A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
422 pág.
Regra RBNA 2006 Navegação Interior

Pré-visualização | Página 2 de 50

CONTEÚDO 
 
 
Capítulo ITEM Pág. 
Introdução 
 I1. Gerência Executiva do RBNA ................................................................................................. Intr - 1 
 I2. Comitês Técnicos .................................................................................................................... Intr - 1 
 I3. Aplicações Destas Regras ........................................................................................................ Intr - 1 
 I4. Conteúdo Básico Desta Regra .................................................................................................. Intr - 2 
 I5. Condições Gerais de Atuação do RBNA ................................................................................... Intr - 6 
 
 
PARTE 1 – CLASSE – ENQUADRAMENTO 
TÍTULO 01 – CLASSE - ATRIBUIÇÃO 
 
Seções CAPÍTULOS SUBCAPÍTULOS ITEM Pág. 
100 - Classificação pelas presentes Regras 1-1 
200 - Significado das atividades fim 1-1 
A1. Atuação no serviço de 
classificação 
300 - Significado das atividades meio 1-1 
100 – Vistorias de conformidade 1-1 
A – Atividades do 
RBNA 
A2. Atuação em serviços 
compatíveis com a classifi-
cação 
200 - Extensão de vida / reconstrução (“life extensi-
on” ou “rebuilding”) 
1-1 
B1. Fazer Jus a uma classe 100 - “ Modus Operandi ” 1-1 
B2. Definições 100 - Termos aqui utilizados 1-2 
100 - Critérios das classes 1-2 B3. Classes disponíveis – 
menções 200 - Sumário de códigos de classe 1-3 
B4. Classes e requisitos 
correspondentes 
100 - Descrição dos requisitos 1-3 
100 - Validade da classe 1-4 
B – Significado da 
Classe 
B5. Período de validade de 
um ciclo de classificação 200 - Suspensão ou retirada da classe 1-4 
100 - Conteúdo do Livro de Registro 1-4 C1. Registros de caracterís-
ticas 200 - Emissão e atualização do Livro de Registro 1-4 
C2. Controle de “status” da 
classe 
100 - Controle das vistorias periódicas 1-4 
100 - Número para navio classificado 1-4 
C – Livro de Re-
gistro 
C3. Número do registro do 
navio 200 - Número para serviço na fase de entrada em 
classe 
1-4 
100 – Estabelecimento de critérios 1-5 D1. Propósito e identifica-
ção 200 – Identificação desta Regra 1-5 
100 – Texto 1-5 
200 – Emissão e atualização do Livro de Regras 1-5 
Seção 1 – 
Classifica-
ção – Fatos 
D – Livro de Re-
gras 
D2. Texto e revolução das 
Regras 
300 – Evolução do Livro de Regras 1-5 
 
 Índice - 2 
 
Seções CAPÍTULOS SUBCAPÍTULOS ITEM Pág. 
100 – Critério de organização 1-5 
200 – Organização da primeira divisão 1-5 
300 – Organização da segunda divisão 1-6 
D3. Organização desta 
Regras 
400 – Organização da terceira divisão 1-6 
D4. Texto base e textos 
específicos 
100 – Aplicação de textos 1-6 
D – Livro de Regras 
D5. Identificação de tex-
tos referentes à emissão 
de certificados estatutá-
rios 
100 – Marcação de textos 1-6 
E1. Solicitação para rece-
ber a classe 
100 – Documento de solicitação 1-6 
100 – Compromisso do contratante 1-7 E2. Compromisso do con-
trato 200 – Compromisso do contrato 1-7 
100 – Condição rotineira 1-7 
E – Contrato de 
Classificação 
E3. Validade do contrato 
200 – Condição especial 1-7 
F1. Certificado de classe 100 – Divisão em dois certificados 1-7 
100 – Condição rotineira 1-7 F2. Validade do certifica-
do 200 - Condição especial 1-7 
F – Certificado de 
Classe 
F3. Autoridade para emi-
tir o certificado 
100 – Condição 1-8 
100 – Construção a iniciar 1-8 
200 – Construção em andamento 1-8 
300 – Navio já construído 1-8 
G1. Estado da construção 
400 – Grande reparo ou transformação 1-8 
G – Condições das 
embarcações para 
classificação 
G2. Operação dos navios 100 – Formação dos condutores do navio 1-8 
H – Remuneração do 
trabalho 
H1. Propósito 100 – Fins de remuneração 1-9 
100 – Responsabilidade na classificação 1-9 I – Responsabilidade I1. Propósito 
200 – Responsabilidade nas vistorias estatutárias 1-9 
J – Intervenções não 
concernentes à clas-
sificação 
J1. Abrangência 100 – Condições de atuação 1-9 
100 – Abrangência 1-10 T1. Propósito 
200 – Procedimentos 1-10 
Seção 1 – 
Classifica-
ção – Fatos 
T – Inspeções e Tes-
tes 
T2. Registro das inspe-
ções e testes 
100 – Relatórios de inspeções 1-10 
100 – Entrada em classe 1-11 A1. Início do ciclo de 
classificação 200 – Ciclo de classificação 1-11 
A2. Etapas a partir da 
construção 
100 – Seqüência de etapas 1-11 
A3. Etapas para constru-
ção iniciada 
100 – Seqüência de etapas 1-11 
Seção 2 - 
Classifica-
ção – Ge-
rência 
A – Etapas da Clas-
sificação 
A4. Etapas para navio 
existente 
100 – Seqüência de etapas 1-11 
 A5. Etapas para grande 
reparo ou modificação 
100 – Seqüência de etapas 1-11 
 
