A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
311 pág.
HISTÓRIA 1000 QUESTÕES

Pré-visualização | Página 25 de 50

5
11. UFR-RJ
“Até agora não pudemos saber se há ouro ou prata nela, ou outra coisa de metal ou ferro; nem
lha vimos.
Contudo a terra em si é de muito bons ares frescos e temperados como os de Entre-Douro e
Minho, porque neste tempo dagora assim os achávamos como os de lá. (As) águas são muitas;
infinitas. Em tal maneira é graciosa que, querendo-a aproveitar, dar-se-á nela tudo; por causa das
águas que tem!
Contudo, o melhor fruto que dela se pode tirar parece-me que será salvar esta gente. E esta
deve ser a principal semente que Vossa Alteza em ela deve lançar. E que não houvesse mais do que
ter Vossa Alteza aqui esta pousada para essa navegação de Calicute (isso) bastava. Quanto mais,
disposição para se nela cumprir e fazer o que Vossa Alteza tanto deseja, a saber, acrescentamento
da nossa fé!”
CAMINHA, Pero Vaz. Carta de Pero Vaz de Caminha ao Rei de Portugal, em 1º/5/1500.
Seguindo a evidente preocupação de descrever ao Rei de Portugal tudo o que fora obser-
vado durante a curta estadia na terra denominada de Vera Cruz, o escrivão da frota cabra-
lina menciona, na citada carta, possibilidades oferecidas pela terra recém-conhecida aos
portugueses.
Dentre essas possibilidades estão:
a) a extração de metais e pedras preciosas no interior do território, área não explorada
então pelos portugueses;
b) a pesca e a caça pela qualidade das águas e terras onde aportaram os navios portugue-
ses;
c) a extração de pau-brasil e a pecuária, de grande valor econômico naquela virada de
século;
d) a conversão dos indígenas ao catolicismo e a utilização da nova terra como escala nas
viagens ao Oriente;
e) a conquista de Calicute a partir das terras brasileiras e a cura de doenças pelos bons
ares aqui encontrados.
12. UFSC
“Pelo sertão nos pareceu, vista do mar, muito grande, porque, a estender olhos, não podíamos
ver senão terra com arvoredos que nos parecia muito longa. Nela, até agora, não pudemos saber
que haja ouro, nem prata, nem coisa alguma de metal ou ferro, nem lho vimos. Porém a terra em
si é de muito bons ares, assim frios e temperados, como os dentre Douro e Minho, porque neste
tempo de agora assim os achávamos como os de lá. As águas são muitas; infindas. E em tal
maneira é graciosa que, querendo-a aproveitar, dar-se-á nela tudo, por bem das águas que tem.
Porém, o melhor fruto que dela se pode tirar, me parece que será salvar esta gente. E esta deve ser
a principal semente que Vossa Alteza nela deve lançar (...).”
CAMINHA, Pero Vaz de. Carta a el-rei D. Manuel. (1 de maio de 1500).
As informações do texto apresentado permitem afirmar que:
01. as terras avistadas despertaram o entusiasmo do cronista pela extensão e pelas possi-
bilidades que ofereciam da existência de metais preciosos;
02. as referências ao clima, às águas, ao solo, à natureza e as possibilidades de evange-
lização confirmam a certeza do cronista que as terras eram habitadas;
04. a possibilidade de os nativos serem salvos apresentava-se para o cronista como o
principal investimento para os portugueses;
08. aos olhos do cronista de Cabral, as terras vislumbradas da caravela ofereciam possi-
bilidades promissoras ligadas à agricultura, à pecuária e à mineração;
16. as atitudes amistosas dos nativos da América para com os portugueses, a inocência
de sua nudez e o meio ambiente descrito pelo cronista confirmavam a localização do
paraíso terrestre.
Dê, como resposta, a soma das alternativas corretas.
HISTÓRIA - O descobrimento do Brasil e o período pré-colonial
IM
PR
IM
IR
Voltar
GA
BA
RI
TO
Avançar
6
13. UFSE
I. “Foi preciso um aprimoramento dos conhecimentos geográficos, sobretudo
os ligados aos mares e oceanos, e também o desenvolvimento da cartografia,
de modo a se ter melhor representação dos lugares, das dimensões, das dis-
tâncias.”
