Caderno de Paisagismo Básico
101 pág.

Caderno de Paisagismo Básico


DisciplinaPaisagismo742 materiais29.499 seguidores
Pré-visualização13 páginas
Caderno de Paisagismo
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Paisagismo
Nadyne L. P. Mesquita
UC13101008
Índice
História do Paisagismo Mundial 4
Cronologia 5
Antiguidade 6
Os jardins da Mesopotâmia 7
Os jardins Egípcios 9
Os jardins da Pérsia 10
Os jardins Gregos 11
Os jardins Romanos 12
Os jardins Islâmicos 13
Os jardins da China e Japão 14
Idade Média 15
Monacais 16
Mouriscos 17
Renascimento 18
Itália 19
França 20
Inglaterra 21
Holanda 22
Jardim Barroco 23
Resenha Morfologia Vegetal 24
Classificação das plantas 25
Reino Plantae 26
Raízes 28
Folha 30
Caule 31
Fruto 33
Índice
Paisagista Clássico \u2013 Le Nôtre 34
Paisagista Contemporâneo \u2013 Beatrix Farrand 44
Relatório da visita ao Horto 98
Relatório da Visita a Brasília 93
Repertório Verde 70
Forragens 71
Árvores 75
Palmeiras 78
Arbustos 81
Trepadeiras 84
Coníferas 87
Aquáticas 90
Bibliografia 100
História do Paisagismo Mundial
A história da
humanidade é assim dividida:
\uf0a7 Pré \u2013 história: até aproximadamente 4000
a.C.;
\uf0a7 Antiguidade: 4000 a.C. \u2013 476 d.C. (Queda do
Império Romano);
\uf0a7 Idade Média: 476 d.C. \u2013 1453 d.C. (Tomada
de Constantinopla);
\uf0a7 Modernismo: 1453 d.C. \u2013 1789 d.C. (Revolução
Francesa);
\uf0a7 Contemporâneo: 1789 d.C. até os dias
atuais.
INTRODUÇÃO Cronologia
Caderno de Paisagismo 5
PAISAGISMO
EVOLUÇÃO DOS JARDINS Os jardins da 
antiguidade
Caderno de Paisagismo 6
PAISAGISMO
"No começo Deus criou um jardim. Éden era o 
seu nome. Segundo a tradição ele se situava na Mesopotâmia, 
provavelmente ao norte, e possuía um pomar e outras plantas 
que desenvolviam sem irrigação. Antes da sua queda, o Éden 
era um lugar de paz e de prazer, de fecundidade e de 
fragrâncias, com os encantamentos da música, do riso e da 
alegria. Depois dos primeiros reinados assírios, tornou-se um 
lugar recreativo, um paraíso mítico". (Gabrielle Van Zuylen). 
Os primeiros jardins surgiram nos
planaltos da Pérsia, atual Irã. Mas os primeiros
indícios e documentos encontrados não provêm
desta região, e sim, da Mesopotâmia (atual Iraque).
Os jardins mais antigos foram plantados no meio
dos desertos, como se os homens pudessem dar
qualquer preço a esta arte, pois essa começou justo
em países onde as condições naturais não
favoreciam em nada a seu êxito. O estudo da arte
da Mesopotâmia mostra que o gosto pelas formas
vegetais aparece bem cedo, e este cresceu com o
passar dos séculos. Mas, durante muito tempo, falar
sobre \u201carte de jardins\u201d ainda era uma audácia,
pois as culturas ainda eram muito rudimentares.
Jardim do Éden
Caderno de Paisagismo 7
PAISAGISMO
Jardins suspensos da Babilônia
Desde o começo do Terceiro Milênio antes
de Cristo, Gilgamesh, rei de Uruk, se orgulhava de seus
pomares e dos jardins de seu palácio. Há 2000 anos antes de
Cristo, todos os reis da Mesopotâmia possuíam seus jardins
reais, onde sempre aconteciam banquetes e cerimônias. Os
pátios interiores dos palácios eram sombreados por
árvores e ornamentados com flores.
Os jardins da Mesopotâmia, sem considerar
as hortas e os pomares, estritamente utilitários,
conservaram por muito tempo um caráter religioso. Os
deuses da fecundidade possuíam perto de seus santuários
um pouco de terra e uma plantação sagrada que
manifestava seu poder. Nos jardins dos templos se
plantavam frutas e legumes para se oferecer aos deuses,
além de servirem como alimento para os serviçais. Os
jardins eram plantados sobre os terraços dos prédios de
vários pavimentos onde se celebravam os rituais e suas
folhagens eram tão familiares, que os artistas sugeriam sua
presença na decoração de palcos ou de altares.
