A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
27 pág.
OAB 2°FASE  Direito Processual Trabalhista  AULAS 01 E 02

Pré-visualização | Página 1 de 10

www.cers.com.br 
 
1 
 
 
 
 
 
www.cers.com.br 
 
2 
Reclamação Trabalhista 
 
1.1. ESTRUTURA DA RECLAMATÓRIA TRABALHISTA 
 
A reclamatória trabalhista observará a seguinte estrutura: 
I – Preliminar de Mérito; 
II – Mérito; 
III – Pedidos; 
IV – Requerimentos Finais. 
 
Segue modelo: 
 
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA _____ VARA DO TRABA-
LHO DE _____ 
NOME DO RECLAMANTE, qualificação e endereço completos, vem, respei-
tosamente, perante Vossa Excelência, por intermédio de seu advogado adian-
te assinado (procuração anexa), com escritório profissional no endereço 
completo, onde recebe intimações e notificações, com fulcro no artigo 840 da 
CLT, PROPOR: 
RECLAMATÓRIA TRABALHISTA pelo rito (...) 
em face de NOME DA RECLAMADA, qualificação e endereço completos, 
pelas razões de fato e de direito a seguir expostas. 
I – PRELIMINAR DE MÉRITO 
A – TRAMITAÇÃO PREFERENCIAL DO FEITO: 
Idoso (art. 71 da Lei n
o
 10.741/2003 e art. 1.048, I, do CPC). 
Portador de doença grave (art. 1.048, I, do CPC). 
Dissídio que verse exclusivamente sobre salário ou empregador falido (art. 
652, parágrafo único, da CLT). 
Pessoa com deficiência (art. 9
o
 da Lei n
o
 13.146/2015). 
II – MÉRITO 
1. DO VÍNCULO DE EMPREGO (os itens dependerão da proposta, sendo 
este apenas um exemplo) 
Fato 
Fundamento 
Pedido 
III – PEDIDOS 
 
 
 
 
www.cers.com.br 
 
3 
(Repetição dos pedidos constantes no mérito da RT). 
IV – REQUERIMENTOS FINAIS 
O Reclamante requer a NOTIFICAÇÃO da Reclamada para apresentar res-
posta à Reclamatória Trabalhista, sob pena de revelia. 
A PRODUÇÃO de todos os meios de PROVA em direito admitidos, em espe-
cial o depoimento pessoal do representante legal da Reclamada, a oitiva de 
testemunhas, prova pericial e juntada de novos documentos. 
Por fim, requer a PROCEDÊNCIA dos pedidos, com a condenação da Recla-
mada ao pagamento de todas as verbas postuladas, acrescidas de juros e 
correção monetária. 
Atribui-se à causa o valor superior a 40 salários mínimos. 
Nestes termos, 
Pede deferimento. 
Local e data. 
Advogado 
OAB n
o
 
 
Segue análise detalhada de cada um dos itens da reclamação trabalhista. 
 
1.2. ENDEREÇAMENTO 
A competência territorial é definida pelo artigo 651 da CLT, sendo, em regra, o juízo do local da prestação dos servi-
ços: 
Art. 651 da CLT. A competência das Varas do Trabalho é determinada pela localidade onde o empregado, reclamante 
ou reclamado, prestar serviços ao empregador, ainda que tenha sido contratado noutro local ou no estrangeiro. § 1
o
 
Quando for parte no dissídio agente ou viajante comercial, a competência será da Vara da localidade em que a empre-
sa tenha agência ou filial e a esta o empregado esteja subordinado e, na falta, será competente a Vara da localização 
em que o empregado tenha domicílio ou a localidade mais próxima. § 2
o
 A competência das Varas de Conciliação e 
Julgamento, estabelecida neste artigo, estende-se aos dissídios ocorridos em agência ou filial no estrangeiro, desde 
que o empregado seja brasileiro e não haja convenção internacional dispondo em contrário. § 3
o
 Em se tratando de 
empregador que promove realização de atividades fora do lugar do contrato de trabalho, é assegurado ao empregado 
apresentar reclamação no foro da celebração do contrato ou no da prestação dos respectivos serviços. 
 
