A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
29 pág.
AULA 5 - ANÁLISE DE IMPRESSÕES DIGITAIS LATENTES

Pré-visualização | Página 1 de 2

ANÁLISE 
FORENSE 
DE 
IMPRESSÕES 
DIGITAIS 
LATENTES 
UFRJ – Faculdade de Farmácia 
Prof. Fabio Luiz Costa de Souza 
fabioluiz@pharma.ufrj.br 
 
 
ANÁLISE FORENSE DE IMPRESSÕES 
DIGITAIS LATENTES 
 
 
IMPRESSÕES DIGITAIS 
 Sua análise é objeto de estudo da papiloscopia, 
ramo da Criminalísitica que trata da identificação 
humana através das papilas dérmicas 
 
 
ANÁLISE FORENSE DE IMPRESSÕES 
DIGITAIS LATENTES 
 
 
  Glândulas sudoríparas 
 
  Écrinas → Secreção incolor formada por 
 99% de água 
 
  Apócrinas → Secreção leitosa formada por 
 açúcares, proteínas, gorduras e amônia 
 
  Glândulas sebáceas 
 
  Sebo → Triglicerídeos, ácidos graxos, 
 colesterol, fosfolipídeos, ceras 
 
 
 
 
ANÁLISE FORENSE DE IMPRESSÕES 
DIGITAIS LATENTES 
 
 
 Glândulas sudoríparas e sebáceas 
 
 
 Produção contínua de suor e sebo que 
se depositam sobre a a pele 
 
 
 Ao tocarmos uma superfície com as pontas dos dedos, 
um espectro das papilas dérmicas fica registrado na 
superfície, devido à transferência de suor e sebo , 
permitindo a identificação das impressões digitais 
 
 
 
 
ANÁLISE FORENSE DE IMPRESSÕES 
DIGITAIS LATENTES 
 
 
  Impressões digitais 
 
  Visíveis 
 
  Gravadas – Por sangue, tinta, óleo, graxa 
 
  Modeladas – Em sabão, massa de 
 vidraceiro, poeira 
 
  Invisíveis ou Latentes 
 
  Impressões decorrentes da 
transferência de resíduos das secreções sudorípara 
e sebácea da pele ou sangue oculto para a superfície 
 
 
 
 
ANÁLISE FORENSE DE IMPRESSÕES 
DIGITAIS LATENTES - HISTÓRIA 
 
 
 
 
 
 Duas crianças de foram brutalmente assassinadas 
em Buenos Aires (Argentina), figurando sua mãe e um 
vizinho entre os principais suspeitos. A mãe das vítimas 
simulou um ataque cortanto a própria garganta para tentar 
incriminar o vizinho 
 
 Na cena do crime, foi encontrada uma impressão 
digital impregnada de sangue. Como a mãe afirmou não ter 
tocado nos corpos das crianças, Juan Vucetich, chefe de 
polícia de Buenos Aires, passou a tratar a impressão 
digital como sendo do provável assassino 
 
 Ao analisar a impressão digital, identificou-a 
como sendo da mãe das crianças, concluindo ser ela a 
assassina 
 Vucetich não levou a prova ao tribunal, pois o sistema 
datiloscópico ainda não era adotado na Argentina, mas usou 
isso para pressionar a mãe das crianças a confessar o crime 
 
 
 
ANÁLISE FORENSE DE IMPRESSÕES 
DIGITAIS LATENTES - HISTÓRIA 
 
 
 
 
 
1892 – Juan Vucetich – Chefe de Polícia de 
Buenos Aires realizou a 1ª identificação 
criminal pelas impressões digitais na 
Argentina 
1896 
 
O Sistema Datiloscópico 
 foi adotado na 
Argentina 
 
 
MÉTODOS DE REVELAÇÃO DE IMPRESSÕES 
DIGITAIS LATENTES 
 
 
MÉTODOS DE REVELAÇÃO 
 
  Técnica do pó 
  Vapor de Iodo 
  Nitrato de Prata 
  Ninidrina 
  Cianoacrilato 
  Quimioluminescência 
 
 
 
 
MÉTODOS DE REVELAÇÃO DE IMPRESSÕES 
DIGITAIS LATENTES 
 
 
Técnica do Pó 
 
 
 Aplicação de uma fina camada de pó em local onde 
estima-se haver impressões digitais latentes 
 
  Técnica baseada na adesão de um pó à água 
presente nos resíduos da impressão digital. Quanto 
mais recente a impressão digital latente, melhor a 
revelação 
 
  O pó deve ser aplicado com um pincel fino ou por 
spray 
 
 
 
 
 
MÉTODOS DE REVELAÇÃO DE IMPRESSÕES 
DIGITAIS LATENTES - PÓ 
 
 
 
 
MÉTODOS DE REVELAÇÃO DE IMPRESSÕES 
DIGITAIS LATENTES - PÓ 
 
 
Pó aplicado com pincel fino 
Pó aplicado com spray 
 
 
MÉTODOS DE REVELAÇÃO DE IMPRESSÕES 
DIGITAIS LATENTES - IODO 
 
 
Vapor de Iodo 
 
 
 Aquecimento de Iodo sólido gerando vapor de 
Iodo, que reage então com os resíduos de gordura 
presentes na impressão digital latente revelando-a 
 
