A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
CASOS CONCRETOS. 01 a 05

Pré-visualização | Página 2 de 2

PGR. 
 
A intervenção federal dependerá de provimento do STF, e não do STJ, como requisito para a 
decretação de intervenção Art. 36. A decretação da intervenção dependerá: 
III - de provimento, pelo Supremo Tribunal Federal, de representação do Procurador-Geral da 
República, na hipótese do art. 34, VII, e no caso de recusa à execução de lei federal. (NR) 
 
SEMANA 4 
Descrição 
Prova: 27º Exame de Ordem - 1ª fase 
1 - O poder reformador constitucional possui limitações de vários matizes. Assinale a única opção que 
não traduz uma dessas limitações: 
1. A impossibilidade de um cidadão ser signatário de um projeto de emenda à Constituição 
2. O quorum qualificado de dois terços para aprovação de projetos de emenda à Constituição 
3. A proibição de apresentação de projetos de emenda à Constituição durante a vigência de estado de 
sítio 
4. A necessidade de tramitação bicameral de todos os projetos de emenda à Constituição 
 
2 - Nomeie, com alusão à defesa do Estado e das instituições democráticas, a opção válida: 
A. Constituem pressupostos para a decretação do Estado de Sítio a comoção grave de repercussão 
nacional, a ocorrência de fatos que comprovem a ineficácia de medida tomada durante o Estado de 
Defesa e a declaração do Estado de Guerra ou resposta a agressão armada estrangeira; 
B. O Estado de Defesa, da mesma forma que o Estado de Sítio, só poderá ser decretado pelo Presidente 
da República, após autorização do Congresso Nacional; 
C. O tempo de duração do Estado de Defesa e do Estado de Sítio não poderá ser superior a 30 (trinta) 
dias improrrogáveis; 
D. Os atos praticados pelo executor da medida, durante o Estado de Defesa, não estão sujeitos, de vez 
que resultantes da instauração de um sistema de legalidade extraordinária, o controle judicial. 
 
Caso concreto: (ESAF/EPPGG-MPOG/2009) As imunidades de Deputados ou Senadores só podem 
subsistir durante o estado de sítio mediante o voto de dois terços dos membros da Casa respectiva, 
nos casos de atos praticados fora do recinto do Congresso Nacional, que sejam compatíveis com a 
execução da medida. Analise justificadamente a assertiva. 
 
R: A assertiva está errada, pois a Constituição garante que se decretado estado de sítio as imunidades 
dos parlamentares, em regra, subsistirão e só em caráter excepcional é que poderão sofrer restrição. 
 
 A assertiva está errada, uma vez que as imunidades subsistirão em caso de sítio e só podem ser 
suspensas mediante o voto de dois terços da casa respectiva, e não ser mantida com os votos. 
Como prevê o art. 53, §8º: CF/88 
 
SEMANA 5 
Descrição 
Com relação ao que dispõe a CF acerca da disciplina das forças armadas, assinale a opção incorreta. 
A) É garantida ao militar a remuneração do trabalho noturno superior à do diurno. 
B) A sindicalização é proibida ao militar. 
C) Ao militar que esteja em serviço ativo é proibida a filiação a partido político. 
D) Os eclesiásticos são isentos do serviço militar obrigatório em tempo de paz. 
 
Caso Concreto: Um integrante da polícia militar de determinado estado da Federação pretende 
participar de processo eleitoral na condição de candidato a vereador do município onde reside. O 
militar conta com onze anos de serviço na polícia militar e não possui filiação partidária, mas entende 
que o art. 142, § 3.º, inciso V, da Constituição Federal, que proíbe que o militar, enquanto em serviço 
ativo, possa estar filiado a partido político, aplica-se apenas aos militares federais. Assim, ele pretende 
participar da convenção partidária que vai oficializar a relação de candidatos de determinado partido, 
orientado que foi no sentido de que o registro da candidatura suprirá a ausência de prévia filiação 
partidária. Nessas circunstâncias, o militar solicita aos seus superiores a condição de agregado, pois é 
sua intenção, se não for eleito, retornar aos quadros da corporação. 
Considerando a situação hipotética apresentada, responda, de forma fundamentada, às seguintes 
perguntas. 
a) Pode o policial militar ser candidato a vereador sem se afastar definitivamente da corporação? 
Sim, pois o militar possui mais de dez anos de corporação. Art. 14, §8º da CF. 
 
b) Está correto o entendimento segundo o qual a vedação de filiação partidária, enquanto em serviço 
ativo, não se estende aos militares dos estados? 
Está errado, pois a própria Constituição expressamente para essa situação, equipara os militares dos 
Estados, aos militares das Forças Armadas. Art.42 § 1º 
c) Está correta a orientação no sentido de que o registro da candidatura suprirá a falta de filiação 
partidária? 
Correto, o TSE decidiu por resolução que o militar, na falta de filiação partidária poderá participar do 
pleito por meio de registro direto de sua candidatura. 
d) Poderá o militar, se não for eleito, retornar aos quadros da polícia militar? 
Pode, se o militar tiver mais de dez anos, ficará agregado durante o período de campanha eleitoral, 
podendo pedir o retorno a ativa. Se for eleito, passa para a reserva. ( art 14 , §8º, ll, CRF/88)