Os habitantes da Mesopotâmia
conseguiram, após grandes esforços, aclimatar a palmeira.
Começaram também a trabalhar suas terras, até então
estéreis. Neste clima hostil e em locais que hoje se
comparam aos oásis saharianos ou egipcianos, as
palmeiras protegiam as plantas que cresciam à sua
sombra, e contribuíam para a diminuição da perda de água
do solo, fator que favorecia a condensação noturna
permitindo assim a criação de jardins.
Com o trabalho de manutenção e irrigação
manualmente realizados, estes asilos de fecundidade e
frescor tornavam-se ainda mais maravilhosos. Assim, os
príncipes babilônicos puderam conhecer o prazer de
aclimatar espécies.
Cada planta era disposta dentro de uma
espécie de vaso preparado com antecedência para recebê-
la, isoladamente, e onde se mantinha o grau de umidade
necessário através de uma irrigação constante.
OS JARDINS DA ANTIGUIDADE Os jardins da 
Mesopotâmia
Caderno de Paisagismo 8
PAISAGISMO
Isola Bella (Enge e Schröder, 1992)
Os jardins mais famosos da Antiguidade
foram os Jardins Suspensos da Babilônia, sendo
considerados uma das Sete Maravilhas do mundo antigo.
Segundo os historiadores, estes jardins foram construídos
pelo Rei Nabucodonosor II (605-562 A.C.) e dedicados a sua
esposa, rainha Semiramis. A Rainha, que era de origem
persa, tinha saudades das montanhas e colinas cobertas
dos bosques de seu país (região noroeste do atual Irã) e
esta construção tinha a intenção de amenizar este
sentimento. Nabucodonosor construiu estes jardins ao
longo das muralhas da cidade, próximo à porta de Istar.
De acordo com os resultados de pesquisas e
descrições de historiadores, os Jardins Suspensos eram
compostos de uma sucessão de terraços, sendo que os
inferiores debordavam bastante sua área em relação aos
superiores. Assim eles formavam verdadeiros patamares
onde eram plantadas diversas espécies de árvores, e
outras plantas de menor porte, as quais eram protegidas
pela sombra das árvores. As floreiras presentes nestes
patamares tinham o fundo impermeabilizado. Inspirados
nestes jardins suspensos, os romanos passaram a cultivar
plantas nas partes altas das casas.
As folhagens, que se ressaltavam acima das
muralhas da cidade, podiam ser avistadas de longe pelos
viajantes que por ali passavam. Assim, para estes e suas
caravanas, este recinto meio real e meio sagrado, aparecia
como um símbolo do poder babilônico, e pouco a pouco,
suas descrições forjaram uma imagem tão interessante, a
ponto de que os \u201cJardins de Semiramis\u201d tornaram-se uma
das maravilhas do mundo daquela época. Apesar disto,
estes jardins não exerceram grande influência sobre os
jardins do mundo mediterrâneo.
Com a decadência do império, a Babilônia
provocou o afastamento da Mesopotâmia da cultura
ocidental, o que fez com que os jardins suspensos da
Babilônia se tornassem uma lenda.
OS JARDINS DA ANTIGUIDADE Os jardins da 
Mesopotâmia
Caderno de Paisagismo 9
PAISAGISMO
Os jardins egípcios são datados de
2000 a.C. O Egito deixou sobre os jardins as mais
antigas testemunhas picturais, criando uma tradição
que foi transferida ao mundo ocidental. Estes
jardins não eram construídos unicamente para o
lazer, assim como os jardins da Mesopotâmia, mas
produziam também vinho, frutas, legumes e
papiros, produtos estes, destinados ao consumo da
população. O critério de plantio seguiu a tradição
das atividades agrícolas desenvolvidas na planície
do rio Nilo. O traçado dos jardins era caracterizado
por linhas retas e formas geométricas
perfeitamente simétricas. Tudo orientado segundo
os quatro pontos cardeais, expressando a
importância da astrologia.
O Egito, país agrícola por influência
da presença do rio Nilo, já conhecia durante muito
tempo a deleitação dos jardins e da água. Desde o
antigo império já existiam pomares plantados com
videiras, figueiras, sombreados por sicômoros2 ;
divididos em tabuleiros por canais de irrigação.
Havia também as palmeiras e plantas aquáticas
como o Lotus e o papiros. Todas plantas úteis e
sagradas. Nesta época, surgiram as casas de
campo, consequência direta da transformação do
jardim como um lugar de repouso agradável e auto
suficiente.