A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
72 pág.
CINETICA.UMC.2017.2

Pré-visualização | Página 3 de 22

a formação de novas ligações que darão origem aos produtos.
 Desse modo é fácil concluir que:
 “Quanto maior for o número de ligações a serem rompidas nos reagentes e quanto mais fortes forem essas ligações, mais lenta será a reação e vice-versa.”
 É por isso que, de um modo geral, as reações orgânicas, que envolvem moléculas grandes com muitas ligações a serem rompidas, são mais lentas que as reações inorgânicas, que normalmente envolvem íons e poucas ligações a serem rompidas. 
 Exemplo:
CH4(g) + 2 O2(g) CO2(g) + 2 H2O(l) (muito lenta a 20ºC)
HCl(aq) + NaOH(aq) NaCl(aq) + H2O(l) (instantânea a 20ºC)
SUPERFÍCIE DE CONTATO
 Chama-se superfície de contato a área de um determinado reagente efetivamente exposta aos demais reagentes.
 Como a realização de uma reação química depende fundamentalmente do contato entre as substâncias reagentes, conclui-se que, mantendo os demais fatores constantes:
 “Quanto maior a superfície de contato dos reagentes envolvidos, maior a velocidade da reação e vice-versa.”
 Desse modo, observa-se que uma barra de ferro oxida-se muito lentamente, enquanto uma palhinha, também de ferro, oxida-se rapidamente, devido à maior superfície de contato entre o ferro, na palhinha, o oxigênio do ar e a umidade.
 Um outro exemplo é o remédio efervescente, que se dissolve mais lentamente na água se estiver na forma de comprimido e mais rapidamente, se estiver na forma de pó, também devido à maior superfície de contato entre o pó e a água.
LUZ E ELETRICIDADE
 Quando é necessária a presença de radiações luminosas para que uma reação se realize, dizemos que se trata de uma reação fotoquímica.
 Em reações fotoquímicas há sempre a presença de um reagente colorido que é dito fotoquimicamente ativo.
 As moléculas do reagente fotoquimicamente ativo são ativadas energeticamente quando absorvem energia luminosa, podendo desse modo dar início à reação. 
 Exemplos:
Reação entre gás hidrogênio e gás cloro:
 No escuro: H2(g) + Cl2(g) não ocorre
 Na presença de luz: H2(g) + Cl2(g) 2 HCl(g)
 (Cl2(g) é amarelo esverdeado)
Reação de Fotossíntese elaborada pelos vegetais verdes clorofilados:
 CO2 + H2O glicose + celulose + amido + outros produtos
Reação de fotólise (quebra pela luz), que ocorre em chapas fotográficas:
 2 AgBr 2 Ag + Br2
 (AgBr é castanho avermelhado)
 Da mesma forma que muitas reações são ativadas pela luz, há reações que são ativadas pela eletricidade ou passagem de corrente elétrica ( ).
 Um exemplo interessante é a reação entre gás hidrogênio e gás oxigênio, formando água:
 
 2 H2(g) + O2(g) 2 H2O(l)
 Se os reagentes forem simplesmente postos em contato, num recipiente de material inerte (por exemplo, quartzo), isolados do meio externo, a reação será extremamente lenta, podendo levar séculos para se completar.
 Mas, se fizermos passar por esse recipiente uma faísca elétrica, a reação se desenvolverá em uns poucos segundos.
TEMPERATURA
Sendo a temperatura uma medida da energia cinética média das partículas de uma substância, um aumento de temperatura representa diretamente um aumento de energia cinética ou aumento do movimento das partículas.
Movimentando-se mais rapidamente, as partículas irão colidir com maior freqüência e violência, o que acarretará um aumento na velocidade da reação.
“Um aumento de temperatura aumenta a velocidade de reações químicas exotérmicas e endotérmicas, embora favoreça mais intensamentes as reações endotérmicas.”
Sabemos que, numa dada temperatura, as partículas das substâncias reagentes possuem a mesma energia cinética médida, mas isso não significa que todas as partículas tenham a mesma energia cinética.
Se fizermos um gráfico do número de partículas das substâncias reagentes em função da energia cinética dessas partículas numa temperatura T, iremos obter a seguinte curva:
 Número
 de
Partículas
Energia cinética das
 partículas
 T
 Ec Ea
onde EC representa a energia cinética média das partículas ( EC = 3/2 n R T ).
Numa outra temperatura T’, com T’ T, a energia cinética média dessas partículas será EC’ com EC’ > EC.
Número
de 
partículas
 Ec Ec’ Ea
Energia Cinética das
partículas
 T
 T’
 Se considerarmos Ea a energia de ativação necessária para que as colisões entre as partículas reagentes resultem em reação, veremos no gráfico que, à temperatura T’, o número de partículas com energia igual ou superior a Ea é muito maior que na temperatura T. 
 Assim na temperatura T’, a velocidade da reação é maior.
 Aumenta o Aumenta o Aumenta a
Aumenta a Aumenta a número de partíc. Nº de colisões velocidade
Temperatura Ec com Ea efetivas da reação
REGRA DE VAN’T HOFF
 Cada elevação de 10ºC na temperatura de uma reação duplica ou até triplica a sua velocidade:
 T ºC v1
 T + 10 ºC v2 v2 = 2 v1 ou até 3 v1
A regra de Van’t Hoff é apenas aproximada e bastante limitada. Não deve ser seguida à risca para todas as reações.
Cada reação específica deve ter o efeito quantitativo do aumento da velocidade em função da temperatura determinado experimentalmente.
 Ver : “Equação de Van’ t Hoff ” e a “Equação de Arrhenius”.
CATALISADORES 
Catalisador é uma substância que aumenta a velocidade da reação, diminuindo a energia de ativação necessária para os reagentes atingirem o complexo ativado.
Um catalisador tem as seguintes características:
Não sofre alteração permanente na sua massa ou na sua composição. Mesmo que participe do complexo ativado, é integralmente recuperado no final da reação.
A ação catalítica só é possível quando existe afinidade química entre os reagentes. Isso significa que não há catalisador que faça, por exemplo, a água reagir com o monóxido de carbono.
Se a reação for reversível, isto é, os produtos reagem entre si formando novamente os reagentes, até atingir um equilíbrio:
 Reagentes ⇆ Produtos 
 O catalisador irá atuar da mesma maneira sobre as reações direta e inversa, isto é, o catalisador não altera o equilíbrio da reação.
OBSERVAÇÃO: Termos relacionados à Catálise:
Catalisador positivo ou simplesmente catalisador: acelera a velocidade da reação; pode ser sólido, líquido ou gasoso.
Catalisador negativo ou inibidor: diminui a velocidade da reação.
Promotor ou ativador de catalisador: aumenta a atividade do catalisador.
Anticatalisador ou veneno: desativa o catalisador.
Biocatalisador: catalisador biológico (enzimas, grupo de enzimas e células microbianas)
Suporte de catalisador: substância inerte na qual o catalisador é disseminado.
Pode-se representar graficamente a ação de um catalisador da seguinte forma:
a) Reação exotérmica:
 Caminho da reação
Energia (kcal/mol)
 Esem catal.
 
 Ecom catal.
 EReag
 EProd
 Ea sem 
 catalisador
s/ cat.
 c/ cat.
 Diminuição da Ea 
 provocada pela ação
 do