A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
18 pág.
ARTIGO bariátrica

Pré-visualização | Página 2 de 6

É salutar destacar que, as terapias cognitivo-comportamentais (TCC) 
deram início às reflexões sobre a importância das interpretações e significados atribuídos às 
situações sobre o comportamento, sendo, desde então, refinada com experimentos empíricos. 
Derivada da revolução cognitiva, a ênfase na influência do pensamento e da avaliação 
cognitiva dos eventos sobre as emoções e o comportamento tornou-se o cerne do modelo 
cognitivo formulado por Aaron Beck, aplicado na psicologia através da terapia cognitiva 
(BECK; KNAPP, 2008). 
Segundo Souza e Cândido (2010), a TCC denomina-se assim por constituir uma 
integração de conceitos e técnicas cognitivas e comportamentais, que se diferenciam umas das 
outras de acordo com o enfoque predominante, cognitivo ou comportamental. Pesquisas na 
área da TCC vêm mostrando que, apesar das diferenças entre as abordagens, sua integração 
vem apresentando resultados satisfatórios e demonstrando sua viabilidade. 
Diante do exposto, questiona-se: Quais os aspectos afetivos, cognitivos e 
comportamentais de pacientes submetidos à cirurgia bariátrica? Qual a importância do 
acompanhamento psicológico para a preparação e aceitação do paciente às mudanças 
comportamentais após o procedimento cirúrgico? 
4 
 
 
Portanto, este estudo tem o objetivo de analisar os aspectos afetivos, cognitivos e 
comportamentais de pacientes submetidos à cirurgia bariátrica sob a perspectiva da terapia 
cognitivo comportamental. Logo, a relevância social, científica e acadêmica do tema, haja 
vista a crescente adesão por este tipo de tratamento, visto que ainda é um tema pouco 
explorado e a obesidade caracteriza-se por ser um problema de saúde pública na atualidade. 
 
METODOLOGIA 
 
Utilizou-se estudo de campo, quanti-qualitativo exploratório. Segundo Gil (2010), os 
estudos de campo aprofundam mais as questões propostas, estudando um único grupo ou 
comunidade, e seu planejamento apresenta maior flexibilidade. As pesquisas exploratórias, 
por sua vez, procuram o desenvolvimento, esclarecimento e modificação de conceitos e 
ideias, buscando realização quando o tema escolhido é pouco explorado. 
A amostra do estudo compreende 30 mulheres submetidas à cirurgia bariátrica que 
frequentam um grupo de apoio e orientação de exercícios físicos em uma academia da cidade 
de Macapá/AP. Foram aplicados a Escala de Autoestima de Rosenberg (EAR) e um 
questionário semiestruturado. Gil (2010) define o questionário como uma técnica de 
investigação que traduz os objetivos da pesquisa em questões específicas. Esta técnica pode 
atingir um grande número de pessoas, proporciona menos gastos com pessoal e garante o 
anonimato das respostas. O questionário é semiestruturado com questões fechadas, contendo 
dados sócio demográficos e perguntas investigativas voltadas aos aspectos afetivos, 
cognitivos e comportamentais de pacientes submetidos à cirurgia bariátrica. 
A pesquisa obedeceu às seguintes etapas: revisão bibliográfica dos temas da Cirurgia 
bariátrica e a Terapia cognitivo comportamental; submissão do projeto à Plataforma Brasil; 
contato com a instituição onde ocorreram os encontros para o esclarecimento dos objetivos do 
trabalho e obtenção das autorizações institucionais necessárias para aplicação da pesquisa; 
encontro com os participantes da pesquisa, onde foram apresentados o tema e os objetivos do 
estudo, o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) e esclarecimento das dúvidas 
que surgiram; aplicação do questionário semiestruturado e da Escala de Autoestima de 
Rosenberg (EAR); análise das escalas por meio do pacote estatístico software SPSS 
(Statistical Package for the Social Sciences) 22.0 para obter os resultados dos dados colhidos 
e a compilação do questionário, ainda nesta etapa, foram construídas as discussões, 
conclusões e considerações finais sobre o estudo; por fim, a construção do artigo científico e a 
sua submissão para publicação em revista científica. 
5 
 
