A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
prova povos indigenas e afro-descendentes

Pré-visualização | Página 1 de 2

Fechar 
 
Avaliação: CEL0495_AVS_201201816947 » HISTÓRIA DOS POVOS INDÍGENAS E AFRO-DESCENDENTES 
Tipo de Avaliação: AVS 
Aluno: 201201816947 - ANA BEATRIZ RIBEIRO DE SANTOS SOUZA 
Professor: CATIA DA CONCEICAO FARIA FERNANDES Turma: 9001/AA 
Nota da Prova: 8,0 Nota de Partic.: Data: 05/04/2014 10:14:28 
 
 
 1a Questão (Ref.: 201202028898) Pontos: 0,5 / 0,5 
Fruto de uma importante discussão teológica em 1570 a Coroa Portuguesa: 
 
 
Criava o sistema assalariado para o trabalho dos indígenas 
 
Impôs a obrigatoriedade de todos os indígenas cumprirem jornada de trabalho compulsório 
 
Impôs um registro de escravos indígenas, limitando o número por propriedades 
 
Criou a proibição de escravização de escravos negros 
 Proibiu a escravização dos gentios 
 
 
 
 2a Questão (Ref.: 201201944074) Pontos: 0,5 / 0,5 
Sobre a substituição da mão-de-obra escrava indígena pela africana é correto afirmar que: 
 
 
Se deu devido exclusivamente à proteção que dos jesuítas sobre os índios. 
 
Se deu pelo fato dos índios apresentarem menos vigor físico que os povos africanos. 
 
Foi uma substituição plena ou seja, todos os índios foram libertos ao momento da chegada dos escravos 
negros. 
 Que elas conviveram durante muito tempo juntas, existindo casos relatados até o século XIX. 
 
Aconteceu devido à demonstração pelos povos africanos de menor resistência ao sistema escravista. 
 
 
 
 3a Questão (Ref.: 201201934636) Pontos: 0,5 / 0,5 
"Não existe história indígena, no máximo antropologia." Esta construção é famosa e recorrente durante séculos, 
e ainda hoje presente no imaginário do senso comum. Nossa visão é de um mundo desenvolvido encontrando 
uma sociedade atrasada e ignorante. 
Sobre a relação entre História e Antropologia no estudos das sociedades ameríindias podemos afirmar que: 
 
 São complementares, desde que observem que seus objetos são diferentes e que uma tem muito a 
acrescenta a visão da outra 
 
São excludentes, antropologia e história sempre chegaram a conclusões diferentes pois seus objetos são 
diferentes 
 
São a mesma coisa, pois em sociedades sem escrita a história deve apelar ao relato oral que faz parte do 
trabalho do antropólogo. 
 
A história deve agir como auxiliar da antropologia, contribuindo para suas investigações, pois na ausência 
de relatos escritos é só o que se pode fazer. 
 
A antropologia deve agir como auxiliar para que o historiador a partir de seus trabalhos possa chegar a 
conclusões melhores fundamentadas 
 
 
 
 4a Questão (Ref.: 201201939498) Pontos: 0,5 / 0,5 
A escravidão de origem africana nasceu no Brasil colonial e se fortaleceu em locais conhecidos como plantation. 
Esses locais ganharam seu formato mais conhecido na época colonial, na região litorânea do nordeste brasileiro. 
Ali, a plantation pode ser definida como o sistema de 
 
 
Movimento de resistência africana que geraria o sistema dos quilombos. 
 
comércio e distribuição de mão-de-obra escrava africana para a lavoura canavieira nordestina. Esse 
sistema era vulgarmente conhecido como ¿tumbeiro¿ ou tráfico de escravos. 
 
plantações de cana, café e cacau feitas do sudeste do Brasil até a Amazônia, que visavam o 
enriquecimento dos portugueses através do uso em larga escala da mão-de-obra indígena. 
 plantação de cana-de-açúcar, feita em larga escala por mão-de-obra escrava de origem africana, que 
visava o mercado exportador europeu. 
 
plantação de café em larga escala e com o uso da mão-de-obra africana e mestiça, que visava o mercado 
exportador europeu, comércio este monopolizado por Portugal. 
 
