A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
61 pág.
Aula Embriologia, neurônios e neurotransmissores

Pré-visualização | Página 1 de 2

Embriologia, neurônios e 
neurotransmissores
Camila Cordeiro
Embriologia:
Desenvolvimento do sistema nervoso
“O sistema nervoso é o mais
complexo e diferenciado do
organismo, sendo o primeiro a se
diferenciar embriologicamente e o
último a completar o seu
desenvolvimento”
Embriologia
• Antes da FORMAÇÃO DO TUBO NEURAL o embrião 
é um disco plano formado por três camadas celulares 
chamadas:
• 1. Endoderma irá dar origem a sistemas viscerais
• 2. Mesoderma apresentará protuberâncias denominadas
somitos, que originarão as 33 vértebras da coluna vertebral e
os músculos esqueléticos relacionados.
• 3. Ectoderma que irá dar origem ao Sistema Nervoso.
Origem do Sistema nervoso
• As estruturas do SNC formam-se a partir de um
diferenciação do ectoderma chamada de placa
neural.
Tubo Neural
• A formação do tubo neural começa em
torno do 22º ao 23º dia, induzido pela
epiderme da região dorsal e pela
notocorda. O tubo neural se fecha
primeiramente na região medial do
embrião. As extremidades ainda abertas
são denominadas neuróporos.
Secção diagramática sagital de embrião mostrando a comunicação
transitória do canal neural com a cavidade amniótica (setas)
A abertura cefálica o neuróporo rostral, ou anterior, se fecha em torno 
do 25° dia, o neuróporo caudal , ou posterior, se fecha dois dias mais 
tarde. 
• As paredes do tubo neural se espessam, formando o
encéfalo e a medula espinhal.
• O canal neural do tubo neural converte-se no sistema
ventricular do encéfalo e no canal central da medula
espinhal.
crista neural
• Durante a formação do tubo neural, em
embriões de cerca de três semanas e
meia, na região de fusão das pregas
neurais, células se desprendem da
superfície e migram para as laterais do
tubo neural, essas células constituem a
crista neural. A crista neural se forma até
no mínimo quatro semanas e meia, no
encéfalo, e durante muito mais tempo na
medula espinhal.
O sistema nervoso é dividido em:
• Sistema Nervoso Central (SNC): derivado do tubo
neural; consiste em encéfalo e
medula espinhal
• Sistema Nervoso Periférico (SNP): derivado da crista
neural; consiste em neurônios fora do SNC e nervos
cranianos e espinhais, que unem o encéfalo e a medula
espinhal às estruturas periféricas;
• Sistema Nervoso Autônomo: possui partes tanto do
SNC como do SNP, consiste em neurônios que inervam
músculo liso, músculo cardíaco ou glândulas; dividido em
dois componentes: Simpático e Parassimpático.
Erros no processo de formação 
embrionária
Erros no processo de formação 
embrionária
Erros no processo de formação 
embrionária
neurônios e 
neurotransmissores
Neurônio
 Unidade básica do Sistema Nervoso (SN)
Células nervosas que recebem e transmitem estímulos;
 Possuem diferentes tipos morfológicos;
 Apresentam basicamente três regiões: corpo celular ou
pericário, dendritos e axônio;
 Normalmente são células grandes, o corpo celular
chega a medir 150 μm e o axônio até mais de 1 m de
comprimento.
Bipolar – um dendrito e um axônio partindo do corpo celular.
Unipolar – apenas um prolongamento parte do corpo celular e divide-se em dendrito e
axônio.c
Multipolar –muitos dendritos; são os mais comuns.
Piramidal – corpo celular pequeno com muitos dendritos.
Corpo celular
• É a parte do neurônio que contém o núcleo e o
citoplasma que envolve o núcleo.
• O núcleo é esférico e tem geralmente um núcleolo.
• Possui aparelho de Golgi, mitocôndrias e
neurofilamentos.
Dendritos
Tornam-se mais finos à medida que se ramificam, como os galhos de uma
árvore.
A grande maioria dos impulsos que chegam a um neurônio são recebidos por
pequenas projeções dos dendritos designadas por espinhos:
- são o primeiro local de processamento dos sinais que chegam aos neurônios.
Axônios
•Cada neurônio possui um único axônio, que não ramifica abundantemente mas
que pode originar ramificações em ângulo reto denominadas colaterais.
•O tamanho de um axónio é bastante variável (podendo atingir 1 metro, células
motoras da espinal medula que enervam o pé).
•O axónio é pobre em organelas, possui pouco retículo endoplasmático sendo
mantido pelo pericário/corpo
•A porção final de um axônio é geralmente muito ramificada e denomina-se por
telodendro.
As células nervosas, em geral, recebem as informações
pelos dendritos ou pelo corpo celular e as transmitem pelo
axônio.
Classificação funcional dos neurônios:
 Neurônios sensoriais - recebem estímulos
sensoriais do meio ambiente e do organismo;
Neurônios motores - atuam sobre órgãos efetores
como células musculares e glandulares.
Neurônios associativos ou interneurônios -
estabelecem conexão entre outros neurônios.
Células da glia
 temos 10 vezes mais células gliais do que neurônios
 tipos de células gliais:
oligodendrócitos: formam a bainha de mielina
astrócitos: colaboram na constituição da barreira
hematoencefálica; ajudam na recuperação do tecido
lesado e na formação de cicatrizes
células ependimais: revestem os ventrículos cerebrais
e o canal central da medula
microglia: (macrófagos cerebrais) fagocitam
microorganismos invasores e retiram restos celulares
Figura 1.9. Da mesma forma que os 
neurônios, os gliócitos também 
 
