A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
14 pág.
2 AreasFuncionais da qualidade

Pré-visualização | Página 2 de 2

Processo
1. Layout (Arranjo Físico) 
Consiste em organizar a a disposição dos móveis e equipamentos no local de
trabalho. Com os seguintes objetivos:
Continuação
Melhorar o bem estar, e conseqüentemente, o rendimento das pessoas.
Permitir maior eficiência no fluxo de trabalho.
Melhorar a própria aparência do local.
Proporcionar melhor utilização da área disponível.
Proporcionar uma situação favorável a clientes e visitantes.
Proporcionar facilidade de coordenação.
Simone Bacellar Leal Ferreira – simone@uniriotec.br UNIRIO
Demora excessiva no desenvolvimento de trabalhos.
Excessivo acúmulo e concentração de pessoas e formulários.
Fluxo de trabalho inadequado.
Projeção espacial inadequada de locais de trabalho, gerando insatisfações.
Problemas na locomoção de pessoas ao longo dos locais de trabalho.
A. Problemas que Indicam a Necessidade de Arranjo Físico
2. Modelo Sistêmico da Função Produção
Terceiro Subsistema: Engenharia do Processo
1. Layout (Arranjo Físico) Continuação 
 
Continuação
10
Simone Bacellar Leal Ferreira – simone@uniriotec.br UNIRIO
B. Princípios Básicos da Elaboração de um Arranjo Físico
Setores de atendimento ao público devem ser dispostos próximos à entrada (ou
no térreo).
Setores que realizam tarefas complementares ou similares devem ser dispostos
próximos.
Setores devem ser dispostos de modo a permitir uma rápida e eficiente visão
dos empregados.
Setores que possuem um grande fluxo recíproco de informações devem ser
dispostos próximos.
Agrupar, no térreo, unidades que operam grandes máquinas e equipamentos.
2. Modelo Sistêmico da Função Produção
Terceiro Subsistema: Engenharia do Processo
1. Layout (Arranjo Físico) Continuação 
 
Continuação
Simone Bacellar Leal Ferreira – simone@uniriotec.br UNIRIO
2. Modelo Sistêmico da Função Produção
Terceiro Subsistema: Engenharia do Processo
1. Layout (Arranjo Físico) Continuação 
 
C. Tipos de Arranjo Físico
Arranjo físico por produto: equipamentos são
colocados da forma lógica em que as operações
são executadas no produto.
Arranjo físico por processo: equipamentos são
agrupados considerando-se sua similaridade.
Continuação
11
Simone Bacellar Leal Ferreira – simone@uniriotec.br UNIRIO
D. Cuidados que devem ser tomados
Computadores devem ser posicionados em condições adequadas de
iluminação. Cuidados com reflexos nas telas
Fatores que proporcionam maior conforto aos empregados geram maior
motivação e rendimento.
Atenção com a localização de portas, janelas, pilastras, interruptores, lâmpadas,
ventilação, dependências de serviço etc.
O ambiente deve ter uma boa apresentação visual.
2. Modelo Sistêmico da Função Produção
Terceiro Subsistema: Engenharia do Processo
1. Layout (Arranjo Físico) Continuação 
 
Continuação
Simone Bacellar Leal Ferreira – simone@uniriotec.br UNIRIO
2. Modelo Sistêmico da Função Produção
Terceiro Subsistema: Engenharia do Processo
2. Desenvolvimento do Processo 
Envolve as atividades inerentes às funções operacionais que tratam da
transformação dos materiais.
O fluxo de atividades no desenvolvimento do processo requer atenção especial
com relação a dois aspectos: tipo de operação (contínua ou intermitente) e
controle de produção.
Na operação contínua o produto passa por um fluxo longo
de operação sem sofrer interrupções bruscas, com no
arranjo por processo. Já na operação intermitente: envolve
condições de produção que exigem freqüentes interrupções
da máquina, com no arranjo por produto.
Continuação
12
Simone Bacellar Leal Ferreira – simone@uniriotec.br UNIRIO
2. Modelo Sistêmico da Função Produção
Terceiro Subsistema: Engenharia do Processo
2. Desenvolvimento do Processo Continuação 
 
Continuação
O controle da produção: consiste de um
conjunto de procedimentos bem definidos que
tem por objetivo a coordenação de todos os
elementos da produção a fim de obter baixo
custo e melhor resultado da produção. Envolve
tanto o controle do processo (mais abrangente e
serve de feedback para o sistema global) como
o controle do produto.
Simone Bacellar Leal Ferreira – simone@uniriotec.br UNIRIO
2. Modelo Sistêmico da Função Produção
Terceiro Subsistema: Engenharia do Processo
3. Serviços de Apoio 
São atividades auxiliares ou de suporte ao processo produtivo:
Almoxarifado
Manutenção
Ferramentaria
Apontamento de mão de obra
Armazenagem
Etc.
Continuação
13
Simone Bacellar Leal Ferreira – simone@uniriotec.br UNIRIO
3. Administração da Produção
As atividades que envolvem o processo de
transformação devem ser administradas. A área
da administração envolve três atividades básicas:
Especificar e acumular elementos de entrada: atividades que devem ser feitas
antes que o processo produtivo tenha início pois garantem os recursos necessários
(equipamentos, mão de obra, matéria prima etc.) para que a produção tenha um
fluxo contínuo.
Instalação do processo de transformação: atividades que envolvem as decisões
sobre o tipo de processo, equipamento e máquinas a serem usados.
Coordenação e operação do processo produtivo: atividades que possuem como
objetivo garantir que a produção se dê de forma eficiente. São atividades do tipo
definição de rotina de material, programação, divisão de tarefas etc.
Simone Bacellar Leal Ferreira – simone@uniriotec.br UNIRIO
3. Administração da Produção
Alinhamento da Função de Produção com a Estratégia Organizacional
A função produção possui três papéis fundamentais dentro da
estratégia organizacional.
1. Apoiar a estratégia definida pela empresa: desenvolver
recursos para que a organização atinja seus objetivos..
2. Implementar a estratégia empresarial: por em prática a
estratégia.
3. Impulsionar a estratégia empresarial: obter uma vantagem
competitiva a longo prazo (fazendo melhor, fabricando
melhores produtos, entregando melhores serviços etc.)
Continuação
14
Simone Bacellar Leal Ferreira – simone@uniriotec.br UNIRIO
3. Administração da Produção
A produção contribui para a estratégia organizacional. Atingir os
cinco objetivos de desempenho:
1. Vantagem em qualidade
2. Vantagem em rapidez
3. Vantagem em confiabilidade
4. Vantagem em flexibilidade
5. Vantagem em custo
Continuação