 
 
 5a Questão (Ref.: 201202028896) Pontos: 0,5 / 0,5 
Em 1549 foi instituído o governo-geral na administração da América portuguesa, que significou: 
 
 
uma tentativa de acabar com a guerra com os Nagôs 
 uma tentativa de centralizar a administração 
 
uma tentativa de terceirizar a administração 
 
uma tentativa de criar uma república no Brasil 
 
uma tentativa de destruir o governo dos Tupi. 
 
 
 
 6a Questão (Ref.: 201202086193) Pontos: 0,5 / 0,5 
"Pouco fruto se pode obter deles se a força do braço secular não acudir para domá-los. Para esse gênero de 
gente, não há melhor pregação do que a espada e a vara de ferro." (José de Anchieta. Pedro Casaldáliga in "Na 
Procura do Reino") O fragmento de texto anterior, escrito nos primórdios da colonização do Brasil, refere-se: 
 
 
à determinação dos jesuítas em pregar o Evangelho junto aos índios e negros, ampliando os horizontes 
da fé. 
 à catequização do índio pelos jesuítas e a utilização dos silvícolas como mão-de-obra nas propriedades da 
Companhia de Jesus; 
 
à inadaptação do índio para o trabalho e a escravização do negro pelos jesuítas em suas reduções de 
ouro; 
 
à expansão da cana-de-açúcar para o interior de Mato Grosso e a utilização de mão-de-obra indígena; 
 
à evangelização do negro e o apresamento de escravos pelos bandeirantes; 
 
 
 
 7a Questão (Ref.: 201201939363) Pontos: 1,0 / 1,0 
A alteridade é um conceito fundamental para evitarmos preconceitos na sociedade contemporânea. Para o 
historiador atual, a alteridade significa a/o: 
 
 
percepção cultural do que os outros povos possuem de nós. Este estudo da alteridade/identidade é feito 
pelos historiadores que são isentos de preconceitos e transitam entre diversas culturas do passado. 
 
processo de se identificar o outro povo, percebendo nele a nossa cultura e civilização através de 
comparações. Este processo comparativo, classificatório e evolutivo é o trabalho do historiador atual. 
 
Conjunto de tradiçõe sócio culturais também conhecido com Folklore, ou práticas de resistência de 
populações dominadas. 
 
"alteração" ou a mudança na identidade social própria de algum povo. Em história, toda alteração social 
é central para o estudo da transformação nas relações sociais e quebra de preconceitos. 
 natureza ou condição do que é outro, do que é distinto a um povo. Como oposto à identidade, este 
conceito é fundamental, pois auxilia o historiador a compreender e respeitar a diversidade cultural dos 
povos. 
 
 
 
 8a Questão (Ref.: 201202028901) Pontos: 1,0 / 1,0 
Os colonos portugueses não lograram êxito em suas investidas em busca de ouro e prata. Mas a proposta do 
antigo governador acabou redimensionando os objetivos das expedições para o interior. A busca por ouro deu 
lugar ao aprisionamento de índios. Embora os colonos utilizassem a procura por metais preciosos frente à Coroa 
portuguesa - que baixava inúmeras leis proibindo a escravização de indígenas ¿ as expedições organizadas pelos 
colonos de São Paulo se transformaram em: 
 
 
verdadeiras empreitadas escravizadoras de portugueses que fugiam da lei. 
 verdadeiras empreitadas escravizadoras de indígenas. 
 
verdadeiras empreitadas de busca de ouro e prata, liderados por indígenas. 
 
verdadeiras empreitadas escravizadoras de negros fugidos. 
 
verdadeiras empreitadas escravizadoras de Charruas argentinos, para fugir da lei portuguesa. 
 
 
 
 9a Questão (Ref.: 201201997802) Pontos: 1,5 / 1,5 
Vivia no litoral africano Uma régia tribo ordeira cujo rei era símbolo De uma terra laboriosa e hospitaleira Um 
dia, essa tranqüilidade sucumbiu Quando os portugueses invadiram Capturando homens Para fazê-los escravos 
no Brasil Na viagem agonizante Houve gritos alucinantes lamentos de dor Ô, ô, ô adeus, Baobá, ô, ô, ô Ô, ô, ô 
adeus, meu Bengo, eu já vou Ao longe, Minas jamais ouvia Quando o rei mais confiante Jurou à sua gente que 
um dia os libertaria Chegando ao Rio de Janeiro No mercado de escravos Um rico fidalgo os comprou E para Vila 
Rica os levou A idéia do rei foi genial Esconder o pó de ouro entre