relatorio analise de Mg+2 e Ca+2 em água salgada
25 pág.

relatorio analise de Mg+2 e Ca+2 em água salgada


DisciplinaLaboratório de Química Analítica75 materiais306 seguidores
Pré-visualização5 páginas
Universidade Federal de São Paulo \u2013 Campus Diadema 
 Curso: Ciências Ambientais 
 UC: Química Analítica para Ciências Ambientais 
 
 
 
 
 
Relatório de Química Analítica 
Parte II - Quantitativa 
 
 
 
Determinação da concentração dos íons Mg2+ e Ca2+ em água do mar 
 
 
 
 
Discentes: 
Graziela Dantas Gonzaga 
Rafael Gobeti Faquim Pereira 
 
Docente: 
Profa. Dra, Lucildes Pita Mercuri 
 
 Diadema 
 Junho, 2017 
 Universidade Federal de São Paulo \u2013 Campus Diadema 
 Curso: Ciências Ambientais 
 UC: Química Analítica para Ciências Ambientais 
 
1. INTRODUÇÃO 
 
1.1 \u2013 Ciclo Hidrológico, Importância da água. 
A água do planeta Terra está distribuída em oceanos, lagos, rios e aquíferos 
(águas subterrâneas) sendo 97% do total somente nos oceanos, por isso é e necessário 
compreender os elementos químicos que os constituem, se existe uma contribuição 
maior dos rios, ou se os oceanos contribuem com maior efeito. 
O ciclo hidrológico revela que toda água existente nos continentes presentes nos 
cursos d\u2019águas correntes, ou seja, os rios, chegarão ao mar, e isto se deve ao fato que a 
geologia de formação da Terra propiciou este fato. Logo, suspeita-se de que a 
contribuição fluvial tenha um aporte maior nos oceanos, porém isso não pode ser dito 
com certeza pois acima de tudo, é necessário avaliar o perfil geológico da plataforma 
continental onde a bacia do rio contribuinte se localiza. Concomitantemente ocorre uma 
mistura entre os grãos dos dois ambientes, marinho e continental. Ressaltando que para 
entender a dissoluções de sais nos oceanos é necessário compreender o ciclo hidrológico 
e a geologia de origem, tais como os tipos de rochas que ao serem erodidas liberarão 
quais tipos de íons para o meio (MARES USP, 2017), a seguir um esquema do ciclo 
hidrológico. 
 Universidade Federal de São Paulo \u2013 Campus Diadema 
 Curso: Ciências Ambientais 
 UC: Química Analítica para Ciências Ambientais 
 
 
Figura1. Ciclo da água. Fonte: Universidade Federal da Paraíba (UFPB). 
A variação de salinidade de um oceano para outro depende do balanço, 
precipitação x evaporação em conjunto com a capacidade de mistura da massa 
d\u2019água de superfície quente com a massa d\u2019água profunda fria, mas no geral 
mudanças na salinidade não tem efeito nas proporções relativas dos constituintes 
maiores, eles mudam na mesma proporção fazendo que as razões iônicas não se 
alterem (MARES USP, 2017). 
A importância do Ca2+ e Mg2+ na vida marinha é essencial pois constituem a 
parte estrutural dos organismos, o cálcio em conjunto com o bicarbonato, são usados 
por estes e quando morrem eles se dissolvem na água, o Magnésio pode substituir o 
Cálcio, e a relação entre a água do mar aquecida e as rochas na crosta e a alteração 
nestes dois ambientes, pode ocasionar uma diferença nesta razão Mg/Ca. 
 
1.2. Métodos empregados na análise quantitativa 
A Química Analítica trata-se de um segmento da ciência química que, separa, 
identifica e quantifica elementos presentes em uma relativa amostra, também chamado 
de analito (SILVA, 2011), além disso o objetivo deste ramo é o desenvolvimento dos 
 Universidade Federal de São Paulo \u2013 Campus Diadema 
 Curso: Ciências Ambientais 
 UC: Química Analítica para Ciências Ambientais 
 
métodos para os itens que caracterizam a química analítica, anteriormente citado, o 
resultado final de todas as etapas é produzir o conhecimento científico em diversas áreas 
do conhecimento que posteriormente será aperfeiçoado e adaptado para a identificação, 
separação e quantificação do que for desejado ao analista em sua pesquisa ou 
desenvolvimento, proporcionando novas metodologias. Neste sentido pode-se dizer que 
a Química Analítica é assim como as outras ciências naturais, dinâmica. Para a análise 
dos elementos e dos íons presentes na amostra é necessário dividir em duas fases, a 
saber, Qualitativa e Quantitativa. 
A análise quantitativa é como o próprio nome sugere, a quantificação das espécies 
na amostra envolvida, e suas metodologias podem ser empregadas na forma clássica e 
instrumental (SILVA, 2011). 
 