II. “Desenvolveram-se também a elaboração e uso de instrumentos náuticos que auxili-
avam a navegação, importantes sobretudo para as viagens a longa distância, como a
bússola e o astrolábio.”
III. “A construção de embarcações teve que responder às necessidades de expansão.
Teve três tipos de embarcações capazes de realizar viagens de longa distância: a
piroga com balanceio, usada de Madagáscar à Ilha de Páscoa; o junco com fundo
chato, utilizado nos mares do Extremo Oriente e o navio com quilha, usado na
Europa.”
Com base nos textos é correto afirmar que a expansão marítima européia:
a) desacelerou o desenvolvimento dos conhecimentos sobre navegação marítima do ho-
mem moderno;
b) resultou da utilização de processos de fabricação e orientação náuticos desenvolvidos
pelos chineses e polinésios;
c) revelou cientistas náuticos que, elimiraram todos os problemas práticos enfrentados
em cada viagem marítima no Atlântico;
d) demonstrou que os conhecimentos do homem moderno sobre navegação eram consi-
derados extremamente precários;
e) dependeu de progressos náuticos que, para a época podem ser considerados verdadei-
ramente revolucionários.
14. UEM-PR
“– Os selvagens, em troca de algumas roupas, camisas de linho, chapéus, facas, machados,
cunhas de ferro e demais ferramentas trazidas por franceses e outros europeus, cortam, serram, e
racham, atoram e desbastam o pau-brasil, transportando-o nos ombros nus às vezes de duas ou
três léguas de distância, por montes e sítios escabrosos até a costa junto aos navios ancorados. Em
verdade só cortam o pau-brasil depois que os franceses e portugueses começaram a freqüentar o
país; anteriormente, como me foi dito por um ancião, derrubavam as árvores deitando-lhes fogo.”
LÉRY, Jean de. Viagem à terra do Brasil. São Paulo: Martins Fontes, 1972, p. 24.
O texto acima mostra os primórdios das relações estabelecidas entre brancos e índios no
Brasil. Sobre tais relações, assinale o que for correto.
01. O texto mostra que a relação entre europeus e nativos percorreu um longo caminho
até atingir, no século XIX, o respeito pela diversidade cultural que ainda hoje marca
a relação entre brancos e índios.
02. A chegada do colonizador desenvolveu nos índios novas necessidades que, para se-
rem satisfeitas, obrigavam os nativos a cortar e transportar o pau-brasil até os navios
europeus.
04. A relação descrita no texto não eliminou o surgimento de outras formas de relação
entre nativos e europeus. Dentre essas outras formas de relação, destaca-se a escravi-
dão.
08. As relações estabelecidas entre os colonizadores e os índios no Brasil Colônia tive-
ram como base, em um primeiro momento, o escambo.
16. A extração de pau-brasil, com a utilização da mão-de-obra nativa, principal ativida-
de econômica realizada no Brasil nas primeiras décadas após o descobrimento, não
levou ao surgimento de núcleos habitacionais permanentes.
Dê, como resposta, a soma das alternativas corretas.
HISTÓRIA - O descobrimento do Brasil e o período pré-colonial
IM
PR
IM
IR
Voltar
GA
BA
RI
TO
Avançar
7
15. UNESP-SP Leia os versos e responda.
“A el-Rei Dom Manuel
Epitáfio
Esta pequena pedra encobre, e encerra
O grande Rei Manuel, amor do povo;
Que dilatou seu nome em toda a terra.
E descobriu ao mundo um mundo novo.
Feliz em paz, sempre feliz na guerra.
Que nunca a seu intento achou estorvo.
Governou santamente no Ocidente,
Donde venceu, e deu leis ao Oriente.”
CAMINHA, Pero de Andrade. Poesias.
a) A qual século se refere esta poesia?
b) Sobre quais regiões do Ocidente reinou D. Manuel?
16. UEPG
“A Igreja recomendava aos pais batizar seus filhos assim que possível. O batismo de crianças
livres ou escravas era ministrado por párocos ou capelães, sem delongas, para garantir aos inocen-
tes que morressem a chance de ir direto ao Céu sem passar pelo Purgatório. Escravos adultos
eram batizados em ritos extremamente sumários e, na maior parte, coletivos. Na intimidade, a
preocupação com o crescimento dos filhos era recorrente. Testamentos feitos