 
 Como critérios de inclusão foi estabelecido: indivíduos do sexo feminino; com faixa 
etária entre 18 e 40 anos; ter se submetido à cirurgia bariátrica; aceitar a participação 
assinando o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido; e, ser residente de Macapá. 
Enquanto critério de exclusão, a população que não contempla os critérios anteriormente 
citados. 
 Para a análise dos dados, utilizou-se o pacote estatístico software SPSS (Statistical 
Package for the Social Sciences), versão: 22.0, no qual foi possível avaliar a frequência das 
variáveis. Este programa é apropriado para a elaboração de análises estatísticas de matrizes de 
dados, permitindo a construção de relatórios tabulados, gráficos e dispersões de distribuições 
utilizados na realização de análises descritivas de correlação entre variáveis. 
Segundo o que versa a resolução 466/12 do Conselho Nacional de Saúde (CNS), todas 
as pesquisas realizadas com seres humanos envolvem riscos. Portanto, foi utilizado o Termo 
de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE), para que os participantes manifestassem a sua 
anuência à participação na pesquisa, assim como a submissão à Plataforma Brasil, que 
representa o sistema oficial de lançamento de pesquisas para análise e monitoramento do 
sistema CEP/CONEP, autorizado conforme o parecer nº 2.078.861. 
 
RESULTADOS E DISCUSSÃO 
 
 A idade média das participantes da pesquisa é de 34,67 anos, com intervalo 
interquartil de 25 a 40 anos. A maioria (56,7%) é casada, tem renda média de 3,93 salários 
mínimos mensais, podendo variar de um a dez salários mínimos. 
 
Tabela 01 – Características sociodemográficas e clínicas da amostra. 
 Média 
Desvio 
padrão 
Mínimo Máximo 
Idade 34,67 5,49 25 40 
Renda (salários mínimos)* 3,93 2,25 1 10 
IMC (antes da cirurgia) 43,50 5,55 34,92 60,76 
IMC (depois da cirurgia) 28,47 4,74 19,84 44,17 
 *Válido 15 
 
A obesidade pode atingir mulheres de todas as classes sociais, não sendo esta uma 
variável dependente para a patologia. De acordo com Souza (2014), a obesidade apresenta-se 
mais prevalente para este gênero e em idade adulta, o que justifica a maior procura por 
cuidados de saúde e, consequentemente, pelo tratamento cirúrgico. 
6 
 
 
No que se refere à renda familiar mensal, Rodrigues e Silveira (2015) afirmam existir 
uma importante correlação com o consumo de alimentos saudáveis, tais como vegetais 
folhosos, em que indivíduos de menor renda possuem menor probabilidade de consumir esses 
alimentos, considerando que são importantes para uma dieta de redução calórica. 
O Índice de Massa Corporal (IMC) médio da amostra antes da cirurgia era de 43,50 
kg/m
2
, com intervalo mínimo de 34,92 kg/m
2
 e máximo de 60,76 kg/m
2
, sendo mais 
prevalente a obesidade III (80%). Após a cirurgia, o IMC médio da amostra é de 28,47 kg/m
2
, 
com intervalo mínimo de 19,84 kg/m
2
 e máximo de 44,17 kg/m
2
, sendo mais prevalente o 
Sobrepeso (46,7%), conforme o Gráfico 01. 
 
 
Gráfico 01 – Classificação do Índice de Massa Corporal (IMC) da amostra. 
 
A Organização Mundial da Saúde (1995) define a Obesidade I para adultos com IMC 
maior ou igual a 30 Kg/m
2
 e menor que 35 Kg/m
2
; a Obesidade II, com IMC maior ou igual a 
35 Kg/m
2
 e menor que 40 Kg/m
2
; e, a Obesidade III com IMC maior que 45 Kg/m
2
. Nota-se 
que, após o procedimento cirúrgico, os índices de obesidade avaliados a partir do IMC foram 
reduzidos de maneira significativa. 
De acordo com Oliveira et al (2009), o IMC determina se uma pessoa está acima do 
peso, sendo a indicação cirúrgica baseada em uma análise ampla dos múltiplos aspectos 
clínicos do paciente reforçados por fatores como: presença de morbidade que resulta, da