APARELHOS IDEOLOGICOS
15 pág.

APARELHOS IDEOLOGICOS


DisciplinaProgama de Prática Profissional8 materiais130 seguidores
Pré-visualização6 páginas
ALTHUSSER: A ESCOLA COMO APARELHO IDEOLÓGICO DE 
ESTADO 
 
LINHARES, Luciano Lempek \u2013 Mestrando \u2013 PUCPR 
 luciano.linhares@hotmail.com 
 
 
MESQUIDA Peri \u2013 Mestrado em Educação \u2013 PUCPR 
 mesquida.peri@pucpr.br 
 
 SOUZA, Laertes L. de - PUCPR 
 Souzalaertes@pop.com.br 
 
Resumo: 
 
O presente artigo desenvolve uma reflexão sobre o tema da escola como aparelho ideológico do 
estado, segundo o pensamento de Louis Althusser, a partir da obra \u201cIdeologia e Aparelhos 
Ideológicos de Estado\u201d. Segundo autores, Establet, Bourdieu e o próprio Althusser, a escola é o 
principal aparelho ideológico de Estado capitalista dominante nas formações sociais modernas, 
pois é ela que forma as forças produtivas para o mercado de trabalho e, ao mesmo tempo, mantém 
e garante as relações de produção requeridas pelo sistema. Essas relações dicotômicas (patrão-
empregado, burguês-proletariado) são reproduzidas no próprio contexto do aparelho escolar. A 
luta de classes, portanto, não está ausente da escola, ao contrário é alimentada por ela. Cabe então 
à escola, aparelho ideológico do Estado, servir aos interesses do Estado e da classe social que 
dominante. Ou seja, ela está a serviço da manutenção da dominação de uma classe sobre a outra, 
por meio de um discurso ideológico, alienante, perpetuando em última instância as relações de 
produção e a distribuição social e econômica desigual. Por isso, Althusser, seguindo Gramsci, 
pode afirmar que o Estado capitalista se mantém utilizando aparelhos de coerção ( forças armadas, 
o aparelho jurídico, etc.) e pela persuasão (partidos políticos, meios de comunicação, escola, etc.). 
 
Palavras-Chave: Ideologia, Educação, Aparelho Ideológico de Estado, Escola, Classse 
 
 
 
Introdução 
 
Louis Althusser antes de elaborar uma reflexão sobre a escola como reprodutora 
(\u201cserva\u201d) do modo de produção capitalista e por isso principal Aparelho Ideológico do Estado, 
desenvolveu uma reflexão sobre a Ideologia \u2013 seu significado, conceito e sua força na ação de 
mascarar e manipular a realidade a favor da classe dominante. Depois disso, trabalhou os 
Aparelhos Ideológicos do Estado como instituições visíveis que estão a serviço do Estado. O 
Estado Moderno, por sua vez, de acordo com Althusser, está nas mãos da burguesia. Já a 
burguesia, para manter o Estado em seu poder e se manter como classe dominante, controla e 
 
 
 
1495 
manipula ideologicamente as instituições a fim de se reproduzir o status quo. Para tanto, o 
Estado utiliza a escola como principal instituição ideológica, de maneira que ela lhe garanta 
condições de sobrevivência já que, ao romper com a Igreja, perdeu o acesso às casses 
populares as quais, de acordo com Marx, são precisamente a classe que se opõe à burguesia. 
 Althusser parte da conceito marxista de ideologia para, finalmente, desenvolver o seu 
próprio conceito. Na primeira página da sua principal obra, \u201cIdeologia e Aparelhos 
Ideológicos do Estado\u201d, Althusser cita Marx ao tratar sobre a reprodução das condições da 
produção da classe dominante dentro do processo de formação das classes sociais. 
 
Como Marx dizia, até uma criança sabe que se uma formação social não reproduz as 
condições da produção ao mesmo tempo em que produz não conseguirá sobreviver 
um ano que seja. A condição última da produção é, portanto a reprodução das 
condições da produção. (ALTHUSSER, 1985, p. 09). 
 