1.2.1. Análise quantitativa clássica; 
\u2022 Gravimetria; os pré-requisitos para se usar este método é que todo o precipitado 
formado seja insolúvel e além disso ele também deve ser filtrável e lavável para não 
levar impurezas do vaso reacional onde fora formado (BACCAN et al. 1979), 
\u2022 Volumetria; é a técnica empregada para se conhecer a concentração de 
determinado soluto, no caso o analito de volume conhecido e transferido para um 
Erlenmeyer e então com uma solução onde se conhece o volume e molaridade, chamado 
de titulante, é adicionado até que todo o analito tenha sido consumido (SKOOG et al. 
2007). 
 Ao conhecer estes dois métodos de análise clássica da química analítica 
quantitativa é necessário compreender qual o tipo de titulação empregada no 
 Universidade Federal de São Paulo \u2013 Campus Diadema 
 Curso: Ciências Ambientais 
 UC: Química Analítica para Ciências Ambientais 
 
experimento deste relatório, a saber para que o mesmo ocorra é imprescindível ter um 
titulante, na qual se conhece sua concentração e um analito, na qual a concentração é 
desconhecida. Como titulante deste experimento, usa-se o EDTA (ácido 
etilenodiaminotetracético), este é um ligante multidentado, ou seja, ele formará um 
complexo 1:1 com o íon metálico, sendo estáveis em uma única etapa, mas que alteram 
bruscamente seu ponto de equivalência, caracterizando uma titulação complexiométrica 
(BACCAN et al. 1979) 
Para o indicador usa-se os metalocrômios, que ao se ligarem a íons metálicos 
formam quelatos, estes possuem uma cor diferente a do indicador livre e para se 
conseguir uma detecção do ponto final de titulação não deve se exagerar na quantidade 
adicionada a solução. Durante este processo o indicador libera o íon metálico para ser 
complexado pelo EDTA que deixará seu pM o mais próximo possível do ponto de 
equivalência (BACCAN et al. 1979). 
O indicador utilizado neste experimento fora o Negro de Eriocromo T ou Erio T, 
este possui um papel fundamental, ao formar o quelato metálico, dois hidrogênios se 
perdem pelo grupo azo, o Erio T é representado como um ácido triprótico e os 
hidrogênios presentes são provenientes de um grupo sulfônico e os outros dois do grupo 
fenólico, as reações de dissociação acontecem em pH diferentes representado por 
colorações diferentes para cada etapa. A seguir o esquema de dissociação do Erio T, em 
diferentes pH; (BACCAN et al. 1979) 
 
 
 
 Universidade Federal de São Paulo \u2013 Campus Diadema 
 Curso: Ciências Ambientais 
 UC: Química Analítica para Ciências Ambientais 
 
 
 
Figura 2: Esquema de dissociação do Indicador Eriocromo T, Química Analítica Quantitativa Elementar, 
BACCAN et al. 1979 
 
Quando usado com EDTA, a faixa de pH em que ocorre é de 8 a 10, formando 
uma coloração azul proporcionada pela espécie HIn2-. 
 
1.3. Importância da lavagem e aferimento das vidrarias 
As vidrarias utilizadas em um laboratório de análise quantitativa, precisam e 
devem ser aferidos com os limites que os regem, pois assim se tem uma precisão muito 
próximo da literatura e diminuindo os erros que podem surgir e atrapalhar o analista, 
porém antes de iniciar o aferimento propriamente dito é necessário que estas vidrarias 
sejam lavadas com todos os requisitos, pré-dispostos em protocolos ou relatórios de 
normas para as devidas análises a serem realizadas. 
 
2. OBJETIVOS 
 O objetivo deste experimento é de mostrar a importância da química 
analítica para a formação de um cientista ambiental, pois é necessário