O endereçamento de uma reclamação trabalhista é simples e deve ser realizado da seguinte maneira: 
 
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA ______ VARA DO TRA-
BALHO DE ______ 
 
Atenção! O último espaço deve ser preenchido com o local da prestação do serviço; se esta informação não estiver 
na proposta, devemos deixá-lo em branco. 
Na comarca onde não houver juiz do trabalho, a lei poderá investir o juiz de direito da jurisdição trabalhista (art. 112 
da CF). Nesse caso, o endereçamento deve ser realizado do seguinte modo: 
 
 
 
 
www.cers.com.br 
 
4 
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA ______ VA-
RA CÍVEL DA COMARCA DE ______ 
 
1.3. QUALIFICAÇÃO DAS PARTES 
Normalmente, a Banca não informa todos os dados necessários para a qualificação completa das partes. Diante 
disso, o Examinando poderá utilizar a expressão “qualificação e endereço completos” ou utilizar o gênero destes 
dados (ex.: nacionalidade, estado civil etc.). O candidato não deve criar dados, como, por exemplo, um endereço, 
sob pena de identificação de prova. 
 
Exemplo: 
 
NOME DO RECLAMANTE, qualificação e endereço completos, vem, res-
peitosamente, perante Vossa Excelência, por intermédio de seu advogado 
adiante assinado (procuração anexa), com escritório profissional no endere-
ço completo, onde recebe intimações e notificações, com fulcro no artigo 840 
da CLT, PROPOR: 
RECLAMATÓRIA TRABALHISTA, pelo rito ______ 
em face de NOME DA RECLAMADA, qualificação e endereço completos, 
pelas razões de fato e de direito a seguir expostas. 
OU 
NOME DO RECLAMANTE, nacionalidade, estado civil, profissão, portador da 
Cédula de Identidade RG n
o
, inscrito no CPF sob n
o
 e no PIS sob o n
o
, porta-
dor da CTPS n
o
, usuário do endereço eletrônico ..., residente e domiciliado no 
endereço completo, vem, respeitosamente, perante Vossa Excelência, por 
intermédio de seu advogado adiante assinado (procuração anexa), com 
escritório profissional no endereço completo, onde recebe intimações e notifi-
cações, com fulcro no artigo 840 da CLT, PROPOR: 
RECLAMATÓRIA TRABALHISTA, pelo rito ______ 
em face de NOME DA RECLAMADA, pessoa jurídica de direito privado (se 
for o caso), inscrita no CNPJ sob o n
o
, estabelecida no endereço completo, 
pelas razões de fato e de direito que passa a expor. 
 
Observação: Caso a reclamação trabalhista seja proposta contra a massa falida, a inicial deve revelar o nome do 
síndico e o endereço onde receberá as notificações, uma vez que, nos termos do artigo 75, V, do CPC, a massa 
falida é representada pelo administrador judicial. Na qualificação deve constar a razão social precedida da expressão 
“Massa Falida”. 
 
1.4. PRELIMINARES 
a) Comissão de Conciliação Prévia (CCP) 
A passagem pela CCP era obrigatória em função do disposto no artigo 625-D da CLT. Contudo, o STF suspendeu, 
em caráter liminar (ADIs 2.139 e 2.160), a eficácia desse dispositivo, de modo que a tentativa conciliatória pela CCP 
é uma faculdade para o Reclamante. 
Antes das decisões referidas, era importante mencionar na petição inicial que a passagem do Reclamante pela CCP 
era obrigatória, mas diante da suspensão da eficácia do artigo 625-D da CLT, tal menção tornou-se desnecessária. 
Se, ainda assim, o candidato optar por mencioná-la, deve fazê-lo na forma do exemplo a seguir: 
 
 
 
 
 
www.cers.com.br 
 
5 
I – PRELIMINAR DE MÉRITO 
1. Comissão de conciliação prévia 
O Reclamante esclarece que não passou pela Comissão de Conciliação Pré-
via, visto que esta é uma faculdade do autor, à luz das liminares concedidas 
pelo STF nas Ações Diretas de Inconstitucionalidade – ADIs. 2.139 e 2.160. 
 
b) Tramitação preferencial do feito 
Assegura-se a tramitação preferencial do feito nas seguintes hipóteses: a) processos em que figurar como parte ou 
interessado idoso – pessoa com idade igual ou superior a 60 anos (art. 71 da Lei n
o
 10.741/2003 e art. 1.048, I, do 
CPC); b) o dissídio versar exclusivamente sobre salário (art. 652, parágrafo único, da CLT); c) decorrer da falência 
do empregador (art. 652, parágrafo único, da CLT); d) figurar como parte ou interessado portador de doença grave 
(art. 1.048, I, do CPC); e) figurar como parte pessoa com deficiência (art. 9
o
, VII, da Lei n
o
 13.146/2015). À luz do 
artigo 2
o
 da Lei n
o
 13.146/2015, “considera-se pessoa com deficiência aquela