consumidor A possa fumar e gerar uma extenalidade de consumo (poluição), ele deverá pagar ao indivíduo B por esse direito.
\ufffd
Assim, indivíduo A irá subtrair de sua renda mA, o gasto com a indenização ao indivíduo B que será p.f (preço unitário por cada unidade de ar x quantidade de fumaça gerada). O indivíduo B, por sua vez irá receber uma indenização referente ao valor pago por A, ou seja p.f que será acrescida à sua renda:
O indivíduo A maximiza portanto:
Para achar o ponto de máximo, derivamos a expressão acima com relação à variável a ser maximizada que será f:
Da mesma forma, o indivíduo B irá resolver o seguinte problema:
Para achar o ponto de máximo, derivamos a expressão acima com relação à variável a ser maximizada que será f:
Substituindo o p obtido pela condição do indiíviduo B na condição do indivíduo A, teremos:
Mas, repare que f é um número entre 0 e 1 e assim sendo f = 0,25. Poratnto, o indivíduo A deverá pagar ao indivíduo B a quantia G = pf = 
Logo, 36.g = 36.(1/3) = 12
5) Com relação aos conceitos de externalidade e bens públicos, avalie as afirmativas:
(0)	Falso. A primeira parte da frase \u201cNa presença de externalidades positivas na produção, o mercado competitivo oferece uma quantidade menor do que a socialmente ótima do bem em questão\u201d está correta. O problema está na explicação, pois isto ocorre porque a quantidade oferecida é tal que o valor do benefício social marginal é maior do que o benefício privado marginal e não menor.
(1)	Verdadeiro. Para resolver problemas de poluição a taxação é, por vezes, preferível à imposição de quotas de emissões de poluentes quando se conhece o custo marginal de redução de poluentes das empresas.
(2)	Falso. Em mercados com externalidades, se os direitos de propriedade são atribuídos sem ambigüidade e se as partes podem negociar sem custos e se as preferências forem quaselineares, um Equilíbrio Eficiente de Pareto pode ser logrado via mercado. Mas, a distribuição dos direitos de propriedade tem quaisquer conseqüências distributivas.
6) Em relação ao tratamento das falhas de mercado, avalie as afirmativas:
(0)	Verdadeiro. É exatamente isso, o imposto Pigouviano sobre a poluição tem por objetivo induzir o poluidor a internalizar os custos que este impõe aos demais agentes, e assim reproduzir as condições que caracterizam o nível de poluição eficiente de Pareto. 
(1)	Falso. O teorema de Coase afirma que, quando as partes puderem negociar livremente visando ao benefício mútuo, o resultado será eficiente, independentemente da presença de custos de transação e de como estejam alocados os direitos de propriedade. Mas faltou dizer que esse resultado só é válido se não houverem custos de transação e se os direitos de propriedade estiverem bem-definidos. Repare que a atribuição de direitos de propriedade não é a única instituição social capaz de incentivar o uso eficiente de recursos comuns. Temos a criação de regras sobre a intensidade de utilização da terra comunitária, a definição de taxas de contribuição para seu uso, a criação de normas éticas. 
7) A respeito de externalidades, julgue as afirmações:
(0) Verdadeiro. Se as preferências dos agentes forem quase-lineares, o teorema de Coase afirma que toda solução eficiente deve ter a mesma quantidade de externalidade, independente da distribuição dos direitos de propriedade, ou seja, toda solução eficiente deve ter a mesma quantidade de externalidade independentemente de como estejam fixados os direitos de propriedade, mas haverá consequências distributivas.
\ufffd
(1) Falso. O teorema de Coase afirma que quando as partes puderem negociar livremente visando o benefício mútuo, o resultado será eficiente, supondo que não haja custos de transação e que os direitos de propriedade sejam bem definidos. 
(2) Verdadeiro. Os recursos de propriedade comum (como uma praça pública, que não é excludente, mas é rival) são utilizados até o ponto em que o custo privado é igual ao retorno adicional gerado, o que implica sobre-utilização do recurso, ou seja, o equilíbrio de mercado resulta em uma alocação maior do que aquela referente ao ótimo social. 
(3) Verdadeiro. Se ao produzir, uma firma gera externalidade negativa na forma de poluição, para cobrar