Althusser pretendeu com isto pesquisar como a classe dominante se reproduz, 
sobretudo, materialmente, seja por meio das idéias, seja por meio de suas estratégias de 
sobrevivência para manter o Estado em seu poder, tanto pelo poder repressivo quanto pela 
persuasão. (ALTHUSSER, 1985, p. 09-10). 
Retomando as idéias de Marx, a partir de leituras de Establet (1978) e Althusser 
(1985), podemos pensar que, essencialmente, o sistema capitalista divide a sociedade 
essencialmente em duas classes: a classe burguesa, detentora dos meios de produção (fábricas, 
indústrias, propriedades privadas, capital financeiro, etc.) e a classe proletária ou trabalhadora, 
a qual não detendo os meios de produção, precisa vender a sua força de trabalho para se 
manter, para se sustentar. Essa relação é mantida ou assegurada pela exploração da força de 
trabalho, geralmente mão-de-obra barata do proletário. Uma espécie de mercadoria que é 
comprada, vendida e disputada pelo melhor/ menor preço, segundo as leis do mercado 
financeiro. Assim, o burguês, possuidor dos meios de produção, além de possuidor dos meios 
de reprodução de sua condição de vida e status e da condição de vida e status do operário, 
adquire o que Marx chamou de mais-valia, o excedente, o lucro. Já o operário não tem como 
produzir, nem reproduzir o lucro, uma vez que não possui os meios de produção, condição 
indispensável no mundo capitalista moderno. Com isto o capitalismo força ou promove a 
separação da força de trabalho dos meios de produção, algo extremamente importante para a 
classe dominante. 
 
 
 
 
 
 
 
1496 
A separação da força de trabalho dos meios de produção, separação que define o 
operário, impede-o radicalmente de tornar-se um capitalista porque o salário 
corresponde exatamente à produção da força de trabalho. Ele não tem materialmente 
nenhum meio de acumular o capital. Esta separação que o define é, por sua vez, a 
condição de sua reprodução enquanto operário. (ESTABLET in BASAGLIA, 1974, 
p. 112) 
 
É importante lembrarmos que, no capitalismo, a classe burguesa \u201creproduz a força de 
trabalho pagando salário aos trabalhadores com os quais eles podem alimentar-se e criar a 
próxima geração de trabalhadores\u201d. (CARNOY, 1990, p. 34). Para Althusser, a divisão social 
de classe, dentro do sistema capitalista, tem origem na divisão do trabalho, reforçado, porém, 
pela instituição escolar: 
 
Na verdade não existe, excepto na ideologia da classe dominante, divisão técnica do 
trabalho: toda a divisão técnica... do trabalho é a forma e a máscara de uma divisão 
de classes. Assim, a reprodução das relações de produção só pode ser um 
empreendimento de classe. Realiza-se através de uma luta de classe que opõe a 
classe dominante à classe explorada. (ALTHUSSER, 1970, p. 116). 
 
 
 
 
Louis Althusser e a escola como aparelho ideológico do Estado 
A classe \u201cexplorada\u201d que, segundo Althusser, se mantém enquanto classe subalterna, 
graças à atuação dos aparelhos ideológicos do Estado, sendo que, entre eles, o mais 
importante para a classe dominante, é a escola. 
Como dizíamos, a divisão social do trabalho, por sua vez, irá assegurar um lugar 
próprio na produção para cada sujeito. Lugar esse reconhecido como necessário pelos demais 
ao longo do tempo. Nesse sentido, a ideologia, por meio dos seus mecanismos de inculcação, 
fará com que o sujeito reconheça a necessidade da divisão do trabalho como algo natural. 
(Albuquerque in Althusser, 1985, pág. 08). Dessa maneira, 
 
formar o trabalhador significa, não propriamente, ou não apenas, qualificar seu 
trabalho, mas tornar, para o indivíduo, natural e necessária a equivalência entre a 
qualidade do trabalho e a quantidade da força de trabalho; tornar natural e necessária 
a venda da força de trabalho; a submissão às normas de produção, à racionalidade da 
hierarquia na produção, etc. (ALBUQUERQUE in ALTHUSSER, 1985, p. 12) 
 
Além de tornar o trabalho algo natural e necessário ao homem, na verdade natural ao 
operário e necessário à reprodução da classe burguesa e a sua condição de vida, a ideologia 
burguesa busca cada vez mais na força de trabalho, habilidades específicas e diversificadas. 
Segundo Althusser, cada vez mais, no sistema capitalista, estas habilidades vem sendo 
desenvolvidas em um lugar fora da produção: pelo