 Índice - 3 
 
Seções CAPÍTULOS SUBCAPÍTULOS ITEM Pág. 
100 – Conformidade com as Regras 1-12 B1. Análise e cálculos 
200 – Cálculo direto 1-12 
B2. Projetos especiais 100 – Análise especial 1-12 
B – Análise do pro-
jeto 
B3. Atendimento às 
NORMAMs 
100 – Análise e aprovação de conformidade 1-12 
100 – Vistoria de supervisão de construção de casco 
e maquinaria a seco e flutuando 
1-12 
200 – Vistorias para classificação de casco e de ma-
quinaria à seco 
1-12 
C1. Supervisão da cons-
trução de navios novos 
300 – Vistorias para classificação de casco e maqui-
naria flutuando 
1-12 
100 – Vistorias de condição de estado 1-13 
200 – Vistorias para admissão à classe de casco e 
maquinaria à seco 
1-13 
C – Inspeção do na-
vio 
C2. Vistorias para admis-
são à classe de navios 
existentes 
300 – Vistorias para admissão à classe de casco e 
maquinaria flutuando 
1-13 
100 – Acompanhamento em fornecedores 1-13 
200 – Condições de fornecimentos 1-13 
D – Inspeção de ma-
teriais e de equipa-
mentos fornecidos 
D1. Abordagem 
300 – Vistorias e certificados 1-13 
E1. Abordagem 100 – Aplicação e programação 1-14 
E2. Vistorias anuais 100 – Vistoria anual de casco e maquinaria 
VAC – VAM 
1-14 
E3. Vistoria intermediá-
ria 
100 – Vistoria intermediária de casco - VIC 1-14 
100 – Vistoria de docagem - VDC 1-14 E4. Vistoria de docagem 
e vistoria de eixos 200 – Vistoria de eixos propulsores - VEP 1-14 
E5. Vistoria submersa de 
casco e de maquinaria 
VSC-VSM 
100 – Aplicação 1-14 
E6. Vistorias diversas 
(destacadas) 
100 – Abordagem 1-15 
E7. Vistoria de renovação 
da classe 
100 – Vistoria de renovação da classe de casco e de 
maquinaria de n° x – VCRx –VRMx 
1-15 
E8. Vistorias ocasionais 100 – Vistoria ocasional de casco e maquinaria à 
seco e/ou flutuando - VOC- VOM 
1-15 
100 – Navios químicos 1-15 
E – Vistorias do ci-
clo de classificação 
E9. Vistorias periódicas 
de navios de serviços es-
peciais 
200 – Navios de gases liquefeitos 1-15 
100 – Aplicação 1-15 F1. Vistoria específica 
para homologação de 
processo de soldagem 200 – Validade 1-15 
100 – Aplicação 1-15 F2. Vistoria específica 
para qualificação de sol-
dadores 200 – Validade 1-16 
100 – Aplicação e condições 1-16 F3. Vistoria específica 
para homologação de fa-
bricantes 200 – Validade 1-16 
100 – Aplicação 1-16 
Seção 2 - 
Classifica-
ção – Ge-
rência 
F – Vistorias especí-
ficas 
F4. Vistoria específica 
para homologação de 
prestadores de serviços 200 – Validade 1-16 
 
 Índice - 4 
 
Seções CAPÍTULOS SUBCAPÍTULOS ITEM Pág. 
100 – Aplicação e condições 1-16 Seção 2 – 
Classifica-
ção – Ge-
rência 
F – Vistorias especí-
ficas 
F5. Vistoria específica 
para classificação de ma-
teriais 
200 – Validade 1-16 
100 – Aplicação 1-16 
200 – Vistorias de caldeiras 1-16 
300 – Vistorias de vasos de pressão 1-16 
400 – Vistorias

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.