vistos ao microscópio. Os astrócitos 
e os oligodendrócitos têm somas 
maiores, e por isso fazem parte da 
c h a m a d a m a c r o g l i a . O s 
ol igodendrócitos têm poucos 
prolongamentos, e cada um deles 
forma uma espiral de membrana em 
torno dos axônios, a bainha de 
mielina. Os microgliócitos - em 
conjunto chamados de microglia - 
são os representantes do sistema 
imunitário no sistema nervoso.
apresentam formas variadas quando
Oligodendrócitos
Produzem as bainhas de mielina que servem de isolantes elétricos para os
neurónios do SNC.
Têm prolongamentos que se enrolam em volta dos axônios, produzindo a
bainha de mielina.
As células de Schwann têm a mesma função dos oligodendrócitos, mas
no SNP.
Astrócitos
sustentação, participam no controle da composição iónica e molecular da
matriz extracelular.
participam na regulação das atividades e na sobrevivência dos neurônios
células ependimárias
São células epiteliais cilíndricas que revestem o cérebro e o canal central da
espinal medula.
Em alguns locais as células ependimárias são ciliadas, o que facilita a
movimentação cefalorraquidiana.
Microglia
Quando ativadas, as células da microglia retraem os seus prolongamentos,
assumem a forma de macrófagos e tornam-se fagocitárias.
Quando ocorre a esclorose múltipla, as bainha de mielina são destruídas,
causando distúrbios neurológicos. Os restos de mielina são removidos pela
microglia.
Oligodendrócitos e Células de Schwann: suporte estrutural e mielinização
Astrócitos: barreira hemato-encefálica, reparar o tecido após injuria
 Micróglia: fagocitar e remover restos e patógenos 
 Células ependimárias : revestem o cérebro e o canal central da espinal 
medula. 
SINAPSE:
As sinapses nervosas são os estímulos (Impulsos Nervosos)
que passam de um neurônio para o seguinte por meio de
mediadores químicos, os neurotransmissores, através da
fenda sináptica.
As sinapses ocorrem no contato das terminações nervosas,
dos telodendros com os dendritos. O contato físico não
existe realmente, pois por mais que as estruturas estejam
muito próximas, há um espaço entre elas, chamado sinapse
ou fenda sináptica.
Gânglios
As acumulações de neurónios localizadas fora do
SNC recebem o nome de gânglios nervosos.
Os gânglios normalmente são órgãos esféricos,
protegidos