relatório pratica catálise
9 pág.

relatório pratica catálise


DisciplinaQuímica Geral Experimental II49 materiais319 seguidores
Pré-visualização1 página
DANILO RAFAEL SILVA SANTOS
AULA PRÁTICA 
CATÁLISE
VITÓRIA DA CONQUISTA
OUTUBRO/2017
DANILO RAFAEL SILVA SANTOS
AULA PRÁTICA 
CATÁLISE
Relatório apresentado ao componente
curricular Química Geral Experimental II, no
curso de Licenciatura em Química, do
Instituto Federal da Bahia \u2013 IFBA, campus
de Vitória da Conquista, ministrado pelo
docente mestre Alessandro Santos Santana,
para fins avaliativos. 
VITÓRIA DA CONQUISTA
OUTUBRO/2017
INTRODUÇÃO
A área da química que está preocupada com as velocidades das reações é
chamada de cinética química. Para que uma reação ocorra é necessário que esta
atinja uma determinada quantidade miníma de energia para que o processo da
reação tenha seu início. Essa quantidade de energia para que uma reação ocorra é
denominada energia de ativação, e essa energia varia de reação para reação. 
Catalisador é uma substância que faz variar a velocidade de uma reação
química sem que ele próprio sofra uma variação química permanente no processo.
Ou seja, o catalisador oferece um caminho alternativo para que a reação ocorra
mais rápido, com uma energia de ativação menor, aumentando assim a velocidade
da reação. Denomina-se esse processo de catálise.
A catálise pode ser classificada como catálise homogênea e heterogênea.
Catálise homogênea é aquela na qual os reagentes e o catalisador estão em
uma mesma fase ou estado físico, geralmente tanto em solução como na fase
gasosa.
Catálise heterogênea é aquela na qual reagentes e catalisador estão em
diferentes fases ou estados físicos, geralmente como um sólido em contato com
reagentes na fase gasosa, ou com reagentes na fase líquida.
.
OBJETIVOS
\u2022 Verificar o efeito de um catalisador em uma reação química;
\u2022 Caracterizar a ação catalítica de algumas substâncias;
\u2022 Caracterizar catálise homogênea e catálise heterogênea.
PROCEDIMENTOS
MATERIAIS E REAGENTES:
\u2022 Cronômetro;
\u2022 Espátula;
\u2022 Pipetas graduadas 10 Ml;
\u2022 Pera;
\u2022 Proveta 25 mL;
\u2022 5 Tubos de ensaio;
\u2022 Erlenmeyer 125 mL;
\u2022 Galeria;
\u2022 Fósforos;
\u2022 Pisseta;
\u2022 Pinça metálica;
\u2022 H2O2 10 volumes;
\u2022 KMnO4 0,1 mol.L-1;
\u2022 Ácido oxálico H2C2O4 2H2O 0,3 mol.L-1;
\u2022 H2SO4 2 mol.L-1;
\u2022 MnSO4 0,3 mol.L-1;
\u2022 KI.
PARTE EXPERIMENTAL:
I. Catálise Heterogênea
 Experimento não realizado por falta de reagentes.
I.I Catálise Homogênea
Parte A
a) Pipetou-se 2 mL de solução de ácido oxálico 0,3 mol.L -1 , 2 mL de H2SO4 2
mol.L-1 e 2 mL de H2O e colocou-se em um tubo de ensaio (tubo I).
b) Pipetou-se 1 mL de solução de KMnO4 0,1 mol.L-1 e colocou-se em outro
tubo de ensaio (tubo II).
c) Preparou-se o cronômetro para fazer a leitura do tempo da reação.
d) Adicionou-se ao tubo II a solução do tubo I. Homogeneizou e anotou-se o
tempo gasto até o descoramento completo da solução.
Parte B
a) Pipetou-se 2 mL de solução de ácido oxálico 0,3 mol.L -1 , 2 mL de H2SO4 2
mol.L-1 e 2 mL de MnSO4 0,3 mol.L-1 e colocou-se em um tubo de ensaio (tubo I).
b) Pipetou-se 1 mL de solução de KMnO4 0,1 mol.L-1 e colocou-se em outro
tubo de ensaio (tubo II).
c) Adicionou-se ao tubo II a solução do tubo I. Homogeneizou e anotou-se o
tempo gasto até o descoramento completo da solução.
RESULTADOS E DISCUSSÃO
Parte A
Ao colocar a solução do tubo I no tubo II e homogeneizar, verificou-se que a
reação ocorreu de forma lenta, onde durante os 2 primeiros minutos da reação,
permaneceu com a mesma coloração escurecida, adquiriu uma coloração
amarelada aos 3 minutos e 20 segundos, ficando totalmente incolor ao tempo final
de 4 minutos e 20 segundos.
Figura 2: Parte A 02:00Figura 1: Parte A 00:00
Parte B
Ao colocar a solução do tubo I no tubo II e homogeneizar, verificou-se que a
reação ocorreu de forma mais rápida, devido a presença do catalisador, onde ao
misturar as duas soluções rapidamente a solução mudou de coloração , ficando com
coloração amarelada aos 27 segundos do início da reação, e ficando totalmente
incolor aos 1 minuto e 15 segundos.
Figura 5: Parte B 00:00 Figura 6: Parte B 00:27
Figura 7: Parte B 01:25
Figura 3: Parte A 03:20 Figura 4: Parte A 04:20
CONCLUSÕES
Conclui-se que o catalisador tem grande influência na variação de velocidade
de uma reação química, onde verificou-se por meio dos experimentos realizados que
a presença do catalisador aumentou a velocidade da reação consideravelmente em
relação ao experimento sem o catalisador. Verificou-se que o sulfato de mangânes
MnSO4 é um forte catalisador onde a solução com sua presença reagiu de forma
mais rápida.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Brown, T L.; H. E.; Bursten, B. E; Burdge, J. R. Química, a ciência central, 9ª 
edição. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005. 
CHANG, R. Química geral: conceitos essenciais.4. ed. São Paulo: McGraw-Hill, 
2010.