A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Influencias fisiologicas na psicologia

Pré-visualização | Página 1 de 1

AUTORES
	CONTRIBUIÇÕES
	
	
	
David Kinnebrook
	Trabalhou como assistente no observatório real de Greenwch
Contribuiu para psicologia persuadindo pesquisadores a estudar órgãos de sentidos humanos para investigação dos processos psicológicos de sensação e percepção 
	
Johannes Muller
	Publicou o livro HANDBOOK OF THE PHYSIOLOGY MANKIND, que contém resumos e pesquisas com conhecimento sobre a fisiologia. Este foi uma das suas maiores contribuições.
Fez com que fosse pesquisado mais a fundo sobre a localização de cada função do sistema nervoso, pois afirmava que a estimulação de determinado nervo provocava sensações especificas. 
	
Marshall Hall
	Pioneiro na investigação do comportamento por reflexo. 
Ele observou que alguns animais decapitados ainda se moviam devia a várias terminações nervosas. 
Chegou à conclusão que os diversos níveis de comportamento tem origem nas diferentes partes do cérebro.
	
Pierre Flourens
	Professor de história natural da College de France, em Paris.
Concluiu que o cérebro controlava os processos mentais mais elevados. Partes do cérebro médio controlavam os reflexos visuais e auditivos, o cerebelo, a coordenação, e a medula, o batimento cardíaco, a respiração e outras funções vitais. 
	
Paul Broca
	Cirurgião de um hospital para doentes mentais. 
Desenvolveu o método clinico, que servia como complemento da técnica de extirpação. Possibilita o exame da área danificada do cérebro. 
	
Gustav Fritsch & Eduard Hitzig
	Aplicaram pela primeira vez a técnica do estimulo elétrico. Tal técnica consiste em dar pequenos choques em determinadas áreas do cérebro.
Com o desenvolvimento da tecnologia, essa técnica tornou-se cada vez mais usada e produtiva para o estudo das funções cerebrais. 
	
Franz Josef Gall
	Constatou a existência de substancias cerebrais, branca e acinzentada, a conexão de cada lado do cérebro ao lado oposto da medula espinhal por meio de fibras nervosas e a ligação por fibras entre as metades do cérebro. 
Fundou o movimento chamado cranjoscopia, mais tarde conhecido como frenologia. Sua proposta afirmava que o formato do crânio de uma pessoa revelava suas características intelectuais e emocionais. 
Acreditava que, quando uma habilidade mental, como a consciência, fosse particularmente bem desenvolvida devia existir uma protusão ou saliência correspondente na região do cérebro.
	
Santiago Ramon Y Cajal
	Descobriu a direção seguida pelos impulsos nervosos no cérebro e medula espinhal.
	
Hermann Von Helmhoztz
	Especialista em fisiologia. 
As primeiras aplicações do método experimental à mente, aquela que consistia no objetivo de estudo da nova psicologia. 
Contribuiu com pesquisas sobre a velocidade do impulso neural e sobre a visão e audição 
	
Ernst Weber
	Junto com Helmholtz e Fechner, também foi acreditava sobre a primeira aplicação do método experimental à mente. 
Sua principal área de interesse, e também contribuição, foram as de órgãos e sentidos. 
Aplicou métodos experimentais da psicologia aos problemas de natureza psicológica.
Explorou novos campos, mais especificamente as sensações cutâneas e musculares. 
	
Gustav Theodor Fechner
	Foi fisiologista, físico, psicofísico, estético experimental e filosofo. 
Afirmou que a relação entre mente e corpo havia uma ligação na relação quantitativa entre a sensação mental e o estimulo material. 
Realizou uma experiência que lhe serviu de inspiração para definição do princípio de prazer, que mais tarde influenciou o trabalho de Freud 
Apresentou duas propostas para medir sensações: Limiar absoluto e Limiar diferencial.
Sua constatação resultou na pesquisa sobre a psicofísica. 
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ
ESCOLA DE CIÊNCIAS DA VIDA
CURSO DE PSICOLOGIA
DISCIPLINA RAÍZES DO PENSAMENTO PSICOLOGICO
As Influencias Fisiológicas na Psicologia
Larissa Danyele Dobignies Koslowski
Turma U; Diurno
Curitiba 2017
Referência Bibliográfica: 
SCHULTZ, DP; SCHULTZ. SE. As influências fisiológicas na psicologia. IN: HISTORIA DA PSCIOLOGIA MODERNA. São Paulo: Cengage Learning, 2011.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.