A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
40 pág.
anatomia do AP e pelve aula 1

Pré-visualização | Página 1 de 1

ANATOMIA E 
BIOMECÂNICA DO 
ASSOALHO PÉLVICO
Profª Leila Barbosa
Funções do Assoalho Pélvico
◦ Suporta os órgãos pélvicos e abdominais
◦ Estabilização do tronco (sacro e cóccix)
◦ Preservar/reduzir ângulo anorretal
◦ Servir de apoio para o reto durante a evacuação
◦ Contração dos esfíncteres uretral e anal (AVDs)
◦ Inibir o detrusor durante o armazenamento
◦ Relaxamento durante a fase de esvaziamento
◦ Auxílio no parto
◦ Ação na resposta sexual
 Funções
◦ Sustentação / transferência de peso
◦ Proteção dos órgãos pélvicos
◦ Ponto de fixação para musculatura
 Ossos da pelve
◦ Articulações 
◦ Abertura superior da pelve
Anatomia da Pelve
 Pelve falsa / maior
◦ Parte da cavidade abdominal
 Pelve verdadeira / menor
◦ Cavidade pélvica
Anatomia da Pelve
Órgãos Internos
Fonte: mariepontocom.blogspot.com
 Períneo  Situa-se abaixo da cavidade pélvica, separado 
pelo diafragma pélvico e recobre a abertura inferior da 
pelve
◦ Trígono urogenital / Trígono anal
Órgãos Genitais Externos
Fonte: sharenator.com
Linha transversa
Assoalho Pélvico
 Suporte ativo
 Suporte passivo
Suporte Pélvico Muscular
 Disposto em 3 planos:
◦ Superficial
◦ Médio
◦ Profundo
Diafragma urogenital
Diafragma pélvico
Plano Superficial
M. isquiocavernoso
M. esfíncter externo do ânus
M. bulboesponjoso
M. transverso 
superficial do períneo
Fonte: www.adamimages.com
Plano Médio
◦ Músculos
 Esfíncter externo da uretra
 Compressor da uretra
 Esfíncter uretrovesical
 Transverso profundo do períneo
Plano Profundo
Fonte: www.assoalhopelvico.com
Plano Profundo
Sustentam as vísceras pélvicas, continência fecal, 
controle voluntário da micção, auxílio no parto
Volløyhaug et al. Ultrasound Obstet Gynecol. 2016; 47: 768-73. 
Fonte: www.auladeanatomia.com
Músculos do Assoalho Pélvico
◦ 30% fibras tipo II
 Força e velocidade
 Brancas
 Fásicas
 Rápidas
◦ 70% fibras tipo I
 Resistência
 Vermelhas
 Tônicas
 Lentas
Suporte Pélvico Fascial
 Fáscia endopélvica
◦ Rede fibromuscular composta de colágeno, 
elastina e músculo liso
◦ Estrutura varia de acordo com a área da pelve 
que a mesma se encontra
◦ Tecido único que envolve toda a pelve e 
órgãos / vísceras pélvicas
Suporte Pélvico Fascial
 Fáscia endopélvica
◦ Nomenclatura área de localização
 Porção visceral (peritônio)
 Envolve as vísceras, formando falsas cápsulas 
entre elas
Espaço 
vesicouterino
Espaço 
retouterino
Fonte: www.adamimages.com
Suporte Pélvico Fascial
 Fáscia paravaginal
 Superior – fáscia pubocervical
 Inferior – fáscia de Denonvilliers (septo retovaginal)
 Lateral – paracolpos 
Ligamento 
sacroespinhoso
Fáscia 
retovaginal
Fáscia 
pubocervical
Espinha 
isquiática
Arco 
tendíneo 
Suporte Pélvico Fascial
◦ Fáscia Visceral
 Ligamento pubovesical, vesicouterino, retouterino e 
transversos do colo 
 Fixam o colo do útero às paredes da pelve
* Anel pericervical
Lig. 
pubovesical
Lig. 
uterossacro
Lig. cardinal
Fonte: mortalecurioso.com
Suporte Pélvico Fascial
◦ Fáscia superior do diafragma pélvico
◦ Fáscia inferior do diafragma pélvico
◦ Fáscia superior do diafragma urogenital
 Espaço profundo do períneo
◦ Fáscia inferior do diafragma urogenital
 Espaço superficial do períneo
Aspectos Biomecânicos do AP
Diagrama ilustrando a continuidade entre as cavidades abdominal e pélvica
Contração diafragmática e da musculatura abdominal 
Contração da MAP
(HODGES; SAPSFORD; PENGEL, 2007; 
JUNGINGER et al., 2010; 
MADILL; MCLEAN, 2006; 
NEUMANN; GILL, 2002; 
SAPSFORD et al., 2001; 
TALASZ et al, 2010)
TosseRespiração de repouso
Fonte: SAPSFORD, 2004.
Aspectos Biomecânicos do AP
 Os músculos do diafragma pélvico contribuem
para a estabilidade da cintura pélvica (coluna
lombar e quadril), juntamente com o multífido,
transverso do abdome e diafragma torácico
Aspectos Biomecânicos do AP
• A contração bilateral do iliococcígeo e do
coccígeo leva à contra-nutação do sacro; a
contração do multífido à nutação do
sacro – a contração simultânea destes
músculos auxiliam na estabilização da
base da coluna
Aspectos Biomecânicos do AP
• A contração do transverso do abdômen
aumenta a pressão dentro do abdome
durante a estabilização da coluna lombar
Aspectos Biomecânicos do AP
• A atividade do assoalho pélvico também
é influenciada pela ação dos músculos da
articulação do quadril com o objetivo de
posicionar a pelve de forma estável
Inervação
 Nervo sacral (S3 e S4)
 Nervo pudendo (S2 – S4)
◦ Nervos retais inferiores - EEA
◦ Nervos perineais
Drenagem Venosa
 Veias ilíacas internas V. pudendas internas
V. retais
V. ováricas superiores
 Dois subsistemas
◦ Superficial / parietal
◦ Profundo / visceral
Irrigação Sangüínea
 Ramos colaterais da artéria pudenda interna 
(ramo da artéria ilíaca interna) 
 Vasos linfáticos
o Superficiais linfonodos inguinais 
o Profundos linfonodos da pelve
Drenagem Linfática
Bibliografia
• GROSSE, D.; SENGLER, J. Reeducação Perineal: Concepção, realização e 
transcrição em prática liberal e hospitalar. Manole, 2002.
• MORENO, A. L. Fisioterapia em Uroginecologia. Manole, 2004.
• SAPSFORD, RR; HODGES, PW; RICHARDSON, CA; COOPER, DH; MARKWELL, SJ; 
JULL, GA. Co-activation of the abdominal and pelvic floor muscles during voluntary 
exercises. Neurourology and Urodynamics, v. 20, n.1, p.31-42, 2001.
 SAPSFORD, RR; HODGES, PW. Contraction of pelvic floor muscles during abdominal 
maneuvers. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation, v.82, n.8, p.1081-
1088, ago. 2001. 
 SAPSFORD, RR. Rehabilitation of pelvic floor muscles utilizing trunk stabilization. 
Manual Therapy, v.9, n.1, p.3–12, fev.2004.
• TALASZ, H; KOFLER, M; KALCHSCHMID, E; PRETTERKLIEBER, M; LECHLEITNER, M. 
Breathing with the pelvic floor? Correlation of pelvic floor muscle function and 
expiratory flows in healthy young nulliparous women. International 
Urogynecology Journal and Pelvic Floor Dysfunction, v.21, n.4, p.475-481, abr. 
2010.