 
 
 
 
 
 
MÉTODOS DE REVELAÇÃO DE IMPRESSÕES 
DIGITAIS LATENTES – NITRATO DE PRATA 
 
 
Nitrato de Prata 
 
 
  Uma solução de Nitrato de Prata é borrifada 
sobre o local onde estima-se haver impressões 
digitais latentes 
 
  A prata (Ag+) reage com os Cloretos (Cl-) 
presentes nos resíduos de suor e sebo, formando 
cloreto de prata (AgCl) que é branco, mas sob luz, 
rapidamente converte-se em prata metálica (Ag0) 
 
 
 
 
 
 
MÉTODOS DE REVELAÇÃO DE IMPRESSÕES 
DIGITAIS LATENTES – NITRATO DE PRATA 
 
 
 
 
 
Solução comercial de 
AgNO3 em borrifador 
Reação entre o nitrato de prata e os cloretos 
 presentes na impressão digital latente 
 
 
MÉTODOS DE REVELAÇÃO DE IMPRESSÕES 
DIGITAIS LATENTES - NINIDRINA 
 
 
Ninidrina 
 
 
  Uma solução de Ninidrina é borrifada sobre o local 
onde estima-se haver impressões digitais latentes 
 
  A Ninidrina liga-se às proteínas oriundas do suor, 
produzindo uma coloração violeta 
 
 
 
 
 
 
MÉTODOS DE REVELAÇÃO DE IMPRESSÕES 
DIGITAIS LATENTES - NINIDRINA 
 
 
 
 
MÉTODOS DE REVELAÇÃO DE IMPRESSÕES 
DIGITAIS LATENTES - NINIDRINA 
 
 
Impressões digitais 
latentes em papel, 
reveladas por 
Ninidrina 
Soluções comerciais 
de Ninidrina spray 
 
 
MÉTODOS DE REVELAÇÃO DE IMPRESSÕES 
DIGITAIS LATENTES - CIANOACRILATO 
 
 
Cianoacrilato 
 
 
  Substância semelhante às usadas na fabricação de 
colas do tipo “SuperBonder” 
 
  Reage com os resíduos da impressão digital 
latente formando um depósito duro e esbranquiçado, 
cuja imagem pode ser realçada por aplicação de algum 
corante 
 
  Tem a vantagem de preservar a imagem revelada, 
sendo muito adequada para a revelação de impressões 
latentes no interior de veículos 
 
 
 
 
 
 
 
MÉTODOS DE REVELAÇÃO DE IMPRESSÕES 
DIGITAIS LATENTES - CIANOACRILATO 
 
 
Fita de Cianoacrilato para revelação de 
impressões digitais latentes 
 
 
MÉTODOS DE REVELAÇÃO DE IMPRESSÕES 
DIGITAIS LATENTES - QUIMIOLUMINESCÊNCIA 
 
 
Quimioluminescência 
 
 
  Resíduos de sangue oculto podem ser transferidos 
das pontas de dedos contaminados com sangue para 
uma superfície, gerando uma impressão digital 
latente 
 
  Sangue Oculto 
 
  Resíduo de sangue invisível a olho nú, mas 
detectável por meio de quimioluminescência 
 
 
 
 
 
 
 
 
MÉTODOS DE REVELAÇÃO DE IMPRESSÕES 
DIGITAIS LATENTES - QUIMIOLUMINESCÊNCIA 
 
 
 
  LUMINOL 
 
  Nome “genérico” para compostos 
 quimioluminescentes 
 
  QUIMIOLUMINESCÊNCIA 
 
  Propriedade que certas substâncias possuem de a 
partir de uma reação química que produz compostos 
intermediários eletronicamente excitados, emitir luz 
ao retornar ao estado fundamental 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
MÉTODOS DE REVELAÇÃO DE IMPRESSÕES 
DIGITAIS LATENTES - QUIMIOLUMINESCÊNCIA 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
5-Amino-2,3-Dihidro-1,4-Ftalazinediona 
1928 – H. O. Albrecht – Químico alemão que primeiro 
caracterizou a reação de quimioluminescência 
 
 
MÉTODOS DE REVELAÇÃO DE IMPRESSÕES 
DIGITAIS LATENTES - QUIMIOLUMINESCÊNCIA 
 
 
Substância 
 Quimioluminescente 
Reage 
LENTAMENTE 
produzindo LUZ 
H2O2 
 
 
MÉTODOS DE REVELAÇÃO DE IMPRESSÕES 
DIGITAIS LATENTES - QUIMIOLUMINESCÊNCIA 
 
 
Substância 
 Quimioluminescente 
Reage 
RAPIDAMENTE 
produzindo 
LUZ visível sob 
RADIAÇÃO 
ULTRAVIOLETA 
H2O2 
Ferro da